Archives for posts with tag: Nau Nossa Senhora da Penha da França

No dia 26 de Maio de 1673, (um dia depois do seu quadragésimo aniversário) faleceu em Beijing, o primeiro jesuíta chinês, Manoel de Siqueira, natural de Macau e ordenado em Coimbra.

Retiro alguns extractos da biografia deste jesuíta descrito pelo Padre Manuel Teixeira (1):

“Nasceu em Macau a 25 de Maio de 1633; foi baptizado com o nome de Manoel ou Emmanuel de Siqueira, sendo filho de António de Siqueira, chinês, e de mãe também chinesa. Em chinês chamava–se Cheng Ma-no Wei-hsin. A 20 de Dezembro de 1645, com 12 anos de idade, o missionário da Cochinchina, P.e Alexandre de Rhodes, S. J., levou–o consigo de Macau para Roma por via terrestre. Ao passar pela Pérsia, os tártaros que iam na mesma caravana, julgando que Siqueira era um moiro turco disfarçado, planearam raptá-lo ao atravessar a Turquia. Ao saber disto, Rhodes meteu-o secretamente num convento dominicano de Erevan, na Arménia, onde aprendeu a língua arménia em seis meses que ali esteve. Só chegou a Roma a l de Janeiro de 1650, levado por outro missionário da Cochinchina, P.e Francesco della Roca, S. J. Ali começou os seus estudos e, em 17 de Outubro de 1651, ali ingressou no Noviciado Jesuítico de Santo André…. (…) Foi para Portugal, em fins de 1661, para o Colégio jesuítico de Coimbra. Ali foi ordenado sacerdote, provavelmente no fim do seu terceiro ano de Teologia, no primeiro semestre de 1667… (…)

REGRESSO À CHINA – O P.e Giovanni Filippo Marini, S. J., missionário na China, tinha ido à Europa recrutar padres para esta Missão. Conseguiu o que queria e, a 13 de Abril de 1666, partiram de Lisboa, na nau Capitânia “Nossa Senhora da Ajuda”, em companhia de João Nunes da Cunha, vice-rei da Índia, os seguintes jesuítas: Marini, Manuel de Siqueira e Nicolau da Fonseca, ambos chineses; Jean Baptiste Maldonado, de Tournai, Bélgica; seis italianos: Ludovico Azzi, de Luca, Cláudio Filippo Grimaldi e Filippo Fieschi, de Génova, e três de Palermo: Giuseppe Candone, Datio Algiata e Francesco Castiglia; e ainda quatro portugueses: Francisco da Veiga e Reinaldo Borges (padres) e os escolásticos Tomás Pereira e António Duarte. Eram 14, mas dois morreram na viagem; os outros 12 chegaram a Goa a 13 de Outubro. Demoraram-se ali perto de dois anos. É que as missões da China e da Cochinchina estavam sob a perseguição, não podendo lá entrar os missionários. … (…) Siqueira estudou a língua canarim e missionou em Chaúl.

Finalmente, ele pode partir para Macau com os seguintes companheiros: Filippo Fieschi, Ludovico Azzi, Giuseppe Candone, Manuel Ferreira, Francisco da Veiga e Jean de Haynin; embarcaram em Goa, a 14 de Maio de 1668, na nau “Nossa Senhora da Penha de França”, que chegou a Malaca dois meses depois; após uma demora de nove dias, aportaram a Macau a 19 de Agosto, três meses e seis dias após a partida de Goa (4).

EM MACAU voltou a estudar o chinês que já havia esquecido, juntando-se aos estudantes do Colégio de S. Paulo. O P.e Maldonado, que chegara um ano antes, escrevia acerca dos dois cursos que se devam nesse famoso Colégio: Fervet in duplici academia linguarum studium, alterius sinicae, alterius annamiticae: “ferve em duas academias o estudo das línguas, uma chinesa, outra anamita“. Oito padres estudam a língua anamita e seis, incluindo Siqueira, a chinesa.

NA CHINA – Depois de ter estudado o chinês, Siqueira partiu para Cantão disfarçado em fim de 1669, acompanhado provavelmente pelo irmão coadjutor António Fernandes. A religião católica havia sido proscrita pelos Quatro Regentes a 4 de Janeiro de 1665; os missionários foram exilados para Cantão em 1666. Só o dominicano chinês Gregório Ló circulava pelas províncias. Agora era a vez do jesuíta chinês Siqueira que escolheu, não as províncias do Norte, como o dominicano, mas a de Kwangtung. A Província Jesuítica do Japão, a que pertencia Siqueira, havia criado em 1665 as missões de Kwangtung e Hainan. Foi, pois, em Kwangtung que exerceu ele o seu apostolado nos anos de 1669 e 1670. Trabalhavam ali mais dois jesuítas sob a perseguição. A esse trio se deveu o baptismo de 500 crianças, expostas pelos pais na margem do rio. Batizaram também vários adultos, tendo-se convertido 150 em 1670.

Durante a viagem no barco especial em que iam para Beijing, na companhia do italiano Cláudio Filippo Grimaldi e do austríaco Christian Wolfang Henriques Herdtricht que foram destinados a Pequim, no dia 8 de Setembro de 1671, por ordem do imperador recém eleito Kang-hi, Manuel Siqueira ia já gravemente doente, pois o Inverno era extremamente rigoroso; Grimaldi também adoeceu e foi o austríaco que tratou dos dois. Siqueira estava tuberculoso e só saiu do hospício depois da Primavera. Apenas durou um ano, vindo a falecer a 26 de Maio de 1673.

A sua pedra sepulcral no Cemitério de Chala, em Beijing, tem o seguinte epitáfio:

“P.e Manuel Siqueira, de nacionalidade chinesa e pátria macaense; jovem foi para Roma e aí ingressou na Companhia de Jesus, primeiro chinês da mesma Companhia que recebeu o sacerdócio; terminados com louvor os estudos de Filosofia e Teologia, regressou aos seus para pregar o Evangelho. Faleceu em Pequim no Ano da Salvação de 1673, a 26 de maio, na idade de 38” (1) (2)

(1) TEIXEIRA, Manuel – O primeiro padre jesuíta chinês in “RC: Revista de Cultura”, Macau, n-º 10 – Abril – Junho, 1990, p. 25-29. Este artigo está disponível para leitura em: http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30010/1555

(2) Ele não tinha 38, mas 40 anos de idade, pois nasceu a 25 de Maio de 1633.

Em 11 de Agosto de 1727 : “Neste dia desembarcou António Monis Barreto vindo de Goa socceder no Gov.º a Ant.º da S.ª Telles por ter finalizado o seu tempo.”(1)
O Moço Fidalgo António Moniz Barreto (2) tomou posse do Governo de Macau, tendo sido um mau governador, segundo o Embaixador Alexandre Metelo de Sousa e Meneses. (2) Mandou prender o Ouvidor António Moreira de Sousa (3) com grilhões, e pondo-o incomunicável numa fortaleza, mas conseguiu não só governar durante todo o seu triénio que terminava a 11 de Agosto de 1930, como dois anos mais. (4).  Terá sido substituído depois de 14 de Dezembro de 1732. (5) (6)
(1) BRAGA, Jack M. – A Voz do Passado, 1987.
Há no entanto um erro histórico nesta informação. António da Silva Telo e Meneses (citado muitas vezes como Teles de Meneses) foi Governador de 9-09-1719 a 1722. António Moniz Barreto veio substituir António Carneiro de Alcáçova (governo de 6-09-1724 a 1727).
Capitães Gerais e Governadores de Macau: (5)
De 9 de Setembro de 1719 a 1722 – António da Silva Telo e Meneses
De 19 de Agosto de 1722 a 1723 – D. Cristóvão de Severim Manuel, (destituído em 22 de Julho de 1723) (7)
De 22 de Julho de 1723 a 1724 – António da Silva Telo e Meneses (2.º mandato)
De 6 de Setembro de 1724  a 1727 – António Carneiro de Alcáçova
De 11 de Agosto de 1727  a 1732 – António Moniz Barreto
(2) António Moniz Barreto, nasceu a 12-09-1683, em Angra de Heroísmo (Açores) , filho de Guilherme Moniz Barreto. Nomeado fidalgo a 10-06-1699. Casou em Macau. Morreu na fragata Nossa Senhora de Montalegre em 29-06-1751.
Doug da Rocha Holmes http://www.dholmes.com/rocha2.html
http://archiver.rootsweb.ancestry.com/th/read/PORTUGAL/1999-11/0941671130
(2) Alexandre Metelo de Sousa e Meneses que chegara a Macau a 10 de Junho de 1726, na nau Nossa Senhora da Oliveira (ficou hospedado na casa de Francisco Leite, que veio a ser Palácio do Governo e depois Palácio das Repartições – demolido) entregou  no dia 4 de Agosto de 1726, em Pequim, a  carta de D. João V ao Imperador da China, como embaixador de Portugal na China. Regressou a Macau no dia 08-12-1927 , para embarcar na Praia Pequena, para Lisboa a 17 de Janeiro de 1728 (chegou a Lisboa a 21 de Novembro de 1728, sendo nomeado conselheiros do Conselho Ultramarino). (4) (5)
(3) Dr. António Moreira de Sousa desembarcou em Macau do navio Sr.ª Ana e tomou posse do cargo de Ouvidor, para o qual havia sido nomeado no ano antecedente, a 3 de Agosto de 1726. O motivo da prisão terá sido o conflito entre o Ouvidor e o sargento-mor José Álvares de Queirós. Foi substituído a 7-09-1728, data em que chegou no Navio Nossa Senhora da Penha da França, vindo de Goa, António Fernandes Teixeira. (4)
Conta Fr. José de Jesus Maria entre Novembro e Dezembro de 1727: «No anno de 1727 se vio bem embrulhada esta cidade de dezunions entre as justiças, querendo não menos que prender hum ouvidor de El rey: entrava tambem o Cappitão Geral nestas tratadas; que como havia parcialidades logo se havião suscitar desordens e contendas; o embaixador que ahinda aqui se achava quiz com o seu respeito e prudencia serenar esta tormenta, mostrando a sua douta litteratura o que poidião e não podião fazer; pois que regulados não pellas leis, que ignorão, mas so pellos dictames da vontade e subornos de empenhos, sempre fazendo ao direito torto, obrarão o que quizerão…» (5)
(4) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(5) Capitães Gerais e Governadores de Macau:
De 22 de Junho 1718 a  1719 – António de Albuquerque Coelho
De 9 de Setembro de 1719 a 1722 – António da Silva Telo e Meneses
De 19 de Agosto de 1722 a 1724 – D. Cristóvão de Severim Manuel
De 6 de Setembro de 1724  a 1727 – António Carneiro de Alcáçova
De 11 de Agosto de 1727  a 1732 – António Moniz Barreto
De 18 de Agosto de 1732 a 1935  – António de Amaral Meneses (pediu para ser substituído) (5)
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 2, 1997
(6) Em 14 de Dezembro de 1732, realizou-se no Leal Senado de Macau uma sessão, para a qual foram convidados, além do capitão-governador (António Moniz Barreto), os prelados das diversas Religiões, os “homens bons” e as principais individualidades. Estava em jogo o futuro da colónia. Justificava-se a expectativa.
A situação era grave, a decadência bem evidente, o deficit temeroso. As “fintas” ou derramas que, de vez em quando, se poderiam lançar sobre os moradores, não chegariam sequer para as despesas ordinárias. Segundo vinha ditando a experiência, o comércio com os diferentes portos asiáticos vinha decaindo de ano para ano. O sândalo de Timor não rendia já o lucro de antes. Os restantes portos, frequentados pelos navios macaenses, encontravam-se em conjuntura semelhante.
Perante este horizonte nada prometedor, urgia lançar mão de novas medidas. A ideia básica seria tentar concretizar o velho sonho: impetrar a el-rei D. João V (1706-1750) a faculdade de Macau poder enviar, anualmente, um navio ao Brasil, sem ser obrigado a passar por Lisboa, para o pagamento de direitos, e de poder, no regresso, trazer prata. Era isto o que mais se desejava. Esperava-se despacho favorável a este pedido, tanto mais que a Cidade se encontrava depauperada pelas despesas havidas com a embaixada à China.
A resposta de Lisboa, porém, não fora favorável. Mantinha-se a negativa de antes. Como não ficariam os Macaenses, ao verem frustrado um plano em que tinham depositado todo o seu optimismo?
Na reunião de 14-10-1733 foi novamente o assunto ventilado, com o máximo interesse, na presença das autoridades civis e eclesiásticas e mais convidados. O bispo D. João do Casal (1690-1735), não pôde comparecer, por doença.
Publicado originalmente em: “Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa“, Jul.-Dez. 1976, pp. [117]-52.)
http://www.library.gov.mo/macreturn/DATA/PP219/PP219021.HTM
(7) Dom Cristóvão de Severim Manuel, não procedeu como devia, no governo da cidade, pois foi homem de vida dissoluta e pródigo, tendo contraído muitas dívidas, em Macau, que não pagou. Pelos motivos apontados, veio a ser destituído e o Governo foi de novo entregue ao seu antecessor, António da Silva Teles de Meneses
Ver em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/cristovao-de-severim-manuel/