Archives for posts with tag: MATCO

Anúncio da MATCO de 1956, para transporte de carga e passageiros.

A ÚNICA COMPANHIA DE AVIAÇÃO PORTUGUESA
NO EXTREMO ORIENTE

O escritório estava no quarto 103 do Hotel Riviera (tel. 3073)

ANÚNCIO MATCO 1956

A “MATCO” – “Macau Air Transport Company” era a designação inglesa mais conhecida da “Companhia de Transportes Aéreos Lda” formada em Hong Kong, com escritura a 11 de Dezembro de 1947. Dois dos acionistas de Macau eram Pedro José Lobo, (33,33 %) e Liang Chang. Os outros eram os co-fundadores da “Cathay Pacific”, Sydney de Kantzow e Roy Farrell, pelo que praticamente a MATCO era uma subsidiária da “Cathay Pacific Airways”.

Transporte Aéreo AnfíbioA MATCO começou a explorar a rota Macau-Hong Kong (do hangar do Porto Exterior de Macau para o aeroporto de Kai Tak em Hong Kong) por via aérea com anfíbios (iniciou com dois hidroaviões «Consolidated PBY Catalina»), em 1948 e esteve ao serviço até 1961, embora já em 1958 com o aumento das pistas em Kai Tak, esses tipos de aviões estavam obsoletos na aterragem. (1) (2) (3)

NOTA: Charles Ricou, com início a 7 de Janeiro 1920, tinha tentado estabelecer serviços regulares de ligação aérea Macau-Hong Kong com a “Macao Aerial Transport”. Tinha uma frota de quatro aviões “Aeromarine 39B”,  comprados em Nova Iorque, que ligavam o porto exterior de Macau  a Repulse Bay (Hong Kong).
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10151626121887295.1073741832.270601957294&type=3
(1) “Abril de 1948 – Pedro Lobo e Liang Chang organizam a Companhia Limitada de Transportes Aéreos de Macau, registada em Hong Kong tendo alugado à Cathay Pacific Airways o seu primeiro avião (anfíbio, de 2 hélices) baptizado como «Miss Macau».(4) As viagens entre Kai Tak e o Porto Exterior de Macau custavam 40 dólares de Hong Kong (simples) e 75 (ida e volta). A viagem num sentido demorava cerca de 20 minutos.
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XX, Volume 4. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, 2.ª Edição, Macau, 1997, 454 p. (ISBN 972-8091-11-7).
(2) “In the late 1940’s, Macau Air Transport Company (MATCO) was formed by Sydney de Kantzow and Roy Farrell, the co-founders of Cathay Pacific, to transport passengers and cargo from Hong Kong to Macau using Catalina flying boats. In 1961, MATCO was granted a three-year license to reintroduce a passenger service between Macau and Hong Kong after the phasing out of the Catalina flying boats, using an Italian 6 passenger twin engine Piaggio P136. On December 1, 1962, service was suspended due to bad landing conditions in Macao, where the harbour was getting shallower due to silt. That was the last reported seaplane operation from Hong Kong to Macau.”
http://www.waterfrontair.com/Pages/History.aspx
(3) http://en.wikipedia.org/wiki/Macau_Air_Transport_Company
(4) Reler a «história» da «Miss Macau» em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/07/16/noticia-de-16-de-julho-de-1948-o-desaparecimento-da-miss-macao-e-leitura-o-segredo-do-hidroaviao/
e outras informações sobre aviação, em Macau, em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/08/15/leitura-macau-na-historia-e-geografia-de-portugal/.
Aconselho uma leitura ao artigo de Luís Sá, na Revista Macau de 01-03-2006, “Tufões, filmes e piratas”.
http://www.revistamacau.com/2006/03/01/tufoes-filmes-e-piratas/.
Veja também uma animação gráfica simulado de como seria um voo do  «PBY-5A Catalina»  “Miss Macao” com partida de Macau e aterragem em  Kai Tak.
https://www.youtube.com/watch?v=KKAjb4-HQFk.

Parte do texto retirado do livro escolar de 1970 (autorizado, para cinco anos -1/8/970 a 31/7/975-, por despacho ministerial de 2 de Julho de 1970) “História e Geografia” para o 2.º ano Ciclo Preparatório (1)

História e Geografia MAPA

Macau, também foi antigamente uma ilha; o istmo, agora chamado da Porta do Cerco, formou-se depois.
O território de Macau é de 16 quilómetros quadrados apenas, – com uma população calculada para 1966 em cerca 280 000 pessoas o que dá a espantosa densidade de 17 500 habitantes por quilómetro quadrado….(…)
            Muitos dos habitantes vivem em barcos, no porto de Macau.

História e Geografia SAMPANAS

Sampanas no porto de Macau

 A  indústria mais importante é a de roupa e confecções.
Mas há muitas outras: de fogo-de-artifício, de fósforos, de tecidos, etc. As matérias-primas para estas indústrias são importadas.
Em 1966, o total das exportações foi de 690 000 contos.
O primeiro lugar coube aos artigos de vestuário e roupas, com quase 270 000 contos, o segundo ao fogo-de-artifício, com 60 000 contos, seguidos por 21 000 contos de peixe e 43 000 de crustáceos e moluscos, 28 000 de tecidos, 13 000 de calçado, etc.
A importação foi de quase um milhão e meio de contos.

História e Geografia HIDROAVIÃOHidroavião da carreira de Hong Kong, na rampa em frente ao Hangar do Porto Exterior (2)

O turismo é uma grande fonte de receita. Com efeito, Macau é visitada por muitos orientais e europeus que aí fazem seus negócios e se distraem…

(1)   FERNANDES, Maria da Graça Lameiras; SIMÕES, Manuela Lobo da Costa; FREITAS, Gustavo de – História e Geografia de Portugal, para o 2.º ano de Ciclo -Preparatório do Ensino Secundário. Porto Editora/ Emp. Lit. Fluminense/Livraria Arnado, 1970, 279 p.

História e Geografia CAPA

(2)   Esta foto será do final da década de 50 ou princípio de 60. A “carreira de Hong Hong” era feita pela “Companhia Limitada de Transportes Aéreos de Macau” (registada em Abril de 1948 por Pedro Lobo e Liang Chang) e era quase exclusivamente ao transporte do ouro, embora pudesse também transportar passageiros, sobretudo nos voos entre Macau e Hong Kong.
Em 1961, as estatísticas indicavam um movimento anual de 48 hidroaviões em Macau, transportando ouro no valor de 305 milhões de patacas. Mas a MATCO (Macao Air Transport Company) estava condenada a desaparecer e mesmo quando foi comprada por Stanley Ho ninguém acreditou na sua viabilidade. Os aviões foram sendo vendidos às companhias da região… (, Luís Andrade de – Aviação em Macau, Um Século de Aventuras. Companhia do Aeroporto de Macau/Gabinete do Aeroporto Internacional de Macau/Livros do Oriente, 1990, 119 p. ISBN 972-9418-07-1)