Archives for posts with tag: Jardim da Flora

«As 5.35 horas da manhã de 13 de Agosto de 1931, (1) explodiu o Paiol da Flora, (2) devido aos grandes calores estivais. A explosão causou a morte das seguintes pessoas: 1.º sargento António Sousa Vidal, Henrique Ciríaco da Silva, funcionários das obras públicas, João Córdova, Natércia Duarte, criança de 11 anos, um filhinho do chefe da Polícia Carlos A. da Silva, um soldado africano e 15 pessoas chineses, sendo os feridos cerca de 50.(3)
O Palacete da Flora ficou reduzido a um montão de escombros; as casas fronteiriças, escalavradas; muitas casas arruinadas e muitíssimas com as janelas, portas e vidros partidos.
Nas três casas Canossianas houve muitos vidros partidos e algumas portas quebradas, mas não houve ferimentos, pois, sendo Verão, tanto as educandas como as órfãs chinesas estavam fora a passar as férias.
Uma bomba incendiária fez uma visita à Casa Canossiana de Mong Há: entrou por uma janela, forçando-a, pois, estava fechada, girou em volta da luz eléctrica, e saiu por outra janela do dormitório ds educandas, sem causar dano algum, além dum grande susto a uma rapariga, que naquela noite havia dormido ali. Atribui-se à protecção de Maria, de quem a pequena era muito devota, o não ter sido vítima do acidente. (4)
Outros estragos materiais mais significativos referenciados, para além das casas próximas do jardim que ficaram danificadas: a casa que Sun Fo tinha construído para a sua mãe, a casa memorial “Sun Yat Sen” na Av. Sidónio Pais: o coreto do jardim de Lou Lim Ioc que se encontrava em lugar diferente do actual, tinha a porta virada Av. Conselheiro Ferreira de Almeida.

A propósito dessa explosão, conta o Padre Teixeira (4) o seguinte episódio:
Nessa manhã, alguém telefonou da Taipa para Macau.
– Ouviu-se aqui um grande «estâmpido». Que aconteceu?
– O paiol da Flora foi pelos ares.
– Houve vítimas?
–  22 mortos e 50 feridos.
– Safa. Que «estâmpido» tremendo!
O caso do «estâmpido» passou de boca em boca e, durante vários dias, era «estâmpido» sem parar.
Nós tínhamos leitura no Seminário, durante as refeições. Sucedeu que o leitor foi o José Dias Bretão. Apareceu essa palavra no livro e ele, com ouvir tantas vezes pronunciar «estâmpido»., já estava um pouco confuso e leu assim mesmo.
Gargalhada geral!
O prefeito mandou que repetisse. E ele «estâmpido».
Por fim, mandou-o sair da estante, ameaçando-o com um castigo, pois julgava que estava a brincar. Só lhe levantou o castigo ao verificar que o rapaz tinha lido a sério.
Resultado: ficou sempre com a alcunha de «estâmpido».
(1) O Conselho do Governo destinou uma verba de 300 mil patacas destinado a ocorrer ao pagamento das despesas resultantes da destruição do Paiol Militar da Flora e à construção de um novo paiol nas Ilhas.
Boletim Oficial da Colónia de Macau de 14 de Agosto de 1931 – Suplemento ao n.º 32
Nomeação de uma comissão para propor as medidas a adoptar para se socorrer as vítimas da explosão do Paiol da Flora.
Boletim Oficial da Colónia de Macau de 14 de Agosto de 1931 – Suplemento ao n.º 32.
 (2) “Década de 20 – Posteriormente, no início de 20, procedeu-se à construção de um complexo sistema de túneis de características militares, que atravessam o subsolo da Colina da Guia, tendo sido instalado, na propriedade, um paiol que em 13 de Agosto de 1931, explodiu provocando a destruição do palacete da Flora “(ESTÁCIO, A. J. E e SARAIVA, A. M. P. – Jardins e Parques de Macau, p.30”
Em 28 de Junho de 1919, o governador aprovou o projecto da Repartição dos Serviços de Obras Públicas para a construção do novo paiol militar junto da Colina da Guia.

O Paiol da Flora estava situado num terreno por detrás do “Ténis da Flora” sensivelmente por detrás do actual Jardim Infantil D. José da Costa Nunes).

(3) O número de mortos e feridos variam conforme as fontes:
“Em 13 de Agosto de 1931, explodiu o paiol militar situado na Fonte de Inveja, causando 41 mortos, nos quais 7 foram crianças, e danificando um grande número de casas nos locais próximos. A explosão causou uma perda económica no valor de 400,000.00 dólares de Hong Kong para os proprietários e habitantes dos locais adjacentes”
http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=106
11-08-1931 – Uma explosão no Paiol Novo da Flora provocou 24 mortos e 50 feridos e destruiu completamente o palacete da Flora. Várias casas ficaram em ruínas ou danificadas num raio de 3500 metros.”  (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997)
Boletim Oficial da Colónia de Macau, n.º 33 de 15 de Agosto de 1931
(4) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, pp. 221-222

O jardim do Palacete da Flora. Construção antiga melhorada em 1914-1915
1915, Fotógrafo: M. Russel, Copyright: Arquivo Histórico Ultramarino,
https://actd.iict.pt/view/actd:AHUD7626

NOTA: Recorda-se que o Palacete da Flora foi a perda material mais significativa da explosão do Paiol. Foram trinta toneladas de pólvora que destruíram tudo, num raio de 300 metros incluindo o palacete que era a residência de verão dos Governadores; na altura, estava lá instalado o Museu Luís de Camões e servia também como pavilhão de exposições de arte.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/02/06/leitura-uma-exposicao-de-arte-no-palacete-da-flora-1929/
Anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/paiol-da-flora/
Pode-se ver fotografias dos estragos causados pela explosão em:
http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=106
Outras leituras e video disponíveis:
https://cronicasmacaenses.com/2012/11/08/macau-1931-explodiu-o-paiol-da-flora/
https://www.youtube.com/watch?v=ytRaoL50QEU
http://macauantigo.blogspot.com/2012/07/explosao-do-paiol-da-flora-agosto-1931.html
O «Diário de Notícias” (Portugal) datado de 12 de Setembro de 1931 falava-se da segunda edição da Volta a Portugal em bicicleta, com vitória de José Maria Nicolau na etapa Beja-Évora e conquista da camisola amarela, a campanha contra o analfabetismo, considerado “um grande problema nacional”, e também de “A Catástrofe de Macau”, sobre a terrível explosão do paiol da Flora, acompanhado da seguinte foto:
https://www.dn.pt/edicao-do-dia/12-set-2018/interior/contra-o-analfabetismo-9832957.html

Fotografais de Macau publicadas no Boletim da «S. L. A. do Rio de Janeiro», em 1935  e 1936.

Continuação da publicação dos postais constantes da Colecção intitulada “澳門老照片 / Fotografias Antigas de Macau / Old Photographs of Macao”, emitida em Setembro de 2009 pelo Instituto Cultural do Governo da R. A. E. de Macau/Museu de Macau (1)
A importância deste local em termos de jardim, propriamente dito, é reduzido. Apresenta uma forma rectangular, sendo apenas uma pálida lembrança da praça circular, com 57 metros de raio, inaugurada em 1871, e da qual era uma peça importante a fonte que hoje se encontra no jardim da Flora. Serve de ligação entre a Avenida Sidónio Pais e a estrada da Vitória, tenho uma área de apenas 0,19 hectares. (2)
Antigo local conhecido como “Campo de Arrependidos”,  foi aí travada parte dos combates contra os invasores holandeses, no dia 24 de Junho de 1622. O monumento foi colocado no centro do jardim, em 1864 (autoria do escultor Manuel Maria Bordalo Pinheiro) “no mesmo lugar onde uma pequena cruz de pedra comemorava a acção gloriosa dos portugueses” (3)
(1) Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/postais/
(2) ESTÁCIO, António J. E.; SARAIVA, António M. P. – Jardins e Parques de Macau. Instituto Português do Oriente, 1993, p. 36.
(3) Ver anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/monumento-da-vitoria/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jardim-da-vitoria/

Para ilustrar a descrição dos locais de interesse turístico de Macau, no folheto turístico de 1928 (1) o autor apresenta a fotografia dos “Jardins” da Flora, (2) com a seguinte descrição:
a-vistors-handbook-to-romantic-macao-jardim-da-floraFLORA GARDENS are the scene of another beautiful exemple of landscape architecture. The picturesque little pavilion in the grounds was once the governor´s summer residence, but i tis now a comercial and natural history museum, a visit to which should form na essencial part of one´s itinerary of Macao
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/01/24/leitura-folheto-turistico-de-1928-a-visitors-handbook-to-romantic-macao/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jardim-da-flora/ 

No dia 14 de Dezembro de 1918, o Presidente da República Portuguesa, Dr. Sidónio Pais, foi assassinado quando embarcava para o Porto na Estação do Rossio (Lisboa) por José Júlio da Costa, que veio a falecer num  manicómio.
O seu nome foi dado a uma Avenida principal em Macau, por resolução tomada pelo Governador em 8 de Janeiro de 1919. Assim, a antiga «Estrada da Flora» passou a ser denominada «Avenida Sidónio Pais» conquanto em chinês a mesma Avenida ainda é conhecida pela fonte «I LON HAO», (1) de generoso caudal, que ali se encontra (2).
A Avenida de Sidónio Pais começa na Rua de Ferreira do Amaral, junto da Rua da Caixa Escolar e termina entre a Avenida do Coronel Mesquita e a Estrada de Cacilhas, em frente da Estrada de Ferreira do Amaral.
sidonio-pais-1872-1918Sidónio Bernardino Cardoso da Silva Pais (1872-1918). Tirou o curso de Artilharia, foi promovido a alferes em 1892, a tenente em 1895 e a capitão em 1906. Em 1898, formou-se em Matemática pela Universidade de Coimbra, sendo nomeado Professor Catedrático de Cálculo Diferencial e Integral da Universidade e professor da Escola Industrial de Brotero, de que foi diretor em 1911.
Exerceu os cargos de deputado à Assembleia Constituinte após a implantação da República, de ministro do Fomento (ministério de João Chagas em 1911), de ministro das Finanças (ministério de Dr. Augusto de Vasconcelos Correia em 1911-1912), de ministro plenipotenciário de Portugal (embaixador) em Berlim (1912- até 1916, data em que a Alemanha declarou a guerra a Portugal).
Derrubou num golpe militar (5 a 8) o governo de Bernardino Machado em 1917 assumindo a chefia do país – presidente da Junta Revolucionária de 1917 – destituindo Bernardino Machado do cargo de Presidente da República e forçando o seu exílio. Nesse processo, a 11 de Dezembro de 1917, Sidónio Pais tomou posse como presidente do Ministério (atual primeiro-ministro), acumulando as pastas de Ministro da Guerra e de Ministro dos Negócios Estrangeiros e, já em profunda ruptura com a Constituição de 1911, que ajudara a redigir, a 27 de Dezembro do mesmo ano, assumiu as funções de Presidente da República, até nova eleição.
Enquanto presidente da República, exerceu o cargo de forma ditatorial, suspendendo e alterando por decreto normas essenciais da Constituição Portuguesa de 1911. Fernando Pessoa chamou-lhe Presidente-Rei.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sid%C3%B3nio_Pais
http://www.presidencia.pt/?idc=13&idi=34
http://www.arqnet.pt/portal/portugal/temashistoria/sidonio.html
(1) I Long Hau Fa Un – Jardim das duas torneiras também conhecida por Ho Tung Fa Un – Jardim de Ho Tung (nome do antigo proprietário Sir Robert Ho Tung) ou Jardim da Flora.
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997.

Numa postagem anterior “ANÚNCIO -SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS DE MACAU LIMITADA (S.A.A.M.)”, (1)  referi que o primeiro reservatório público de Macau foi construído em 1924 no vale da Colina da Guia, (2) mas que devido ao seu tamanho, poucas centenas de metros quadrados de área, muito limitado para o abastecimento de água público, foi abandonado  o seu uso (e também porque a Sociedade foi à falência).
Encontrei esta fotografia de 1927 em que se vê esse reservatório : “Reservatório de água do lado Sul da Colina da Guia”
ANUÁRIO de 1927 - Reservatório de CacilhasNesse mesmo lugar, em 1949, iniciou-se  as obras para a adaptação do reservatório em paiol (Paiol da Solidão) (3)  (estava no “vale”  por cima da Fonte da Solidão, hoje “escondida” porque está parcialmente enterrada com o alargamento da Estrada de Cacilhas e atrás das barreiras de protecção do Grande Prémio) (4)
O reservatório era fechado (na foto vê-se o terraço) e com as obras de adaptação foi cimentada constituindo o terraço do paiol, cuja entrada dava directamente para uma pequena rampa na direcção da Estrada de Cacilhas.
À esquerda da foto, a entrada  para um espaço escavada na colina onde escorria água que depois era canalizada para o reservatório. Este espaço foi readaptado para servir de armazém do paiol. Nesta foto, esta entrada não tinha ligação directa para o terraço (a passagem era feita apenas por uma tábua, do muro para a entrada). Na transformação em paiol foi necessária a destruição de parte desse muro do reservatório para dar  uma ligação mais larga, cimentada e directa à entrada. O transporte do material era difícil para este espaço pois não havia nenhuma passagem do andar superior para o inferior, apenas uma escada de madeira vertical ligava o terraço e a guarita (à direita na foto – futuro local de trabalho do paioleiro) (5) pelo que se construiu uma passagem em terra, da porta da guarita (visível, à direita na foto) para umas escadas de pedra que ainda hoje é possível observar no local (muitos degraus já desfeitos) Pela dificuldade de transporte, armazenava-se aí nesse espaço interior, o material menos usado ou que aguardava  abatimento.

MEU ÁLBUM Paiol de Solidão IAspecto actual do Paiol de Solidão. (FOTO Abril 2015)

Na foto acima, a rampa que dá acesso ao paiol com o muro do antigo reservatório recuperado. A rampa (como ela está, mais larga e alcatroada) foi feita já na década de 60 (século XX) para melhor acesso dos transportes da carga e descarga de armas, munições e explosivos (por força de lei, as empresas que lidavam com  explosivos empregues em trabalhos particulares eram obrigadas a terem esse material depositados no Paiol). À direita, à beira da estrada,  por detrás das barreiras, a Fonte da Solidão.
MEU ÁLBUM Paiol de Solidão II ABRIL 2015À direita a escada de acesso, de pedra (infelizmente mal conservada, semi-desfeita) para o “andar” superior. O portão e a  pequena guarita no topo das escadas foram colocadas depois do 25 de Abril de 1974.
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/08/07/anuncio-sociedade-de-abasteci-mento-de-aguas-de-macau-limitada-s-a-a-m/
(2) Já em 1919, o coronel (engenheiro) Adriano Augusto Trigo  quando assumiu a Direcção dos Serviços de Obras Públicas de Macau, traçou um plano que incluía o aproveitamento das águas fluviais e águas subterrâneas. O projecto para captação de águas fluviais, entre outros, previa a construção na Colina da Guia de um reservatório.
(3) Recordar que o anterior paiol estava na Flora junto ao Palacete da Flora – hoje Jardim da Flora,  desde 1924 até ao episódio do seu rebentamento pelas 5 horas da manha do dia 11 de Agosto de 1931, atribuída ao excesso de calor. Provocou 24 mortos e 50 feridos e destruiu completamente o Palacete da Flora.
Há indícios dum anterior paiol em Mong-Há com a data de 1887 e outro mais antigo (primitivo’?) numa informação datada de  30-03-1639: “Tendo sido reconhecida a necessidade de se construir um Paiol de pólvora e proposto para este fim o sítio de Nossa Senhora da Penha de França ou no baluarte de Sao Pedro, o Senado preferiu, porém construí-lo no monte de S. Paulo” (MOSAICO, 1951)
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/decada-de-50/
(5) O primeiro paioleiro deste paiol, foi colocado em 1 de Janeiro de 1951.  O primeiro (e único) paioleiro do Paiol da Solidão foi o  Cabo Pereira, já que posteriormente se construiu outro paiol, (em meados da década de 50 do século XX) ligeiramente mais a oeste, ao nível da  Estrada de Cacilhas que tem no seu interior uma ligação interna – túnel que “perfura” a Colina da Guia – com saída no Jardim da Flora. Os dois paióis sob a designação de Paiós de Cacilhas mantiveram-se em funcionamento simultâneamente e sempre com mesmo paioleiro até à sua reforma e mesmo depois de reformado até 1973.
Paioleiro – guarda de Paiol, ou seja, é o guarda do local onde ficam armazenadas as munições e os explosivos dos militares. Em Macau também se armazenavam (por lei) os materiais das empresas civis que utilizavam explosivos para as obras.

Escola Infantil (U.N. 1940)A Escola Infantil e o Parque Infantil

 “Quanto a instalações há algumas que podemos chamar modelares: a Escola infantil de Macau (1) pode pôr-se ao lado do que há de melhor no género, na Metrópole. O edifício da Escola Municipal (2) inaugurado há poucos meses, é também um bom edifício. O Liceu, embora a sua situação seja má (dum lado o cemitério e dos outros ruas cheias de movimento e de ruído) vai, contudo, satisfazendo às principais exigências do ensino.

Escola Primária Municipal 1940A Escola Municipal em 1940

             Não obstante tudo isto, ainda há muita gente que de queixa das escolas de Macau. Ora, tudo estaria bem, se essas queixas e lamentações fôssem infundadas, ou traduzissem apenas a excessiva exigência duma sociedade superiormente culta e de requintada educação. Era até uma reacção salutar e uma prevenção da sociedade contra a possibilidade de as escolas, por desleixo ou inépcia, deixarem descer o seu nível cultural. Mas, infelizmente, não é bem isto o que se passa. Na verdade, a cultura média dos escolares de Macau é pobre, o rendimento do ensino é ainda desanimador.
Culpa dos professores? A meu ver, culpa de tudo e de todos.     

E.P.O.Pedro N. Silva década de 50 (ACTD)Edifício da Escola Primária Oficial «Pedro Nolasco da Silva» (sexo masculino) possivelmente na década de 50 (http://actd.iict.pt/view/actd:AHUD23186     

O ambiente desta terra não é de molde a favorecer a acção educativa da escola. Uma cidade com uma área pequeníssima e uma população de trezentos ou quatrocentos mil habitantes, noventa e nove por cento chineses, cheia de ruídos extraordinários e irritantes – o charivari dos enterros, o estralejar dos panchões, a cegarrega dos tim-tins – e além disso, com péssimo ambiente moral, é o inimigo mais poderoso da educação. É preciso, primeiro que tudo, combater o excesso de vida urbana dos rapazes desta terra, que, além dos inconvenientes de ordem física e moral de todos conhecidos, os torna incapazes de se adaptarem à vida daquelas colónias que impõem um certo isolamento. Combater êste mal é contribuir para alargar o campo de acção dos rapazes de Macau. Torna-se, pois, necessário afastá-los quanto possível da cidade, ensinando-lhes o caminho do mar e da natureza, criando-lhes gosto pela navegação à vela e a remos, incultando-lhes as vantagens do meio isolamento que permite a vida interior e liberta a alma da tirania dos sentidos.

E.P.O.Pedro N. Silva década de 80O mesmo edifício na década de 80

 CARNEIRO, Artur de Almeida – Educação Nacional in Publicação da União Nacional de Macau, 1940

(1) A Escola Infantil que funcionava na Rua Central, foi transferida para um novo edifício inaugurado a 2 de Outubro de 1933, no Jardim da Flora. Posteriormente, após a II Guerra Mundial acrescentaram o nome de Escola Infantil «D. José da Costa Nunes». Em 1997 , sofreu remodelação e ampliação com o projecto de arquitectura de Mário Duque, com o nome de «Jardim de Infância D. José da Costa Nunes» mantém-se como instituição educativa de ensino pré-escolar tutelada pela Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (APIM) , na Avenida Sidónio Pais.
http://www.revistamacau.com/2013/08/14/a-fazer-historia-ha-80-anos/
(2) A Escola Primária Municipal (depois denominada Escola Primária Oficial «Pedro Nolasco da Silva») foi inaugurado a 5 de Outubro de 1939, na Alameda Vasco da Gama pelo Governador Artur Tamagnini Barbosa. A Escola Primária Oficial Pedro Nolasco da Silva foi extinta em Junho de 1997 (Decreto-Lei n.º 24/97/M) mas o edifício manteve-se como “Escola Secundária Luso-Chinesa de Luís Gonzaga Gomes
Sobre a Escola Primária Oficial ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/escola-primaria-oficial/

NOTA: O parque infantil de Macau foi inaugurado a 24 de Dezembro de 1924.