Archives for posts with tag: Lazaristas

No dia 3 de Outubro de 1841 faleceu de febre maligna, no Seminário de S. José, o ilustre sinólogo, padre Joaquim Afonso Gonçalves, da extinta Congregação da Missão ou de S. Vicente de Paula, autor das várias obras destinadas à aprendizagem da língua chinesa, considerado como o primeiro grande sinólogo português em Macau. Foi sepultado no cemitério de S. Paulo e depois transladado para a igreja do Real Colégio de S. José. (1) (2) (3)

padre-joaquim-afonso-goncalvesCerva – Foto MaricelPer – Reverendo Joaquim Afonso Gonçalves (4)

O padre Joaquim Gonçalves nasceu em Tojal, concelho de Cerva, da província de Trás-os-Montes, (5) em 23 de Março de 1781 e foi baptizado na Igreja de S. João de Limões, do arcebispado de Braga. Entrou para a congregação a 17 de Maio de 1799, tomou votos em 1801 (Lazarista) e em 1812, partiu de Lisboa para Macau  onde chegou a 28 de Junho de 1813 (6) com a missão de fundar o Observatório Astonómico de Pequim. No entanto não mais saiu de Macau (excepto um período em Manila para onde fugira pelas suas ideias liberais) tendo ingressado no Real Colégio de S. José, onde aprendeu a língua chinesa tornando-se uma exímio sinólogo e onde ensinou outras matérias: português, gramática, latim, francês, inglês, teologia, aritmética, matemática, álgebra , geometria, música. (6) (7)
padre-joaquim-afonso-goncalves-iiFoi membro da Real Sociedade Asiática de Calcutá. Eleito sócio correspondente da «Academia Real das Sciencias de Lisboa» em 18 de Novembro de 1840, não chegou a receber o diploma, nem o de cavaleiro da ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, cuja mercê lhe fora decretada pelo mesmo tempo. (7)
(1) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954.
(2) A lápide sepulcral tinha a seguinte inscrição:

D. O. M.
Hic Jacet
Rev. D.Joachim Alph. Gonçalves Lusitanus
Presbyter Congregationis Missionis
In Regali Collegio S.Joseph Macaonensi
Professor Eximius
Regalis Societatis Asiaticae Socius Exter
Pro Sinensibus Missionibus Sollicitus
Perutilia Opera
Sinico, Lusitano Latinoque Sermone
Composuit Et In Lucem Edidit
Moribus Suavissimis, Doctrina Praestanti
Integra Vita, Qui Plenus Diebus
In Domino Quievit, Sexagenário Major
Non. Octobr.
Anno MDCCCXLI
In Memoriam Tanti Viri
Eius Amid Litteraturaeque Cultores
Hunc Lapidem Consecravere (8)

ARESTA, António – Joaquim Afonso Gonçalves, professor e sinólogo, 2000.
file:///C:/Users/ASUS/Downloads/Joaquim%20Afonso%20Gon%C3%A7alves,%20professor%20e%20sin%C3%B3logo.pdf
(3) A sua Necrologia saiu no Diario do Governo, n.º 20, de 24 de Janeiro de 1842.
padre-joaquim-afonso-goncalves-iii(4) http://fotos.sapo.pt/abraaomendes/fotos/?uid=yYrTOu2VkzR5fz7rrZD6#normal
(5) O Padre Joaquim Afonso Gonçalves terá nascido no lugar de Tojais, da antiga Freguesia dos Limões do antigo Concelho de Cerva, em 23-03-1781. Actualmente tudo isto pertence ao Concelho de Ribeira de Pena.
http://geneall.net/pt/forum/158263/joaquim-affonso-goncalves-p-e-1781-1841/
(6) Do Boletim do Governo de Macau:
padre-joaquim-afonso-goncalves-iv(7) PEREIRA, A. Marques – Ephemerides Commemorativas da História de Macau e das Relações da China com os Povos Christãos, 1868.
(8) Tradução: “A Deus Ótimo e Máximo. Aqui Jaz o Reverendo Sr. Joaquim Afonso Gonçalves, Português, Sacerdote da Congregação da Missão, exímio professor Real Colégio de São José, membro estrangeiro da Real Sociedade Asiática. Solicito pelo bem das missões chinesas, compôs e publicou obras muito úteis nas línguas sínica, latina e portuguesa; foi de costumes irrepreensíveis e exímios pela doutrina, sendo de vida ilibada; cheio de dias, descansou no Senhor, em 3 de Outubro de 1841, aos 60 anos de idade. Os seus amigos e discípulos dedicaram esta lápide em memória de tão ilustre Varão”.
TEIXEIRA, Padre Manuel – Vultos Marcantes em Macau, 1982.
Alguns trabalhos académicos sobre a importância do trabalho do padre Joaquim Gonçalves.,  no âmbito do português-chinês, acessíveis na net:
BARROS, Anabela Leal de – Referências interculturais oitocentistas nas obras metalinguísticas em Português e Chinês do P.e Joaquim Gonçalves, 2014.
http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672014000100005
CEN, Ana Ng – Alguns aspectos da variação linguística num manuscrito e no impresso Arte China de Joaquim Gonçalves.2015.
http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/34274?locale=en
LEVI, Joseph Abraham – Padre Joaquim Afonso Gonçalves (1781-1834) and the Arte China (1829) an innovative linguistic approach to teaching chinese grammar (2007)
https://books.google.pt/books?id=5Oo3CfOuiBcC&pg=PA211&lpg=PA211&dq=Joaquim+Afonso+
Referência anterior neste blog:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-joaquim-afonso-goncalves/

Inauguração (reabertura do Colégio de S. José ?) (1) do Seminário de S. José, com oito alunos, sendo confiado aos Lazaristas ou Padres da Missão, vindos do Seminário de Chorão (Goa), e ficando Reitor, o Padre Manuel Correia Valente. (2) (3)

postal-jv-015-igreja-do-seminario-de-s-jose-1983POSTAL JV 015 – Igreja do Seminário de S. José, 1983 (4)

(1) Há grande divergência entre os investigadores sobre a data da fundação do Seminário de S. José (5) (segundo alguns autores, fundado como Colégio de S. Paulo, pelos jesuítas) mas sabe-se que já existia em 1749, podendo situar seguramente o seu começo no segundo quartel do século XVIII. Existia então no sítio, onde se levanta o actual edifício, conhecido durante muito tempo como Monte do Mato Mofino, um grupo de 3 casitas pertencentes a um homem rico, Miguel Cordeiro que as ofereceu aos missionários jesuítas. Nelas se instalou o primitivo Seminário e delas se foi erguendo, ano a ano, gradualmente o grandioso maciço que ainda é conhecido entre os chineses: Sam Pá Tchai ou S. Paulo menor.
Com a expulsão dos jesuítas, em 1762, registou-se um período de abandono, até 1784, ano em que o Seminário foi confiado aos Lazaristas ou Padres da Missão, vindos do Seminário de Chorão (Goa).
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/04/leitura-o-seminario-de-s-jose-em-1955/

ruinas-de-seminario-de-chorao-goa-1930Ruínas de Seminário de Chorão (Ilhas de Goa), fundado em 1671 (data da foto: 1930)
http://actd.iict.pt/view/actd:AHUD28898

(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(3) Até 1853 (data da morte de D. José Joaquim Pereira e Miranda), o Seminário foi um brilhante viveiro de missionários, chineses e portugueses. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 2, 1997).
(4) POSTAL JV 015 – Igreja do Seminário de S. José . Com a legenda: “Fundado em 1728, a sua igreja foi construída entre 1746 e 1758″

postal-jv-015-igreja-do-seminario-de-s-jose-1983-versoCopyright 1983- Edição de J. Victor do Rosário Jr, Tel.: 89942

(5) “22-02-1657 – Fundação, pelos jesuítas, do Seminário de S. José. A Igreja é de 1750” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 1, 1997).
19-02-1783 – Foi erecto em seminário, o antigo colégio de S. José, que os padres jesuítas tinham estabelecido em 1754 com três casitas que Miguel Cordeiro doou à Missão dos Jesuítas em Nanquim“. (2)
Outras referências ao Seminário de S. José:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/seminario-de-s-jose/

MBI I-15 15MAR1954 Seminário S. José IA fachada da Igreja do Seminário de S. José

A imponente fachada das Ruínas de S. Paulo não constitui apenas um monumento religioso. Aquela mole gigantesca de granito apregoa na sua aparente nudez, uma época brilhantíssima em que com toda a justiça, Macau era apontada como o ponto de irradiação da Cultura Lusíada nestas paragens.
Do Colégio-Universidade de S. Paulo (ou S. Paulo, o Grande – Tai Sam Pá / 大三巴) fundado no final do século XVI) saíram para a China, para o Japão, para todo o Extremo Oriente, legiões de missionários, padres e leigos empenhados na obra de difundir entre os infiéis, a Fé e a Civilização Cristãs.
Remonta também a essa época o começo do Seminário de S. José, fundado como Colégio de S. Paulo, pelos Jesuítas.
Há grande divergência entre os investigadores sobre a data da sua fundação. Sabe-se que já existia em 1749, podendo situar seguramente o seu começo no segundo quartel do século XVIII. Existia, então, no sítio onde se levanta o actual edifício, conhecido durante muito tempo como Monte do Mato Mofino, um grupo de 3 casitas pertencentes a um homem rico, Miguel Cordeiro, que as ofereceu aos missionários jesuítas. Nelas se instalou o primitivo Seminário e delas se foi erguendo, ano a ano, gradualmente o grandioso maciço que ainda é conhecido entre os chineses: Sam Pá Tchai ou S. Paulo Menor/ 三巴仔.(1)
Com a expulsão dos jesuítas, em 1762 , registou-se um período de abandono, até 1784, ano em que o Seminário foi confiado aos Lazaristas ou Padres da Missão, vindos do Seminário de Chorão (Goa).(2)
Dentre os novos professores, que conseguiram levantar o seu prestígio cultural a um grau bastante elevado, distingiu-se o famoso sinólogo, Padre Joaquim Afonso Guimarães, cujas cinzas, como as do Bispo de Pequim, D. Joaquim de Sousa Saraiva, ainda se conservam na igreja do Seminário.
Em 1820, ensinavam-se nela, além de ler, escrever e contar, as Línguas Portuguesa, Inglesa, Francesa e Chinesa, a Música, a Retórica, a Filosofia, os Estudos Eclesiásticos. Havia também aulas de Matemática, uma Academia e de Marinha.
Em 1828, o Seminário adquiriu, por compra, a Ilha Verde, então verdadeira ilha, para nela se construir uma casa de repouso, onde os seminaristas passavam as férias de Verão.(3)

MBI I-15 15MAR1954 Seminário S. José IIAltar de Nossa Senhora da Conceição

Com a execução, em Setembro de 1835, do decreto que extinguia toas as congregações religiosas e, mais tarde com a morte, em 1853, do Pe. Joaquim José Leite, último reitor lazarista, entrou o então «Real Colégio de S. José» num novo período de decadência.
Em Março de 1862, porém, graças aos esforços do bispo D. Jerónimo José da Mata, chegavam os jesuítas Padres Francisco Xavier Rôndina (o seu retrato está num dos salões do edifício do Leal Senado) e José Joquim de Afonso Matos, que deram notável impulso ao ensino, atraindo ao Seminário alunos de Hong Kong, das Filipinas e doutros pontos do Extremo Oriente.
Em 1870, os seus estudos foram oficializados, para os que se não destinavam ao sacerdócio, passando a denominar-se «Seminário-Liceu», facto este que confere o direito de ser considerado o primeiro Liceu da Província.(4)
Em 1871 com a expulsão, primeiro dos professores estrangeiros e, mais tarde, de todos os padres da Companhia de Jesus, sofreu o Seminário novo golpe.(5)
O bispo D. António Joaquim Medeiros confiou em 1890, o ensino, e, em 1893, a direcção e administração do Seminário, novamente, aos jesuítas.
Com a terceira expulsão destes, em 1910, tomou a direcção do Seminário, o clero secular, até 1929, ano em que o bispo D. José da Costa Nunes a entregou, outra vez, aos jesuítas que nela se mantiveram  até 1940. Desde então foi dirigido pelos cleros seculares, auxiliados por alguns religiosos e leigos até ao seu fecho em 1968 (externato); no ano anterior tinha sido encerrado o curso eclesiástico por falta de vocações.

MBI I-15 15MAR1954 Seminário S. José IIIAltar-mor da Igreja do Seminário

Em 1931, fundou-se o Colégio de S. José para alunos externos chineses, anexo ao Seminário até 1938, data em quer foi desligado, passando a funcionar independentemente.
Em Maio de 1938, fecharam-se as portas do Seminário aos alunos externos, sendo frequentado apenas pelos candidatos à vida missionária.(6)
Mas, em 1949, reabriu para os externos, o curso primário e, em 1950, o curso secundário.

MBI I-15 15MAR1954 Seminário S. José IVApós obras de reconstrução, em 1955, os dois edifícios novos do Seminário de S. José. Ao fundo o Salão de Actos e sala de estudo e em primeiro plano a nova escola para alunos esternos.

Em 1954, (7) após a restauração da igreja do Seminário construída igualmente pelos jesuítas, em data que se ignora, mas já existente em 1758, o bispo João de Deus Ramalho, S. J. inaugurou dois pavilhões novos, um para sala de estudos dos seminaristas e salão de actos e outro para aulas dos externos e residências dos professores.
Em 1954/1955 funcionavam neste estabelecimento, 4 cursos distintos, com 2 classes diferentes de estudantes (96 seminaristas e 330 alunos externos):
1 – Curso de Instrução Primária, para alunos portugueses;
2 – Curso Secundário, para alunos portugueses;
3 – Curso Secundário, para alunos chineses;
4 – Curso Eclesiástico, constituído por 2 anos de Filosofia e 5 de Teologia, comum a chineses e portugueses.
À parte funcionava ainda um Curso Especial nocturno de Português para chineses , frequentado especialmente por empregados comerciais.
No seu período áureo, por muitos anos, chegou a manter, com grande proveito para os que não pretendiam seguir a carreira eclesiástica, entre outros cursos especiais, uma Escola de Pilotagem e um Curso Comercial em língua inglesa.(8)
Durante mais de dois séculos, o Seminário de S. José formou sucessivas gerações de pessoas que se destacaram em Macau e no mundo, nomeadamente: Marechal Gomes da Costa, Leôncio Ferreira, o antigo governador de Macau  Artur Tamagnini Barbosa, D. José da Costa Nunes (Vice-Camarlengo da Santa Sé), D. Jaime Garcia Goulart, (Bispo de Timor), Guilherme José Dias Pegado Gouveia ((doutor e lente de Matemática/Física da Escola Polytécnica e seu irmão Manuel Maria e  Pedro José Lobo, Pedro Nolasco da Silva, José Silveira Machado, Manuel Teixeira, José Machado Lourenço, D. Jerónimo José da Mata, D. Arquimínio Rodrigues da Costa, D. Domingos Lam Ka-tseung, D. José Lai Hung-seng e D. Jaime Garcia Goulart. (9)

MBI I-15 15MAR1954 Seminário S. José VO corpo docente e discente do Seminário de S. José (1954/1955) com o novo reitor, Rev. Pe. Arquimínio Rodrigues

(1) 19-02-1783 – Foi erecto em seminário o antigo colégio de S. José, que os padres jesuítas tinham estabelecido em 1754 com três casitas que Miguel Cordeiro doou à Missão dos Jesuítas em Nanquim.(10)
      07-03-1783 – Foi criado no Colégio de S. José de Macau, um seminário para a educação da mocidade macaense.(10)
(2) 01-10-1784 – Foi inaugurado o Seminário de S. José, confiado aos lazaristas, com oito alunos. (10)
(3) Referências anteriores à Ilha Verde:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ilha-verde/
(4) O decreto de 20 de Setembro de 1870 é o primeiro documento oficial completo, referente ao Seminário, que, além dos estudos eclesiásticos e da formação dos missionários para a China, visava também oficializar os estudos no referente a alunos que não se destinavam ao sacerdócio. Na verdade, o n.º 3 do artigo 1.º diz assim « Servir de liceu em que recebam instrução secundária os indivíduos que não se destinarem aos estado eclesiásticos». Aparece, portanto, o Seminário de S. José, como o primeiro liceu na realidade, em Macau,  visto que o Liceu de Macau só foi criado em 27 de Julho de 1893.
22-12-1881 – Decreto organizando o Seminário de S. José, sob o nome de Seminário -Liceu de S. José de Macau, continuando, porém a serem mantidas a cadeira de náutica e as aulas do ensino comercial.(10)
(5) 20-09-1870 – Todos os professores estrangeiros do Seminário de S. José foram obrigados, por decreto, a deixar o ensino.(10)
(6) 18-05-1938 – Foi extinto o Colégio e ficou só o Seminário de S. José, por Portaria Eclesiástica, em cumprimento às instruções da Santa Sé de as aulas do Seminário só poderem ser frequentadas por candidatos à vida eclesiástica(SILVA, B. B. .Cronologia da História de Macau, Vol.4)
(7) MARÇO DE 1954 – Concluídas as obras de reparação nela introduzidas, foi reaberta ao público a Igreja do seminário de S. José. Nesse dia, Sua Exa. o Bispo D. João de Deus Ramalho conferiu o Santo Crisma a 18 seminaristas recentemente vindo vindos da metrópole. (Macau B. I., 1954)
(8) 22-12-1881 – Decreto organizando o Seminário de S. José, sob o nome de Seminário -Liceu de S. José de Macau, continuando, porém a serem mantidas a cadeira de náutica e as aulas do ensino comercial.(10)
(9) Seminário de S. José – Macau B. I. 1955 e Seminário de S. José in Anuário de Macau 1953-55.
(10) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954
NOTA: a Igreja e o Seminário de São José estão incluídos na lista dos monumentos históricos do “Centro Histórico de Macau”, que por sua vez foi classificado pela UNESCO em 2005 como sendo um Património Mundial da Humanidade.