Archives for posts with tag: Pac On (Taipa)

Henrique de Senna Fernandes deixou estes apontamentos da inauguração do balneário – restaurante «Costa de Jade» bem como o ambiente de Macau de 1929: (1)

“Nesse ano, há um notável empreendimento do incipiente turismo macaense. A inauguração, em 21 de Setembro, do Balneário-Restaurante “Costa de Jade”, na baía de Pac On, na Taipa, hoje desaparecida com o aterro da praceta que se abre no termo da Ponte Macau-Taipa. Foi uma inauguração com a presença de centenas de pessoas transportadas pela lancha-motor “Jade”, de propósito construída para esse fim, nas Oficinas Navais. O embarque em Macau fazia-se pelo cais de pedra que havia na curva de S. Francisco. O local do Balneário era aprazível, a água do mar muito limpa e ainda não contaminada pelo lodo, e a mata exuberante dos Sete Tanques ficava-lhe mesmo em cima, com o suave ruído das suas águas a correr.

Naquele Outono esplendoroso de 1929, dizem os coevos, foi moda ir à “Costa de Jade“. Organizaram-se festas, jantares à americana, animados pela orquestra de jazz de João Franco. E quanto casamento dali não surgiu, aos acordes inspirados de “I’ll See You in My Dreams” (2) e à voz de tenor da “Ora Sorriento“, (3) em noites de luar, a toalha de prata chispando ao largo, os juncos de velas todas abertas, deslizando em silêncio, embebidos nas incansáveis fainas da pesca!

Como sabiam divertir-se os nossos maiores! O optimismo reinante, a boa disposição e a vida fácil e barata desviavam as atenções de trágicas realidades. Os acontecimentos internacionais não pareciam tocar naquele mundo. A guerra civil na China, entre o Governo Central e os senhores da guerra (warlords) era encarada como coisa de somenos. Todos estavam habituados, desde pequenos, àquelas questiúnculas internas, a esse sangrento extravasar de ódios e ambições que depauperavam e enxovalhavam um grande país.

Por mais espantoso que isso possa parecer, não há nos jornais da época uma notícia acerca da Terça-Feira Negra de Outubro, (4) onde se deu o “crash” da Bolsa de Nova Iorque. Nem há notícia dos suicídios e da crise que este facto gerou, dando origem à Depressão. Hong Kong e Macau estavam muito longe, a prosperidade era uma coisa certa e não havia motivos para alarme.”

(1) FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau III (1932-1936). Revista de Cultura, N.º 23 (II Série), Abril/ Junho 1995. Instituto Cultural de Macau, pp. 133-170. http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30018/1706

(2) “I’ll See You in My Dreams” canção de 1924 de Isham Jones, e letras de Gus Kahn, Originalmente gravada por Isham Jones com a orquestra de Ray Miller Orchestra. Tornou- se muito popular com muitas versões. Foi título de filme, em 1951, “I’ll See You in My Dreams”, musical biográfico de Gus Kahn.

Uma das versões por DORIS DAY em:

(3) Creio tratar-se de “Torna a Surriento”, canção popular napolitana gravada por muitos cantores tenores e não só (ouvir a versão inglesa por Elvis Presley “Surrender”, de 1961)

Versão de Luciano Pavarotti:

Versão de Elvis Presley:

(4) A Quinta-feira Negra (Black Thursday) refere-se ao dia 24 de outubro de 1929, quando ocorreu o «crash» da Bolsa de Valores de Nova Iorque. O «crash» desencadeou a uma crise econômica da história dos Estados Unidos, alastrando para outros países ocidentais, para uma Grande Depressão, que durou 12 anos.

TAIPA Mapa Turístico 1991 CAPATAIPA 氹仔, MAPA TURÍSTICO 旅遊地圖, (1)

 A frente do folheto de 19 cm por 11 cm, editado pela Câmara Municipal das Ilhas, sem indicação da data (provavelmente 1991).

TAIPA Mapa Turístico 1991 VERSOO verso do folheto, com um mapa “miniatura” da ilha.

No interior, desdobrável, um mapa da Ilha da Taipa (45 cm x 35,5 cm).

TAIPA Mapa Turístico 1991 Planta da Ilha

Estão sinalizados (em português e chinês) além dos Templos e Mosteiros, do Largo do Carmo com a Igreja de Nossa Sr.ª do Carmo, do Jardim do Cais na Fortaleza da Taipa, do Jardim do Monumento, da sede da Câmara Municipal das Ilhas e da Biblioteca, as construções mais modernas como os solares da Avenida da Praia (vivendas construídas em 1921), o istmo Taipa-Coloane (construído em 1968), a ponte Governador Nobre de Carvalho (construção de 1970 a 74), o conjunto escultórico e miradouro da Montanha da Taipa Pequena (concluído em 1985). a Universidade de Macau (com esta denominação, em 1991, substituindo a Universidade da Àsia Oriental) e o hipódromo (reorganizado pela S.T.D.M em 1991),

Não sinalizados, mas já aparecem no mapa, os aterros de Pac On, à frente do cemitério chinês da Taipa, com a indicação do lugar da futura Central de Incineração dos Resíduos Sólidos de Macau (inaugurado em 1992) e os aterros para a construção do Aeroporto Internacional de Macau (inaugurado em 1995), junto à ponta Cabrita.

TAIPA Mapa Turístico 1991 Resenha históricaPor detrás do mapa, uma pequena resenha histórica da ilha de que retiro:
Oficialmente estabelecidos na península de Macau desde 1557, os portugueses a pedido das populações locais, no sentido de as protegerem de ataques de malfeitores que constantemente ameaçavam as suas embarcações, vidas e negócios, ocuparam em 1847, no tempo do Governador Ferreira do Amaral, a Taipa Pequena construindo-se nesse mesmo ano, uma fortaleza na parte ocidental da ilha.
Em 1851, o Governador António Gonçalves Cardoso mandou, pelas mesmas razões ocupar a outra parte da ilha, a Taipa Grande, que se encontrava então separada daquela. Recorde-se que até aos primeiros anos deste século a Taipa era formada por duas ilhas, a Taipa Grande e a Taipa Pequena

(1) 旅遊地圖 – mandarim pinyin: lu yóu di  tú ; cantonense jyutping: leoi5 jau4 dei6 tou4.