Archives for posts with tag: Palácio da Praia Grande

Três fotografias antigas de Macau, provavelmente do princípio do século XX, extraídas do “Boletim de Geografia de Lisboa” (1)

Porta do Cerco em Macau, s.d.
Jogadores de Fantan em Macau, s.d.
Antigo palácio do governador de Macau, c. 1908

(1) http://www.socgeografialisboa.pt/wp/wp-content/uploads/2017/11/SGL-Boletim-133-Ano-2015.pdf 

Artigo publicado na revista ilustrada “O Occidente” de 1883 (1) sobre o “Palácio do Governo de Macau

Palácio do Governo Portuguez em Macau (segundo uma photographia)

(1) “O Occidente”, Vol VI, n.º 167, 11 de Agosto de 1883, p. 179.

No dia 26 de Abril de 1972, a equipa de honra do Hóquei Clube de Macau (H. C. M.) acompanhados do presidente do Conselho Provincial de Educação Física, José Silveira Machado, do presidente da Comissão Administrativa do Hóquei Clube de Macau, Humberto Rodrigues, e de outros dirigentes, esteve pelas 16,00 horas, no Palácio da Praia Grande, para apresentar cumprimentos de despedida ao Governador.
A digressão desportiva ao Japão no período de 29 de Abril a 6 de Maio, compreendeu 4 encontros de hóquei em campo. Os jogadores macaenses actuaram em Osaka, no dia 29 de Abril como Selecção de Macau contra a Selecção de Osaka; em Tóquio, no dia 1 de Maio, como Hóquei Clube de Macau contra a Universidade de Keio e em Tóquio, no dia 3 de Maio como Selecção de Macau contra a Selecção de Tóquio. O último jogo que se realizou no campo desportivo de Kemigawa (Tóquio), os hoquistas macaenses representaram Portugal no primeiro encontro oficial de hóquei em campo entre Portugal e o Japão (já relatado numa anterior postagem) (1)

Os dirigentes do H.C.M. mostram ao Governador as lembranças que iam oferecer aos grupos japoneses a enfrentar na sua digressão desportiva.
Da esq p/ dta.: José Silveira Machado, Governador José Nobre de Carvalho, Humberto Fernando Rodrigues, Mário Aureliano Robarts (de costas) e António Lagariça..

Os hoquistas e dirigentes do H.C.M com o governador no Palácio da Praia Grande
(peço uma ajuda dos amigos para uma correcta identificação de todos os que estão nesta fotografia)

O Engenheiro Humberto Rodrigues, em nome dos hoquistas presentes agradeceu ao Governador o subsídio concedido, permitindo assim que um velho sonho acalentado durante tantos anos pelas diversas equipas do H. C. M. se visse transformado numa flagantre realidade. Acentuou, no entanto, que essa deslocação ao Japão não visava unicamente efeitos desportivos; pretendia-se que ela fosse também uma oportunidade para a publicidade turística de Macau, não esquecendo os aspectos culturais.

O Presidente do Leal Senado no acto da entrega de galhardetes e mensagens para os municípios de Osaka e Tóquio.
Da esq p/ dta: Joaquim Morais Alves, Humberto Fernando Rodrigues, Pedro Xavier, Amadeu Cordeiro,  António Almeida e ?

Os hoquistas de Macau também estiveram no gabinete do Presidente do Leal Senado, Joaquim Morais Alves para lhe apresentarem cumprimentos de despedida e receberam dele os galhardetes e mensagens para serem entregues aos presidentes dos municípios de Osaka e Tóquio. A embaixada não ia ao Japão apenas para jogar. Levava também a incumbência de estreitar os laços de amizade entre a cidade de Macau e as referidas cidades japonesas.
Os jogadores e dirigentes do Hóquei Clube de Macau partiram no dia 27 de Abril, pelas 11,00 horas. À partida da caravana assistiram numerosas pessoas. Entre os presentes, o Presidente do Leal Senado, Joaquim Morais Alves e o Presidente do Conselho Provincial de Educação Física, José Silveira Machado, representando os munícipes e o sector desportivo local. E lá partiram…
NOTA: Informações de Henrique José Manhão Jr. que relatou em diário esta digressão para o bissemanário católico «O Clarim», reproduzido depois no Boletim de Informação e Turismo.
(1) NOTÍCIA DE 6 DE MAIO DE 1972 – O PRIMEIRO PORTUGAL-JAPÃO EM HÓQUEI EM CAMPO:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/06/noticia-de-6-de-maio-de-1972-o-primeiro-portugal-japao-em-hoquei-em-campo/

O jornal “Echo do Povo” no seu n.º 68 de 15-07-1860 clamava o seguinte:
Mandam para Africa umas 50 mil patacas tiradas da caixa pública de Macau; empregam uma 25 mil patacas para edificar um palácio para o governador (1) e falla-se já em gastar mais de 50 mil para construir um novo quartel (2), e não querem gastar nem um real para a instrução da colónia, donde procede todo esses dinheiros!!! — Esta injustiça clama aos céos”.
Em 24 de Março de 1861, o mesmo jornal voltava a debruçar no lastimoso estado em que se acha a instrucção publica em Macao”.
E acrescentava:
As cincoenta mil patacas que mandaram para Angola, não eram mais que bastantes para dotar um collegio (havendo já edifício adequado para tal fim) tal qual Macao precisa? Extranhamos por certo a apathia e o indesculpável desleixo de S. exa. O Sr. Governador Guimarães e de dois seus antecessores, o sr Adrião e o sr Pegado, em cujo tempo a caixa publica tinha para dispender. A esses senhores cabe toda a responsabilidade do estado de embrutecimento, em que se acham hoje os mancebos de Macao. Temos vitos filhos de pessoas de alta classe da sociedade, vadiando, ou quando muito, tornarem-se locheiros, soldados de policia, chuchaeiros (3) e abraçarem as cupações ruins d´esta classe, por falta de prestimo (causada pela falta de ensino) para ocupar cargos honrosos”.
Finalmente por iniciativa particular, o capitalista macaense Visconde do Cercal (então Barão do Cercal) resolveu promover meios para fundar uma escola. Para esse fim fez correr uma circular com data de 15 de Fevereiro de 1861, em que expunha o plano da projectada escola, solicitando ao mesmo tempo a coadjuvação pecuniária do público. Conseguiu-se em poucos meses obter um capital de mais de vinte mil patacas, e, em pouco tempo, foram mandados vir de Portugal dos professores das línguas portuguesa, francesa e latina e de Inglaterra um professor Inglês (“um bom mestre da língua inglesa, que é mesmo tempo da religião católica e natural de Londres”) (4)
A escola “Nova Escola Macaense” foi inaugurada no dia 5 de Janeiro de 1862, à 1 hora da tarde, nas “cazas de Escola, na Rua Central, – vasto edifício muito acertadamente escolhido”. A cerimónia constou de um pequeno discurso lido pelo secretário da Comissão Directora da Escola, António Marques Pereira, (5) por parte da mesma Comissão; de uma larga oração, também lida, pelo Padre António Vasconcellos, professor da Escola; (6) e de uma falado Juiz de Direito de Macau, findo o que o Barão do Cercal declarou inaugurada a Escola. Terminada a cerimónia, deu o Barão de Cercal um lauto almoço, durante o qual a banda do batalhão de linha tocou escolhidas peças de música. Assistiram a esta festa, o governador, algumas senhoras e muitos funcionários e principais cavalheiros de Macau.

(Boletim do Governo de Macau, Anno VIII, n.º 6, 1862)

Mas a Escola foi de curta duração pois a 21 de Outubro de 1867, era encerrada. A 29 de Setembro de 1867 reuniram-se os subscritores desta escola para deliberar sobre a aplicação a dar ao dinheiro, visto que em 21, mês seguinte expirava o contrato feito por 5 anos com os professores da mesma. (7)
Retirado de TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982.
(1) O antigo Palácio do Governo na Praia Grande foi construído por Isidoro Francisco Guimarães, Visconde da Praia Grande e Governador de Macau (1851-1863).
(2) Foi José Rodrigues Coelho do Amaral, Governador de Macau (1863-1866), que executou esse plano: em 1864 mandou demolir o convento e a igreja de S. Francisco para construir ali o Quartel de S. Francisco.
(3) Chuchaeiros = porqueiros. Do chinês (cantonense) “chu-chai”, 豬仔 – pequeno suíno, isto é leitão, (segundo Padre M. Teixeira na obra consultada). Mas poderá ser também referente ao trabalhador ou “cule” chinês, antigamente embarcado, teoricamente sob contrato, de Macau, Hong K).ng e outros portos do Sul da China, para a América Central, mormente Cuba, e outras terras distantes (BATALHA, Graciete – Glossário do Dialecto Macaense, 1977.
(4) Terá sido o inglês Arthur R. Montgomery que em 1867, no mesmo dia do encerramento da escola, em 21 de Outubro de 1867, colocou um anúncio no «Boletim da Província de Macau e Timor», XII-n.º 42 : “informar ao publico de Macau que elle se acha prompto a dar lições em cazas particulares, ou em sua própria residência, em qualquer hora que fossem convenientes”
(5) O discurso foi publicado no Boletim do Governo de Macau, VIII n.º 6, 1862.
(6) O discurso do Padre Vasconcelos foi publicado no Boletim do Governo de Macau, nos n.ºs 7 e 8 do ano VIII.
O Pe António Augusto Maria de Vasconcelos veio para Macau em 1862 como professor da Escola Macaense, Foi dado o seu nome a uma rampa existente na Guia, um pouco além do início da Estrada de Cacilhas, “Rampa do Padre Vasconcelos”.
Ver anterior referência em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/rampa-do-padre-vasconcelos/
(7) O capital remanescente dos fundos da “Nova Escola Macaense” na importância de $ 9 417,53 foi entregue por Alexandrino António de Melo à Associação Promotora da Instrução dos Macaenses para a fundação de um colégio para instrução dos macaenses – Collegio Comercial – e que viria depois a ser denominado “Escola Comercial”.

No dia 16 de Dezembro de 1976, o Governador de Macau (José Garcia Leandro) e representantes da concessionária da «Macau (Yat Yuen) Canidrome Co. Ltd.» (澳門逸園賽狗股份有限公司) assinaram no Palácio da Praia Grande, em Macau a escritura da alteração de algumas cláusulas do contrato da exploração de corridas de galgos.
De acordo com as alterações previstas no contrato firmado em 1964 e posteriormente alterado em 1973, a concessão terminava em 31-12-1987. Conforme já estava estabelecido, durante este período da concessão, para além de outras disposições, a sociedade obrigava-se a pagar até ao final do presente contrato a renda anual de um milhão e 500 mil patacas. A partir de 1-1-1978 até 31-12-1987, a renda anual terá um adicional de duzentas e cinquenta mil patacas. A partir de 1-1-1983 até 31-12-1987, a renda anual passaria a ter um adicional de 500 mil patacas.
Ainda de acordo com o documento assinado, a «Macau (Yat Yuen) Canidrome Co. Ltd» obrigava-se a realizar, em cada ano de exploração, o mínimo de 125 sessões e de dez corridas por cada sessão, considerando-se uma sessão equivalente a um dia de corridas.. No contrato anterior a concessionária comprometia-se a realizar anualmente o mínimo de 100 sessões. (1)
NOTA: As corridas de cães iniciaram-se em 1932 mas foram suspensas em 1936. Após várias tentativas para o seu reinício, só após aprovação dos estatutos do denominado “Canídromo Clube de Macau» em 16-03-1963 (Boletim Oficial n.º 11), voltaram as ocorridas de galgos em 28 de Setembro de 1963 (sob o contrato de Agosto de 1961 com a empresa «Kun Pha») ( SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 5, 1998)
O contrato que está em vigor será o último pois foi decisão do Governo da RAEM acabar com as corridas de galgos em Macau tendo estendido a concessão da licença somente até Julho de 2018.
Ordem Executiva n.º 76/2016, Delega poderes no Secretário para a Economia e Finanças, como outorgante, na escritura pública de prorrogação do prazo até 20 de Julho de 2018 e alteração do contrato de concessão celebrado entre a Região Administrativa Especial de Macau e a Companhia de Corridas de Galgos Macau (Yat Yuen), S.A., para a exploração, em regime de exclusivo, das corridas de galgos.
(1) Extraído de «MACAU B. I. T», Vol. XI, 9-10, 1976.
Anteriores referências ao Canídromo
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/canidromo/

Outro artigo publicado no Boletim Geral das Colónias de 1950, (1) referente à acção da Repartição de Obras Públicas no ano de 1949, com inclusão de três imagens.

A nova Avenida Ouvidor Arriaga
Outro aspecto da Avenida Ouvidor Arriaga
O novo troço da Rua da Praia Grande

(1) Disponível na net
http://memoria-africa.ua.pt/Library/BGC.aspx

Para complementar (e corrigir) a notícia postada em 28 de Setembro de 2013, a propósito da visita do Príncipe Imperial  Grão – Duque Alexis , filho do Czar de todas as Rússias (1)  que chegou a Macau no dia 28 de Setembro de 1872 (sábado), vindo de Cantão:
A comitiva após o aparato da recepção e apresentação de boas vindas ficou alojado no Palácio do Governo (Palácio da Praia Grande)  onde houve jantar de gala. No domingo, dia 29 de Setembro, após o almoço ,a  que assistiram também vários funcionários, o Príncipe Alexis visitou o Leal Senado e a Gruta de Camões. De tarde recebeu cumprimentos dos funcionários e, à noite, novo jantar de gala, após o qual assistiu num teatro a um auto-china (no Teatro Cheng Peng).  Não se esqueceu de galardoar o empresário do teatro, chamado Eloc, com um alfinete cravejado dum pérola e brilhantes.
Na segunda feira, dia 30, às 10 da manhã embarcou para Hong Kong na canhoneira china Peng-chao-hoi, que o vice-rei de Cantão pòs à sua disposição.” (2)

groao-duque-alexis-set1872-the-hk-advertiserNotícia do ” Sacramento Daily Union, Vol 44 , n.º 6747, 16 Nov 1872″:

The Hongkong Advertiser of October Ist thus refers to the visit of the Grand Duke Alexis at that port: H. I. H. the Grand Duke Alexis and suite arrived yesterday afternoon from Macao in H. I. C. M. gunboat Peng Chao Hai. His Imperial Highness was accompanied by the Russian Admiral and Brown, the Commissioner of Customs at Canton, and in the evening his Imperial Highness and suite visited tbe Sing Ping theater.” (3)

grao-duque-alexis-set1872-foto-jovemGrão- Duque Alexei Alexandrovich (jovem) (1872 ?)
Foto de Sergei Lvovitch Levitsky   (4)

O Grão-Duque Alexei Alexandrovich, em 1871 foi enviado como embaixador de boa-vontade numa viagema América e Ásia. Esteve em vários estados dos Estados Unidos da América (como por exemplo, esteve em meados de Janeiro, em Nebraska, para uma caçada de búfalos com o famoso Búfalo Bill (5); em  New Orleans, onde assistiu ao «Mardi Gras») (6), Cuba (chegou a Havana no dia 29 de Fevereiro de 1972)  e Brasil (Rio de Janeiro onde chegou a 3 de Junho de 1872). Seguiu para o Sudoeste Asiático passando por Cape Town (África), Batavia e Singapura.(7)
Chegou a  Hong Kong a 13 de Setembro de 1972 (8)
grao-duque-alexis-set1872-the-chronicle-directoryEsteve 10 dias alojado na Casa do Governador de Hong Kong, Sir Arthur Kennedy. (9)

grao-duque-alexis-set1872-navio-svetauna-em-hong-kongChegada do navio russo «Svetlana» a Hong Kong, em 1892, com o Grão-Duque Alexis (10)

Regressaria a Hong Kong em meados de Janeiro de 1873 onde esteve duas semanas na mesma Casa do Governador e seguiu depois, no dia 30 de Janeiro, para Manila (Filipinas). Mas regressaria a Hong Kong a 7 de Fevereiro  até Março para depois seguir para Shanghai. A 19 de Março 1873, o Grão Duque Alexis da Russia deixou  Shanghai rumo a Hankow. Chegou ao Japão a 15 de Outubro de 1872.
 
(1) Esta postagem de 2013, contém um erro que rectifico com uma Nota de Actualização, com  a data de hoje: “O grão duque Alexis que esteve em Macau não foi o Príncipe Imperial Grão Duque Alexander Alexandrovich Romanov (1845-1894), futuro czar Alexandre III (reinou de 1881 a 1894) mas sim, o seu irmão Alexis Alexandrovich Romanoff (1850-1908)
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/09/28/noticia-de-28-de-setembro-de-1872-visita-do-grao-duque-alexis-da-russia/
grao-duque-alexis-set1872-duke-alexis-of-russia

Alexis Alexandrovich Romanoff (São Petersburgo 1850 – Paris 1908) foi a sexta criança e quarto rapaz a nascer do czar Alexandre II da Rússia e da sua primeira esposa, Maria Alexandrovna (Maria de Hesse). Destinado a uma carreira naval, Alexis Alexandrovich começou o seu treino militar aos sete anos de idade. Com 20 anos foi nomeado Tenente da Marinha Imperial Russa e visitou todos os portos europeus pertencentes à Rússia. Em 1871 foi enviado como embaixador de boa-vontade numa viagem pelos Estados Unidos e Japão.
Em 1883 foi nomeado general almirante. Em 1905, depois da derrota na Batalha de Tsushima, reformou-se do seu posto. Morreu em Paris em 1908. (11)

grao-duque-alexis-set1872-foto-idade“Grand Duke Alexei Alexandrovich in old age” (12)

(2) TEIXEIRA – Padre Manuel – Residência dos Governadores de Macau, 1982. Ver  p. 13
(3) “Sacramento Daily Union, Vol 44 , n.º 6747, 16 Nov 1872″
http://cdnc.ucr.edu/cgi-bin/cdnc?a=d&d=SDU18721116.2.66
(4) https://en.wikipedia.org/wiki/File:Grand_Duke_Alexei_Alexandrovich_in_his_youth.jpg
(5) “By mid-January the Grand Duke had made his way to central Nebraska for his much anticipated participation in a buffalo hunt that would take place on his twenty-second birthday. Buffalo Bill Cody was to be his guide. The hunting party also included General Philip Sheridan and Colonel George Custer.”
http://www.eyewitnesstohistory.com/buffalobill.htm
(6) GÓES, Fred – Mardi Gras: carnaval americano na visão de um brasileiro
http://www.scielo.br/pdf/alea/v7n2/a09v7n2.pdf
grao-duque-alexis-set1872-the-straits-times-31ago1872(7) “THE GRAND DUKE ALEXIS – At about 2o´clock Wednesday afternoon, the Russian frigate Svetlana was sighted coming in from the Eastward, having on board H. R. H.. Prince Alexis Alexandrovitoh, third son of H. I. M. the Emperor of Russia. As  soon as this was  positively ascertained, a gun was fired from Fort Cunning, and the Russian naval ensign run up the masthead….”
«The Straits Times, August 31st, 1872.»
(8)  The  Chronicle &Directory for China, Corea, Japan,, The Philippines, Cochin-China, Annam, Tonquim, Siam, Borneo Straits  Settlements, Malay States, &C. for the year 1888″.
https://books.google.pt/books?id=zYpEAQAAMAAJ&pg=PA14&lpg=PA14&dq=Alexis+of+Russia+in+Hong+Kong
(9) SHARE, Michael – Where Empires Collided Russian and Soviet Relations with Hong Kong, Taiwan, and Macao. The Chinese University Press , 2007, p. 22
https://books.google.pt/books?id=hG6j9NH6x8AC&pg=PA22&dq=Alexis+of+Russia+in+Hong+Kong
(10) http://www.terapeak.com/worth/1872-hong-kong-arrival-svetlauna-flag-ship-russia-grand-duke-alexis-print/201567941916/
(11) https://pt.wikipedia.org/wiki/Aleixo_Alexandrovich_da_R%C3%BAssia
(12) https://en.wikipedia.org/wiki/File:Grand_Duke_Alexei_Alexandrovich_in_old_age.jpg

A 8 de Junho de 1875, (1) na Secretaria da Junta da Fazenda Pública compareceu o Barão do Cercal, como representante do Visconde do Cercal, proprietário do Palácio da Praia Grande, para lavrar o contrato do arrendamento ao Governo com as seguintes condições:

  1. É arrendado por um ano: 1-6-1875 a 31-5-1876.
  2. A renda é de $ 2 4000 patacas.
  3. Os concertos maiores – queda do muro ou do telhado – serão pagos pelo proprietário, os menores – janelas, portas, sobrado, tecto, caiação – pelo locatário.
  4. Ao terminar o contrato, o locatário não poderá desfazer os melhoramentos.
  5. Durante o contrato, o proprietário não poderá ordenar o despejo das casas.
  6. O locatário entregará tudo na mesma ordem e aceio em que o recebeu.
  7. Terminado o prazo, se não houver aviso algum de qualquer das partes, este é renovado.
  8. Antes de se proceder a concertos, deverá obter-se a permissão do proprietário (2)

Residência dos Governadores de Macau - Palácio da Praia GrandeFoto de 1981

A residência  dos Barões do Cercal (pai e filho) na Praia Grande foi construída em 1849 pelo arquitecto macaense José Agostinho Tomás de Aquino (talvez a obra-prima da arquitectura de raiz macaense)   para o 1.º Barão do Cercal (depois Visconde, a partir de 1865) Alexandrino António de Melo  que a mandou construir. O Palácio foi alugado ao Governo pelo filho António Alexandrino, (2.º Barão do Cercal) em representação Visconde do Cercal.
Com a morte do Visconde do Cercal, o Palácio passou para a sua viúva. A família do Barão do Cercal caída em decadência por dívida da viúva ao Chatered Bank, foi o Palácio à praça. A 18-03-1881, saiu o anúncio da “arrematação da casa n.º 27 da Praia Grande chamada Palácio do Cercal, e penhorada em execução que move Chartered Bank contra a Viscondessa do Cercal, e será de $ 25 068.66.” Foi então comprado pelo governador Joaquim José da Graça por $ 20 080.00, compra esta que foi aprovada pelo Governo de Lisboa a 17-05-1881.
Desde 1884 (o primeiro governador a residir aí, foi Tomás de Sousa Rosa que exerceu o seu mandato de 1883 a 1886) os Governadores de Macau passaram a viver neste Palácio, até 1926, quando o governador Tamagnini Barbosa (2.º mandato) escolheu Santa Sancha para sua residência permanente.
O Palácio da Praia Grande ficou a servir apenas de sede de governo (nele funcionava também a Assembleia Legislativa e o Conselho Consultivo do Governador) foi completamente restaurado em 1983.

Revista Casa e Jardim 1994 - Palácio da Praia Grande FotoFoto de 1994

(1) Os primeiros governadores viveram em casas alugadas pelo Leal Senado, até 1772, quando passaram a residir no edifício da Praia Grande em frente do fortim de S. Pedro. Nesse mesmo local o Visconde da Praia Grande,  Isidoro Francisco Guimarães (governador de Macau de 1851 a 1863) construiu em 1851, um grandioso palácio para nele instalar o Palácio do Governo.  Dois tufões, o de 1874 e o mais terrível de 1875, quase destruíram o Palácio construído pelo Governador Visconde Praia Grande, tornando-o  inabitável. Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/31/noticia-de-31-de-maio-de-1875-tufao-de-1875/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-tomas-de-aquino/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/palacio-do-governo-do-cercal/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/12/10/noticia-de-10-de-dezembro-de-1862-visconde-da-praia-grande/
(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – Residência dos Governadores de Macau, 19 – -, p. 16.

Artur Lobo de Ávila (1) relata o tufão de 31 de Maio de 1875:
O Governador, Visconde de S. Januário, (2) aconselhara a família do seu sucessor, a transferir-se para a ala direita do palácio, (3) por ter sido a menos batida pelo tufão.
Assim fizemos , mas com resultado exactamente negativo, pois foi essa ala a que ruiu com a nova tormenta de Maio de 1875.
O tufão começou, como de costume, por uma lestada. E quando da Secretaria da junta  (4) , quis regressar a casa, já os cules não puderam trazer-me na cadeira; e, de gatas, tive de atravessar o jardim na parte posterior do palácio para entrar em casa.
Os tufões ficam assinalados com os nomes dos governadores. No de S. Januário, o barómetro desceu tanto, que acabou por estoirar a coluna de mercúrio, a ponto de o oficial às ordens – 1.º tenente Júlio Elbão de Sampaio – dizer ao Governador, que a agulha doidejava, marcando o nome do fabricante.
Durante essas tormentas, os telhados são descosidos e, em pedaços, voam pelos ares. Quem se arrisca a sair, corre perigo de vida, mesmo resguardado com um tundum, espécie de capacete de duríssimo bambu. . . .
António de Azevedo e Cunha defendeu o palácio, enquanto foi possível. As janelas foram interiormente, revestidas com taipans de madeira e escoras.
mas, mesmo assim, o mar, rugindo furiosamente, despedaçou as da secretaria, instalada no rés-do-chão.
Foi neste momento que o Cunha, o ajudante do Governador, a ordenança Carlos, – filho de macaístas – eu, alguns soldados e operários, descemos ao referido andar, onde a tremenda inundação começava a causar terríveis e trágicos efeitos.
O Cunha, que empunhava uma pequena lanterna, vendo os da frente atingidos por uma derrocadas, gritou aos que o seguiam:
– Para trás, rapazes. . .
Quinze pessoas, entre europeus e chinas, ficaram soterrados nos escombros negros e tristes.
Quando foi possível, à luz de archotes desenterrámos o ajudante-de-ordens do Governador, Alferes Caetano Deniz Junior, que tinha ficado entre as ruínas, a sua figura era confrangedora e arrepiante.
Tinha perdido os sentidos e ao recobrá-los todo ensanguentado e de olhos esbugalhados, muito a custo, disse-nos:
– Lembrei-me de meu pai . . . Vi-o . . .  Foi ele que me salvou . . .
Depois foram desenterrados e socorridos, como era possível, os demais sinistrados, que, entre ais e gemidos, aflitivamente, pediam que os salvassem.
A ordenança de cavalaria, Carlos de Manila, achou-se também às portas da morte; o china, Paulo, morreu.
Um pesado banco chinês, revestido de mármore, depois de despedaçadas as janelas, deslocou-se com o furacão e veio bater nas pernas do Governador, meu pai, ferindo-o profundamente. Este desastre, porém, evitou que ele caísse do primeiro andar para o montão de ruínas que aumentava no pavimento inferior.
Até ao amanhecer, os que escaparam aos horrores desta tragédia e os feridos, estiveram refugiados num godão – pequena arrecadação, semi-subterrânea, em que entrava a água do amor, depois de ter galgado as ruínas do aterro da Paria Grande – sobre feixes de lenha.
A população de Macau, passada a tormenta, julgou que no palácio só havia cadáveres…
E pela tarde, uma proclamação do Governador terminava assim:
“Macaenses – A cidade de Macau, que ia ressurgindo das ruínas do terrível tufão do ano passado, foi novamente experimentada por idêntico flagelo.
Peço-vos serenidade, conformidade e trabalho, para vencermos esta nova crise, pois que, como vosso Governador, velarei por vós, assim como convosco partilhei os horrores do cataclismo que, como é notório, esteve a ponto de deixar sem família: . . .
(1) Artur Lobo de Ávila (1855-1945),  romancista (dedicou-se mais ao romance histórico), ensaísta e dramaturgo, é filho de José Maria Lobo de Ávila (1817-1889)  que tomou posse como governador de Macau em 7 de Dezembro de 1874 (governou até 30 de Dezembro de 1876), sucedendo ao Visconde de S. Januário, Januário Correia de Almeida (governador entre  1872-74).
Publicou “Memórias de  Artur Lobo d´Ávila“, 1945, cujas páginas 43-47 estão transcritas (de onde retirei) em TEIXEIRA, Padre Manuel – Residência dos Governadores de Macau, pp.14-15.
Sobre  Artur Eugénio Lobo de Ávila, ver anterior referência em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/06/13/macau-apontamentos-historicos-a-incuria-portugueza-nas-relacoes-com-a-china/
(2) O maior tufão de Macau foi a 22 e 23 de Setembro de 1874 (era governador de Macau, o Visconde de S. Januário).
O director das Obras Públicas relata os danos causados ao Palácio do Governo: ” Os danos que sofreu este palácio, foram causados pelo tufão e pela grande enchente da Praia Grande. Com o tufão, sofreram todos os telhados, foi arrombada uma janela e houveram mais alguns pequenos estragos nos estuques.
Com a enchente, sofreram as casas do pavimento inferior, nos sobrados, portas e janelas; – a escada de cantaria da entrada principal foi deslocada completamente, saindo do seu lugar todos os degraus e alguns levados pela força das vagas para a grande distância – a balaustrada que a guarnecia foi completamente destruída também pela força das vagas”.
(3) O Palácio referido estava instalado num edifício da Praia Grande, em frente do fortim de S. Pedro. O Palácio foi construído pelo Governador Isidoro Francisco Guimarães (1851-1863) , Visconde Praia Grande. Mais tarde, em 1884, a sede do governo passou para o Palácio do Visconde Cercal, onde continua hoje como sede do Governo da RAEM.
Ver em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/12/10/noticia-de-10-de-dezembro-de-1862-visconde-da-praia-grande/
(4) Artur Lobo de Ávila que acompanhou o seu pai enquanto governador de Macau, trabalhou como escriturário da Secretaria da Junta da Fazenda, recebendo 60 patacas mensais.

Esteve em Macau, no mês de Fevereiro, de 1952, o aviso de 1.ª classe “Afonso de Albuquerque”, (1) em viagem de soberania e instrução de um curso de vinte e um guarda-marinhas. O Comandante Galeão Roma, os oficiais e guarda marinhas foram homenageados com várias festas. (2)

MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE IO N. R. P. “Afonso de Albuquerque” no Porto Interior
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE IIUm aspecto do jantar no Palácio da Praia Grande
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE IIIUm aspecto do Baile no Palácio
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE IVO Governador e o comandante Galeão Roma num grupo de membros da comunidade chinesa (à direita do Governador, Hó Yin)
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE VA decoração da mesa da ceia
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE VIO Governador, e esposa e o Comandante Galeão Roma no “Cocktail Party“, oferecido pelo Comandante Militar no Hotel Riviera
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE VIIO Comandante Galeão Roma falando no almoço de despedida a bordo do navio do seu comando
MOSAICO IV 19-20 MAR-ABR1952 - AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE VIIIO Governador fazendo o seu brinde a bordo do “Afonso de Albuquerque”

(1) O aviso “Afonso de Albuquerque” foi um navio da Marinha Portuguesa, afundado em combate a Invasão de Goa em Dezembro de 1961 pelos navios da União Indiana (3)
O navio foi o primeiro dos avisos de 1ª classe da classe Bartolomeu Dias, construídos para a Marinha Portuguesa, em Newcastle pela firma Hawthorn, Leslie & Comp. Lançado à água em 28-5-1934 e aumentado ao efectivo dos navios da Armada em 31-1-1935, Saiu para Lisboa em companhia do submersível “Espadarte” tendo os dois novos navios entrado no Tejo pela primeira vez em 7-3-1935, sendo escoltados desde Cascais por 22 navios que, em festivo ambiente, os aguardavam.
Como aviso colonial a sua função principal era a defesa da soberania de Portugal no seu Império Ultramarino. Nessa função, o navio estava sobretudo, vocacionado para apoiar desembarques anfíbios e a acção de tropas em terra.
Depois da Segunda Guerra Mundial, o Afonso de Albuquerque foi equiparado a uma fragata, recebendo o número “F470”. O navio passou a maioria da sua carreira em serviço nos oceanos Índico e no Pacífico.
AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE (1935)Em 1945, cumpriu uma comissão de dois anos no Extremo-Oriente, durante a qual apoiou a reocupação de Timor após a capitulação japonesa. Em 29-11-1951, largou para uma viagem à Índia, Extremo-Oriente e Moçambique. Em 1952 fez uma comissão idêntica à anterior. Em 1954 saiu para uma comissão na Índia tendo sido incorporado nas Forças Navais do Estado da Índia. Após cerca de 2 anos e meio de permanência nas águas do Estado da Índia, regressou a Lisboa em 1958, entrando em reparações que decorreram até Março de 1960.
Em 18-3-1960 iniciou uma viagem de circum-navegação de Ocidente para Oriente, integrada nas Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique, na qual embarcaram os 48 cadetes do curso “D. Lourenço de Almeida” da Escola Naval. O navio chegou a Mormugão em 16-7-1960, tendo rendido o N.R.P. “Bartolomeu Dias” que se encontrava em comissão e que regressou a Lisboa depois de embarcar os cadetes em viagem. (4)
Posteriormente houve outro navio com o mesmo nome:
AFONSO DE  ALBUQUERQUE   A 526 ex. Dalrimple, ex. Luce Bay
“Transformado a partir de uma fragata da classe Bay, este navio foi adquirido por subscrição Nacional a fim de substituir o aviso com o mesmo nome perdido na Índia. Havia sido construído por William Pikergill & Sons na Inglaterra. Tinha servido na Royal Navy  entre 1949 e 1966. Foi abatido ao efectivo da Armada em 1983, sendo mais tarde afundado em exercícios ao largo da costa.
https://pt.wikipedia.org/wiki/NRP_Afonso_de_Albuquerque
http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=2621.0
(2) Fotos retirados de MOSAICO, 1952.
(3) PORTARIA 19262  de 7 de Julho de 1962 – MINISTÉRIO DA MARINHA
Manda abater ao efectivo dos navios da Armada o aviso de 1.ª classe Afonso de Albuquerque e as lanchas de fiscalização Vega e Sirius”.
(4) Sobre esta viagem de circum-navegação, ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/06/29/a-viagem-de-circum-navegacao-do-curso-d-lourenco-de-almeida-passagem-por-macau/
AVISO AFONSO DE ALBUQUERQUE - desenho - 1935

Características do Aviso Afonso de Albuquerque (1935)
Deslocamento máximo_____________________ 2473 ton.
Deslocamento standard_____________________1811 ton.
DIMENSÕES:
Comprimento de fora a fora_______________103,2 metros
Boca ___________________________________13,3 metros
Calado máximo ____________________________3,7 metros
Velocidade máxima     _________________________    21 nós
Velocidade de cruzeiro  _______________________       10 nós
Autonomia à velocidade de cruzeiro __________     12.000 milhas
ARMAMENTO:  4 peças “Vickers-Armstrong” de 120 mm ; 2 peças de 76.2 mm; 4 peças de 40 mm; 8 de 20 mm;  4 morteiros lança bombas “Thornycroft” ; 2 calhas lança-bombas de profundidade e  40 minas.
PROPULSÃO:  2 turbinas a vapor de 8 000 h.p. – 2 veios = 21 nós.
AUTONOMIA:   8 000 milhas a 10 nós.
SENSORES:   1 radar de navegação ; ASDIC
GUARNIÇÃO: 215 homens (13 oficiais, 21 sargentos e 181 praças)
http://www.guerracolonial.org/specific/guerra_colonial/uploaded/graficos/naviosfichas/navios.swf
http://www.navypedia.org/ships/portugal/pr_es_alfonso_de_albuquerque.htm
Anteriores referências ao Afonso de Albuquerque
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviso-afonso-de-albuquerque/