Archives for posts with tag: Isidoro Francisco Guimarães

O Governador Isidoro Francisco Guimarães, (1) partiu no dia 6 de Junho de 1860, a bordo do vapor Fei-ma em direcção a Hong Kong, para desta cidade seguir para Shanghai, onde era esperado pela corveta D. João I, para nela seguir para o Japão onde iria assinar o “Tratado de Paz, Amizade e Comércio Entre Portugal e o Japão” (2)

Acompanharam o Governador nessa missão o secretário Gregório José Ribeiro, o adido António Caetano Pereira e o intérprete João Rodrigues Gonçalves

Extraído de «BGM», VI-27 de 9 de Junho de 1860, pp. 105-106

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/

O regresso do Governador e comitiva foi postado em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/09/09/noticia-de-9-de-setembro-de-1860-chegada-do-governador-no-regresso-do-japao/

(2) 03-08-1860 – Tratado entre Portugal; Macau e o Japão – “ Após um interregno que começou em 1640, é restabelecido o diálogo diplomático, sendo Governador de Macau Isidoro Francisco Guimarães, a quem é legítimo reconhecer o desempenho nesta reaproximação. Reinava no Japão, o Shogun Tokugawa Iemochi (1846-1866; reinou entre 1858 a 1866). Este tratado foi assinado em Iedo no mesmo dia e mês da suspensão de seculo XVII: 3 de Agosto (Ver DIAS, Alfredo Gomes – Macau, Portugal e o Japão no Século XIX- O Tratado de 1860, em RC, edição internacional, 30, Macau, Abril 2009, pp. 104-119 In (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 157)

Partiu da Rada no dia 23 de Abril de 1862, o navio do Estado “Martinho de Mello” comandado pelo 1.º tenente Álvaro Andrea, com destino a Lisboa, com escalas por Moçâmedes, Benguela e Luanda. Além da carga (1), levava para Lisboa, 16 militares de Timor que regressavam a Portugal, 20 praças do Batalhão de Macau, incapazes para o serviço, 5 civis, sem emprego. Para Luanda, levava 1 preso sentenciado a degredo M. F. Borralho (2) e 3 soldados do Batalhão de Macau que de Luanda seguiriam para Moçambique.

Levava também o 2.º tenente da armada, José Maria da Fonseca (3) finda a sua comissão, com a família.

Extraído de «BGM», VIII-21, de 26 de Abril de 1862, p. 85

(1)

Extraído de «B.G.M.», VIII-16 de 20 de Março de 1862, p.64

(2) Está referenciado nas “Famílias Macaenses” de Jorge Forjaz na p.59, Manuel Francisco Pereira Borralho nascido em Lisboa cerca de 1820 mas com indicação que faleceu em Macau. Este é antepassado do jornalista Leonel Borralho. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-borralho/

(3) O 2.º tenente José Maria da Fonseca foi Capitão do Porto de Macau de 1855 a 1861. Acompanhou na qualidade de secretário do governador Isidoro Guimarães na missão ao Sião em 1859.

Extraído de «BGM», VIII-21 de 26 de Abril de 1862
CONTINUA …….. Extraído de «BGM», VIII-18 de 5 de Abril,

Na sequência da publicação em 5 de Janeiro de 2018 (1) sobre a “Nova Escola Macaense”, junto hoje mais alguns dados da cronologia desta Escola, aproveitando a data de 6 de Abril de 1861, em foram aprovados os Estatutos da Nova Escola Macaense, fundada pelo então 1.º Visconde do Cercal (depois Barão do Cercal) Alexandrino António de Melo (2) (3) e cuja inauguração se realizou, em 5 de Janeiro de 1862.

CONTINUA …………….. «BGM», VII-19 de 13 de Abril de 1861, p. 73

Foi inaugurada em 5 de Janeiro de 1862 a «Nova Escola Macaense», e nesse ano veio de Portugal como professor da Escola Macaense, o Cónego Guilherme F. da Silva, (regressaria ao reino a 21 de Março de 1885, vindo a falecer em Lisboa 3 anos mais tarde) (4)

Em 1865, devido a partida para Portugal do director geral da «Nova Escola Macaense», Barão do Cercal e do seu filho (a quem competia suceder-lhe em conformidade com os Estatutos), foi eleita uma comissão directora presidida por José Bernardo Goularte. (5)

Esta escola terminou em 21 de Outubro de 1867 por falta de meios para o sustentar, sendo oferecido o seu remanescente à futura “ Associação Promotora da Instrução dos Macaenses” (P.P. n.º 14 de 31 de Março de 1862, publicada nos Boletins n.º 25 e 27 de 1863)  (6)

(1) Ver anteriores referências a esta escola em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/nova-escola-macaense/

(2) Em 15 de Fevereiro de 1861, o Barão do Cercal propôs, em circular, a criação duma escola de ensino de línguas, principalmente a portuguesa e inglesa, para o sexo masculino, intitulada «Nova Escola Macaense», por existir grande carência de meios de instrução, como então se verificava na Colónia. Em 26 de Março do mesmo ano, o Governador Isidoro Francisco Guimarães autorizou o Barão de Cercal a organizar, anualmente, uma ou mais lotarias (7) para a manutenção dum estabelecimento de instituição para o sexo masculino que este pretendia fundar. A 1 de Novembro de 1861, o Barão do Cercal publicou uma carta, com esta data, no Boletim da Província n.º 48 de 2 de Novembro de 1861, dando conta do andamento da fundação da Nova Escola Macaense por ele promovida. A 27 de Fevereiro de 1862, foi confirmada ao Barão do Cercal de uma lotaria anual, com o capital limitado a doze mil patacas; bem como um subsídio anual de 1.000$00 reis para auxiliar a fundação dum estabelecimento de instrução primária e secundária, cujo ensino deveria ser gratuito para os pobres, cessando, porém tal concessão logo que estivesse reorganizada a Instrução Pública em Macau. (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/alexandrino-antonio-de-melo/

(4) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 162

(5)

CONTINUA «TSYK» , 3.º Ano, n.º 4 de 26 de Outubro de 1865, pp. 15 e 16

«TSYK» , 3.º Ano, n.º 4 de 26 de Outubro de 1865, pp. 15 e 16
«TSYK» , 3.º Ano, n.º 5 de 3 de Novembro de 1865, pp. 19 e 20
«TSYK» , 3.º Ano, n.º 6  de 9 de Novembro de 1865, pp. 24

(6) “21-10-1867 – Foi encerrada a Nova Escola Macaense criada pelo Barão do Cercal, por falta de meios para o sustentar, sendo oferecido o seu remanescente ao Governo da Colónia, para criação de um liceu.” (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954) .

(7)

Extraído do «BGM, VIII-26 de 31 de Maio de 1862 p. 106
Extraído de «BGM»,  IX-10 de 7 de Feveeiro de 1863, p.39

NOTA: O Governador de Macau, Isidoro Francisco  Guimarães foi recebido a bordo da galiota do Governo de Hong Kong pelo secretário colonial de Hong Kong, William Thomas Mercer (1821–1879), que exerceu esta cargo de 1854 a 1868. O Governador de Hong Kong era Sir Hercules Robinson (1824-1897) que governou Hong Kong de 9 de Setembro de 1859 a 11 de Março de 1865. William Thomas Mercer viria a ser governador/administrador de Hong Kong, interino de 15 de Março de 1865 a 11 de Março de 1866. Anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/21/noticia-de-21-de-abril-de-1866-visita-do-governador-de-hong-kong/

Extraído de «BGPMTS»,  I-49 de 22 de Setembro de 1855, p. 196

No dia 16 de Setembro de 1855, faleceu (“uma apoplexia fulminante“) o 1.º tenente da armada Pedro José da Silva Loureiro, nascido em Ponta Delgada a 29-06-1792, capitão do Porto de Macau. Foi sepultado no Cemitério de S. Miguel. Filho de José da Silva de Loureiro (1745-1820) e de Genoveva Flora Joaquina da Cunha (1753-1833) ambos nascidos e falecidos em Ponta Delgada, Pedro José da Silva Loureiro chegou pela primeira vez a Macau, como guarda marinha, acabando por fazer quase toda a sua carreira militar no Oriente. A 5-04-1824 foi promovido a 2.º tenente da Armada e a 1.º tenente a 19-10-1853, sendo reformado em capitão de fragata da Armada de Goa.

Foi durante alguns anos capitão do porto de Macau sendo encarregado pelo Governador Ferreira do Amaral de construir o forte da Taipa que marcou a ocupação definitiva daquela ilha. Foi também comerciante, sendo eleito almotacé da Câmara em 1827. Casou em Macau (S. Lourenço) a 12-04-1826 com Ana Rosa Inocência do Espírito Santo Pereira de Almeida. Tiveram 16 filhos. (1) Quatro dele, Luís, Pedro, Francisco e Eduardo frequentaram o Seminário de S. José em 1840, segundo diário do Padre Leite (2)

Extraído de «BGPTMS»,  I-51 de 6 de Outubro de 1855, p. 202

 A primeira filha do casal, Genoveva Rosa Joaquina do Espírito Santo Loureiro (1827- ? )  casou na capela da Residência do Governador com Isidoro Francisco Guimarães (1808-1863), governador de Macau (1851-1863), capitão de mar-e-guerra, do Conselho de S. M. F., e visconde da Praia Grande de Macau. (3)

 (1) Informações biográficas recolhidas de FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, II Volume. ICM, 1996, pp. 411-412.

(2) SILVA, Beatriz Basto da Silva – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995

(3) Anteriores referências a este governador em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/12/10/noticia-de-10-de-dezembro-de-1862-visconde-da-praia-grande/

Notícia no «Boletim do Governo de Macau» de 1860, assinada por A. Marques Pereira, sobre a chegada do Governador de Macau, Conselheiro Isidoro Francisco Guimarães, (1) que regressou da missão diplomática ao Japão, onde assinou por Portugal o “Tratado de Paz, Amizade e Comércio entre Portugal e o Japão

Extraído de «BGM», VI-40 de 9 de Setembro de 1860, pp. 157-158

Após um interregno que começou em 1640, é restabelecido o diálogo diplomático, sendo o Governador de Macau Isidoro Francisco Guimarães, a quem é legítimo reconhecer o desempenho nesta reaproximação. Este Tratado foi assinado em Iedo no mesmo dia e mês da suspensão do século XVII: 3 de Agosto”. (DIAS, Alfredo Gomes – Macau, Portugal e o Japão no Século XVII:3 de Agosto. RC edição internacional, n.º 30 Abril de 2009 pp. 104-119.)

O Conselheiro Isidoro Francisco Guimarães, Visconde da Praia Grande de Macau, governador de Macau de 1851 a 1863 presidiu ainda a outra missão diplomática que partiu de Macau em 23 de Abril de 1862, chegando a Xangai a 3 de Maio e a Tien-Tsin (China) a 26 do mesmo mês. O Tratado de Tien-Tsin (天津 条约 – Tratado de Tianjin) foi assinado a 13 de Agosto. Regressou a Macau em 9 de Setembro de 1862.

(1) Ver anteriores referências a este Governador em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/

Portaria n.º 103, de 15 de Novembro de 1952, publicado no BGPMTS (1) sobre a classificação das embarcações miúdas que faziam o serviço do mar, tanto no Rio de Macau , como na Praia Grande, bem como ao pagamento das licenças a partir de 1 de Janeiro de 1853.
(1) Extraído de «BGPMTS», VII – 17 de 7 de Dezembro de 1852.

Nos primeiros dias de Junho, (1) Sir George Samuel Bonham (2) chegou na fragata Cleópatra a Macau, onde veio pela primeira vez, e foi recebido com todas as honras devidas ao seu cargo.
Ao fim de três dias retirou-se precipitadamente para Hong Kong, por ter recebido a desastrosa notícia da perda do belo vapor de guerra Reynard, da Marinha britânica, (3) no Baixo de Prata, onde fora para recolher a tripulação da barca Velocípede, naufragada no mesmo baixio, que demora a leste e a coisa de 200 milhas de Macau, onde grande número de naufrágios tem tido lugar. Por fortuna o brigue de guerra Pilot, (4) que seguia o vapor, pôde recolher os náufragos dos dois navios.
O governador de Hong Kong mostrou-se muito cordial com o nosso governador, e é certo que em geral as autoridades inglesas na China se mostram maís atenciosas e obsequiadoras para os portugueses do que ordinariamente costumam sê-lo na Europa.
Eram decorridos quatro a cinco meses de gerência do novo governador (5) e já sensíveis melhoramentos se observavam em Macau… (…) (6)
(1) “3-06-1851 – Visita a Macau do Governador de Hong Kong, Sir George Samuel Bonham” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.
(2) Sir George Samuel Bonham (1803-1863) foi o 3.º governador de Hong Kong (1848-1854), plenipotenciário e superintendente do comércio com a China.
(3) “HMS Reynard” foi lançado em 1847 e afundou-se perto do baixio das Pratas no mar da China em 31 de Maio de 1851.

“HMS Reynard (1848) wrecked on the Pratas Islands in 1851. The foreground shows a raft crammed the ship’s company, while the ship lies aground and dismasted in the background”

https://en.wikipedia.org/wiki/HMS_Reynard_(1848)
(4) “In rescuing the crew of Velocipede, Reynard herself was wrecked on the Pratas Islands in the South China Sea on 31 May 1851.The whole crew survived the sinking and were rescued by HMS Pilot, which also rescued the crew of Velocipede. The ship could not be saved, and she was paid off as a total loss on 27 February 1852.”
https://en.wikipedia.org/wiki/HMS_Reynard_(1848)
(5) O novo governador, Conselheiro Capitão de Mar-e-Guerra, Francisco António Gonçalves Cardoso, chegou a Macau no dia 24 de Janeiro de 1851 e tomou posse no dia 3 de Fevereiro. Foi exonerado a 18 de Setembro de 1851, e no dia 19 para o substituir foi nomeado o Capitão Tenente da Armada Isidoro Guimarães Júnior, Comandante da corveta D. João I. Este chegou a Macau em 19 de Novembro sendo recebido pelo governador cessante, Francisco Gonçalves Cardoso que seguiu depois para Hong Kong (em 24 de Novembro) para regresso a Portugal.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-a-g-cardoso/
(6) Extraído de CALDEIRA, Carlos José – Macau em 1850, 1997, p. 207.

«TSYK» I-33, 19 de Maio de 1864,.

NOTA: Nesta data, o Governador Coelho do Amaral encontrava-se ausente do território., Partiu em missão diplomática, a 26 de Abril de 1864 como Ministro Plenipotenciário  para Tientsin para a troca das ratificações do tratado (Tratado de Tianjin -天津 条约), de 13 de Agosto de 1862 (assinado pelo ministro plenipotenciário e anterior governador do território, Isidoro Francisco Guimarães). No dia 14 de Maio, partiu de Shanghai para Tientsin. Os plenipotenciários chineses declararam em Tientsin a intenção do seu Governo de não o ratificar. Coelho do Amaral protestou, em 18 de Junho, contra a recusa nomeadamente as objecções dos delegados chineses relativamente à interpretação do artigo nono. Eles defendiam que Macau não podia deixar de ser considerado um território chinês, Coelho do Amaral regressou a Macau, sem o ratificar.
Sobre o Governador José Rodrigues Coelho do Amaral,  de  22 de Junho de 1863 a 25 de Outubro de 1866, ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-rodrigues-coelho-do-amaral/

No dia 24 de Abril de 1864, virou-se, no rio de Macau, a barca portuguesa «Tremelga», por estar à cunha e sem lastro a bordo (1)
A barca Tremelga de 371 ton., comandado por G. Marques, deu entrada a 25 de Junho de 1863 no porto de Macau, vindo de Singapura, tenho ancorado no rio. O consignatário da barca era L. Marques.

TSYK, I-30, 28 de Abril de 1864

O relatório do sinistro elaborado em 3 de Maio pelo Capitão do Porto de Macau, João Eduardo Scharnichia (2) de 1864 e dirigido ao Presidente do Conselho do Governo, Dr. João Ferreira Pinto (3) foi publicado no «Boletim Governo de Macao», X-19 de 9 de Maio de 1864, p. 75.

O mesmo Boletim traz o “Expediente Geral” n.º 124, assinado pelo secretário do Governo, Gregório José Ribeiro, de 4 de Maio de 1863 (sic) que confirma a recepção do relatório e aprova as medidas que foram tomadas por João Eduardo Scharnichia desde que o sinistro teve lugar até que o navio voltasse à sua posição natural, bem como louvar os indivíduos indicados no ofício.

«TSYK» I-36 de 9 de Junho de 1864

(1) GOMES. Luís G. – Efemérides da Historia de Macau, 1952.
(2) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joao-eduardo-scarnichia/
(3) Na ausência do Governador José Rodrigues Coelho do Amaral (de 22-06-1863 a 25-10-1866) que partiu de Macau a 26 de Abril de 1864, para Tientsin, (4) como Ministro Plenipotenciário Enviado Extraordinário de Portugal na China, na intentada missão das ratificações do tratado de 13 de Agosto de 1862, o Conselho do Governo foi chefiada pelo Dr João Ferreira Pinto, como aconteceu anteriormente aquando da partida do anterior governador Isidoro Francisco Guimarães em 30 de Janeiro de 1863 até à chegada do governador Coelho do Amaral em 22 de Junho de 1863.
Sobre o governador José Rodrigues do Amaral, ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-rodrigues-coelho-do-amaral/
(4) O Conselheiro Isidoro Francisco Guimarães, governador de Macau de 1851 a 1863 presidiu à missão diplomática que partiu de Macau em 23 de Abril de 1862, chegando a Xangai a 3 de Maio e a Tien-Tsin a 26 do mesmo mês. O Tratado de Tien-Tsin (天津 条约 – Tratado de Tianjin) foi assinado a 13 de Agosto. Regressou a Macau em 9 de Setembro.