Archives for posts with tag: José de Freitas Ribeiro

Pequeno extracto dum artigo de 1940, (pp.127-134) escrito pelo 1.º tenente A. Gomes Namorado, comandante do Centro de Aviação Naval (1)  para a publicação “ U N de Macau”,  (137 p.) da União Nacional de Macau no ano XIV da Revolução, 1940.
“… Interessante seria registar nestas páginas as milhares de toneladas, em especial correio, e as centenas de milhares de passageiros hoje transportados por aviões. Aqui mesmo, Macau, é um exemplo, talvez quási despercebido. Efectivamente, saber-se-á que em 1938 e 1939 o número de cartas enviadas por correio ordinário e aéreo foi respectivamente de 1.829.662, 4.032.945 e 39.434 e 92.577. A consideração destes números mereceria talvez a atenção de capitais da Colónia, adiantando-se a iniciativas estranhas que à Colónia veem buscar rendimentos que nela deveriam ficar.
Macau precedeu êste movimento pro-aviação. Data de 1921 a criação da sua primeira escola de aviação, criada pelo Governador Paço d´Arcos. A sua vida foi efémera; 6 alunos pilotos a frequentaram e destes apenas 2 concluíram as provas.
Em 1939, por proposta do actual Governador, o Governador que primeiro e melhor viu as possibilidades da aviação, Sua Exa. o Ministro das Colónias, a quem a aviação nas Colónias tudo deve, criou a Escola de Aviação de Macau para formação de pilotos, mecânicos, artífices e radiotelegrafistas. Dotada, desta vez, com os meios necessários, a Escola poderá desempenhar cabalmente da sua missão, desta forma contribuindo para o desenvolvimento da Colónia.” (2)

(1) Recorda-se que nesse ano, o Serviço de Aviação de Macau tinha aparelhos velhos e dos quatro aparelhos apenas um conseguia voar e, mesmo assim não muito bem. Em 1939, a aviação tinha três pilotos em Macau, o primeiro-tenente José de Freitas Ribeiro (2.º comandante do Centro de Aviação Naval) o 1.º tenente aviador Pedro Correia de Barros e o 2.º tenente aviador Rodrigo Henriques Silveirinha (morreria no acidente aéreo em 26 de Junho de 1942, queda do Osprey n.º 6 no Bairro do Tap Seac) auxiliados pelo 1. º Sargento mecânico aviação, Joaquim Macedo Girão e os 2.ºs sargentos artífices de aviação, Rafael Afonso de Sousa e João dos Santos Louceiro.
O 1.º Comandante, capitão-tenente António Gomes Namorado júnior, encontrava-se em Lisboa a frequentar o curso naval de guerra e o Governo decidia-se pela construção de um novo hangar no Porto Exterior, onde coubessem, em condições razoáveis, os aparelhos. Namorado Júnior regressa a Macau e ao comando do Centro em 1940 até Maio de 1941, sendo substituído por Freitas Ribeiro que , por doença de sua mulher – tuberculose- pediu demissão do cargo e regressaria à metrópole, em 1941. O comando passou para o primeiro tenente Pedro Correia de Barros, então com 30 anos de idade.

A construção do hangar no Porto Exterior, cerca de 1941

Informações de Anuário de Macau 1940-1941 e SÁ, Luís Andrade de – Aviação em Macau, Um Século de Aventuras, 1990 p.79
Anteriores referências ao Centro de Aviação Naval em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-aviacao-naval/

https://www.marinha.pt/conteudos_externos/RevistaArmada/423/HTML/files/ra_423_sut08.pdf

(2) António Gomes Namorado Júnior (1901-?) foi um oficial de Marinha que serviu na Aviação Naval desde 1926 como piloto-aviadGomes or e deixando-a em 1948 como cap.-frag. RF
É autor de vários artigos e textos aeronáuticos (“Crónicas de Aviação”) publicados nos “Anais do Clube Militar Naval” entre 1927 e 1933 (22 dos 26 textos publicados neste período),
Participou na “Lisboa-Madeira-Açores-Lisboa”,  a primeira viagem com aviões em grupo realizada pela aviação da Armada entre 30 de junho e 31 de julho de 1935.  Tinha como objetivo o treino de manobras e navegação. Os três aviões eram tripulados por Namorado Júnior, Ferreira da Silva, Aires de Sousa, Carlos Sanches, Bernardino Nogueira, Correia Matoso, Brandão, Falcoeira e Nascimento.
Quanto às crónicas de Namorado Júnior, no seu primeiro texto de 1928 (janeiro e fevereiro) de 1928 (assinado N.J.) inserido, tal como o anterior e os restantes, na “Crónica Naval”/”Crónica Marítima” o autor defende a importância de os governos comparticiparem as viagens aéreas (raids) como forma de conhecerem melhor as suas potencialidades a nível económico e militar. Também é defendido que o desenvolvimento e apoio da aviação civil é importante no sentido em que esta pode servir os fins militares em caso de guerra”
https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/25055/1/ASPOF%20Faria%20Pinheiro%20-%20A%20Avia%C3%A7%C3%A3o%20Naval%20nos%20Anais%20do%20Clube%20Militar%20Naval.pdf

macau-b-i-i-15-15mar1954-jacob-jebsen-iDa esqª p/dta.:Governador, Joaquim Marques Esparteiro, Sr. G. R. Hansen, D. Maria de Lurdes Leitão Rodrigues, D. Laurinda Marques Esparteiro e Primeiro-tenente Horácio de Oliveira.

O Comandante do barco «Jacob Jebsen», Sr. G. R. Hansen, e o agente em Macau, Sr. Engenheiro Humberto Rodrigues e sua esposa, Sra. D. Maria de Lurdes Leitão Rodrigues, ofereceram a bordo daquele barco, um jantar ao Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, a sua Esposa, Sra. Dra. D. Laurinda Marques Esparteiro, à filha Sra. Maria Helena, ao seu secretário Tenente Lopes da Costa, ao Capitão dos Portos, Capitão-tenente José de Freitas Ribeiro e esposa, Sra. D. Vera de Sena Fernandes Freitas Ribeiro e ao Comandante da Polícia Marítima, Primeiro-tenente Horácio de Oliveira.

macau-b-i-i-15-15mar1954-jacob-jebsen-iiDa esqª p/dta.: Tenente Lopes da Costa, Sra. Maria Helena Marques Esparteiro, Eng.º Humberto Rodrigues, Capitão-tenente José de Freitas Ribeiro e D. Vera de Sena Fernandes Freitas Ribeiro.

macau-b-i-i-15-15mar1954-jacob-jebsen-iiiO «Jacob Jebsen», barco de carga, de nacionalidade dinamarquesa, construído em 1952, de 3674 toneladas, atracou na “moderna gare marítima” (1) e foi até à data o maior barco a entrar nas águas do Porto Interior de Macau.
Foi especialmente fretado para trazer, de Bangkok para esta Província, 33.346 sacos de arroz para abastecimento da sua população.

jacob-jebsen-1952JACOB JEBSEN – 1952 – IMO 5167255

jacob-jebsen-dados-tecnicos
jacob-jebsen-bangsbo-museumCopyright BANGSBO MUSEUM

(1) Notícias da imprensa escrita da época.

Várias fotografias do navio “atracado” em Hong Kong na década de 60/70, descarregando arroz de Bangkok em:
M/S “Jacob Jebsen”- China Trader from Aabenraa, Denmark –em>http://globalariner.com/index111JacobJebsen.html
Ver “história” deste barco em:
http://www.jjsea.com/doc/ourhistory
http://www.jebsenlogistics.com/pagedisplay.aspx?did=f2f7fdc1-8630-49ab-825a-587c77d99fbd