A Companhia Portuguesa Coronel Mesquita foi criada em Xangai (Shanghai) a 26 de Fevereiro de 1906, em resultado dos esforços e empenho de Fernando J. de Almeida, Joaquim F. das Chagas, José M Placé dos Remédios e João Frederico Nolasco da Silva (1).
Presidiram aos destinos da Companhia Portuguesa, dela fazendo um símbolo perpétuo de valor alguns nomes para os quais Portugal não estava distante:

João Nolasco da Silva (Capitão) (1906-1914) (2)
António M. Dinis (Major) (1914-1925)
Fernando Leitão (Major) (1925-1930)
Manuel F. R. Leitão (Major) (1930-1941)
Próspero A. da Costa (Capitão) (1941-1942)

A Companhia fazia parte do Corpo de Voluntários de Xangai – Brigada Mista e Internacional criada pela Câmara Municipal de Shanghai (1853 até 1942) para defesa dos europeus. (3)(4)
A história da organização e evolução desta Companhia já foi relatada em anterior postagem (5)
Após a autorização pelo Município de Xangai em 1907, para a Companhia usar uniforme, vozes de comando, instrução e disciplina, segundo o padrão do Exército Português, a instrução dos voluntários foi rigorosa e desde cedo estes evidenciaram-se tanto em torneios individuais como colectivas. Em 1910 a Companhia Portuguesa ganho o magnífico prémio «American Cup» instituído pela comunidade americana para um torneio de tiro.

Vencedores da competição anual “SVC Inter-Company Challenge Shield” (1919). (6)

Em 1919 começou a série de vitórias das equipas e membros da Companhia. O «Eficiency Shield», a mais apreciada e difícil prova de exercícios militares (contra relógio), foi ganha em 1921/1922, 1930/1931 e 1931/1932. (6)
Outras distinções da Companhia:
«Japanese Cup» (tiro) ganha em 1929, 1930, 1931 e 1932.
«Fraser Shield» (futebol) ganha em 1930, 1931 e 1932.
«Lewis Gun Pair» (tiro) ganha em 1931, 1932 e 1933.
«Inter-company Challenge Shield» (exercícios militares) ganha em 1919,1920, 1921 e 1926.
«Barnes Cups» (exercícios militares) ganha em 1921.
«Bray Cup» (exercícios militares) ganha em 1929, 1933 e 1934.
«British Cup» (exercícios militares) ganha em 1920, 1921, 1926, 1928 e 1929.
«Trueman Cup» (tiro) ganha em 1931 e 1937.O Campeonato do Corpo e a “Cruz de Ouro” (tiro) foram ganhos em 1921 pelo então segundo-sargento Manuel Leitão; o 2.º lugar e a” Cruz de Prata” foram ganhos nos anos seguintes pelos segundos-sargentos José Campos, Artur Leitão e segundo-cabo Carlos da Silva.
Em outros desportos, futebol, bilhar, etc., alcançou a Companhia Portuguesa em vários anos o título de campeã. Na organização de festivais, saraus, reuniões elegantes, festas e bailes, nunca nenhuma outra lhe ofuscou o brilho, tornando-se disputados os seus convites na alta sociedade.(1)
(1) «Macau Boletim Informativo» Ano II- n.º 38 de 28 de Fevereiro de 1955, pp.4-5
(2) João Frederico Nolasco da Silva. (1871 – 1951) (filho de Pedro Nolasco da Silva) integrou-se na Companhia como 1.º oficial – tenente e um ano depois (1907) com a graduação em Capitão foi nomeado Comandante. Para esta nomeação terá contribuído a sua formação militar em Lisboa (dois anos) depois transferido para a Guarnição de Macau e Timor (onde esteve cerca de 5 anos). Posteriormente trabalhou como funcionário público em Macau, tendo pedido demissão para ir trabalhar para Shanghai, em 1903, para firma “Messrs Buchheiste & Co”.
Fotografia retirada de “Pela Pátria”, Vol II N.º4 Abril 1941 p. 20 (7)
(3) Após o fim da Rebelião de Taiping (1864) um corpo de voluntários foi constituído com o nome de “Shanghai Volunteer Corps” (SVC) em 1854, para defender os interesses estrangeiros principalmente britânicos e americanos sediados em Shanghai e arredores. Em 1870 este corpo passa a ser gerido pelo Município de Xangai, tendo a primeira unidade portuguesa “SVC n.º 4” sido constituída em 1882 , liderada por Mário Augusto Ferrás (1905- 1978) e Moisés M. Honorato Gutterres (1889 –  ?)
(4) “ A unidade portuguesa tinha como objectivo zelar pela segurança e controlo de pessoas na zona norte da cidade, onde vivia a maioria da comunidade portuguesa. Passados poucos anos, em 1889, numa óptica de reorganização funcional dos SVC, a unidade foi extinta, sendo os seus membros integrados nas seguintes unidades: Guarda Civil, Artilharia e companhia inglesa, mais conhecida por “Companhia C”. Passados apenas dois anos, devido ao permanente descontentamento dos elementos portugueses separados e integrados em outros corpos, o Conselho do Município de Xangai autorizou a criação da “Companhia D”, constituída integralmente por portugueses. Esta companhia esteve ao serviço por cinco anos, sendo também ela extinta em 1886. Com esta nova ruptura os elementos da “Companhia D” decidiram juntaram-se ao já independente corpo francês
GARRETT, Gonçalo Almeida – A Presença Portuguesa nos Shanghai Volunteer Corps de Hong XiuQuan ao Imperador Hirohito in
https://www.revistamilitar.pt/artigo/1151
(5) Referência anterior à Companhia Portuguesa Coronel Mesquita em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/companhia-portuguesa-coronel-mesquita/
(6) http://www.macanesefamilies.com/  
(7) “Pela Pátria” jornal mensal publicado pela comunidade portuguesa em Shanghai nos anos 1940 e 1941.
http://www.macanesefamilies.com/PrivateE-o/uipelapatria.htm