Archives for posts with tag: Lúcio Augusto da Silva

Esta notícia do falecimento em Macau a 17 de Junho de 1856 do médico José Severo da Silva Telles, filho de António Gomes Teles e de Teresa de Jesus da Silva (nascido em Lisboa), devido a lesão orgânica do coração, foi anteriormente postado neste blogue – VER em (1)

Entretando encontrei a notícia deste mesmo acontecimento publicado no «BGPMTS», de 1856 na coluna “NECROLOGIA” (assinado por J.J.B.) onde traz uma nota biográfica do falecido com outras informações.

Veio para Macau em 1815 e aqui casou a 25 de Janeiro de 1817 com Ana Joaquina do Rego. Teve de Ana Joaquina, 7 filhos.

Obteve a carta de cirurgião a 2-08-1814; admitido como cirurgião do Partido em 15-02-1817 (com o ordenado de 400 taéis anuais); em 1817 nomeado Cirurgião mor do Batalhão Príncipe Regente; em 1824 alferes do Batalhão do Príncipe Regente; em 1825, tenente graduado; em 1830 capitão graduado; em 1846, nomeado Director do Hospital Militar e desde essa época até 1853, serviu interinamente de Cirurgião-mor da Província.

Também serviu como primeiro cirurgião dos Hospitais de S. Rafael e de S. Lázaro. Em 1849 foi encarregado da chefia dos Serviços da Saúde. De 1827 a 1835 foi vereador do Leal Senado. Reformou-se em Janeiro de 1855. Armado Cavaleiro da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa (3 de Fevereiro de 1848) (2)

Extraído de «BGPMTS», II-43 de 16 de Agosto de 1856, p. 172

NOTA: O 2.º filho, Joaquim Cândido da Silva Teles, nascido a 27-08-1819, também foi médico-cirurgião em Macau. Em 1842 nomeado ajudante do Batalhão do Príncipe Regente e em 1857, nomeado cirurgião ajudante graduado do mesmo Batalhão. Em 1863, foi cirurgião-mor deste Batalhão e em 1878 cirurgião-mor do Corpo da Polícia, e na ausência do Dr. Lúcio da Silva (em Sião) foi nomeado chefe interino dos Serviços de Saúde. Reformado em 1877 com a graduação de major. (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/06/17/noticia-de-17-de-junho-de-1856-jose-severo-da-silva-teles/

(2) Dados biográficos retirados de TEIXEIRA, Pe. Manuel – A Medicina em Macau, Volumes III-IV,1998, pp.98 a 105

Extraído do «BGPMTS» I-3 de 4 de Novembro de 1854

NOTA: O Dr. António Luíz Pereira Crespo, nascido em Marinha Grande foi nomeado cirurgião-mor de 1. ª classe da Província de Macau e Timor em 30-08-1852. Terá chegado a Macau em finais desse ano.

Extraído de «BGPMTS» VII-17 de 7-12-1852, p. 61

No Boletim Oficial de 1853, aparece este anúncio:

Extraído do «BGPMTS» VIII-25 de 28-07-1853, p. 102

Casou na Sé, a 16-01-1854, com Bárbara Joaquina da Silva. Com data de 01-08-1855, Dr. Crespo publicava o seguinte aviso no Boletim Oficial, acerca da vacinação “para prevenir o contágio das bexigas”. Este aviso foi repetido nos números seguintes bem como em anúncios de 1857.

Extraído de «BGPMTS» I- 42 de 4-08-1855, p. 168.

Dr. Crespo elaborou o Regulamento do Hospital Militar de Macau criado por portaria n.º 73, de 21-11-1855 (publicado no «Boletim do Governo da Província de Macao, Timor e Solor», Vol. II, n-º5). O Dr. Crespo regressou a Portugal em 1860, tendo sido nomeado em seu lugar o Dr. Lúcio Augusto da Silva.

Conclusão do relatório da descrição do temporal e dos estragos – ver anteriores extractos em (1) e (2) – do violento tufão de 27 de Julho de 1862 , que retirei do «Boletim do Governo de Macau».

“27-07-1862 – Perderam-se 40.000 vidas em Cantão, Hong Kong, e Macau, devido a um horrível tufão”(GOMES, Luís G. –  Efemérides da História de Macau, 1954)

Boletim do Governo de Macau, VIII-35 de 2 de Agosto de 1862, pp. 140-141

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/07/27/noticia-27-de-julho-de-1862-tufao/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/07/27/noticia-de-27-de-julho-de-1862-violento-temporal-ii/

BGM X-19 de 9 de Maio de 1864

No dia 6 de Janeiro de 1874, o Hospital Militar de S. Januário, delineado pelo ilustre macaense António Alexandrino de Melo, Barão do Cercal, foi benzido pelo Governador do Bispado Pe. António Luís de Carvalho e solenemente inaugurado pelo Governador, Visconde de S. Januário,, com luzida cerimónia e a presença das autoridades e representantes nacionais e estrangeiras.Foi feita a entrega da chave ao Dr. Lúcio Augusto da Silva, Presidente da Junta de Saúde e entregue à mesma Junta a direcção de estabelecimento .  (1)

Prospecto 120 anos - Hospital Militar 1874 IO ataque holandês em 24 de Junho de 1622 veio chamar a atenção das autoridades para a necessidade da fortificação e defesa de Macau. Cedo se fez sentir também a necessidade de criar uma estrutura especialmente vocacionada para dar assistência na doença aos militares que entretanto se fixaram no território.
A construção do Hospital Militar só viria a ser realizada anos mais tarde por determinação e empenho do Governador Visconde de S. Januário.
O projecto, da autoria do capitão Dias de Carvalho que delineou o plano e do Barão do Cercal a quem competiu a parte arquitectónica, foi considerado na época como um dos mais modernos edifícios hospitalares. Constituído por um corpo principal a que se ligavam perpendicularmente as enfermarias gerais com uma lotação de 60 camas, contava ainda com uma enfermaria para subalternos, quartos-prisão, uma secção de isolamento e quartos para oficiais, o que perfazia uma lotação de 100 camas. A 1 de Dezembro de 1872 era lançada a 1.ª pedra e a a 6 de Janeiro de 1874 era inaugurado o Hospital Militar de S. Januário.” (2)
Prospecto 120 anos - Hospital Militar 1874 IIPortaria n.º 71, de 11 de Novembro de 1872:
«O Governador da província de Macau e Timor e suas dependências determina o seguinte:
Tendo-me sido apreciado pelo director das obras públicas o projecto de um novo hospital militar, que deverá edificar-se no terreno para esse efeito já preparado no monte de Sam Jerónimo, e que se acha compreendido na classe 6.ª da distribuição de fundos para o corrente anno económico, aprovada por portaria de 11 de junho ultimo; hei por conveniente, com o voto afirmativo do conselho technico e da junta da fazenda aprovar o dito projecto e seu orçamento na importância de $ 47:266,197, e determinar que se execute com previa arrematação perante a junta da fazenda.
As auctoridades, a quem o conhecimento e execução d´esta competir, assim o tenham entendido e cumpram.
Palacio do governo em Macau, 11 de novembro de 1872 – o Governador da província, Visconde de Sam Januário.» (3)
NOTA: o primeiro Hospital Militar (com esta denominação) foi criada em 29-11-1855 (3) (4) sendo extinta, a partir de 1 de Dezembro, a velha Enfermaria Militar do batalhão de Artilharia estabelecida pelo decreto de 13 de Novembro de 1845 (1) e que funcionava nas dependências do Hospital da Misericórdia. Mas só a 6 de Junho de 1857, os doentes militares foram transferidos para o antigo mosteiro de S. Agostinho, convertido em Hospital Militar.
(1) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau.
(2) Retirado do impresso (prospecto ou folheto desdobrável), constituído por uma folha (70,5 cm x 28,5 cm) com duas dobras, intitulado “120 anos de História”, editado pelo Centro Hospitalar Conde de S. Januário, distribuído aquando dos 120 anos do Hospital (1994).
(3) TEIXEIRA, Pe. Manuel – A Medicina em Macau, Volumes I-II, 1998.
(4) Luís G. Gomes aponta 21-11-1855 nas “Efemérides da História de Macau.”
Outras referências ao Hospital Militar de Sam Januário:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hospital-militar-de-sam-januario/ 

“Na noite de 27 para 28 de Outubro (1872), ruíra com assustador estrondo o tecto da Igreja de S.to Agostinho, em cujo convento anexo se encontrava instalado o hospital militar.
Ninguém esperava tal desabamento, porquanto o tecto não denunciava, exteriormente, qualquer sinal de o vigamento interior se encontrar completamente carcomido pela formiga branca. A parede comum à igreja e ao hospital, pôs em perigo, na sua queda, a vida de um enfermo, que se encontrava internado num quarto contíguo, não tendo havido, por sorte, qualquer morte a lamentar. Toda a noite se trabalhou afanosamente, na colocação de espeques e  anteparos para escoar as paredes que ofereciam menos segurança.” (1)
Esta informação de Luís Gonzaga Gomes, não está correcta, nem a data nem “o que caiu“. Padre Manuel Teixeira (2) transcreve de “A Gazeta de Macau e Timor, n.º de 6-X-1872″
Na noite de 27 para 28 p.p. (portanto 27 para 28 de Setembro) os habitantes do bairro de S. Lourenço foram despertados por um ruído assustador, que semelhava o estrondo precursor dos terramotos. Era a Igreja matriz de Santo Agostinho, a que  está anexo o hospital militar que desabava. Este antigo edifício não apresentava muito sinais aparentes de decadência e era julgado suficientemente sólido para durar ainda alguns anos; por isso causou geral espanto a sua ruína.
A parede comum da igreja e do hospital ameaçou da sua queda a vida de um enfermo que habitava um quarto contíguo. No meio das enormes traves e da cantaria que se despenhava, estava esse pobre homem sem se poder mexer, pedindo socorro em tão angustioso transe, e decerto teria perecido se lhe não valesse a dedicação de alguns intrépidos soldados
O que desabou foi apenas a capela mor da Igreja…”
Não caiu parte do hospital nem o tecto da Igreja, mas só a cobertura da capela mor da Igreja e a parede comum da igreja e do hospital.

NOTA: Há já muito que Dr. Lúcio Augusto da Silva (Director dos Serviços de Saúde) reclamava a construção do novo hospital. O Governador Visconde de S. Januário (empossado 23 de Março de 1872) resolveu então a construção do novo hospital que viria a ficar situado no Outeiro de S. Francisco.  A data que  Luís G. Gomes atribui na obra citada (1) como inauguração do hospital, corresponde ao lançamento da primeira pedra . O Hospital seria  só inaugurado a 6 de Janeiro de 1874 (projecto do Barão de Cercal, direcção do capitão Henrique Dias de Carvalho).
A foto acima é de um cartão do Boas Festas dos Serviços de Saúde de Macau.

Esta foto foi retirada de (2)

 (1) GOMES, Luís Gonzaga – Macau Factos e Lendas páginas escolhidas. Edição da Quinzena de Macau, Outubro de 1979 – Lisboa, 152 p., 19,5 x 14,5 cm
(2) TEIXEIRA, Pe. Manuel – A Medicina em Macau, Volumes I-II. Edição do Governo de Macau/Gabinete do Secretário-Adjunto para os Assuntos Sociais e Orçamento, Macau, 1998, 502 p. , ISBN 972-97934-1-7