Archives for posts with tag: Palácio do Governo / do Cercal
Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I- 6 de Novembro de 1872 p. 2 http://purl.pt/26918/1/PT/index.html

A reportagem continua na postagem seguinte.

Comemorações do “5 de Outubro” em Macau, no ano de 1956 – 46.ª aniversário da implantação da República Portuguesa.

Na tribuna de honra, erguida em frente do Palácio do Governo, à Praia Grande, viam-se, à frente, o Encarregado do Governo, Brigadeiro João Carlos G. Q. de Portugal da Silveira, e o Capitão dos Portos, Comandante José Coutinho Garrido. Na segunda fila, da esquerda para a direita, o Deputado por Macau à Assembleia Nacional, Dr. Alberto Pacheco Jorge, o Bispo da Diocese, D. Policarpo da Costa Vaz e o Juiz de Direito da Comarca, Dr. Luís Sebastião Rodrigues Ribas.

Soldados africanos marcham, garbosos e em continência, perante a tribuna de honra, durante o desfile militar do dia 5 de Outubro
Após a parada militar, desfilaram também, em frente da tribuna de honra, os castelos da Mocidade Portuguesa que haviam prestado guarda de honra ao Encarregado do Governo
Nos cumprimentos ao Presidente da República, por intermédio do Encarregado do Governo, estiveram presentes, além do Deputado por Macau à Assembleia Nacional, do Bispo da Diocese e do Juiz de Direito da Comarca, os membros do Corpo Consular e do Conselho do Governo, Chefes de Serviços, funcionários, representantes de associações chinesas e da imprensa e muitas outras entidades portuguesas, chinesas e estrangeiras.
Um aspecto da recepção que se realizou, na tarde do dia 5 de Outubro, no Palácio do Governo, à Praia Grande, e a que acorreram as mais destacadas individualidades, portuguesas, chinesas e estrangeiras, da sociedade de Macau. Notou- se a presença de muitas senhoras que, em suas “toilettes” vistosas, deram ao ambiente uma nota de elegância e distinção.

Artigo não assinado e fotos extraídos de «MBI», IV-77, 15OUT1956, pp.8-10

Extraído de «BGM», IX-35 de 8 de Agosto de 1863 pp. 139-140
Extraído de «O Independente», Vol I- 46 de 20 de Julho de 1869, p. 407
Extraido de «O Independente» I-41 de 11 de Junho de 1869, p. 356

O Governador de Macau era António Sérgio de Sousa. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-sergio-de-sousa/

Anton Freiherr von Petz (1819 – 1885) – oficial da marinha austríaca. Serviu na Marinha Imperial e Real Austro- Húngaro, alcançando o posto de Vice-almirante, devido ao papel heroico que teve durante a Batalha de Lissa, em 1866, comandando a 2ª Divisão austríaca contra os italianos em muito maior número. Mais tarde, em 1869, chefiou a embaixada austríaca que empreendeu uma expedição ao Extremo Oriente onde negociaram tratados de comércio com o Siam, Japão e China. https://clever-geek.github.io/articles/7462803/index.html https://en.wikipedia.org/wiki/Anton_von_Petz https://pt.qwe.wiki/wiki/Battle_of_Lissa_(1866)

A canhoneira britânica “Banterer” terá sido construído em 1855 para a empresa “W & H Pitcher, Northfleet”- Ao serviço da marinha real inglesa , ficou danificado (afundado?) no ataque da marinha inglesa ao forte de Dagu (Taku) no rio Hai (Peiho) em TienTsin no dia 25 de Junho de 1859. Foi recuperado, mantendo-se em serviço em Hong Kong até ser vendido nesta cidade a particulares em 30 de Dezembro de 1872. https://en.wikipedia.org/wiki/Albacore-class_gunboat_(1855

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I-17de 14 de Janeiro de 1873.

Panorâmica de Macau c. 1950 – Hospital Militar Sam Januário em primeiro plano à esquerda

O Hospital Militar Sam Januário antes da demolição

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», II-15 de 30 de Dezembro de 1873.

Extraído de «A Gazeta de Macau e Timor»,  I- 16 de 7 de Janeiro  de 1873.

“Festa de arromba, porém, e que ficaria a marcar, foi a que o governador, Visconde de S. Januário deu, no dai 31 de Outubro, para assinalar o aniversário natalício do rei D. Luís, para a qual se tinham efetuado, com a devida antecedência, todos os preparativos, para que nada faltasse ao luzimento que se lhe pretendia imprimir. Era, portanto, esperada com grande ansiedade, na cidade, não se falava noutra coisa, e, efectivamente, a sua realização excedeu toda a expectativa.
Nessa noite, a Praia Grande, desde o largo do Chunambeiro (hoje Praça Lobo d´Avila) até ao quartel do batalhão, mostrou-se garridamente engalanada, sendo uma fita continua de balões multiformes e multicores, e as fachadas das moradias ao longo dessa avenida apresentavam-se primorosamente iluminadas, diligenciando os seus proprietários por se superarem uns aos outros em riqueza de ornamentação, originalidade e bom gosto, sendo de destacar o palácio do Barão do Cercal, que tinha no centro da elegante varanda uma luz eléctrica – autêntica novidade para a época – levando as espias até ao topo do mastro do consulado – era ele cônsul da Itália – balões de variedades cores.

Macau – Praia Grande
Fotografia de John Thomson, 1870 (1)
https://wellcomelibrary.org/item/b11767042#?c=0&m=0&s=0&cv=0&z=-0.3509%2C0.0056%2C1.789%2C0.8411

Na residência de B. E. Carneiro via-se o retrato de D: Luís a óleo, encaixilhado numa cercadura de cristal policromo e lanterninhas de diversas cores dispostas em arco nas janelas.
A varanda de Bernardino de Sena Fernandes. De todas a que mais sobressaía na Praia Grande, estava enfeitada com as letras V. L. I., encimadas por uma estrela, constituindo também atracções que obrigavam os transeuntes a deter-se para as admirar, as residências do Visconde do Cercal, cônsul do Brasil, a do Sr. Garcia e a do cidadão britânico Deacon, cônsul de Portugal em Cantão.
No mar, a iluminação mais surpreendente era a da lancha a vapor dos agentes de emigração, brilhantemente decorada à veneziana, e dois grandes lustres espargiam intensa luz em frente do peristilo do Palácio do Governo
Era tão grande a concorrência nas ruas, que as cadeirinhas – meios de transporte usados nessa época – dificilmente conseguiram prosseguir o seu caminho, obrigadas constantemente a longos compassos de enervante espera.
No Palácio do Governo, com o salão recentemente ampliado e intensamente iluminado por grande profusão de luzes e reflexos de cintilantes cristais dos lustres e candelabros bem como dos grandes espelhos que ornamentavam as suas paredes, iniciou-se o baile, a preceito, com a esposa do Governador de Hong Kong, sir Arthur Kennedy e este com a esposa de Carlos Correa Paes d´Assumpção.
O jardim, onde se armou um pavilhão chinês e se serviam refrescos, estava um brinquinho. As três salas contíguas ao salão do dossel estavam, porém, mobiladascomo nos anos anteriores, mas com mais profusão de luzez, tendo a segunda das salas sido toda forrada de branco e preparada para valsas e polcas. No elegante bufete, caprichosamente ornamentado e disposto, serviam-se, interminavelmente, os mais finos vinhos e gelados.
Lauta e rica fora a ceia com que pelas duas horas de manhã, se banqueteavam os convivas.”
…………………………………………………continua (2)
(1) John Thomson (1837-1921) efectuou a sua primeira visita à China entre 1868 e 1872, registando a vida e os costumes locais através da fotografia. Tirou mais de 200 fotografias obtidas compreendendo tiradas em Macau, Hong Kong, Guangzhou, Shantou, Fuzhou, Xiamen, Taiwan, Shanghai, Ningbo, Nanjing, Sichuan, Tianjin, Beijing e Pequim, entre outros locais.
http://www.gcs.gov.mo/showNews.php?DataUcn=78902&PageLang=P
Ver referências anteriores  em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/john-thomson/
(2) GOMES, Luís Gonzaga – Páginas da História de Macau, 2010, p.301
Referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/08/leitura-a-vida-em-macau-no-ano-de-1872-i-outubro/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/17/leitura-a-vida-em-macau-no-ano-de-1872-ii-17-de-outubro/

Extraído de «BGC», XIII-149, Novembro de 1937.