Archives for posts with tag: Joaquim Marques Esparteiro

Com a assistência do Governador Almirante Joaquim Marques Esparteiro, e sua Esposa, D. Laurinda Marques Esparteiro, do seu pessoal de Gabinete, de várias entidades oficiais e de grande número de convidados, realizou-se no Liceu Nacional Infante D. Henrique, no dia 26 de Agosto de 1955, a entrega do prémio pecuniário «Luís de Camões», instituído pelo Governador, à distinta aluna Luísa Luz da Rocha Xavier, que terminou o curso dos liceus com a elevada classificação de 17 valores.
Antes da entrega do prémio, usaram da palavra o Intendente administrativo, José Peile da Costa Pereira, na qualidade de Inspector da Instrução Pública , e o reitor do Liceu, Pedro Guimarães Lobato, após o que o Governador entregou pessoalmente um envelope contendo $500,00 patacas à aluna laureada.
Informação de «Macau Boletim Informativo», III-50, 1955
NOTA: segundo Jorge Forjaz (Família Macaenses, III Volume, 1966, p. 1052) , Luísa da Luz da Rocha Xavier nascida em S. Lourenço a 21-02.1941, é filha de Raúl José da Rocha Xavier e de Júlia Maria da Luz. Viria a formar-se em Farmácia e a ingressar na Congregação das Irmãs de Santa Doroteia.

No dia 20 de Janeiro de 1954, visitou (visita oficial) Macau o Comandante-em-chefe da esquadra Inglesa no Extremo-Oriente, vice-almirante Sir Charles Edward Lambe (1) tendo chegado à Rada a bordo do «HMS Alert». Regressou a Hong Kong na manhã do dia  21 de Janeiro.
Esta visita foi noticiada e publicada no «Boletim Geral do Ultramar» de Março de 1954 (2)

A esposa do governador de Macau, tendo à esquerda o almirante inglês e à direita seu marido
O almirante inglês tendo à esquerda a esposa do governador e à direita a do comandante da força naval portuguesa no Extremo Oriente.
O governador de Macau, discursando
O almirante inglês, respondendo

(1)Comandante em Chefe da esquadra inglesa no Extremo Oriente de Março de 1953 a Março de 1954 . Pode ver e ler a biografia (em inglês) de Sir Charles Edward Lambe em
https://www.youtube.com/watch?v=yG_Dt6aaz_w
https://en.wikipedia.org/wiki/Charles_Lambe
(2) «Boletim Geral do Ultramar» XXIX-345, Março de 1954.

Recordando o 1.º Grande Prémio de Macau (1) com imagens publicadas no «Boletim Geral do Ultramar»

O governador almirante Marques Esparteiro, acompanhado por um dos organizadores do Grande Prémio (Carlos Humberto da Silva ?) cumprimenta Eduardo de Carvalho, vencedor do «Grande Prémio» (2)

Ganhou brilhantemente o Grande Prémio, no qual se classificou vencedor absoluto, o hábil volante português Eduardo de Carvalho, que conduziu na prova um «Triumph TR2», de 1991 cm3-

O vencedor do «I Grande Prémio» Eduardo de Carvalho, no seu «Triumph TR2», de 1991 cm3 (3)

A esposa do governador, D. Laurinda Marques Esparteiro, entregando a taça ganha na sua classe pela chinesa Miss Wen (4)

(1) Ver anterior referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/30/primeiro-grande-premio-de-macau-1954/
(2) «BGU»  XXXI – 356, Fevereiro 1955.
(3) Esta foto foi publicado «BGU» XXXII – 367 Janeiro 1956, com uma legenda (errada), referindo-se ao «II Grande Prémio) realizado em 5 e 6 de Novembro  de 1955 “vencedor do «Grande Prémio» Eduardo de Carvalho”.
(4) Após uma pesquisa sumária, não tenho informações  que tenha havido no programa do «I Grande Prémio» uma prova de senhoras. No «II Grande Prémio de Macau» de 1955,  a Prova de Senhoras efectuou-se no dia 5 de Novembro , constando de 5 voltas ao circuito em que participaram somente dois carros. A prova foi “ganha” por Jean Lam, em 24 m. 46,7s. num «Jaguar XK 120»
Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/11/05/noticia-de-5-de-novembro-de-1955-ii-grande-premio-de-macau/

Artigo publicado no Boletim Geral das Colónias, em 1953 (1)

O sr. Governador Joaquim Marques Esparteiro chegando às Escolas Primárias Oficiais sendo recebido pelos Directores da Escola Primária Oficial “Pedro Nolasco da Silva” do sexo masculino, Dr. António Maria da Conceição,  e do sexo feminino, Áurea Maria Salvado.
Ouvindo a leitura de um trecho de português
O sr. Governador interrogando uma aluna
O sr. Governador presenciando a resolução de um problema de aritmética

(1) «BGC» XXIX – 341/342, Nov/Dez 1953.

Uma notícia intitulada «UMA RÉCITA DE AMADORES» (acompanhado por duas fotos) na imprensa escrita portuguesa, “Boletim Geral das Colónias” (1) sobre a opereta «Cruel Separação» (argumento e música de Pedro José Lobo; representada por amadores pela primeira vez, no jardim da sua residência «Vila Verde» em 1949) que foi de novo posto em cena, desta vez no Teatro D. Pedro V. nos dias 15 e 17 de Outubro de 1953. Para mais informações ver anterior referência neste blogue (2)

(1) «BGC» XXIX – 341/342 Nov/Dez, 1953.
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/10/15/noticia-de-15-de-outubro-de-1953-opereta-cruel-separacao/

Um dos últimos actos oficiais do Governador Albano de Oliveira (1) em Macau que embarcou para Lisboa em 18 de Abril de 1951, foi a inauguração da Escola Primária Luso-Chinesa Sir Robert Ho Tung. (2)

O Governador cortando a fita simbólica
O novo edifício da Escola Luso-chinesa «Sir Robert Ho Tung»

Extraído de «BGC» XXVI-310, 1951,
Já em anterior notícia de Março de 1950, o mesmo Boletim Geral da Colónias (3) assinalava o seguinte:
(1) Albano Rodrigues de Oliveira tomou posse a 1 de Setembro de 1947. Ficou como encarregado do Governo Aires Pinto Ribeiro até tomada de posse a 23 de Novembro de 1951 de Joaquim Marques Esparteiro. Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/albano-rodrigues-de-oliveira/
(2) Sobre este filantropo Robert Ho Tung ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/sir-robert-ho-tung/
(3) «BGC» XXVI -297, 1950.

No Quartel das Portas do Cerco existia uma lápide de bronze com esta inscrição:

BATALHÃO DE CAÇADORES N.º 1
2.ª COMPANHIA
SOLDADO INDÍGENA AFRICANO
N.º 50 –A – 335
JACINTO MUNDAU
NATURAL DE MAGUDE – DISTRITO
DE GAZA (MOÇAMBIQUE)
MORTO DO CUMPRIMENTO DO
SEU DEVER EM 25 DE JULHO
DE 1952
PRESENTE

Esta lápide foi desterrada a 25 de Outubro de 1952 pelo Governador de Macau, Joaquim Marques Esparteiro, na face exterior duma das quatro paredes que no Quartel das Portas do Cerco formam a caserna que em vida ocupou esse soldado, morto durante os incidentes na fronteira em Julho de 1952. O tiroteio entre as tropas chinesas de Chin-Sán e as nossas forças das Portas do Cerco e da Ilha Verde prolongou-se durante 1’0 dias, não havendo da nossa parte senão uma vítima, a do africano Jacinto, morto no primeiro dia à falsa fé pela sentinela chinesa que disparou sem provocação alguma. A calma voltou após dez dias de injustificadas agressões chinesas. (1)
Foi condecorado, a título póstumo, com a medalha de Cobre de Valor Militar – Portaria de 6 de Maio de 1953 (Ordem do Exército nº 9 / II Série / 1953)
Ver anterior referência em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/01/06/noticia-de-6-de-janeiro-de-1952-baptismo-de-pracas-africanos/
(1) TEIXEIRA, P. Manuel – A Voz das Pedras de Macau, 1980, p. 160