Archives for posts with tag: João Guedes

No dia 13 de Dezembro de 1922, foi lançada uma bomba, nos jardins do Palácio do Governo, na série de vários atentados bombistas que os terroristas chineses xenofobistas estavam executando, periodicamente, na cidade, tendo o cinema Vitória, o Grémio Militar e alguns estabelecimentos comerciais sido vítimas das suas proezas (1)
Em 29 de Maio desse ano, tinha sido novamente proclamado (2) o estado do sítio em todo o território em Macau devido ao cerco à esquadra de Ship Seng e a resposta policial. Foram mandadas encerrar todas as associações de classe cujos estatutos não estivessem autorizados ou requeridos. (3)

Palácio do Governo c. 1910

(1) GOMES, Luis G. – Efemérides da História de Macau, 1954
(2) O anterior estado de sítio tinha sido declarado a 24 de Setembro de 1921 (com suspensão de garantia pelo prazo de 8 dias), mas que, em consequência de certas entidades inglesas terem intervindo, se evitou um sério rompimento, sendo ordenada, no dia seguinte, a cessação da ordem de estado de sítio (4)
(3) “29-05-1922 – Novamente é proclamado o estado de sítio em todo o território. Factos graves contra a soberania nacional, o prestígio das autoridades e a segurança da população”. (4)
“30-05-1922 – O 2.º Suplemento ao B. O. n.º 21 contém o edital n.º 2: «São convocados todos os cidadãos portugueses válidos a apresentar-se imediatamente no quartel do corpo de Voluntários (em Santa Clara), a fim de serem mobilizados para serviço do Governo. Macau, 30 de Maio de 1922 – O Comandante Militar da Cidade – Joaquim Augusto dos Santos, Coronel» Só a firmeza da resposta do Governador (Comandante Corrêa da Silva – Paço d´Arcos) às autoridades de Cantão evitou crise maior.” (4)
(4) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, 1997.
Sobre estes incidentes no ano de 1922, anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/23/os-tumultos-de-macau-em-1922i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/24/os-tumultos-de-macau-em-1922-ii/
E aconselho a leitura de GUEDES, João – O General anarquista e a “República Cantonense” em http://arquivo.jtm.com.mo/view.asp?dT=355903012

Pouco dias antes da fatalidade, explosão da fragata “D. Maria II, no dia 29 de Outubro de 1850, (1) o tenente Luiz Maria Bordalo, uma das vítimas, compôs uma sentida e maviosa poesia (nela um vago pressentimento do destino que o esperava) (2) no dia 20 de Outubro de 1850, que foi publicada postumamente numa Revista Estrangeira.

Viver é gozar – um dia
Também eu vivi, oh! sim!
Como é doce a fantasia,
Sonhar contigo, oh Malim!
Lembras-te? … a flor perfumada,
Às mãos d´ella desfolhada,
E depois lançada ao mar?
Do poeta cifraste a sina,
Como essa flôr, Guilhermina,
Devem meus dias findar.

Onde Camões desterrado
Seu tão triste amor carpira
Vivo eu pobre, eu deslembrado,
Sem ter como elle uma lyra:
Oh! Quem china antes nascêra,
Na minha Lorcha eu vivera
Com velas de esteira fina;
Que lhe importa ao china a terra,
Se tudo qu´elle ama, encerra
A Lorcha dum pobre china?

Oh deusa! … tu, que no céu
Trazes cortejo de estrelas,
Que quando assomas sem véu,
Tanto semelhas às bellas;
Faze tu, casta deidade,
Que a pura ingenua amizade,
Que esses dois anjos estreita,
Seja eterna, como as plagas,
Onde vem quebrar-se as vagas,
Quando a tormenta é desfeita.

Mas se esta canção magoada,
Por vós, ó anjos, fôr lida,
Se por ella recordada,
Fôr do nauta a pobre vida;
Se em meio de alegre dança.
Surgir d´elle uma lembrança …
Oh! Fazei que uma saudade,
Busque ao triste ode elle arquêja,
Venha oh! Venha! … inda que seja
Nas azas da tempestade!.

Macau, 20 de Outubro de 1850
L. M. Bordallo (3)

explosao-da-fragata-d-maria-ii-em-1850-ihttp://www.acessibilidade.gov.pt/accessmonitor/dir/see/?cD0yfG89aW1nfHM9MzI3<

(1) A guarnição da D. Maria II compunha-se de 224 praças, das quais pereceram 188, salvando-se apenas 36 , que estavam em terra, doentes ou destacados e um grumete o único que sobreviveu entre os feridos que foram transportados ao hospital de Macau. Apenas foram enterrados 71 corpos; os outros desapareceram. Entre os mortos contam-se o comandante capitão-tenente, Francisco d´Assis e Silva (o corpo só foi encontrado no dia 31); os 2.ºs tenentes Plácido José de Sousa, Luís Maria Bordalo, Francisco Xavier Teles de Melo, Francisco Xavier Teles de Melo, Francisco Cipriano soa Santos Raposo, o tenente Mouro Samgi, o guarda-marinha João Bernardo das Silva, o 2.º cirurgião José Maria Lucas d´Aguiar e o comissário Manuel Marques. Entre os mortos, além da guarnição, contavam-se três marinheiros franceses presos, e uns 40 chineses que estavam a bordo ou em embarcações próximas. (3)
A fragata “D. Maria II” era um navio mercante “Ásia”, comprado em Inglaterra em 1831 e transformado em fragata no ano de 1832. A grande explosão deu-se no paiol que continha 300 barris de pólvora, e teria sido causada de propósito ou descuido pelo fiel da artilharia.

explosao-da-fragata-d-maria-ii-em-1850-ii“Explosão da Fragata D.ª Maria 2.ª  em Macao no anno de 1850”
Autor desconhecido de origem chinesa. (4)

Foi iniciativa do comendador Lourenço Marques mandar retirar do fundo do porto da Taipa o casco da fragata «D. Maria II» e algum tesouro, tendo sido o casco vendido por algumas mil patacas em benefício do erário público.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/12/14/noticia-de-14-de-dezembro-de-1902-falecimento-do-comenda-dor-lourenco-marques/
Outras referências a esta fragata:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
Aconselho visualização do vídeo “Explosão da Fragata D. Maria II”, de João Guedes, publicado a 19/01/2014 e artigo “Macau 1850: O mistério do maior desastre naval ultramarino português dos últimos duzentos anos”, do mesmo autor em:
https://www.youtube.com/watch?v=phN-7MWn39Q
https://temposdoriente.wordpress.com/2011/03/06/macau-1850-o-misterio-do-maior-desastre-naval-ultramarino-portugues-dos-ultimos-duzentos-anos-01-marco-11/
(2) “Virá aqui a propósito referir outra extraordinária coincidência relativa ao mesmo acidente:
Pela mala chegada em Outubro, recebeu o 2.º tenente Luís Maria Bordalo, uma carta de Lisboa do seu irmão Francisco Maria Bordalo (5) em que lhe dizia que em Lisboa corria a notícia, de ter voado com uma explosão a fragata «D. Maria II», carta essa que Luís Maria Bordalo mostrou a alguns dos seus camaradas. É extraordinário que tenha sido falado em Lisboa dum acontecimento que só viria a acontecer dali a dois meses e a 3600 léguas de distância” (3)
(3) Transcrito de TEIXEIRA, Padre Manuel – Taipa e Coloane, 1981.
(4) https://www.google.com/culturalinstitute/beta/u/0/asset/the-explosion-of-the-frigate-dona-maria-ii-off-taipa-island-macau/LwEeQsqGGH7xTQ
(5) Francisco Maria Bordalo (1821-1861) irmão de Luís Maria Bordalo, oficial da armada (promovido a capitão-tenente da armada em 1859), escritor, dramaturgo e colaborador em várias revistas portuguesas, também esteve em Macau de 1849 a 1852 quando era tenente, exercendo o cargo de secretário do governo de Macau. Publicaria em 1854 uma novela, baseada na tragédia da fragata D. Maria II, ocorrida a 29 de Outubro de 1850.  O protagonista Luís Osório seria o seu irmão Luís Maria Bordalo (morto na explosão) e todos os outros nomes (idênticos aos da vida real) correspondiam a tripulantes da fragata, mortos ou não na explosão. Ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/06/08/leitura-sansao-na-vinganca/
NOTA:Luís Maria Bordalo (1814-1850) promovido de guarda marinha a 2.º tenente em 26 de Novembro de 1840 publicou um drama original em 4 actos: “O Judeu” em 1843.

Nesta data, D. Sinibaldo de Mas, (1) enviado de S. M. Católica na China, regressou à Europa no vapor Spark, por ter sido suprimida a Legação Espanhola no Império Chinês. Muito culto e tendo cativado as simpatias dos macaenses durante a sua residência nesta cidade, deixou dois belos retratos a óleo, sendo um deles o do Bispo Diocesano D. Jerónimo José da Mata, (2) que figura na galeria dos retratos de Bispos de Macau, em uma sala do Paço Episcopal. (3)

Trago esta notícia porque Sinibaldo de Mas está ligado a um episódio da História de Macau.

Já reformado em Madrid (depois da sua estadia no Oriente), foi contactado por James Duncan Campbel (4), líder de uma missão secreta a Madrid,  que tentou convencê-lo a ser o mediador da venda de Macau à China (chamada “Operação Emily“). D. Senibaldo de Mas tinha em Portugal grande influência não só na Igreja Católica como a classe política e a Maçonaria. No entanto, o falecimento de Sinibaldo de Mas inviabilizaria tal operação.
(1) Sinibaldo de Mas y Sanz (1809 -1868) nascido em Barcelona, foi sinólogo, pintor, calígrafo, escritor, embaixador, aventureiro e intelectual iberista espanhol (defensor do iberismo – união pacífica e legal entre Portugal e Espanha).   Foi o primeiro embaixador espanhol na China (1847). Morreu em Madrid em 1868.
(2) Jerónimo José da Mata (1804-19862) foi Bispo da Diocese de Macau entre 1845 a 1862. Chega a Macau a 24-10-1826, como seminarista dos lazaristas, concluiu os estudos teológicos no Seminário de S. José,  e foi ordenado subdiácono em 1827. Foi professor do Seminário de S. José. Foi ele que sagrou a nova Sé Catedral a 19 de Fevereiro de 1850 e ampliação do Recolhimento de Santa Rosa de Lima.(3)
(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XIX, Volume 3.  Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p (ISBN 972-8091-10-9)
(4) A “operação Emily” foi idealizada por Sir Robert Hart , Inspector-geral das alfândegas marítimas chinesas, e consistia na venda de Macau à China, tentando desta venda tirar vantagens políticas e económicas; por um lado ficaria a superintender o porto de Macau, o único porto livre que se encontrava nessa altura fora do imperialismo britânico e por outro, ficaria com uma parcela do negócio que segundo os seus cálculos seria cerca de um milhão e trezentos mil taéis (cerca de 314 mil patacas).

Sobre esta “operação”, recomendo a leitura do artigo de João GuedesOperação Emily: a tentativa frustada inglesa de vender Macau” (donde retirei a informação):
http://temposdoriente.wordpress.com/2011/03/22/operacao-emily-a-tentativa-frustrada-inglesa-de-vender-macau-22-marco-11/