Archives for posts with tag: Leonel Borralho

Partiu da Rada no dia 23 de Abril de 1862, o navio do Estado “Martinho de Mello” comandado pelo 1.º tenente Álvaro Andrea, com destino a Lisboa, com escalas por Moçâmedes, Benguela e Luanda. Além da carga (1), levava para Lisboa, 16 militares de Timor que regressavam a Portugal, 20 praças do Batalhão de Macau, incapazes para o serviço, 5 civis, sem emprego. Para Luanda, levava 1 preso sentenciado a degredo M. F. Borralho (2) e 3 soldados do Batalhão de Macau que de Luanda seguiriam para Moçambique.

Levava também o 2.º tenente da armada, José Maria da Fonseca (3) finda a sua comissão, com a família.

Extraído de «BGM», VIII-21, de 26 de Abril de 1862, p. 85

(1)

Extraído de «B.G.M.», VIII-16 de 20 de Março de 1862, p.64

(2) Está referenciado nas “Famílias Macaenses” de Jorge Forjaz na p.59, Manuel Francisco Pereira Borralho nascido em Lisboa cerca de 1820 mas com indicação que faleceu em Macau. Este é antepassado do jornalista Leonel Borralho. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-borralho/

(3) O 2.º tenente José Maria da Fonseca foi Capitão do Porto de Macau de 1855 a 1861. Acompanhou na qualidade de secretário do governador Isidoro Guimarães na missão ao Sião em 1859.

Extraído de «BGM», VIII-21 de 26 de Abril de 1862
CONTINUA …….. Extraído de «BGM», VIII-18 de 5 de Abril,

Equipamento desportivo – blusão e calças – da “Associação Recreativa dos Deficientes MACAU – CHINA” do ano 2000. A “Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau” (ARDDM)(1) foi fundada na década de 60 (século XX) por Leonel Borralho, e ,em 2000, era presidente,  António Fernandes e vice-presidente, Jorge Leitão Pereira.

(1) A denominação «ARDDM», em 2009, foi alterada para Comité Paraolímpico de Macau-China – Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau – China. (CPM ARDDM). https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/associacao-recreativa-e-desportiva-dos-deficientes-de-macau-arddm/


Um pino (pin), circular de 2 cm de diâmetro, oferecido por uma associação que se formou na década de 90 (século XX), se não me falha a memória (não me lembro do nome da associação), ligada a deficientes motores.
Na altura, já existia a “Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau” (ARDDM)(1) fundada na década de 60 (século XX) por Leonel Borralho, (2) e actualmente presidida por António Fernandes.

Pino por trás – mecanismo de fixação

(1) Ver anteriores referências à ARDDM / CPM ARDDM:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/associacao-recreativa-e-desportiva-dos-deficientes-de-macau-arddm/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-borralho/ 

“A pequenina mas pitoresca e aprazível Vila da Taipa registou este ano a maior enchente de excursionistas de que há memória nos anais da sua vida, ao receber no dia 22 de Julho de 1956, (1) milhares de pessoas que ali se deslocaram para assistir à festividade de Nossa Senhora do Carmo e atraídas por um cartaz recreativo-desportivo realmente prometedor” (2)
O Festival foi organizado pela Junta Local das Ilhas (Presidente: Administrador Alberto Maria da Conceição), com o contributo dos Serviços Militares, dos Serviços de Marinha, do Clube Náutico de Macau e da Mocidade Portuguesa e reverteu o lucro aos pobres do Concelho das Ilhas.
O programa das festas estava dividida em três partes: religiosa, desportiva e recreativa.
Parte religiosa:
Presidiu a todas as cerimónias litúrgicas o Bispo da Diocese, D. Policarpo da Costa Vaz que celebrou a missa e administrou o Sacramento da Confirmação, tendo assistido a Encarregado do Governo, Brigadeiro João Carlos Guedes Quinhones de Portugal e Silveira, acompanhado de todas as altas individualidades civis e militares. A parte musical esteve a cargo da capela de Santa Cecília do Seminário de S. José.

MBI III-72 22JUL1956 Procissão N. S. Carmo ISaiu a procissão que percorreu o itinerário do costume com alunos e professores de Colégios Católicos e um grupo de Catequistas à frente.
MBI III-72 22JUL1956 Procissão N. S. Carmo IINa Igreja de Nossa do Carmo, em lugar de honra, o Encarregado do Governo, Brigadeiro João Carlos G. Q. de Portugal da Silveira.
MBI III-72 22JUL1956 Procissão N. S. Carmo IIIOs professores dos Colégios Católicos que concluíram o curso de catequistas (3) com os seus diplomas. A direita da foto, o pároco da Taipa, o cónego António André Ngan

Parte desportiva:
O Festival desportivo efectuou-se na Praia da Aviação e na Avenida da Praia, que estava engalanada e iluminada, à guisa de arraial.
O programa consistia em:
prova de regatas disputadas entre os velejadores do Clube Náutico de Macau e os da Mocidade Portuguesa nas classes «Redwing» e «Moths». Venceu na classe «Redwings» o Clube Náutico e na de «Moths», a Mocidade Portuguesa.
natação
corrida de barcos-dragão que foi disputada por duas equipas de 24 homens do mar representando uma os marítimos da Ilha da Taipa e a  outra os da Ilha de Coloane. Esta prova desenrolou-se ao largo da baía que se estendia  em frente ao antigo Hangar dos Aviões. Venceu a equipa representativa da Taipa.
prova de ciclismo dividida em duas categorias: bicicletas de passeio e bicicletas de corrida. As provas puderam ser seguidas pela multidão, nas várias etapas, pelos relatos dum «Posto de Rádio» cedido pelos Serviços Militares e montado e dirigido por praças da Companhia de Engenharia estacionadas na Ilha.
corrida da «maratona» com um elevado número de concorrentes que percorreram as ruelas e carreiros da Vila da Taipa.
Após a maratona foram distribuídos os prémios (taças e medalhas) aos vencedores pelo Presidente do Concelho dos Desportos, Major Barata da Cruz e D. Celestina da Conceição (esposa do Administrador das Ilhas).
Organizou e dirigiu o certame de natação, as provas de ciclismo e a corrida da «maratona» , o conhecido desportista e jornalista Leonel dos Passos Borralho.(4)
Parte recreativa:
Principiou com uma secção de ginástica com arma, na praia da aviação executada por um «pelotão eléctrico» da 2.ª Companhia do B. C. 1 orientado pelo capitão Abel de Almeida, coadjugado pelo furriel Rodrigues.
Orfeão Indígena: constituído por praças da B. A. A. L. 8,8, dirigido pelo alferes Morgadinho. Presenteou os ouvintes com alguns cantos em português e landim.
Grupo musical «Negro-Rubro» este agrupamento musical actuou durante meia hora números do seu vasto reportório.
Batuque (19h30) : Oa praças do B. C. 1 levaram a efeito na Avenida da Praia curiosas exibições desta singular dança africana.
Dança do leão e ginástica chinesa (22h00) no adro da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, os grupos do «Leão Acordado, Cheng Nin», de Macau e «Chin I Sé»  da Ilha da Taipa travaram entre si uma interessante luta simbólica que só terminou quando ambos caíram exaustos, frente a frente, fitando-se de juba erguida à espera cada qual que o seu inimigo fosse o primeiro a propor as tréguas.
Fogo de artifício  chinês (22h30) – na praia da Aviação sessão de fogo de artifício chinês gratuitamente fornecido e queimado pelas conhecidas fábricas de panchões «Kuong Heng Tai» e Kuong Un», estabelecidas na Ilha da Taipa.
(1) De acordo com o calendário litúrgico, a festa de Nossa Senhora do Carmo ocorre no dia 16 de Julho, no entanto, a sua realização tem lugar no domingo mais próximo dessa data.
(2) Informações e fotos de MACAU Bol Inf, 1956.
(3) Curso de catequista patrocinado pelo Dr. Pedro José Lobo que ofereceu à escola paroquial «D. João Paulino», um gravador eléctrico «Brunding».
(4) Sobre Leonel Borralho ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/02/27/noticia-de-27-de-fevereiro-de-1954-a-proposito-da-liberdade-de-imprensa/

Publicado no Boletim Oficial de Macau n.º 9 de 27-02-1954:
Foi fixada a residência na Ilha da Taipa, pelo prazo de quinze dias, ao sr. Leonel Milcíades dos Passos Borralho, correspondente dum jornal de Hong Kong, pelos abusos cometidos no noticiário que envia para esse jornal acerca de Macau e ainda pela circunstância de que se serviu para lançar nas colunas do jornal de que é correspondente notícias desprestigiantes para o Governo e Administração da Província, o que não pode passar sem o devido correctivo, tanto mais que o referido correspondente, é useiro e vezeiro em façanhas desta natureza. (1)

Era governador da província, Joaquim Marques Esparteiro (1951-1957) que não terá gostado duma notícia enviada por Leonel Borralho à agência UPI (2) de que era correspondente, sobre a explosão de uma bomba no Porto Interior, colocado por uma das seitas de Macau.

Leonel Milcíades dos Passos Borralho, (李安奴) jornalista, deputado da Assembleia Legislativa de Macau (1980-1984), foi proprietário e administrador da «Gazeta Macaense» (o 1.º número saiu a 30-09-1963) como semanário até 1966, depois bissemanário até 1971 e depois, diário (o único no território nessa data) até 1979 (?), Devido a doença deixou nesta data a direcção do diário passando a assumir o cargo de director-adjunto, João Severino. Presidente fundador da Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau. (ARDDM).

(1) MACAU Boletim Informativo, 1954.
(2) «United Press International», agência de notícias internacional fundada em 1907.
(3) A denominação ARDDM, em 2009, foi alterada para Comité Paraolímpico de Macau-China – Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau-China. (CPM ARDDM)

O Hóquei Clube de Macau assinalou neste dia 2 de Outubro de 1955 a abertura da época de hóquei em campo com a realização de três encontros. A convite do referido clube, deslocaram-se a Macau para a realização dos três encontros, os grupos de honra do Regimento de Hong Kong (faziam parte desta equipa visitante alguns dos melhores hoquistas de Hong Kong, quase todos portugueses), o «onze» do 14.º Regimento de Artilharia (da 1.ª divisão de Hong Kong), que jogará contra a equipa «B» do Hóquei Clube e duas equipas femininas, também de Hong Kong, a «Gremlin´s» e a Força Auxiliar do Exército.
A série iniciou com o encontro de exibição entre as equipas femininas que terminou por 7 a 0, a favor da «Gremlin´s».
Seguidamente, o grupo B do Hóquei Clube de Macau enfrentou o «onze» do 14.º Regimento de Artilharia, terminando a partida com o resultado de 9 a 0, a favor do grupo local.
Para registo fica os nomes dos jogadores que alinharam:
Pereira; Henrique da Silva e Alberto Colaço; Rigoberto do Rosário, Bosco da Silva e Humberto Rodrigues; Fernando Nascimento, Pedro Lobo Jr, Nuno dos Santos, Lisbelo da Luz e Américo Cordeiro
Marcaram pela equipa macaense: 5-0 na primeira parte – Nuno dos Santos (3 golos) , Américo Cordeiro e  Pedro Lobo Jr. E 4-0 na segunda parte: Lisbelo da Luz (2 golos) e Américo Cordeiro (2 golos).

O encontro principal (com as bancadas completamente cheias) era aguardado com ansiedade já que após quase 4 meses sem hóquei e após preparação intensiva (mesmo em período de defeso, a preparação da equipa não foi descurada) com o objectivo da sua participação nos Jogos Olímpicos de Melbourne (sobre este episódio, ler anterior post) (1), os espectadores queriam apreciar o comportamento da equipa.
A equipa de Macau apresentou: Cristóvão dos Santos; João Nolasco e Armando Basto; Herculano da Rocha, José Victor do Rosário e Amadeu Cordeiro; Frederico Nolasco, Fernando Marques, Lourenço Ritchie, Albertino Almeida e Luís Cunha.
Aos 23 minutos da abertura, Macau ganhava por 1-0, graças ao interior direito Fernando Marques, dum «penalty-bully». Seis minutos depois Albertino Almeida marcava o 2-0.

15.º Int Hóquei em campo 1955Esta foto (com má qualidade de impressão) da equipa de honra do Hóquei Clube de Macau foi tirada em Janeiro de 1955, aquando do «Interport» de hóquei em Campo com a selecção de Hong Kong (a equipa macaense venceu por 1-0). (2)

A 2.ª parte é inaugurada com um lindo remate de Dallas, avançado-centro de Hong Kong. Mas a reacção da equipa macaense não se fez esperar. Marcaram mais quatro golos, obtidos por Lourenço Ritchie (2 golos) e Fernando Marques (2 golos) (3)
O cometário do jornalista (3): “Na equipa de Macau houve elementos que não deram o máximo do seu contributo para uma exibição em cheio. Mas agradou-nos verificar que a nenhum faltou o necessário fôlego para acompanhar as jogadas até ao fim, resultado, certamente de preparação recebida anteriormente. Houve jogadas estéreis para a galeria («back-hand» e «first-times»), que além de desnecessárias, são por vezes prejudiciais, mas estes defeitos corrigem-se facilmente, estamos certos
(1) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/11/22/noticia-de-22-de-novembro-de-1956-hoquei-em-campo-e-os-jogos-olimpicos-de-melbourne/  
(2) Na foto além dos jogadores, aparecem Leonel dos Passos Borralho (de pé à esquerda da foto), membro da Direcção como suplente e o Dr. João dos Santos Ferreira (treinador da equipa) (de pé à direita da foto)
A Direcção do Hóquei Clube de Macau, nesse ano, era constituída por:
Presidente: Pedro Hyndman Lobo
Secretário: Joaquim Morais Alves
Tesoureiro: Herculano Silvânio da Rocha
Vogais: Eng.º Humberto Fernando Rodrigues e Frederico Nolasco da Silva
(3) Dados recolhidos de MACAU Boletim Informativo,n.ºs 52/53, 1955.