Archives for posts with tag: José Peile da Costa Pereira

Na continuação da postagem de 12-02-2018, festejos do ano novo chinês que nesse ano de 1956 foi a 12 de Fevereiro (1), retiro do «Boletim Geral do Ultramar» (2), uma crónica macaense sobre as festas escolares realizadas nas Escolas Primárias Oficiais Luso-Chinesas Sir Robert Ho Tung
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/02/12/noticia-de-12-de-fevereiro-de-1956-dia-de-ano-novo-lunar/
(2) Extraído de «BGU», XXXII – 369,Março de 1956 pp. 166-168 e

Com a assistência do Governador Almirante Joaquim Marques Esparteiro, e sua Esposa, D. Laurinda Marques Esparteiro, do seu pessoal de Gabinete, de várias entidades oficiais e de grande número de convidados, realizou-se no Liceu Nacional Infante D. Henrique, no dia 26 de Agosto de 1955, a entrega do prémio pecuniário «Luís de Camões», instituído pelo Governador, à distinta aluna Luísa Luz da Rocha Xavier, que terminou o curso dos liceus com a elevada classificação de 17 valores.
Antes da entrega do prémio, usaram da palavra o Intendente administrativo, José Peile da Costa Pereira, na qualidade de Inspector da Instrução Pública , e o reitor do Liceu, Pedro Guimarães Lobato, após o que o Governador entregou pessoalmente um envelope contendo $500,00 patacas à aluna laureada.
Informação de «Macau Boletim Informativo», III-50, 1955
NOTA: segundo Jorge Forjaz (Família Macaenses, III Volume, 1966, p. 1052) , Luísa da Luz da Rocha Xavier nascida em S. Lourenço a 21-02.1941, é filha de Raúl José da Rocha Xavier e de Júlia Maria da Luz. Viria a formar-se em Farmácia e a ingressar na Congregação das Irmãs de Santa Doroteia.

No dia 1 de Novembro de 1955 deveria ter dado início às Comemorações do IV Centenário de Macau 1555 -1955, programadas para serem realizadas durante o mês de Novembro de 1955.
Sobre este cancelamento, comenta o investigador Moisés Silva Fernandes (1):
“Graças a pressões públicas e particularidades exercidas por círculos nacionalistas macaenses, a administração portuguesa de Macau, foi persuadida a comemorar o 4.º centenário de Macau, em Novembro de 1955. A China não reagiu bem às comemorações e fez saber a nível particular e em público o seu desagrado. Zhou En Lai interviu pessoalmente na matéria e a administração portuguesa viu-se na necessidade (2) de cancelar as comemorações para evitar a deterioração da situação política”
programa-das-comemoracoes-do-iv-centenario-capaO programa estabelecido pela Comissão (submetido em 2 de Março de 1955, mas sujeito a alterações) (3) iniciava essas Comemorações no dia 1 de Novembro de 1955 (Terça-feira), às 6.00 horas, com alvorada e hasteamento da bandeira nacional nas fortalezas, navios de guerra e edifícios públicos e terminava no dia 30 de Novembro (Quarta-feira), as 21.00 horas com a sessão solene do encerramento das Comemorações, falando o Governador da Província, o Presidente da Comissão das Comemorações e o Representante da Comunidade Chinesa.

programa-das-comemoracoes-do-iv-centenario-1-a-pagPágina 1

A maioria das cerimónias programadas foi cancelada e mesmo a pequena cerimónia marcada para o dia 20 de Novembro em que se assinalava os quatro séculos da presença portuguesa em Macau e que constava de uma Procissão da Sé Catedral para as Ruínas e S. Paulo não se realizou.
Estava também prevista para o dia 1 de Novembro, o lançamento de 4 selos postais comemorativos do 4.º centenário. (4)
Estava também prevista a publicação de uma edição popular da História de Macau. (5)

programa-das-comemoracoes-do-iv-centenario-2-a-pagPágina 2

O Grande Prémio de Macau que estava integrado no programa, realizou-se no dia 5 de Novembro, com provas de automobilismo (prova para principiantes, prova para senhoras) às 10.00 horas e às 15.00 horas e no domingo, dia 6 com a realização do II Grande Prémio de Macau (6) pelas 12.00 horas. O circuito nesse ano foi alargado em diversos pontos e asfaltado nos troços que eram ainda de areia. Atraiu cerca de 30 mil espectadores. Entre os 12 concorrentes (de Singapura, Hong Kong e Macau) alinhados na grelha da partida, foi vencedor Robert Ritchie, ao volante de um «Austin-Healey», completando as 60 voltas do circuito em 3h, 55m e 55,7 s. Nessa noite pelas 20.00 horas realizou-se o Jantar e distribuição de Prémios das Provas de Automobilismo, no Clube de Macau.
programa-das-comemoracoes-do-iv-centenario-comissaoA Comissão das Comemorações do IV Centenário de Macau, nomeada por Portaria de 8 de Janeiro de 1955 era composta pelas seguintes individualidades:
Presidente – Dr. Pedro José Lobo, chefe dos Serviços Económicos
Secretário – Luís Gonzaga Gomes, professor e sinólogo
Vogais – António Magalhães Coutinho, presidente do Leal Senado da Câmara e chefe dos Serviços dos C.T.T.
Engenheiro José dos Santos Baptista, chefe da Repartição Técnica das Obras Públicas
Intendente do distrito José Peile da Costa Pereira, chefe dos Serviços de Administração Civil
Capitão de artilharia João Vítor Teixeira Bragança
Padre Manuel Pinto Basaloco
Ho Yin, presidente da Associação Comercial de Macau
José Maria Braga, publicista e historiador
Primeiro-tenente da Administração Naval Manuel António Lourenço Pereira

programa-das-comemoracoes-do-iv-centenario-posse-iO Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro proferindo o discurso no acto da posse da Comissão das Comemorações do IV Centenário de Macau

A posse da Comissão realizou-se no dia 14 de Janeiro numa cerimónia pública na Sala Verde do Palácio do Governo na Praia Grande e a que presidiu o Governador Almirante Joaquim Marques Esparteiro. A este acto, assistiram o Prelado da Diocese, D. Policarpo da Costa Vaz, o Meritíssimo Juiz de Direito da Comarca, Dr. Alberto Rafael Marques Mano, o Comandante Militar, Coronel Rui Pereira da Cunha, membros do Conselho do Governo e do Corpo Diplomático, chefes de serviço e outros funcionários superiores, elementos da Comunidade Chinesa, representantes da Imprensa e numerosas pessoas. (7)

programa-das-comemoracoes-do-iv-centenario-posse-iiO Sr. Pedro José Lobo, Presidente da Comissão, pronunciando o seu discurso.

(1) FERNANDES, Moisés Silva – Sinopse de Macau nas Relações Luso-Chinesas, 1945-1995: Cronologia e Documentos. Fundação Oriente, Lisboa, 2000, 849 p. + |Documentos LIX|
(2) Zhou Enlai – 周恩來 (Chu En Lai) (1898- 1976) vice-presidente do partido Comunista Chinês de 1956 a 1966, primeiro-ministro de 1949 até à sua morte e de 1949 a 1958 também ministro dos Negócios Estrangeiros.
(3) Programa das Comemorações do IV Centenário de Macau 1555-1955. Comissão das Comemorações do IV Centenário de Macau, Macau-Ásia, 1955, 9 p., 26,5 cm x 19,5cm.
(4) Macau Boletim Informativo, Ano III, 1955.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/11/02/selos-postais-comemorativos-da-fundacao-de-macau-1955/
(5) “8-01-1955 – Comemorações do IV Centenário do estabelecimento português em Macau (B. O. n.º 2) Entre os eventos e acções previstos conta-se com a publicação de uma edição popular da História de Macau… A Comissão nomeada dá uma ideia das «eminentes» personalidades de então (B. O. n.º 25, de 18 de Junho)” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 5, 1998).
(6) Ver anteriores referências a este Grande Prémio em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/11/05/noticia-de-5-de-novembro-de-1955-ii-grande-premio-de-macau/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/11/06/noticia-de-6-de-novembro-de-1955-ii-grande-premio-de-macau/
(7) Macau Boletim Informativo, Ano II, 1955.

A cerimonia pública promovida pelo Conselho de Instrução, que não pode realizar no dia 10 de Junho de 1955, por causa da chuva, teve lugar no dia 12, domingo, pelas 12 horas.
Presidiu à cerimónia o Governador da Província, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, que se fez acompanhar de  sua esposa e o pessoal do seu gabinete. Estiveram ainda presentes as principais autoridades da Província, representações das escolas portuguesas e chinesas de Macau e filiados da Mocidade Portuguesa.
Proferiu o discurso, Leonel Adalberto Jorge Batalha, professor primário, alocução que foi sobretudo dirigida à mocidade escolar ali presente.

MBI II-45 15JUN55 10 de Junho-Camões (I)O professor da instrução primária, Leonel Adalberto Jorge Batalha proferindo a sua alocução.

Finda a alocução do sr. Leonel Batalha proferiu uma alocução em chinês sobre Camões, o professor primário chinês, sr. Hong Hin Seng.

MBI II-45 15JUN55 10 de Junho-Camões (II)Hong Hin Seng, professor primário chinês proferindo a sua alocução.
Na tribuna à direita, o governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, ladeado pelo Comissário da Mocidade Portuguesa, Intendente José Peile da Costa Pereira e pelo representante do Leal Senado , Dr. José Marcos Batalha

MBI II-45 15JUN55 10 de Junho-Camões (III)Quatro filiados da Mocidade Portuguesa, empunhando os estandartes da organização, prestaram «Guarda de Honra» ao busto do Poeta , durante a cerimónia pública.

Seguidamente, os filiados da Mocidade Portuguesa e as representações dos estabelecimentos escolares desfilaram perante o busto do poeta, junto do qual, à medida que iam passando, deixavam lindos ramos de flores naturais.

MBI II-45 15JUN55 10 de Junho-Camões (IV)Estudantes das escolas portuguesas e chinesas desfilando perante o busto de Luís de Camões

Reportagem de «Macau. Bol. Inf.,1955, »

Cerca de cinco mil pessoas presenciaram o XII «Interport” de futebol, contra Hong Kong, no Campo Desportivo «28 de Maio», em Macau, no dia 4 de Abril de 1954. A selecção local alcançou uma brilhante e merecida vitória, por 3 a 2, resultado justo, porquanto deu a vitória à selecção  que bem mereceu ganhar não só pela maior genica dos seus componentes, como ainda pela maior quinhão no domínio do jogo que os mesmos exerceram durante a partida.

MBI I-17 15ABR1954 Interport Futebol IOs componentes da selecção de Hong Kong são apresentados, antes do jogo, ao Governador da Província, Almirante Joaquim Marques Esparteiro.

A técnica patenteada pelos seleccionados de Hong Kong foi, indubitàvelmente, superior à dos jogadores locais, mas estes souberam superar essa desvantagem, valendo-se para isso dum entusiasmo a toda a prova e duma vontade férrea de triunfar dificilmente dominada por aqueles que tinham por adversários.
Na equipa de Macau, houve, no entanto, um elemento que jogou mais que os restantes, que jogou mesmo mais que todos os outros jogadores em campo, pois que se salientou duma forma extraordinária. Este jogador foi o Augusto Rocha, jovem extremo-direito do «Sporting Clube de Macau», de qualidades notáveis que mereceu da crítica os maiores elogios e a observação de ter sido «o melhor jogador do XII «Interport» de futebol.. Foi ele quem marcou duas das três bolas de Macau, quem fez jogar os seus companheiros se equipa, que mais entusiasmou a assistência e contribuiu para o brilhantismo do encontro.

MBI I-17 15ABR1954 Interport Futebol IIA selecção de Macau, vendo-se à direita o major Barata da Cruz, Presidente da Associação de Futebol de Macau, e à esquerda o capitão Carlos Palmela, seleccionador.

Alinharam, no encontro, os seguintes jogadores:
Por Macau: A. Teixeira; Ho Seng e F. da Rocha; F. da Cunha, O. Baptista (cap.) e Luís da Cunha: Augusto da Rocha, C. Paulo, A. Chung, J. da Rocha e A. Cotrim.
Por Hong Kong: Granger; Armstrong e Wells; Chan Fai Hung, Fraers (cap.) e Tong Sheung; Ho Ying Fan, Reeves, bennett, Yu Cheok Yin e Mok Chan Wa.
A Associação de Futebol de Macau, antes do encontro do «Interport» prestou pública homenagem ao Governador, no campo Desportivo «28 de Maio». Em nome da colectividade, o Presidente da Direcção, Major Mário Gustavo de Araújo Barata da Cruz colocou na lapela do casaco do Governador um distintivo d eoiro, da A. F. M. como símbolo da hoemnagem e gratidão da entidade máxima do futebol local, pelo estímulo, apoio moral e auxílio financeiro tem vindo a merecer do Governador.

MBI I-17 15ABR1954 Interport Futebol IIIOs capitães da duas selecções, O. Baptista (Macau) e Fraser (Hong Kong) após a troca de galhardetes.

MBI I-17 15ABR1954 Interport Futebol IVUm aspecto do jantar, vendo-se na mesa da Presidência, o Intendente de Distrito, José Peile da Costa Pereira.

Na noite desse mesmo dia, os desportistas de Macau e Hong kong reuniram-se no Restaurante da Piscina Muncipal, onde se efectuou uma jantar de confraternização oferecido pela Associação de Futebol de Macau em honra da sua congénere de Hong Kong, ao qual assistiram, além dos desportistas das duas cidades vizinhas, cerca de cem pessoas convidadas entre os quais o representante do Governador, O Intendente José Peile da Costa Pereira.

MBI I-17 15ABR1954 Interport Futebol VOutro aspecto do jantarem que vêem os jogadores de Hong Kong confraternizando com os de Macau

Findo o jantar, o director da representação de Hong Kong, Capitão A. George brindou pelo Presidente da República Portuguesa,  tendo o Presidente da A F. M., por sua vez, brindado pela sua Majestade a Rainha Isabel II da Inglaterra.
Reportagem e fotos de «MACAU B. I.,1954».

Teve lugar no dia 1 de Abril de 1956, o 15.º encontro de «Interport» de futebol entre as selecções de honra de Macau e Hong Kong, que terminou pela vitória da equipa visitante por 5 a 3.
O encontro foi em Macau, no Campo Desportivo «28 de Maio», com a presença do Governador da Província, Almirante Joaquim Marques Esparteiro e Esposa, Dra. Laurinda Marques Esparteiro.
MBI III-65 15ABR1956 INTERPORT FUTEBOL (I)Antes do encontro, os jogadores de ambas as selecções e a equipa de arbitragem foram apresentados ao Governador, tendo a banda do Corpo de Polícia de Segurança Pública executado os primeiro acordes de A Portuguesa e God Save the Queen. (na foto, a selecção de Hong Kong)
O resultado de 5 a 3 não foi desonroso para Macau, nem tão-pouco desprestigiou aqueles que envergaram a camisola desta cidade, porquanto souberam lutar com denodo, energia e desportivismo.
A Associação de Futebol de Hong Kong apresentou, nesse ano, para enfrentar a selecção de Macau, uma equipa fortíssima, que podia ser considerada a melhor da vizinha colónia desses últimos anos – formada com «ases» chineses. A selecção visitante deu o máximo do seu esforço para conseguir a vitória e, consequentemente, entrar na posse definitiva da Taça «Gellion» (1)
As equipas apresentaram a seguinte constituição:
MBI III-65 15ABR1956 INTERPORT FUTEBOL (II)Macau: Francisco da Nova (Benfica); Chi Fu (Polícia) e Vítor Rodrigues (Atlético); Francisco da Cunha (Negro-Rubro), Luís da Cunha – cap. – (Polícia) e Alfredo Cotrim (Negro-Rubro); Vong Heng (Polícia), João da Rocha (Negro-Rubro), Rogério de Assis (Negro-Rubro), Luís Madeira (Polícia) e Mário Alberto (Polícia).
Hong Kong: Wai Fat Kim; Szeto Yiu e Lau Yee; Tang Sam -cap. -, Ko Po Keong e Chau Man Chi; Szeto Man, Ho Cheung Yau, Chi Wing Keong, Yu Cheok Yn e Mok Chan Va.
Nesse mesmo dia, da parte da manhã, no mesmo Campo Desportivo, realizou-se o 1.º encontro de «Interport» escolar de futebol, entre as selecções dos estudantes das duas cidades, organizado pela Comissão Administrativa da Associação de Futebol de Macau (2) com a colaboração da sua congénere de Hong Kong.

MBI III-65 15ABR1956 INTERPORT FUTEBOL (III)As selecções de estudantes de Hong Kong e Macau

A selecção escolar de Macau, constituída por estudantes com menos de 18 anos de idade, derrotou a de Hong Kong por 2 a 1, após um encontro movimentado, cheio de fases de bom jogo e de entusiasmo.
Ambas as selecções, antes do encontro, foram apresentadas ao Dr. Adelino Barbosa da Conceição (Inspector da Instrução Pública), em representação do Comissário Provincial da Mocidade Portuguesa (em 1956, era o Inspector Administrativo José Peile da Costa Pereira).

MBI III-65 15ABR1956 INTERPORT FUTEBOL (IV)O Governador entregando, no final, taças aos vencedores

À esq. do Governador está o Dr. Adelino Barbosa da Conceição e José dos Santos Ferreira (vogal – secretário da Comissão Administrativa da Associação de Futebol de Macau) (2)
De noite, a Associação de Futebol de Macau obsequiou as selecções visitantes e seus dirigentes com jantar de confraternização, a que assistiram também representantes de imprensa e dirigentes de clubes locais. (3)
(1) A Taça «Gellion», oferta de  Frederik Johnson Gellion (gerente de “The Macao Electric Lighting Co. Ltd.” desde 1916) ficava na posse definitiva da equipa que ganhasse dois anos consecutivos ou à terceira vitória. A selecção de Hong Kong ganhou em 1955, pelo resultado de 7 a 3.
(2) Na época de 1955/56, foi a Associação de Futebol de Macau dirigida por uma Comissão Administrativa, nomeada pela Portaria n.º 5740, de 5 de Novembro de 1955, publicada no Boletim Oficial n.º 45, do mesmo ano e assim constituída:
Presidente – Mário Vieira da Costa
Vogal – secretário – José dos Santos Ferreira
Vogal – tesoureiro – Joaquim Morais Alves
(3) Informações retiradas de «Macau B. I., 1956»

Macau B.O. I- 1954, n.º 12 Imprensa OficialO «moderno» edifício da Imprensa Nacional, em 1954

 No dia 28 de Janeiro de 1954, o Governador da Província, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, inaugurou o novo edifício da Imprensa Nacional (1) “um edifício moderno, amplo, com magníficas instalações à altura das necessidades presentes e futuras”. (2)

Macau B.O. I- 1954, n.º 12 Inauguração corte fitaO acto do corte da fita simbólica

Após o corte da fita simbólica, a esposa do Governador descerrou uma lápide comemorativa.
Na sessão inaugural realizada no Gabinete de trabalho do administrador da Imprensa, discursaram o Chefe da Repartição Central dos Serviços de Administração Civil, Intendente José Peile da Costa Pereira, o Administrador da Imprensa Nacional, Jaime Robarts  (3) e o Governador.

 Macau B.O. I- 1954, n.º 12 IDiscurso Governador«… Dentro de vasto campo de realizações registadas em todas as terras portuguesas, Macau marca a sua posição enriquecendo pouco a pouco o seu património» – afirmou o Governador

O Intendente de Distrito, José Peile de Costa Pereira,  no seu discurso, lamentou que estando orçamentada uma verba para a instalação da oficina litográfica, o que permitiria a Imprensa Nacional passar a imprimir os selos de assistência e as etiquetas usadas pelos Serviços Económicos nas mercadorias sujeitas ao imposto de consumo, por circunstâncias várias, essa instalação não foi adquirida o que representaria uma economia para o Território, já que eram feitas em Hong Kong.

Macau B.O. I- 1954, n.º 12 Visita instalaçõesAs entidades oficias observam a nova máquina de fundição tipográfica

Imprensa OficialNOTA: outras informações da Imprensa Nacional e fotos da inauguração do edifício, podem ser observadas em
http://bo.io.gov.mo/galeria/pt/histio/fotoarquivo.asp

(1) Na Rua dos Prazeres, nessa data 28-01-1954, rebaptizada de Rua da Imprensa Nacional, s/n.
A Imprensa Nacional foi criada por Decreto de 19 de Julho de 1901 (2) (outras fontes apontam outra data) (4) (5). Ao longo dos anos até esta inauguração, ocupou em primeiro, um edifício na Calçada do Bom Jesus (até aí as publicações oficiais eram impressas em tipografia particular) (5). Depois esteve sucessivamente em outros seis: Rua do Hospital (hoje, Pedro Nolasco), na Rua do Gamboa, na Rua Central, na Rua da Praia Grande, na Rua de Inácio Baptista e na «Casa Garden» (1930-1953; com a saída da Imprensa Nacional, aproveitamento das instalações para instalação do Museu Etnográfico Luís de Camões). A iniciativa da construção de um edifício próprio foi do anterior Governador, Albano Rodrigues de Oliveira. Custou ao Estado, $ 403.901, 49 patacas.
(2) Fotos e reportagem de ”Macau Boletim Informativo”, 1954
(3) Jaime Robarts foi Administrador da Imprensa Nacional de Macau de 1947 a 1973.
(4) “16 de Novembro de 1900:  É criada a Imprensa Nacional de Macau, autorizada por S. Ex.ª o Ministro da Marinha e Ultramar (Ofício n.º 106, de 27-12-1899, telegrama ministerial de 12-11-1900), e nomeado «provisoriamente director-compositor da Imprensa Nacional o maquinista naval José Maria Lopes, adido à capitania do porto» (Portaria Provincial n.º 151, de 16-11-1900).”
http://bo.io.gov.mo/galeria/pt/histio/fundacao.asp
(5) “16-11-1900José Maria Horta e Costa publica a criação da Imprensa Nacional de Macau que estará pronta a funcionar a partir de 1-01-1901, cessando nesse dia o «contrato celebrado com Jorge Carlos Fernandes para a impressão do Boletim Oficial da Província de Macau
01-01-1901 – Fundação da Imprensa Nacional de Macau.
04-01-1901 – O Boletim do Governo passou a ser impresso na Imprensa Nacional de Macau” .(Luís G. Gomes aponta a data de 05-01-1901)
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4.