Archives for posts with tag: João Bosco Basto da Silva

No Campo da Caixa Escolar, a equipa de honra do Hóquei Clube de Macau registou neste dia, 13 de Março de 1955, uma merecida vitória, derrotando, por 4 a 1, uma forte equipa da primeira divisão de Hong Kong.
Denominada »Nav Bharat», a equipa visitante não é mais que um misto de jogadores indianos e paquistaneses, com o concurso, ainda, de um português e um britânico.
O onze do Hóquei Clube, se bem que não fez uma exibição em cheio, teve ocasião de patentear a sua superioridade, merecendo, inteiramente, a vitória.
O jogo teve um começo desastrado para a equipa de Macau, se bem que não fez exibição em cheio, teve ocasião de patentear a sua superioridade, merecendo inteiramente , a vitória…(…)
Os primeiros minutos da partida pertenceram aos visitantes, que carregaram, obstinadamente, o nosso semi-círculo, o que provocou entre os nossos, jogadas descondizentes e algumas faltas imperdoáveis.
Alguns «cantos curtos» foram, então, marcados contra Macau e, em menos de cinco minutos, Hong Kong marcava, a seu favor o primeiro tento da tarde. Rematada por Bhagat Singh, a bola, resultante de «canto curto», entrou sem defesa possível para Santos.
Os jogadores de Macau procuraram reagir e só depois de batalhar durante uns vinte minutos é que conseguiram assentar jogo. A partir desse momento, a partida passou a ter outra fisionomia. Em conclusão de um ataque bem concluído pela nossa linha avançada, Ritchie alcançou o tento de empate à custa dum remate potente. Chega o intervalo, sem alteração no marcador.
A equipa local, melhorando bastante o seu jogo, conseguiu, na 2.ª parte, exercer completo domínio sobre o «onze» adversário, que, fortemente oprimido e acusando falta de fôlego, acabou por ceder, permitindo a marcação dos tentos que deram a Macau a justa vitória.
Mais três bolas foram marcadas neste 2º período, a primeira por Augusto, a 2.ª por Ritchie e a última por Marques.
As equipas alinharam:
Rosário e A. Basto; J. Bosco, H. Rodrigues e R. Rosário; F. Nolasco, F. Marques, L. Ritchie , A. Jorge e A. Almeida.
Nav Bharat: F. Soares; Harnam e McCormack; Sarwan, B. Singh e Gurbux; Gurcharan, Manjit, Mohinder, U. S. Dillon e Uttam.
Reportagem de “Macau, Bol. Inf.“, 1955.

A 22 de Novembro de 1956, iniciaram na cidade de Melbourne (Austrália), os Jogos Olímpicos de Verão de 1956 (XVI Olimpíada) (1). Os jogos decorreram até 8 de Dezembro no Melbourne Cricket Ground.
Nesse ano de 1956, estava programada que duas representações nacionais estariam a cargo da Província de Macau: a participação nos Campeonatos Mundial de Ténis de Mesa, no Japão (2) e o hóquei em campo nos Jogos Olímpicos da Austrália.
Mas a decisão final do ministro de Educação alegando dificuldades económicas (3), deitou por terra a aspirações dos jogadores macaenses de hóquei em campo.

Pode-se portanto dizer-se que, para os macaenses, a maior desilusão no desporto macaense nomeadamente no Hóquei em Campo, foi a sua não participação nos Jogos Olímpicos de Melbourne de 1956, em representação de Portugal.

Todo o programa de preparação estava delineado e a fim de preparar melhor a equipa, a Direcção do Hóquei Clube de Macau, convidou o Ten. Filipe Augusto do Ó Costa (conhecido como o introdutor desta modalidade em Macau, em 1924) (4) que chegou 21 de Julho de 1956, para aperfeiçoar e intensificar os treinos.

Em 1955, o “Macau-Boletim Informativo” (5) informava:
Em Macau, entre quase todos os entusiastas do desporto, sempre que se fale, nos Jogos Olímpicos de Melbourne, surge como que imperdoável a seguinte pergunta: Será a representação de Portugal, no Torneio Olímpico de Hóquei em Campo, confiada aos hoquistas de Macau?
Estarão os hoquistas de Macau à altura de suportar tamanha responsabilidade, qual seja a de prestigiar o nome de Portugal nos Jogos Olímpicos de Melbourne?
Os hoquistas de Macau, que, desde há muito, vêm acalentando fortes esperanças de, um dia, serem chamados às fileiras de uma representação nacional, julgam chegada a altura de porem a claro os seus justos anseios e reclamar para si as responsabilidades duma incumbência honrosa.
Nunca Portugal se fez representar nas Olimpíadas em hóquei em campo, possivelmente porque nunca se ofereceu a oportunidade ou porque nunca se ofereceu equipa capaz de proporcionar uma representação compensadora

Em 1955, o Sr. Roland Hill, delegado da Austrália ao Congresso Internacional de Agências de Viagens, entregou ao Presidente da Câmara de Lisboa, uma mensagem do Lord Mayor de Sidney, «manifestando o interesse dos poderes constituídos e dos meios desportivos do seu país por uma representação portuguesa nos próximos jogos olímpicos de Melbourne, lembrando a propósito a possibilidade dessa representação ser entregues à equipa de hóquei em campo de Macau, cuja categoria constituía certeza antecipada de boa figura» (6)

Na verdade o hóquei em Campo, em Macau, atingira um nível e o grau de perfeição que em nenhum outro desporto (em Macau) conseguiram.
Vejamos o palmarés, em jogos internacionais, nos anos que precederam esse ano de 1955:
Na época de 1949-50 disputaram-se 15 encontros dos quais ganharam 14 e teve 1 empate. dos 10 encontros, perderam um. Os restantes 9, só foram vitórias.
Em 1950-51 em 10 jogos 9 vitórias e uma derrota.
Em 1951-52, dos 10 encontros, 8 foram vitórias, 1 empate e 1 derrota.
Em 1952-53 dos 7 encontros realizados ganharam 4, perderam 1 e consentiram 2 empates.
Em 1953-54 7 vitórias em 8 encontros (com uma derrota).
Em 1954-55 10 jogos realizados com 9 vitórias e 1 derrota.
Este é o palmarés do pequeno núcleo de desportistas macaenses (uma verdadeira queda para esta modalidade) do Hóquei Clube de Macau (em termos de comparação em Hong Kong nessa altura tinha cerca de 400 jogadores em duas dezenas ou mais de agrupamentos de hóquei.)

Hóquei 1956 Jogos OlímpicosOs hoquistas de Macau preparando fisicamente no ginásio para as exigências de uma competição olímpica

NOTA: Quanto ao nível do hóquei em campo nesse tempo, Edward Eagan que fora campeão olímpico de boxe, pesos leves nos jogos realizados em 1920, na cidade de Antuérpia, e que mais tarde, em 1932, fizera parte do quarteto americano vencedor da prova de trenó, deu um entrevista à Imprensa local quando esteve em Macau durante algumas horas, em passeio, em 1 de Julho de 1955. Declarou que conhecia bem a fama dos hoquistas macaenses antes mesmo de chegar ao Extremo Oriente e que seria uma pena se os rapazes de Macau não conseguissem representar Portugal nos Jogos Olímpicos de Melbourne. Falando sobre o desporto em geral, o Sr. Eagan afirmou que a principal propaganda dum país era o desporto e que se Macau participasse nos Jogos Olímpicos, esta nossa terra, hoje tão conhecida e falada no estrangeiro, haveria de lucrar bastante.

Campo do Tap SeacO campo desportivo da Caixa Escolar, no Tap Seac  Foto tirada do Edifício da Caixa Escolar (7)

(1) Foram os primeiros Jogos Olímpicos no Hemisfério Sul. A cidade de Melbourne foi eleita cidade sede por apenas um voto de diferença ( a outra cidade era Buenos Aires).  Pela primeira vez uma das modalidades desportivas dos Jogos não foram realizadas nem na cidade nem no país  anfitrião, com o hipismo sendo transferido para Estocolmo (Suécia) e disputado cinco meses antes de Melbourne, devido às severas leis australianas relativas à quarentena de animais que impediam a entrada no país.
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Jogos_Ol%C3%ADmpicos_de_Ver%C3%A3o_de_1956
(2) O Campeonato do Mundo de Ténis de Mesa (pingue-pongue) realizou-se em Tóquio de 2 a 11 de Abril. A representação nacional não foi exclusivamente de atletas de Macau, já que além dos três jogadores macaenses (Raul da Rosa Duque, Augusto Gonçalves, Alberto Ló), juntou-se Manuel de Carvalho, do Benfica.
(3) Em Macau, houve uma subscrição pública para ajudar as despesas com a deslocação da equipa de Macau.
(4) Sobre Filipe Augusto do Ó  Costa ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/04/20/hoquei-em-campo-i-filipe-do-o-costa/
(5) Informações recolhidas de “Macau- Boletim Informativo”, 1955, 1956.
(6) O Hóquei Clube de Macau que, em 1955, filiara na Federação Portuguesa de Hóquei em Campo, argumentaria e justificaria, junto do Comité Olímpico Português assim, a escolha de Macau para representar Portugal em hóquei em campo: como Portugal, dado a distância a que se encontra da Austrália, teria provavelmente dificuldades em fazer representar-se, o envio de uma delegação desportiva de Macau seria mais fácil e financeiramente mais viável e contribuiria de forma apreciável para o desenvolvimento da modalidade e viria patentear ao mundo a realidade da sempre proclamada unidade da nação portuguesa.
(7) Foto tirada de TEIXEIRA, Monsenhor Manuel – Liceu de Macau, 3.ª edição. Direcção dos Serviços de Educação, 1986, 577p + |12|
NOTA: interessantes depoimentos sobre os primórdios do hóquei em campo em Macau  na blogosfera.
1- De  Albertino Alves de Almeida:
http://www.oclarim.com.mo/j120427/opiniao7.shtml
http://www.oclarim.com.mo/j120518/opiniao7.shtml
http://oclarim.com.mo/j120413/opiniao7.shtml
http://www.oclarim.com.mo/j120406/opiniao7.shtml  http://www.oclarim.com.mo/j120330/opiniao7.shtml
2 – De Rogério P. D. Luz: “Fernando Ramalho, dos melhores do hóquei de Macau, nos anos 30/40” e  “José dos Santos Ferreira “Adé”, entrevista de 1983 e o hockey de Macau anos 30/40” em:
http://cronicasmacaenses.com/2013/10/20/fernando-ramalho-dos-melhores-do-hoquei-de-macau-nos-anos-3040/
http://cronicasmacaenses.com/2013/08/23/jose-dos-santos-ferreira-ade-entrevista-de-1983-e-o-hockey-de-macau-anos-3040/
3 – Testemunho de João Bosco Basto da SilvaHóquei em campo (década 1950)”em:
http://macauantigo.blogspot.pt/2010/09/hoquei-em-campo-decada-1950-testemunhoi.html

Para complementar  a notícia de ontem (1), reli o opúsculo histórico do Padre Teixeira (2) “O TEATRO D. PEDRO V“, publicado em 1971, pelo Clube de Macau (3) com subsídio do Governo da Província.

O Teatro D. Pedro V capa

Refere o autor, na introdução “Breves Palavras”:
“… Durante este século, foi o Teatro D. Pedro V que o Clube de Macau apresentou ao público não só os talentos locais mas os grandes artistas de renome internacional. Pode dizer-se que até à Guerra do Pacífico, a vida artística macaense se concentrou no Teatro D. Pedro V, devido aos bons ofícios das Direcções do Clube de Macau
O Teatro D. Pedro V fachada 1971

A Fachada do Teatro em 1971, degradada revelando as suas instalações, precárias condições de funcionamento

 O teatro, após obras que custaram 4 000 patacas (empréstimo pedido pela Direcção da Sociedade) (4) foi inteiramente restaurado e reabriu a 30 de Setembro de 1873.
O Jornal Gazeta de Macau e Timor (5) deu extensa notícia da festa de abertura:
” Abriu esta noite os seus salões o THEATRO DE D. PEDRO V – restaurado, elegante e perfeitamente armado, obras estas que deve à actual e incansável direcção que dotou o teatro com uns estatutos razoáveis, necessários e convenientes, trabalho este em que havia naufragado mais de uma direcção, havendo desgostos, discussões acaloradas e improdutivas.”

Ao longo do seu historial, o teatro passou por muitas vicissitudes: falência com penhora em 1879 (6); desavenças dos sócios;  cisão do Club União que organizava as festas no teatro;  fundação de uma nova Associação  denominada «Proprietários do Teatro D. Pedro V» que comprou o teatro, e o arrendou por um período de 10 anos à sociedade Club União, mediante ao pagamento de 15 % dos rendimentos brutos do clube e do Teatro; apogeu da sua utilização para espectáculos, récitas, óperas, concertos, conferências, etc; degradação do edifício ao logos de anos e outras tragédias ….. que relatarei em posteriores postagens.

O Teatro D. Pedro V lista dos proprietários IO Teatro D. Pedro V lista dos proprietários II(1) “NOTÍCIA  DE 7 DE MARÇO DE 1857 – TEATRO D. PEDRO V”
         https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/teatro-d-pedro-v/
(2) TEIXEIRA, P.e Manuel – O Teatro D. Pedro V. Clube de Macau, I Centenário, 1971, 50 + !2! p. 26,5 cm x 19 cm
(3) Nesse ano (1971), a Direcção do Clube de Macau era composta por:

 Presidente: Fernando José Rodrigues
Secretário: Dr. João Bosco da Silva
Tesoureiro: Estanislau Alberto Carlos
Vogais: Hugo José Sales da Silva e António V. N. Barros Amorim.

 (4) A Direcção era composta por António Alexandrino de Melo, barão do Cercal, João Eduardo Scarnichia, José Maria Teixeira Guimarães, Carlos Vicente da Rocha e Joaquim das Neves e Sousa que tinham elaborado novos estatutos da Sociedade «Theatro de D. Pedro V», os quais foram aprovados a 3 de Fevereiro de 1873 (data citada por Padre Teixeira e Luís Gonzaga Gomes, mas Beatriz Basto da Silva refere na sua Cronologia, a data de 10-02-1873.
(5) Gazeta de Macau e Timor, 2.º Ano, nº 2, de 30-09-1873
(6) “29-03-1879 – O Boletim Oficial publica o anúncio da arrematação do edifício do « Theatro D. Pedro V», penhorado em execução movida pelo Leal Senado contra a sociedade proprietária. O Teatro é vendido em leilão judicial por 1.400 reis (mais 672 reis pelos trastes), segundo o Boletim Oficial de 10 de Julho de 1880. Entretanto é fundado o Clube União e são os seus sócios (agremiados publicamente por escritura celebrada em 25 de Setembro de 1879) – que adquirem o teatro, com o nome de « Associação dos Proprietários do Theatro D. Pedro V»; nos Estatutos do Clube União, aponta-se para um único fim: o clube deve manter o teatro, ao serviço da população portuguesa de Macau “
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XIX, Volume 3. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p (ISBN 972-8091-10-9)