Archives for posts with tag: O Procurador dos Macaistas 1844-1845

Huma senhora de qualidade, recolhendo-se do campo para a capital, perdeo a sua bolsa com huma quantia de dinheiro assás considerável, e quando no dia seguinte tratava de mandar anunciar nos jornaes esta perda, prometendo huma boa recompensa a quem lhe restituísse a sua bolsa soube que n´hum jornal se tinha achado. Mandou logo ao sítio indicado; e d´ahi a pouco se lhe apresentou huma pobre viúva mãi de quatro filhos menores, hum dos quaes tinha achado a bolsa na estrada. Como a senhora lhe quisesse dar a recompensa promettida, ella a recusou disendo, que so tinha feito o seu dever restituindo o que lhe não pertencia. Porem pouco depois de sahir da salla, tornou a entrar, e preguntou com voz tímida e envergonhada, se os tres francos, que tinha pago pelo annuncio do jornal, devia ficar à sua conta, ou se em consciência os podia receber. Esta sinceridade da virtude acabou de encher de admiração todas as pessoas presentes. Fizerão-lhe novas ofertas; porem a honrada mulher não quis aceitar mais que os tres francos, que havia desembolsado. (1)

(1) «O Procurador dos Macaistas», Vol I, n.º 43 de 2 de Janeiro de 1845 pp. 336-337

Extraído de «O Procurador dos Macaistas», I-35 de 31 de Outubro de 1844 5.ª feira

Edital da “Repartiçãm da Camara” (Leal Senado) sobre a extinção da companhia dos cules chinas para a limpeza das ruas da cidade devido a grande despesa para o erário público.

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», I-13 de 30 de Maio de 1844,

Ordem Circular n.º 35 do Quartel General no Palácio do Governo na Província de Macau, Solor e Timor de 2 de Abril de 1845, para solenizar no dia 4 de Abril , o aniversário, 26 anos, da Rainha D. Maria II

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», II-6 de 10 de Abril de 1845

D. Maria II de Portugal (Maria da Glória Joana Carlota Leopoldina da Cruz Francisca Xavier de Paula Isidora Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga), nasceu no Rio de Janeiro, a 4 de Abril de 1819; faleceu em Lisboa a 15 de Novembro de 1853). Rainha de Portugal e dos Algarves em duas ocasiões diferentes: primeiro de 1826 a 1828, quando foi deposta por seu tio Miguel, e depois de 1834 até à sua morte em 1853. Era a filha mais velha do imperador Pedro I do Brasil, que também reinou em Portugal brevemente como Pedro IV, https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_II_de_Portugal

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», n.º 4, de 27 de Março de 1844

O Governador era José Gregório Pegado, que iniciou em 6 de Outubro de 1843 até 21 Abril de 1846 (posse de João Maria Ferreira do Amaral) tendo embarcado a 28 de Maio de 1846 e falecendo em Áden, no seu regresso a Portugal nesse ano.

NOTA: a 6 de Março de 1844, foi iniciada a publicação do seminário literário e político “ «O Procurador dos Macaístas», fundado por Manuel Maria Dias Pegado. O jornal seguiu até 2 de Setembro de 1845.

Anúncios curiosos (em português e inglês) publicados em «O Procurador dos Macaísta” de Dezembro de 1844, e apresentados por Rafael Jovita que “… dará um Concerto Filarmónico, em seu benefício vocal e instrumental, no Salão da Gamboa, ajudado pelos melhores curiosos desta Cidade…” e quem quiser concorrer “terão de mandar as suas cadeiras no dia anterior ao do Benefício.”

Extraído de «O Procurador dos macaístas», I-40 de 5 de Dezembro de 1844
Extraído de «O Procurador dos macaístas», I-42 de 19 de Dezembro de 1844

NOTA: acerca da Rua do Gamboa, aconselho a postagem de Manuel Basílio, disponível em: https://cronicasmacaenses.com/2020/02/12/rua-do-gamboa-uma-rua-em-macau-com-estranha-denominacao-em-chines/

Realizou-se no dia 8 de Outubro de 1851 uma representação teatral na extinta Sociedade Philarmonica Macaense, (1) um drama em 3 actos “A Pobre das Ruínas” (2) e uma  comédia em 1 acto “Fallar verdade a Mentir”, (3) organizada por um grupo de amigos, que constituíram uma comissão para que a totalidade da venda dos bilhetes deduzidas as despesas necessárias para o enrio, vestuário, música e mais arranjos do teatro, seria  em beneficio da Escola de Instrução primaria e secundaria estabelecida na casa do Leal Senado. A Comissão era composta por António Pedro Buys – Presidente; António Diniz d´Ayalla – Tesoureiro e Justinianno de Souza Alvim – Secretário.

Anúncio publicado para conhecimento do público no «B.G.P. M.T.S.», Vol 6, n.º 45 de 27 de Setembro de 1851, p. 156.

(1) A Sociedade Philarmonica Macaense foi constituída no dia 14 de Dezembro de 1844, com a primeira reunião da mesa da Assembleia Geral no dia 22 de Dezembro na Feitoria de Francisco António Pereira Thovar, para apresentação e discussão do projecto dos Estatutos da Sociedade

Extraído de «O Procurador dos Macaístas» I-42 de 19 de Dezembro de 1844

(2) “A Pobre das Ruínas” de 1846 é uma peça teatral (dramalhão histórico em 3 actos, com prologo) do dramaturgo, poeta, romancista, jornalista, deputado, ministro e diplomata, José da Silva Mendes Leal Júnior (1818 – 1886). Publicado nesse ano em livro impresso na “ Typographia Rollandiana”, 1846, 166 p.; 20 cm. https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_da_Silva_Mendes_Leal

(3) “Falar a Verdade a Mentir”, peça teatral apenas um acto (acto único composto por dezassete cenas), uma crítica social expressa de forma cómica, escrita em 1845 por João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, (1799-1854), escritor, dramaturgo, par do reino, ministro e secretário de estado. Foi publicada em 1846. https://pt.wikipedia.org/wiki/Falar_Verdade_a_Mentir https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joao-bsl-almeida-garrett/

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», II, n.º 21 de 24 de Julho de 1845

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», II-21 de 24 de Julho de 1845.

Chegada dos Brigues «Feliz» e «Esperança» no dia 21 de Julho de 1844, ambos provenientes de Goa com passageiros do Governo para Macau e Timor. Para o Batalhão do Principe Regente de Macau chegaram “cincoenta e tantas” praças e um tenente. Queixas locais quanto ao permanente despacho pelo Governo da Índia de “carradas” de oficiais para o Batalhão sem serem necessários, só para curriculum dos próprios oficiais e onerando os cofres do território.

Extraído de «O Procurador dos Macaístas»,  I- 21 de 27 de Julho de 1844