Archives for posts with tag: João de Souza Pereira

Continuação da publicação dos postais de Macau digitalizados do «Jornal Único» de 1898 (1)
NOTA:Os chichés das vistas photographicoas foram tirados pelo photographo amador Carlos Cabral. Todos os trabalhos respeitantes a este «Jornal Único» foram executados em Macau

Leal SenadoExtractos do artigo publicado neste jornal: “O Edifício do Leal Senado” de António Joaquim. Basto.

Porta do Cerco

Extractos do artigo publicado neste jornal: “A Porta do Cerco” de Artur Tamagnini da Motta Barbosa.

1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jornal-unico/
http://purl.pt/32511/3/html/index.html#/1

“Em 10 de Abril de 1586, por carta do vice-rei da Índia, D. Duarte de Menezes, conde de Tarouca, foi n´esta data, confirmada a Macau a denominação de «Cidade do nome de Deus na China» dando-se-lhe juntamente os mesmos privilégios que tinham sido concedidos à da santa Crus de Cochim, que eram os de Évora.
Brasão do Leal SenadoEm 1654, João de Souza Pereira, Governador de Macau (1650-1654), em nome d´El-Rei D. João IV, mandou colocar à entrada do edifício do Senado, este letreiro CIDADE DO NOME DE DEUS DE MACAU, NÃO HÀ OUTRA MAIS LEAL. (1)
Brasão da cidade Leal SenadoAlmas piedosas, num excesso de religiosidade descabida, acrescentaram-lhe um vocábulo; Cidade do Santo Nome de Deus, que se vê repetido em muitos escritos, mas sem razão de ser.(1)
O Coronel A. Guedes de Magalhães, no seu opúsculo Marcas Postais de Macau, p. 46, dá esta explicação das Armas da cidade:
Brasão Armas da Cidade«O escudo, no formato clássico português e terciado em mantel, contém:
No primeiro, em campo de prata, as cinco quinas de Portugal, de azul, carregadas cada uma de cinco besantes de prata em aspa, que há mais de oito séculos se distinguem na heráldica como símbolo de Portugal e aqui pretendem representar a unidade de todo o seu território.
No segundo, o símbolo característico da Província de Macau. Em lembrança do território em que se acha situada:
Em campo azul, um dragão de ouro armado e linguado de vermelho e realçado de negro, suportando nas garras uma das quinas de Portugal.
No terceiro, a representação do mar, sendo o campo de prata carregado de cinco faixas ondadas de verde, ligando as quinas de Portugal ao emblema simbólico de Macau.
A coroa mural  que assenta sobre o escudo, é de ouro, e constituída por cinco torres ligadas por quatro panos de muralha realçados de negro; as torres são carregadas sobre as portas por esferas armilares de vermelho e os panos da muralha com as ameias formadas por um escudete de prata com a Cruz de Cristo de vermelho.” (2)
(1) TEIXEIRA, Pe. M. – Macau e as suas Ilhas, Volume I., 1940
(2) TEIXEIRA, Pe. Manuel – Os Militares em Macau, 1976

Ao longo dos anos, a insígnia de Macau e concomitantemente a do Leal Senado foi variando, algumas por imposição legal, outras por opções estéticas.
Assim começando pelo mais antigo.

Insígnias da cidade 1626 Forte do MonteO emblema granítico da Fortaleza de S. Paulo do Monte está datado

ANNO DNI 1626

O mais antigo brasão de Armas de Macau conhecido é o que está esculpido em granito e colocado sobre a Entrada da Fortaleza de S. Paulo do Monte (originalmente chamada de Nossa Senhora do Monte). (1) Está datado de 1626, ano da conclusão das obras da Fortaleza.
“Por cima do portão de entrada da muralha Sul desta fortaleza havia uma pedra esculpida com 1 metro quadrado de área e um frontão triangular em cima, mas esta laje foi retirada e está, presentemente, na muralha interior virada para o portão da rampa de acesso à esplanada superior. Os pregos utilizados para sustentar a laje ainda se podem ver por cima do portão” (2)
O frontão triangular tem esculpida a figura de S. Paulo, Patrono da fortaleza.
A pedra rectangular que está por baixo consiste essencialmente de um escudo de Portugal, encimado por uma coroa rematada com cruz. O escudo é flanqueado por dois querubins de pé, vestidos apenas de uma faixa esvoaçante, assente em cavalete, O anjo do lado esquerdo ostenta sobre a levíssima redouça a Cruz de Cristo, e, simetricamente, o anjo da direita equilibra a esfera armilar rematada por uma estrela.
Em 1654, o título de Leal foi conferido ao Senado de Macau por D. João IV. E em nome de El-Rei, o Capitão Geral João de Souza Pereira mandou pôr no letreiro a nova dignidade, à entrada do Leal Senado.

Insígnias da cidade 1961 Portaria“A tradicional representação heráldica da cidade de Macau: o escudo de armas de Portugal sobrepujado da antiga coroa real aberta e amparado por dois anjos de joelhos, vestidos de prata e realçados de ouro, nimbados de uma cruz de Cristo, de vermelho – o da dextra, e de uma esfera armilar, de ouro – o da sinistra -; listel branco tendo inscritos em caracteres negros nos dizeres «Cidade do Nome de Deus não há outra mais leal» ” (3)
NOTA: Sobre este assunto, aconselho o trabalho de investigação da Dra. Beatriz B. da Silva em
         SILVA, Beatriz Basto da – Estudo-Insígnias de Macau. Edição do Leal Senado,1986, 83 p.
(1) Fortaleza que cresceu lentamente e irregularmente ao longo dos anos. Terá começado a 1617, em 1623 tornou-se residência governamental de D. Francisco de Mascarenhas, primeiro Capitão-General (posse a 17 de Julho 1623). Referências anteriores sobre a Fortaleza do Monte em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza-do-monte/
(2) GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau, concepção e história. 19 – – (?)
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/16/leitura-comemora-coes-em-macau-do-v-centenario-da-morte-do-infante-d-henrique-ii/
(3) Portaria n.º 18 626 do Ministério do Ultramar de 27-07-1961 (publicado no B. O. n.º 32 de Macau)