Archives for posts with tag: Lei Iok Tin

Nevoeiro

Faz nevoeiro e chuvisca
Ouvem-se ainda trovões remotos
As árvores lançam novos ramos como          rebentos de bambu
Sem medo do inverno rigoroso nem do           frio da primavera

Versos de Liang Beiyun (1907 – 2001) de 1983
Tradução de Wei Ling / Luís Rebelo in (1)

Rotunda Ferreira do Amaral num dia de nevoeiro
Foto de Lei Iok Tin – 1951

(1) ABREU, António Graça de; JOSÉ, Carlos Morais (coordenadores) – Quinhentos Poemas Chineses. Nova Veja, 2014, 390 p.
Ver anteriores referências a este poeta em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/06/03/versos-sobre-macau-de-liang-beiyun-%E6%A2%81%E5%8C%97%E4%BA%91-i/

Livro de poesia de Fernando Sales Lopes (1), de 1997, com poemas do autor escritos entre 1986 e 1991, (2) Ilustrações de José Rodrigues.

Pescador de Margem CAPAPrefácio da Y. K. Centeno , de 1992:
Pescador de margem é um livro que se ocupa precisamente de marcar a diferença. E não apenas isso: integra-a, torna-a inseparável da memória da vida. A vida do autor tem decorrido nas margens de um oriente que se revelou ao mesmo tempo geográfico, histórico e mítico. Talvez a distância venha a ser, como se adivinha nos poemas, uma aprendizagem e um caminho, para não dizer mesmo um modelo de vida ...
São 51 poemas mais dois (um dedicado à Yvette Centeno e outro ao José Rodrigues) e nas últimas páginas (pp. 83-93), tradução para chinês de 7 poemas por Wang Wei. (2)
Este livro de poemas “Pescador de Margem” receberia o prémio Camilo Pessanha 1996/1997, do Instituto Português do Oriente (IPOR).

PESCADOR DE MARGEM
Ah quem me dera
estar aí
ter um rio
só para mim
lentamente
armar a rede
e içar a esperança
Firme
sem estar em terra
Estendido na água
sem andar à deriva
E viver!
De coisas voltadas
como tu

 Fernando Sales Lopes

POSTAL Lei Iok Tin 1958 Barraca de pescaBarraca de pesca, em frente da Praça de Lobo de Avila (1958)
POSTAL / FOTO: Lei Iok Tin
(Edição Fundação Macau/Centro Unesco de Macau)

PESCADOR DE MARGEM – Pescador solitário que constrói a sua cabana junto dos paredões, pescando com a típica rede de abater (aguchão). O aparelho é suspenso por quatro varas de bambú, sendo a rede manobrada, através duma roldana, de dentro da própria cabana. (Glossário do livro).
(1) Fernando Sales Lopes é licenciado em História, mestre em Relações Interculturais, e jornalista profissional. Nasceu no Barreiro e reside em Macau desde 1986.
Em Portugal desenvolveu a sua actividade profissional na imprensa escrita, rádio e televisão. Em Macau foi director de programas de rádio e televisão da Teledifusão de Macau (TDM), sub-director do Gabinete de Comunicação Social (GCS), director-executivo da Revista Macau (I série), analista de imprensa e coordenador de diversas edições.
Autor, entre outros, do romance juvenil “Terra de Lebab” (2008), do poema “Flor de Lótus”, letra do hino de encerramento da Sessão Cultural da Transferência de Administração de Macau para a China Música de Rão Kyao(1999); do livro de poemas “Não-Ser” (1999); “Geo Metria & Exercícios em Busca da Perfeição” (2014)
(2) Nota do autor na p. 16: “circunstâncias várias só agora permitira, que ele viesse à luz do dia”
(3) LOPES, Fernando Sales – Pescador de Margem. Colecção Extratextos/Livros do Oriente, 1997, 99 p., ISBN 972-9418-51-9, 21 cm x 21 cm.

Número n.º 25 da Revista Cais (1), (28 cm x 19,5 cm; 32 páginas) publicada em Dezembro de 1999 com o título de “Macau e Depois do Adeus”.
CAIS n.º 25 DEZ 1999 CAPA

Tem um “Prefácio” do Eng. Roberto Carneiro intitulado “Até logo, Macau”.

CAIS n.º 25 DEZ 1999 1.ª página… Macau é, por isso, um caso singular no mundo. Compreende-se bem este facto quando se observam grupos de visitantes chineses a contemplar as Portas de S. Paulo; ou quando turistas portugueses olham curiosos o estranho ballet do Tai-Chi quotidianamente executado no jardim Vasco da Gama. …(…)
… Depois do Adeus é tempo de juntar os pedaços e fazer dos próximos 450 anos um grande “Portugal Oriental”…”

É um número totalmente dedicado a fotografias de Macau, Tem fotografias antigas de Macau dos anos 1940/50 do fotógrafo chinês Lei Iok Tin (Lee Yuk Tin) (2), da série retratando a pesca e os pescadores (3)

CAIS n.º 25 DEZ 1999  Lai Iok Tin Ilha Verde O mar e o morar (Ilha Verde)

CAIS n.º 25 DEZ 1999 Rotinas IRotinas

CAIS n.º 25 DEZ 1999 Rotinas IIRotinas

E fotografias “actuais” (de 1999) dos fotógrafos Artur Ventura, Carmo Correia, Henrique Bento, João Mariano e Tina Azinheiro.
(1) A Revista CAIS é propriedade da CAIS – Associação  da Solidariedade Social, distribuía por instituições de cariz social em Portugal que seleccionam entre os seus utentes, os vendedores da revista CAIS. O preço da capa é de 2 euros (actualmente) e a receita das vendas reverte para os vendedores (70%).
(2) Anteriores referências a este fotógrafo, ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lei-iok-tin/
(3) Do livro: ”Pescadores de Macau. O Outro Rosto”. Outras duas fotos do mesmo livro em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/06/fotografias-de-lee-yuk-tin-194050/

Nesta data, depois de entregues pelas autoridades de Cantão, foram recebidas em Macau a cabeça e a mão do Governador João Maria Ferreira do Amaral, barbaramente trucidado pelos chineses, em 22 de Agosto de 1849 (1)

O Governador, Conselheiro Capitão de Mar-e-Guerra João Maria Ferreira do Amaral (até aí conhecido como «o herói de Itaparica») (2) que tinha chegado no dia 19 de Abril a Macau, tomou posse do Governo da Província de Macau, Timor e Solor no dia 21 de Abril de 1846.
Foi assassinado em 22-08-1849 por sete chineses que o acometeram repentinamente, e à traição, próximo das Portas o Cerco. Sucedeu-lhe, na administração da Colónia, o Conselho do Governo, composto pelo Bispo Jerónimo José da Mata, Juíz Joaquim António de Morais Carneiro, Ludgero Joaquim de Faria Neves, Miguel Pereira Simões, José Bernardo Goularte e Manuel Pereira. (1)
A transladação do corpo do Governador, do palácio do Governo para a capela de Nossa Senhora do Carmo da Igreja de S. Francisco onde foi sepultado, foi efectuada a 2 de Janeiro de 1851. (1)

Rotunda Ferreira do Amaral 1951 -Lei Iok Tin UNESCORotunda de Ferreira do Amaral (1951)

 Postal emitido pela Fundação Macau / Centro Unesco de Macau

Foto de Lei Iok Tin

 (1) GOMES, Luís Goonzaga – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(2) João Maria Ferreira do Amaral (1803-1849) distingiu-se pela sua bravura em combate, no dia 24 de Fevereiro de 1823, em Itaparica (Brasil) onde, na altura, ainda guarda- marinha, ferido no braço direito continuou a comandar os seus homens na carga, até ser recolhido ao hospital, onde lhe foi amputado o braço.

Sobre este Governador ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joao-m-ferreira-do-amaral/
Sobre o fotógrafo Lei Iok Tin (Lee Yuk Tin) ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lei-iok-tin/

“A Delegação de Macau do Automóvel Clube de Portugal (1) levou a efeito, nos dias 30 e 31 de Outubro de 1954, um certame de automobilismo, que reuniu dezenas de volantes nacionais e estrangeiros de Macau e Hong Kong e  milhares de espectadores, muitos dos quais vindos, propositadamente, da vizinha colónia britânica.
O programa, conforme se anunciou (2), constou de duas provas distintas, ambas entusiásticamente disputadas e acompanhadas com muito interesse. No primeiro dia realizou-se uma prova de velocidade-regularidade, com o concurso de 20 automóveis, dos quais 9 de Macau. No dia seguinte, teve lugar o Grande Prémio de Macau, ao qual concorreram 15 volantes, dos quais um apenas de Macau. Três outros caros vindos de Hong Kong não puderam participar nesta prova devido a acidentes sofridos na véspera, durante os treinos…(…) Ambas as provas se realizaram no «Circuito da Guia» que mede, aproximadamente, 6,27 quilómetros, ou sejam 3,9 milhas…(…) Este circuito, que mereceu as mais elogiosas referências de todos os concorrentes, só se conseguiu após intenso trabalho de preparação, nele intervindo não só os organizadores como também o pessoal das Obras Públicas…(…)
Sua Ex.ª o Governador ofereceu a artística e linda taça destinada ao vencedor, a qual custou cerca de mil e duzentas patacas, tendo sido feita expressamente em Lisboa.
Sua Ex.ma Esposa de Sua Ex.ª o Governador, Sr.ª Dr.ª D.ª Laurinda Marques Esparteiro, a convite da Comissão Organizadora, cortou a fita simbólica colocada para a inauguração do circuito, acto que foi sublinhado por uma salva de palmas. Seguidamente, a mesma Ex.ma Senhora declarou aberto o circuito.
Felizmente, e não obstante os justificados receios de todos, não houve desastres graves a lamentar, durante a realização das provas salvo pequenos acidentes de que resultaram apenas ligeiros ferimentos em alguns condutores, com algum dano material.
Ganhou brilhantemente o Grande Prémio, no qual se classificou vencedor absoluto, o hábil volante português Eduardo de Carvalho, que conduziu na prova um «Triumph TR2», de 1991 cm3. A prova de velocidade-regularidade foi ganha, também brilhantemente, pelo cabo da R. F. A. Robert Ritchie, que conduziu um «Fiat 1100».
Teve brilhante actuação o único concorrente de Macau, Fernando Macedo Pinto, que, num «MG Special» se classificou em 4.º lugar, revelando-se, em perícia e regularidade, tão bom como os melhores.
Os resultados finais:
Prova de velocidade-regularidade:
Vencedor absoluto (taça oferecida pelo Leal Senado da Câmara de Macau) : Robert Ritchie, Fiat 1100, com 79 pontos;
Vencedor da Classe A: Manuel Magalhães, Renault, com 108 pontos;
Vencedor da Classe B: 1.º – Robert Ritchie, Renault 1100, com 79 pontos; 2.º – Wen Lenard, Fiat 1100, com 94 pontos;
Vencedor da Classe C:  1.º – D. N. Steane, Hillman, com 86 pontos; 2.º Dr. A. Nolasco, Volkswagen, com 90 pontos;
Vencedor da Classe E:  1.º Fernando Ribeiro, Vauxhall, com 84 pontos; 2.ª Maria F. Ribeiro, Vauxhall, com 85 pontos.
Grande Prémio de Macau
Por categorias:
Carros de desporto ou especiais:
1.º – Vencedor absoluto: Eduardo de Carvalho, «Triumph TR2». Completou 51 voltas ao circuito, em 4 h. 3m. e 19,1s.
2.º – Paul du Toit, «Triumph TR2», com 51 voltas, em 4h. 4m. e 46 s;
3.º – Reginaldo da Rocha, «Triumph TR2», com 50 voltas, em 4h. 1m. e 55,5 s; ao lado do seu pai.
4.º – Fernando Macedo Pinto, «MG Special», com 48 voltas, em 4h. e 3,4s  NOTA: Reparar na matrícula: M-818
Carros de turismo:
Classe B: Robert Ritchie, Fiat 1100, com 48 voltas, em 4h. 1m. e 57,6 s;
Classe D: D. N. Steane, Hillman, com 46 voltas, em 4h. 1m. e 29 s.
Classe E: K. O. Mak, Ford Zodiac, com 45 voltas em 4h. 1m. e 56 s.;
Outros concorrentes:

R. Pennels junto do seu «Austin Healey 100», o carro mais potente do «Grande Prémio»
G. J. Bell junto do seu «Morgan»
O Jantar de Gala efectuou-se no salão do Clube de Macau, na noite do dia 31, a que presidiu Sua Ex.ª o Governador. (3)”
Entrega da taça do «Grande Prémio» a Eduardo de Carvalho pela Exma. Sr.ª Dr.ª Dª Laurinda Marques Esparteiro
UM ASPECTO DO 1.º GRANDE PRÉMIO DE MACAU (1954) (4)

Reparar nesta foto, as “obras” iniciadas nesse ano (Abril ?), de alargamento das curvas da Estrada de Cacilhas com o desbravar da encosta. Nesse alargamento, aconteceu, no ano seguinte (1955) um acidente de trabalho, por mim relatado no post “Estrada de Cacilhas (I)”  https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/10/estrada-de-cacilhas-i/
(1) Nesse ano, de 1954, antes do 1.º Grande Prémio, o Automóvel Clube de Portugal nomearia seu delegado em Macau, o Sr. Carlos Humberto da Silva, um dos organizadores do Grande Prémio de Macau. O mesmo senhor ficou incumbido de promover a criação nesta Província, duma Delegação do Automóvel Clube de Portugal.
(2) Ver anterior blogue: “NOTÍCIAS DO PRIMEIRO GRANDE PRÉMIO DE MACAU” https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/15/noticias-do-primeiro-grande-premio-de-macau-1954/
(3) Macau Boletim Informativo, n.º 31, 1954
(4) Postal da «Macau Multimedia Photographic Association, sobre as obras de fotografias “Macau nos últimos 60 anos” do Sr Lei Iok Tin»

Três excelentes fotografias de Lee Yuk Tin (1) c/ 1940/50 inseridas em “Pescadores de Macau, O Outro Rosto“, todos elas relacionadas com a pesca e pescadores de Macau (2)

Artes de Rede-Pesca com redes de abater, armada junto à ponte Nobre de Carvalho

Saída ao mar

Secagem das redes

(1) Mais conhecido em Macau como LEI IOK TIN (nome em cantonense)
Informações sobre este excelente fotógrafo e fotografias por mim já referenciadas em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hospital-central-conde-de-s-januario/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/02/07/folhetos-de-cinema-teatro-imperio-i/
(2) Retirado de “CAIS” n.º 45, 1999