Archives for posts with tag: Jorge Cavalheiro

Como forma de regularizar o sistema de transporte – jerinxás/riquexós (1), (2) o governo, optou pela concessão em regime de monopólio mas surgiram nos últimos anos do século 19 várias greves. Para tentar revolver o problema, surgiu a hipótese de municipalizar este serviço, isto é, ficar o Leal Senado com o exclusivo dos serviços de transporte, mas não foi concretizado. (3)

Mas em 7 de Julho de 1909, nova greve de serviço de carros – «jerinxás» – promovida pelos cules. (4)

(1) O primeiro regulamento deste meio de transporte data de 1883, tendo sido alterado em 1888. Incluía questões relacionadas com a sinalização, estacionamento, circulação e preços do respectivo aluguer. Em 27-08-1883, após Sessão da Câmara, o Leal Senado de Macau apresenta ao Conselho da Província um projecto de Postura sobre a circulação, vigilância e preços dos carros chamados «Jin-rik-shás» (riquexós); o projecto é aprovado em 26-09-1883 e publicado integralmente no Boletim N.º 42 de 20 de Outubro.

.

Extraído de «BPMT», XXIX-42 de 20 de Outubro de 1883, pp. 370-371

(2) O Jerinxá ou riquexó é um pequeno carrinho, muito leve, de rodas raiadas de arame de aço e guarnecidas de arcos de borracha, com assento para uma pessoa. Possui capota para o sol ou para a chuva, dois delicados varais entre os quais se coloca o cule a puxar; e como se tratasse de qualquer outra carruagem, tinha uma campainha ou guizo e as respectivas lanternas. O jerinxá teve origem no Japão jin-riki-gá (homem-força-carro) os ingleses adoptaram o termo para jin-riki-shá e simplificaram depois para rick-shaw. A grafia “riquexó” terá surgido, pela primeira vez, num texto do escritor macanese contemporâneo Luís Gonzaga Gomes” (informação de CAVALHEIRO, Jorge in “Da Sampana ao Jactoplanador, Da Cadeirinha ao Automóvel”, pp. 42-44)

jin-riki-gá, Japão, c. 1897 (https://en.wikipedia.org/wiki/Rickshaw)

(3) Há uma notícia surgida no semanário luso-chinez «Echo Macaense» (1893-1898) de 3 de Janeiro de 1895 que refere “Estão em greve os conductores dos carros jinrickshas [riquexós]. É a segunda vez que isto acontece. Já estava previsto que o regime de monopolio traria por repetidas vezes estas semsaborias. O monopolista não pode explorar o público, porque não pode alterar a tabella dos preços, visto que se obrigou por contrato a respeitá-la. Resta-lhe portanto explorar o trabalho insano dos pobres conductores…”

(4) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 38

Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/riquexos/

No dia 15 de Julho de 1988, os «Correios e Telecomunicações de Macau / CTT MACAU» emitiram e puseram em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária Meios de Transportes Tradicionais – 2. º Grupo“ e um bloco filatélico. Trata-se de uma continuação da emissão de selos sob o tema “Meios de Transporte “ iniciado em 1984 com os “Barcos de Pesca” e terminado com os “Hidroaviões” (estes já publicados em anteriores postagens (1) (2)

Os quatros selos desta emissão são nos valores de 20 avos (bicicletas), 50 avos (motociclos) 3,30 patacas (automóvel) e 5 patacas (automóvel) (3)

Os desenhos são de  Ng Wai Kin

“Os primeiros automóveis começaram a circular em Macau nos anos 20. Decorridos dez anos não haveria no Território, mais do que uma escassa dezena de carros; o carro do Governador e os de algumas famílias mais abastadas. Com o decorrer do tempo, porém, o automóvel começou a generalizar-se e, em cada ano que passava, a sua expansão ia sendo cada vez maior. De facto, após os anos 50, o automóvel começa a ser uma presença efectiva no ambiente da cidade. Contudo, a sua circulação permitiu ainda, até finais da década de 70, a circulação regular de meios de transporte tradicionais, nomeadamente o triciclo e a bicicleta.

Nos anos 80, acompanhando o rápido crescimento económico e populacional do Território, o automóvel acabou por conquistar todo o espaço disponível da cidade. Hoje o transporte motorizado automóveis, motociclos e ciclomotores, é um hábito generalizado numa população que ronda o meio milhão de habitantes, vivendo, a maior parte, num espaço exíguo, a península de Macau, ocupada inteiramente pela cidade do mesmo nome, com uma área de pouco mais de 6 km2! “ (4)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes-ii/

(3) Portaria n.º 115/88/M – Emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária «Meios de transporte terrestres».

(4) Texto de Jorge Cavalheiro in “Da Sampana ao Jactoplanador, Da Cadeirinha ao Automóvel”. Edição da Direcção dos Serviços de Correios e Telecomunicações de Macau, 1990, 114 p.

Neste dia, 29 de Maio de 1987, o Correio de Macau / CTT pôs em circulação o sobrescrito, obliteração de 1.º dia de circulação e dois selos com o motivo “Festividade do Barco Dragão”
Os selos têm o valor de 50 avos e 5 patacas.
O desenho é de Ng Wai Kin.
FESTIVIDADE DO BARCO-DRAGÃO
A Festividade do Barco-Dragão é uma das mais populares festas chinesas, celebrando-se todos os anos no dia cinco da quinta Lua. (1)
Esta tradição tem a sua origem num facto ocorrido numa época agitada da vida política chinesa, entre os anos de 402 a 201 A.C.. Por esta altura, os conselheiros do imperador Uái (2) queriam convencê-lo a fazer guerra, para assim adquirir mais riquezas e poder. Esta atitude dos conselheiros tinha, porem, a desaprovação do ministro Uat Hun que, em vão, tentou dissuadir o imperador daquela ideia. Uat Hun (3) admitiu, então, a hipótese de pôr fim à sua própria vida, em sinal de protesto. Permeável à nefasta influência dos seus conselheiros e inamovível na sua intenção de fazer a guerra, o imperador continuava a preparar a ofensiva, procedimento que desgostou profundamente a Uat Hun que, perante tal atitude, se lançou ao rio Mek Lo.
Sensibilizado com o sucedido, o imperador caiu em si e apercebeu-se que acabara de perder o seu mais competente ministro. Ordenou, então, que todos os barcos procurassem o cadáver de Uat Hun, para que fosse recolhido e levado para o palácio Imperial. No entanto, as longas buscas levadas a cabo pelos barcos revelaram-se infrutíferas, pois o corpo do ministro sumiu-se nas águas agitadas do grande rio.
Durante a noite, encontrando-se o imperador amarguradamente triste, recebeu a visita do espírito de Uat Hun, lamentando-se que andava com fome. Logo o monarca deu ordem para que os barcos lançassem arroz cozido nas águas do rio. No entanto, o espírito do seu ministro voltou a procurá-lo para lhe dizer que um mostro aquático devorara toda a comida do rio e que brevemente iria também engolir o seu corpo. Pediu, então, ao rei que mandasse embrulhar a comida num tecido de seda atado com fios de cinco cores visto ser esta a única forma de a preservar contra a voracidade do monstro. E foi assim que sobreviveu, até hoje, o costume de lançar todos os anos, na época da Festividade, às águas dos rios, arroz glutinoso, cozinhado com vários recheios, envolvido em folhas de bambu, aos quais se dá o nome de tchông.(4)
Em Macau, durante as celebrações da Festividade do Barco-Dragão, vêem-se em quase todas as lojas compridas canas de bambu, tendo pendentes estes tchông que são saboreados por todos os chineses.
Actualmente, o mito de Uat Hun dá lugar ao desporto. As regatas de barcos em forma de dragões são organizadas com o fim de simular a procura do cadáver do estadista deificado. Assim, têm-se realizado em Macau, coma presença de equipas da Austrália, Hong Kong, Japão, Malásia, Singapura, China e Macau, as Regatas Internacionais de Barcos-Dragão, integradas nas Festividades do dia cinco da quinta Lua.
O tambor usado nos barcos das regatas, será para coordenar os movimentos dos remadores, mas também para assustar o monstro e evitar assim que devore o cadáver de Uat Hun!”
                   Dr. Jorge Cavalheiro (Instituto Cultural de Macau)
(Retirado da Brochura/lembrança distribuído aquando do lançamento do envelope com bloco de selos.)
(1) Festival do Barco Dragão, ou Festa de Duan Wu (端午节/端午節). Este ano, 2017, a festividade é celebrada a 30 de Maio.
(2) Rei Huai (楚懷王- Chǔ Huái Wáng) do estado de Chu de 328 a 299 aC., no período dos Estados Guerreiros.
(3)

Pintura de Qu Yuan
https://pt.wikipedia.org/wiki/Qu_Yuan

Qu Yuan (屈原- Qū Yuán) vivia no reino de Chu (c. 340 -278 a.C.) no Período dos Estados Guerreiros (476 A.C. – 221 A.C.) estadista, poeta, diplomata, ideólogo e reformador. A sua obra está principalmente compilada numa antologia poética denominada «Elegias de Chu». Considerado o primeiro poeta chinês importante na história da literatura da China.
(4) Zongzi (粽子) ou zong (粽) – tradicional bolo chinês feito com arroz glutinoso (com recheio variado) embrulhado por uma folha de bambu, cozinhado a vapor.

Sobrescrito de 1.º Dia de Circulação com quatro selos da temática “LEQUES DA REGIÃO“, do Correio de Macau, lançamento no dia 29 de Julho de 1987, com desenhos do pintor macaense Herculano Estorninho.
SELOS Sobscrito LEQUES DA REGIÃO 29.7.87Portaria n.º 80/87/M (B.O. n.º 28, de 13 de Julho de 1987): Emite e põe em circulação selos postais e blocos alusivos aos “Leques das Regiões”. Valor dos selos 30 avos, 70 avos, 1 pataca e 6 patacas
LEQUES DA REGIÃO
“É muito antigo o uso de leques como pode ver-se na figuração de muitas obras de Arte, sejam elas de que civilizações forem. De facto, os leques foram usados em climas quentes desde épocas remotas. No entanto, não é talvez possível determinar com a desejada exactidão, a época ou o lugar em que, pela primeira vez, aparece o primeiro leque.
A invenção do leque tem a sua lenda. Dizia-se, numa tradição chinesa do tempo do Imperador Tenji, que um natural de Tamba, vendo os morcegos abrirem e fecharem as asas teve a ideia de fazer leques com as folhas largas de algumas plantas, objecto a que, depois , chamou kuwahori (morcego). Contudo, tanto os Chineses como os Japoneses reivindicam para si essa invenção. Outros autores referem ainda que o leque teve a sua origem no Japão e dali seguiu para a China. Era, na forma ainda hoje usada, um segmento dum círculo de papel colado numa ligeira armação radiada de bambu e variadamente decorada, sendo alguns a cores, outros em papel branco no qual se escreviam versos, ou pequena frases.
No seu fabrico são utilizados todos os tipos de materiais: folhas de palma, seda, papel de arroz, bambu, penas pequenas tabuinhas de madeira de sândalo, artisticamente trabalhadas. Os tecidos, os pergaminhos e o papel de palha de arroz, utilizados no fabrico dos leques, serviam sempre de pretexto para decorações mais ou menos artísticas quer bordadas, quer pintadas.
Tradicionalmente, os chineses utilizavam, como motivos decorativos dos seus leques: a figura humana, a paisagem, os animais, as flores e os caracteres da sua escrita.
Segundo Otávio Uzanne, a introdução do leque na Europa deve-se aos portugueses de Goa que ali os fabricavam e onde eram largamente usados.
Como particularidades podemos referir outras funções destinadas aos leques:
– poderiam ser utilizados para circular as notícias de qualquer acontecimento importante como por exemplo o Massacre de Tientsin, cujas brutalidades foram pintadas em cores resplandecentes sobre papel vulgar de leques e vendidos em grandes quantidades;
– em Cantão, e provavelmente noutros lugares, podem comprar-se leques que têm um lado a planta da cidade com os nomes das principais ruas e templos, impressos em pequenos caracteres chineses;
– uma jovem chinesa, delicadamente vestida de seda e cetim usa geralmente um leque, presente de algum artista que o embelezou com uma paisagem ou algumas linhas da sua pena em prosa ou em verso. Aliás., é obséquio na China convidar um amigo ou um hóspede importante a escrever um pensamento no leque como recordação de uma ocasião especial.
Dificilmente haverá outra nação no Mundo  em que se use uma tão grande variedade de leques como na China. para os ocidentais, o seu uso é limitado às mulheres e seria considerado efeminado, ou pelo menos estranho que um homem o utilizasse. Contudo, entre os chineses, os leques são indiferentemente usados por homens ou mulheres, destinando-se mesmo alguns tipos apenas aos homens”

Dr. Jorge Cavalheiro
Instituto Cultural de Macau

SELOS Dados Técnicos LEQUES DA REGIÃO 29.7.87Os Dados Técnicos da emissão