Archives for posts with tag: Leal Senado

Realizou-se em Macau, no Hospital Conde de S. Januário de 6 a 11 de Setembro de 1981, o “SYMPOSIUM ON TRANSCULTURAL PSYCHIATRY”, uma extensão asiática do “The VIII World Congress of Social Psychiatry”, com o alto patrocínio do Governador de Macau.
A Comissão Organizadora era constituída por médicos de Lisboa (A. G. Ferreira, H. Rodrigues da Silva, J. M. Machado Nunes e J. M. Caldas de Almeida) e uma Comissão Local formada por José da Paz Santos, Deolinda Martins e Jorge Alberto Hagedorn Rangel.
A Sessão de Abertura realizou-se no Domingo, dia 6 de Setembro, no Leal Senado às 18 horas.
As Sessões Plenárias, workshops, comunicações livres e Sessão de Encerramento realizaram-se no Hospital Conde de S. Januário.
As línguas oficiais do Simpósio foram o Português e o Inglês, com tradução simultânea na sala principal.

CAPA (21 cm x 15 cm) + CONTRACAPA

Um dos workshops «O MACAENSE E A SUA IDENTIDADE; A sua cultura subjectiva» realizou-se no Museu Luís de Camões , em três sessões, nos dias 8, 10 e 11., tendo como presidente da mesa Nuno Afonso Ribeiro. Intervieram, Charles R Boxer (GB), Carlos Estorninho (P), J. M. Machado Nunes (P), António Conceição Jr (P) , Maria Cecília Magalhães (P) e Silva Rego (P).
Os participantes e acompanhantes ficaram instalados nos Hotéis Lisboa, Sintra e Metrópole.
O jantar de encerramento foi no dia 11 pelas 20.00 a convite do Governador de Macau.
Foram oferecidas aos Congressistas pelo Secretário-Adjunto do Governo de Macau para o Turismo, Ensino e Cultura uma medalha do simpósio na forma de uma «sapeca», moeda chinesa que durante muito tempo circulou em Macau. O seu valor fiduciário é de 1/10 do avo e tem a particularidade de ter um orifício central de forma quadrada.
Os Correios de Macau emitiram um envelope e 6 selos comemorativos deste simpósio, com os seguintes valores: 15 avos, 40 avos, 50 avos, 60 avos, 1 pataca e 2,20 patacas. A autoria do desenho é de António Conceição Jr.

O tema proposto – Simpósio de Psiquiatria Transcultural – foi abordado pelo Artista segundo a perspectiva religiosa, marcante como símbolo de duas culturas. Tendo escolhido um formato vertical, aproveitou a escultura de uma divindade budista em «papier machée», que foi tratada em conotação com o fundo. Assim, à imagem serena do Arhat associa-se a sombra de uma cruz que se projecta sobre a parte central da escultura e que se completa pelo fundo.” (retirado do Programa)
No primeiro dia de emissão, 6 de Setembro, foi também oposto em toda a correspondência um carimbo comemorativo, tenho para isso funcionado um posto de correios no “hall” de entrada do Hospital Conde de S. Januário.
O Programa Social além das visitas aos locais de interesse turístico (incluindo o Museu «Luís de Camões») e às Instituições Assistenciais de Macau, os acompanhantes dos participantes tiveram um almoço “Iam Chá” oferecido pela esposa do Director dos Serviços de Saúde (dia 8), um passeio à região de Zhonshan (oferta do Banco do Oriente) (dia 9) e assistência às corridas de cavalos no Hipódromo da Ilha da Taipa (dia 10).
Durante os dias do simpósio, esteve uma exposição de artesanato de Macau no Hospital Conde de S. Januário, e outra, exposição colectiva de arte gráfica portuguesa contemporânea (organizada pela Galeria 111 de Lisboa), no «Museu Luís de Camões» onde estavam representados Bartolomeu Cid, René Bertholo, Carlos Botelho, Manuel Cargaleiro, Lourdes Castro, Costa Pinheiro, David de Almeida, Eduardo Luís, Victor Fortes, José de Guimarães, Maluda, Jorge Martins, Menez, Nadir Afonso, Eduardo Nery, Nikias, Palolo, Pomar e Vieira da Silva.

Aviso publicado no «Boletim da Província de Macau e Timor», XVII-29 de 17 de Julho de 1871,  acerca da exumação dos cadáveres sepultados no Cemitério de S. Miguel Arcanjo que passou a ser administrado pelo Leal Senado em 27 de Novembro de 1868 (anteriormente a cargo da Diocese de Macau).

No dia 24 de Agosto de 1866, o Corpo de Voluntários de Hong Kong ofereceu em Macau uma espada ao Governador José Rodrigues Coelho do Amaral como sinal de reconhecimento, pela cordial recepção que tiveram nesta cidade, na sua visita em 19 de Novembro de 1864. Na mesma ocasião foi entregue ao Sr. Presidente da Câmara Municipal uma escrivadinha de prata que pelo mesmo motivo foi oferecida à municipalidade.(1)
B. G. M. XII-26 , 1866,

(1) Ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/01/19/noticias-de-19-a-21-de-janeiro-de-1865-visita-do-corpo-de-voluntarios-de-hong-kong-a-macau/

Fotografais de Macau publicadas no Boletim da «S. L. A. do Rio de Janeiro», em 1935  e 1936.

No dia 28 de Maio de 1950, em comemoração do dia 28 de Maio, houve uma parada das forças militarizadas no Largo Senado . Anuário de Macau de 1950 p. 236/237
A Tribuna de honra estava instaladas à frente da Estátua do Coronel mesquita, virada para o edifício do Leal Senado e as forças em parada desfilaram ao longo da Avenida Almeida Ribeiro. O Governador era Albano Rodrigues de Oliveira (1)

Desfile dos militares
Desfile dos Bombeiros

(1) Ver anteriores referências a este governador em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/albano-rodrigues-de-oliveira/

No dia 26 de Abril de 1972, a equipa de honra do Hóquei Clube de Macau (H. C. M.) acompanhados do presidente do Conselho Provincial de Educação Física, José Silveira Machado, do presidente da Comissão Administrativa do Hóquei Clube de Macau, Humberto Rodrigues, e de outros dirigentes, esteve pelas 16,00 horas, no Palácio da Praia Grande, para apresentar cumprimentos de despedida ao Governador.
A digressão desportiva ao Japão no período de 29 de Abril a 6 de Maio, compreendeu 4 encontros de hóquei em campo. Os jogadores macaenses actuaram em Osaka, no dia 29 de Abril como Selecção de Macau contra a Selecção de Osaka; em Tóquio, no dia 1 de Maio, como Hóquei Clube de Macau contra a Universidade de Keio e em Tóquio, no dia 3 de Maio como Selecção de Macau contra a Selecção de Tóquio. O último jogo que se realizou no campo desportivo de Kemigawa (Tóquio), os hoquistas macaenses representaram Portugal no primeiro encontro oficial de hóquei em campo entre Portugal e o Japão (já relatado numa anterior postagem) (1)

Os dirigentes do H.C.M. mostram ao Governador as lembranças que iam oferecer aos grupos japoneses a enfrentar na sua digressão desportiva.
Da esq p/ dta.: José Silveira Machado, Governador José Nobre de Carvalho, Humberto Fernando Rodrigues, Mário Aureliano Robarts (de costas) e António Lagariça..

Os hoquistas e dirigentes do H.C.M com o governador no Palácio da Praia Grande
(peço uma ajuda dos amigos para uma correcta identificação de todos os que estão nesta fotografia)

O Engenheiro Humberto Rodrigues, em nome dos hoquistas presentes agradeceu ao Governador o subsídio concedido, permitindo assim que um velho sonho acalentado durante tantos anos pelas diversas equipas do H. C. M. se visse transformado numa flagantre realidade. Acentuou, no entanto, que essa deslocação ao Japão não visava unicamente efeitos desportivos; pretendia-se que ela fosse também uma oportunidade para a publicidade turística de Macau, não esquecendo os aspectos culturais.

O Presidente do Leal Senado no acto da entrega de galhardetes e mensagens para os municípios de Osaka e Tóquio.
Da esq p/ dta: Joaquim Morais Alves, Humberto Fernando Rodrigues, Pedro Xavier, Amadeu Cordeiro,  António Almeida e ?

Os hoquistas de Macau também estiveram no gabinete do Presidente do Leal Senado, Joaquim Morais Alves para lhe apresentarem cumprimentos de despedida e receberam dele os galhardetes e mensagens para serem entregues aos presidentes dos municípios de Osaka e Tóquio. A embaixada não ia ao Japão apenas para jogar. Levava também a incumbência de estreitar os laços de amizade entre a cidade de Macau e as referidas cidades japonesas.
Os jogadores e dirigentes do Hóquei Clube de Macau partiram no dia 27 de Abril, pelas 11,00 horas. À partida da caravana assistiram numerosas pessoas. Entre os presentes, o Presidente do Leal Senado, Joaquim Morais Alves e o Presidente do Conselho Provincial de Educação Física, José Silveira Machado, representando os munícipes e o sector desportivo local. E lá partiram…
NOTA: Informações de Henrique José Manhão Jr. que relatou em diário esta digressão para o bissemanário católico «O Clarim», reproduzido depois no Boletim de Informação e Turismo.
(1) NOTÍCIA DE 6 DE MAIO DE 1972 – O PRIMEIRO PORTUGAL-JAPÃO EM HÓQUEI EM CAMPO:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/06/noticia-de-6-de-maio-de-1972-o-primeiro-portugal-japao-em-hoquei-em-campo/

Edital de 3 de Abril de 1835 (em inglês) na imprensa estrangeira “The Canton Register”, publicitando o início da Lotaria de Macau no dia 5 de Maio. Presidindo ao sorteio, os vereadores António Vicente Cortella (1) e Joze Vicente Jorge (2) Por cada extracção eram emitidos 400 bilhetes.

O edital está assinado por J.J. Barros, secretário da Câmara, governador de Macau Bernardo José de Sousa Soares de Andrea, José Baptista de Miranda e Lima, Presidente da Câmara, e os vogais: Floriano António Rangel, António Vicente Cortella, João Damasceno Coelho dos Santos e José Vicente Jorge.

(1) António Vicente Cortela (1789-1841 – filho de Inácio Baptista Cortella de Sousa e Albuquerque e Mariana da Silva Faria. Sócio da «Casa de Seguros de Macau», foi vereador da Câmara Municipal e em 1837, juiz de paz da freguesia de S. Lourenço.
(2) José Vicente Jorge, ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-vicente-jorge-1803-1857/