Archives for posts with tag: Instituto Salesiano da Imaculada Conceição – 澳門慈幼中學

A Congregação Salesiana de Macau para comemorar a beatificação do Padre Miguel Rua (1) – primeiro sucessor de D. Bosco – (2) celebrou na Sé Catedral, no dia 30 de Novembro de 1972 uma Missa de Acção de Graças.
A concelebração foi presidida pelo Bispo D. Paulo Tavares, ladeado pelo Chantre Ngan e o Provincial da Inspectoria Chinesa. Tomaram parte 22 sacerdotes.
A cerimónia teve início com uma procissão desde a porta da entrada até ao altar da concelebração. À frente, duas longas filas do Pequeno Clero dos Três Colégios salesianos, Imaculada Conceição, Yuet Wah e D. Bosco, seguidos dos sacerdotes concelebrantes.
A cerimónia apesar de comprida, como não podia deixar de ser, visto que era para as comunidades de língua portuguesa e chinesa, e apesar de, quase ao princípio, a energia eléctrica ter deixado a ponto de nos deixar quase às escuras impedindo assim que os altifalantes pudessem levar à assistência o que se dizia no altar, apesar de tudo, dizíamos, não houve em toda aquela grande assembleia o mínimo sinal de cansaço ou aborrecimento.
Deram brilho à cerimónia os pequenos cantores do Colégio D. Bosco.(3)

Os «Pequenos Cantores do Colégio D. Bosco», actuando na missa de acção de graças

Estiveram presentes a Sra. D. Julieta Nobre de Carvalho, e muitas outras autoridades e numerosos amigos: representantes dos Colégios Salesianos e das Filhas de Maria Auxiliadora, cooperadores, antigos alunos (chineses e portugueses) e representantes de todas as comunidades religiosas de Macau.

Extraído do «M.B.I.T.», Vol VIII, 9-10 de 1972.

(1) S. João Bosco morreu no ano de 1888, deixando já em pleno funcionamento meia centena de escolas para rapazes pobres e abandonados. O seu sucessor, o Pade Miguel Rua, dois anos depois escreveu ao Bispo de Macau, D. Joaquim António Medeiros, agradecendo a confiança que mostrara para com a humilde Congregação Salesiana e o grande desejo de ver essa obra na cidade do Santo Nome de Deus de Macau, para o bem da juventude mais necessitada.
A primeira obra salesiana em Macau foi o «Orfanato da Imaculada Conceição» depois conhecido por «Instituto Salesiano», onde funcionava uma pequena escola de Artes e Ofícios, embrião do que seria mais tarde o Colégio D. Bosco.
Miguel Rua, S.D.B. (em italiano: Michele Rua) (1837 – 1910) após a sua profissão de fé em 1885, foi pelos 36 anos seguintes o colaborador de D. Bosco no desenvolvimento da congregação e um companheiro constante de D. Bosco em suas viagens. Tornou-se vigário da Sociedade de S. Francisco de Sales (fundada por D. Bosco) em 1865. A pedido de D.  Bosco, em 1884, o papa Leão XIII designou-o como seu sucessor e o confirmou como Reitor-Mor da Congregação Salesiana em 1888, após a morte do fundador. Foi beatificado em 29 de Outubro de 1975 pelo papa Paulo VI.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Rua
(2) Quatro anos antes da sua morte, S. João Bosco, fundador da Congregação dos Padres Salesianos, escrevia ao seu primeiro sucessor, P. Miguel Rua:
«Em tempo oportuno as nossas missões estabelecer-se-ão na China e mais precisamente em Pequim, mas não te esqueças que vamos para ali para o meio de povos desconhecidos e que ignoram o verdadeiro Deus; ver-se-ão maravilhas até agora inacreditáveis que Deus Todo Poderoso tornará patentes ao mundo …»
Mas as grande obras necessitam sempre de grande alicerces e foi só ao cabo de 16 longos anos de espera , que os filhos de D. Bosco chegaram às portas da China. Era o dia 13 de Fevereiro de 1906. Eram seis os primeiros pioneiros, chefiado pelo Padre Luís Versiglia (mais tarde bispo de Shuichow na China; viria a morrer mártir) e o Padre Caravário.
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/pequenos-cantores-do-c-d-b/

TSYK I-32, 12 de Maio de 1864

Muralha e escadas do Bom Jesus
George Chinnery c. 1836

O Mato de Bom Jesus também chamado Monte de Bom Jesus é apenas um pequeno outeiro que pertencia a Inácia Vicência Marques da Paiva, natural de Macau, filha de Domingos Marques (natural da Beira) e de Maria Francisca dos Anjos Ribeiro Guimarães (natural de Macau).
O nome de Bom Jesus vinha-lhe da Capela do Bom Jesus, que ali existia, e à qual se refere J. M. Braga (1)  ao identificar os edifícios que aparecem numa chapa holandesa do século XVIII:
«À esquerda desta residência (das 16 colunas, hoje Instituto Salesiano) está uma colina que parece se a velha Horta do Bom Jesus. Sabe-se que havia, nessa colina, uma capela em honra do Bom Jesus Cristo, (construído por volta de 1744 por Francisco Xavier Doutel, (2) que depois governaria Timor de 1745 a 1749), o último passo da «Procissão dos Passos», em Macau, até à sua destruição. O desenho que se vê nesta gravura não é uma capelinha, mas um grande edifício (segundo Padre Teixeira, seria a mansão da família Marques ou da família Ribeiro Guimarães). Fica-se a cogitar o que poderia ter sido. O actual convento das Carmelitas ou o Carmelo (construído em 1951, e também já destruído) foi erigido nesta colina apenas há poucos anos» (BRAGA, J. M. – Algumas achegas para a iconografia de Macau. Arquivos de Macau, Março de 1965, p. 190)
Inácia Vicência faleceu viúva a 2 de Novembro de 1822, rica, tendo deixado à Santa Casa um legado de $ 10 000, que na época era uma fortuna.

MAPA DA PENÍNSULA DE MACAU DE 1889 (pormenor)  assinalando a Horta de Bom Jesus

O Monte de Bom Jesus foi depois comprado pelo comissário inglês das Alfândegas Chinesas, que vivia ali perto, numa grande casa na Rua da Boa Vista, que fica em frente do antigo Hotel Bela Vista (hoje, consulado de Portugal), do lado poente. O bispo de Macau, José da Costa Nunes (3) planeava construir ali um colégio pelo que incumbiu o reitor do Seminário de S. José, Padre Francisco Bonito Bragança de adquirir o terreno para a Diocese de Macau. A compra concretizou-se no dia 6 de Setembro de 1923 tendo a Diocese entregue ao Comissário das Alfândegas $ 5 000 00 de sinal. D. José da Costa Nunes não conseguiu concretizar a construção do colégio nem o plano de um hospital no Mato de Bom Jesus, pois partiu para Goa em Dezembro de 1941 sem o ter feito.
As Carmelitas vieram para Macau em 1941, ficando alojadas num terreno em Mong Há e em 1949, o bispo D. João de Deus Ramalho (4) ofereceu-lhes o mato de Bom Jesus para aí levantarem o seu Carmelo.
Hoje ainda está referenciada na Toponímia de Macau, a Calçada do Bom Jesus, que começa na Travessa do Bom jesus, entre a Calçada da Paz e a Travessa do Seminário e termina entre o prédio n.º 1 da Rua da Praia Grande e o prédio n.º 30 da Praça Lobo de Ávila. A Travessa do Bom Jesus começa na Rua da Penha e termina na Calçada do Bom Jesus entre a Travessa do Colégio e a Calçada da Paz. (5)
(1) Ver referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jack-m-braga-jose-maria-braga/
(2) Ver referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-xavier-doutel/
(3) Ver referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-jose-da-costa-nunes/
(4)  Ver referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-joao-de-deus-ramalho-%E7%BD%97%E8%8B%A5%E6%9C%9B/
(5)TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997,pp 124-131.

Pequeno opúsculo de 16 páginas (dimensões: 21,5 cm x 15. 5 cm), de 1905, contendo o sermão proferido pelo padre António José Gomes (1) na cerimónia do lançamento da primeira pedra /reconstrução da Egreja de S. Paulo em Macau (2)

CAPA – bastante manuseada e com uma grande mancha na parte inferior esquerda ( letras a vermelho)

SERMÃO
Pregado dentro das ruínas da egreja da
Immaculada Conceição
VULGARMENTE CHAMADA DE S. PAULO
EM MACAU
Por ocasião do lançamento da primeira pedra para a reconstrucção
d´este antigo e histórico templo
Destinado a futura egreja Parochial de Santo Antonio
No dia 4 de Dezembro de 1904
Anno Jubilar da Immaculada Conceição
Pelo Missionario
P.e António José Gomes
Doutor em Theologia
Parocho da freguesia de Santo Antonio
MACAU
Tipographia Mercantil
1905

“…Senhores: o que nos resta, pois, fazer d´esta ruina?
“Conserva-la, dizem alguns, conservar esta ruína, remover todo este lixo, gradear este recinto e pôr aqui uma vigia”.
Senhores, isto não basta. Há muitos anos que uma tal resolução deveria ter sido tomada. Hoje, depois de tantos annos de profanação a mais ignóbil e vergonhosa, é mister recorrer à mais completa das desaffrontas  e à mais solemne das reparações!
“Conservar isto como ruína, dizem alguns, e basta. É uma obra d´arte antiga, é uma preciosa relíquia do passado, é uma pagina brilhante da historia de Macau; conserve-se, pois, como está, como monumento archeologico.”
Quem fala d´este modo, meus senhores?
Falam aqueles que nunca subiram essas escadas, aquelles  que talvez hoje pela primeira vez entram dentro d´este recinto, aquelles que há trinta, quarenta e mais anos não visitam esta ruína!
E são estes pretensos admiradores de monumentos archeologicos que falam em conservar esta ruina! Elles que a votaram sacrilegamente a todas as profanações as mais odiosas! Conservar esta ruina, quando tanto se tem feito pela derruir! Conservar esta ruina sagrada ao pé d´um templo idolatra! Conservar esta preciosa relíquia da arte christã no meio d´um foco de peste, d´essa montureira que se estende por ali abaixo, com centenares de suínos a refocilarem-se dentro e fóra d´ella! Conservar a mais bela ruina de Macau, a mais bela ruina do Oriente, no meio d´um bairro, talvez o mais sujo e repelente, que existirá sobre a face da terra!
Oh! Não, nunca! Venha mais depressa uma horda vandálica, sacrílega e brutal, e derrua tudo! Saccudam essas columnas, fundam esses bronzes, revolvam esses alicerces, varram essa mole de granito, rasguem essa pagina gloriosa da historia de Macau, apaguem esse pharol inexistingivel da fé dos nossos maiores! Façam tudo isso, se podem!
Mas se não podem, se o vandalismo em arte e o sacrilégio em religião os faz recuar, se o dedo oculto de Deus sustenta essa mole de granito, então nada mais resta que reedificar….”

CONTRA CAPA com as letras vermelhas de difícil visualização
Qualquer donativo que seja oferecido em troca d´este
Opusculo reverterá em benefício da reconstrução
De S. Paulo e podem ser enviado ao auctor
Parochia de Santo Antonio
China Macau

Na última página, com letras pouco visíveis:

IMPRIMATUR
Macai die XVI Januari 1905
JOANNES PAULINUS, Episcopus Macaonensis

(1) O Padre António José Gomes, fundou em Macau a «Obra do Pão dos Pobres», em 1903, agregada à Paróquia de Santo António. Nomeado em diversas ocasiões encarregado do Governo Eclesiástico de Macau durante as ausências do Bispo D. José da Costa Nunes (1920 a 1941). Editor do jornal diário “A Pátria” (2) em 1926, substituindo Francisco Xavier dos Remédios.
(2) “01-07-1923 – Aparecimento do semanário “A Pátria” que, em 1 de Dezembro de 1925, passou a publicar-se diariamente. Cessou a publicação, em 30 de abril de 1928.” Jornal de inspiração cristã, ligada à Igreja, tinha a redação no Seminário de S. José e era impresso no Insituto Salesiano.
(GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954) e (SILVA, Beatriz B. –Cronologia da História de Macau,  Vol. 4)
Ver anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-antonio-jose-gomes/
(2) Ver anteriores postagens – “Notícia de 4 de Dezembro de 1904 – Programa do lançamento da primeira pedra (I) e (II) em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/12/04/noticia-de-4-de-dezembro-de-1904-programa-do-lancamento-da-primeira-pedra-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/12/04/noticia-de-4-de-dezembro-de-1904-programa-do-lancamento-da-primeira-pedra-ii/

Aspecto da procissão de S. João (1)
O andor de S. João entrando na Sé Catedral

Todos os anos, em cumprimento da promessa de proclamar S. João Baptista como Patrono de Macau, o dia de 24 de Junho, dia de S. João Baptista era condignamente festejado, com cerimónias religiosas. Assim foi, também no dia 23 de Junho de 1954. Pelas 18.00 horas, Iniciaram-se na Sé Catedral as festividades religiosas em honra de S. João Baptista, Padroeiro da cidade.
O Administrador Apostólico de Diocese presidiu às cerimónias que constaram de Vésperas solenes e de sermão proferido pelo Chantre Morais Sarmento, aludindo ao significado histórico e religioso da data. Foi também lembrada a vitória que os portugueses alcançaram sobre os holandeses nesse inolvidável dia 24 de Junho de 1622.
A procissão saiu cerca das 19.00 horas percorrendo o itinerário do costume. Os rapazes do Orfanato de Imaculada Conceição e do Colégio D. Bosco abriram alas à frente destacando-se os guiões e estandartes dos Padres Salesianos.
O andor do santo Padroeiro completa e artisticamente enfeitado com flores naturais, era conduzido pelos fiscais municipais, ladeado por uma deputação de bombeiros municipais, vendo-se à frente algumas crianças vestidas de anjos. Seguia após o elemento eclesiástico, onde se viam os alunos do Seminário de S. José, membro do clero secular e regular e o Cabido Diocesano. O Prelado da Diocese levava, sob o pálio, o Santo Lenho seguindo atrás as entidades oficiais. Um grande acompanhamento de fiéis fechava o cortejo sendo de notar, a par da grande multidão de civis, uma larga representação  elemento militar.  Banda dos Salesianos tocou durante o percurso.
No dia 24, às 10.30 horas foi celebrada Missa Solene na Sé Catedral com a presença da Vereação Municipal e de entidades civis e militares.
Na noite do mesmo dia, em continuação dos festejos em honra dos Santos Populares, promovidos pelo Leal Senado e patrocinados pela Esposa do Governador, D. Laurinda Marques Esparteiro, houve arraial à portuguesa no amplo terraço do mercado de S. Domingos. A festa dessa noite, como nos anteriores iniciadas pelo Santo António e as dedicadas depois a S. Pedro teve carácter beneficente, sendo as receitas inteiramente destinadas às obras de assistência.
Além da música de «pick up», o recinto foi abrilhantado por música de «jazz», pelos Grupos «Esperança» e «Negro-Rubro», música instrumental pela banda da Polícia e por fados, guitarradas e canções portuguesas em que alguns elementos dos soldados expedicionários se revelaram amadores competentes. (2)
(1) Foto de BGU XXX- 35, 1954.
2) Reportagem e fotos (infelizmente mal impressas) retirados de «MACAU B. I.» I-22, 1954.

No dia 16 de Fevereiro de 1952, o governador Comandante Joaquim Marques Esparteiro visitou, no dia 16 de Fevereiro, o Instituto Salesiano da Imaculada Conceição, tendo ficado muito bem impressionado com as magníficas instalações deste estabelecimento de ensino, pelo que felicitou vivamente o seu Director, Padre Martin Schneidtberger. (1)

mosaico-iv-19-20marabr1952-instituto-salesiano-iO Governador na sala de visitas do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição

O Orfanato da Imaculada Conceição que ficou instalada, com autorização do Bispo D. João Paulino de Azevedo e Castro, no antigo Colégio da Perseverança (dirigido pelas Canossianas) está situado em frente da paroquial de São Lourenço, na Rua de S. Lourenço. Além das aulas tinha várias oficinas, tendo formado e preparados numerosos chineses na maioria órfãos para a vida futura com uma profissão. Hoje o Instituto Salesiano da Imaculada Conceição -澳門慈幼中學, sob a orientação dos Salesianos de D. Bosco continua a cumprir a sua vocação de instrução e educação dos jovens macaenses.

mosaico-iv-19-20marabr1952-instituto-salesiano-iiO Governador visitando as oficinas da imprensa do Orfanato dirigidas pelos mestres em Tipografia, Pedro Monti, António Lau e Pedro Yeh

(1) Padre Salesiano Martin Schneidtberger foi director do Instituto de 1951 a 1960.
Sobre o Instituto Salesiano e a obra dos Salesianos em Macau, ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/08/16/noticia-de-16-de-agosto-de-1815-nascimento-de-d-bosco/href=”https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/salesianos/”>https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/salesianos/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tipografia-salesiana/
Retirado de «MOSAICO», 1952.

D. BoscoComemora-se este ano , 200 anos do nascimento do sacerdote católico italiano, João Melchior Bosco (1815-1888). Fundador da Pia Sociedade S. Francisco de Sales, (Salesianos) foi beatificado em 1929  e canonizado em 1934 pelo Papa Pio XI. Dom Bosco é o padroeiro dos Jovens.

Os primeiros padres salesianos chegaram a Macau, em 13 de Fevereiro de 1906, devido aos esforços do Bispo João Paulino de Azevedo e Castro. Foram eles, os padres Luís Versiglia, (1) Ludovice Olive e João Fergnani, acompanhados dos mestres de  oficinas Feliz Borsio, Luís Carmagnala e Gaudencio Rota. Fundaram o Orfanato da Imaculada Conceição, para as crianças chinesas. (2)
O primeiro prédio do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição foi aberto em 1 de Abril de 1906, no n.º 3 da Rua da Prata. Foi depois transferido para o edifício da Rua de S. Lourenço. Em 1923 foi inaugurado um novo edifício na Calçada da Paz que tinha a separá-lo do edifício da Rua de S. Lourenço, um jardim onde se encontra o monumento à Nossa Senhora Auxiliadora (inaugurado em 1 de Abril de 1934 (3)

Colégio D. Bosco 1952Colégio de Dom Bosco na década de 50 (século XX)

No campo do ensino e educação, além do Instituto Salesiano, outra obra de grande mérito dos Salesianos foi (e continua a ser) o Colégio D. Bosco. (4). Com a designação de Colégio D. Bosco, os rapazes do antigo Asilo dos Órfãos  (5) ficaram instalados em edifício próprio, sito na Estrada Ferreira do Amaral, em 1951, tendo o respectivo terreno sido concedido gratuitamente em 1940, pelo Governo à Associação dos Padres Salesianos, para erecção dum Colégio e Oratório Festivo para os rapazes europeus e macaenses.
Pedra Angular Colégio D. Bosco 1949Embora a primeira pedra de erecção do actual edifício fosse benzida e lançada pelo bispo D. José da Costa Nunes, em 1941, só a 6 de Fevereiro de 1949 (depois do conflito no Pacífico) o então bispo D. João de Deus Ramalho  benzeu a nova pedra angular a 6 de Fevereiro de 1949. Foto retirada de http://blog.lusofonias.net/?p=18931.
A inauguração do Colégio D. Bosco seria a 10 de Fevereiro de 1952.
(1) O padre Luís Versíglia (1.º superior dos seis primeiros salesianos em Macau), aluno de D. Bosco, bispo e vigário apostólico de Shiu-Chow, (6) morreu no dia 25 de Fevereiro de 1930, mártir da fé e caridade  juntamente com o padre Calisto Caravário também ele salesiano (MACAU, B. I., 1956)
(2) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954
(3) Referências anteriores ao Colégio D. Bosco e a acção sobretudo educativa dos Salesianos em Macau:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/salesianos/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colegio-d-bosco/
(4) Hoje: Colégio Dom Bosco (Yuet Wah)
(5) O Asilo dos Órfãos passou em 24 de Julho de 1941, da administração da Santa Casa da Misericórdia para directa responsabilidade da diocese. O então, bispo D. José da Costa Nunes confiou os rapazes aos Salesianos, tendo sido instalados em 28 de Agosto de 1941, no antigo «Asilo de Mendicidade» sito na Rua Francisco Xavier Pereira e depois no Orfanato da Imaculada Conceição.
(6) Cháozhōu (潮州), transliterado como Chiuchow (pronúncia cantonense)  Chaochow ou Teochew (dialecto local); cidade no  leste da Província de Guangdong.

Promovida pela Congregação Salesiana realizou-se, no dia 24 de Maio de 1952, no Instituto Salesiano da Imaculada Conceição (1), a festividade em honra de Nossa Senhora Auxiliadora, (2) com uma missa campal no jardim onde se encontra o monumento à Nossa Senhora Auxiliadora (inaugurado em 1 de Abril de 1934) seguida de procissão.

MOSAICO IV 21-22 1952 Procissão N. Sra. Auxiliadora IUm aspecto da assistência, na cerimónia religiosa

MOSAICO IV 21-22 1952 Procissão N. Sra. Auxiliadora IIUm aspecto da procissão, na subida da Travessa do Paiva.

Fotos de “MOSAICO”, 1952.
(1) O primeiro prédio do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição, em Macau, foi aberto em 1 de Abril de 1906, no n.º3 da Rua da Prata. Foi depois transferido para um edifício da Rua de S. Lourenço. Em 1923 foi inaugurado um novo edifício na Calçada da Paz que tem a separá-lo do edifício da Rua de S. Lourenço, um jardim onde se encontra o monumento à Nossa Senhora Auxiliadora.
Nossa Sra. Auxiliadora(2) “Nossa Senhora Auxiliadora é uma das formas de devoção da Virgem Maria, entre os católicos romanos. Nossa Senhora Auxiliadora, cuja devoção remonta à vitória da armada cristã em 1571, comandada por Dom João da Áustria que, invocando o auxílio da Virgem, afastou o perigo maometano da Europa. Em agradecimento, Pio V, incluiu na ladainha o título de Auxiliadora dos cristãos. A festa de Nossa Senhora Auxiliadora foi promulgada por Pio VII, no ano de 1816, tão logo foi libertado do cativeiro a ele imposto por Napoleão Bonaparte e é comemorado em 24 de Maio.”  A Nossa Senhora Auxiliadora é a Padroeira da Austrália.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_Auxiliadora

MBI III-62 1956 CAPA Instituto SalesianoUma das fachadas principais do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição, casa-mãe dos filhos de D. Bosco no Extremo Oriente em 1956 (1)

 A 13 de Maio de 1942, os Salesianos assinaram o contrato para a posse do Colégio «Yuet Wah”, com todos os edifícios e material didáctico, escola essa comprada aos protestantes americanos (fundada em 1925 em Cantão e depois transferido para Macau)  O sítio deste Colégio era então em frente do Colégio D. Bosco, propriedade que os Salesianos venderam depois para transferirem a Escola para o edifício que actualmente ocupa, na Estrada da Vitória.
Em 1956 (1) “Este Colégio tem, actualmente, 800 alunos do curso chinês e 200 do curso inglês. Esta frequência deve-se ao prestígio alcançado por este Colégio e sólida formação obtida pelos seus alunos, graças a mestres competentes que têm elevado o nível cultural deste estabelecimento superior de ensino. Muitos são os rapazes que, com o curso geral do Colégio «Yuet Wah», frequentam hoje a Universidade de Hong-Kong, tendo sempre dado absolutas da solidez do ensino ali ministrado.”

2015 YUET WAH COLLEGE IEntrada do Colégio pela Estrada da Vitória n.º 18 (foto de 2015)

O Colégio Yuet Wah College ( 粵華中學 – mandarim pinyin: Yuè Huá Zhōngxué;) foi fundado em Cantão, em 1925 por duas senhoras cristãs, Liu Fong Kei e Tam Kai Man; a 1.ª era a directora e a 2.º sua assistente.
“A 12 de Setembro de 1927, foi registado no Serviço Provincial da Educação de Cantão, que lhe deu a sua aprovação. Nesse ano deram-se distúrbios políticos nessa cidade e Miss Liu transferiu a sua escola para Macau em 1928, para um prédio da Estrada da Vitória. Miss Liu tratou de construir ali um novo edifício para a educação da juventude de ambos os sexos. O Governo Português cedeu gratuitamente o terreno e ela promoveu uma subscrição na China e no Estrangeiro, sobretudo Estados Unidos, conseguindo inaugurar o novo edifício em 1935.
Em 1937,  deu-se a invasão da China pelos japoneses; em 1939, estendeu-se à China do Sul e milhares de refugiados vieram em maré enchente para Macau. Para atender a essa pobre gente, Miss Liu estabeleceu uma escola gratuita, onde além da literatura e aritmética, se ministravam as regras de boa educação e se ensinava a fazer sabão e outras artes domésticas para os pobres ganharem o seu sustento. 300 pobrezinhos beneficiaram desta escola. Para cobrir as despesas Miss Liu e as professoras promoviam representações teatrais, subscrições, etc.
Quando em 1941 Hong Kong caiu nas mãos dos japoneses, novas ondas de refugiados se precipitaram sobre Macau, atingindo a população a elevada cifra de meio milhão.
A crise económica era tremenda e as dificuldades financeiras insolúveis; a escola viu-se privada de todo o auxílio estrangeiro e não poderia continuar a viver. Nessa altura os Salesianos planeavam fundar uma Escola Secundária para a juventude chinesa.
Ao saber disto, Miss Liu dirigiu-se apo P. Mário Acquistapace, director do orfanato Salesiano da Imaculada Conceição, pedindo-lhe que tomasse conta da sua escola.
YUET WAH COLLEGE II MonoramaTendo recebido a aprovação do P. Carlos Braga, Inspector Salesiano residente e Xangai, o P. Mário fechou um contrato com Miss Liu a 4 de Janeiro de 1942.O primeiro inspector foi o P. Miguel Suppo, S. D. B. que tomou oficialmente conta da escola a 7 de Julho de 1942.” (2)

2015 YUET WAH COLLEGE IIEstrada da Vitória (foto de 2015)

Em 1948, foi aberta no Colégio Yuet Wah a Secção Inglesa por iniciativa dos padres Lapin e Robert Vech. (2)

Colégio D. Bosco Yuet WahSalienta-se que o Colégio situado na Estrada da Vitória n.º 18 é exclusivamente masculino, e em 2001, o antigo Colégio D. Bosco (encerrado em 1999) na Estrada Ferreira do Amaral n.º 6, passou a designar-se Colégio D. Bosco (Yuet Wah), tendo aí sido concentrado a primária (secção inglesa e secção Chinesa) do Colégio Yuet Wah e posteriormente a secundária.

2015 YUET WAH COLLEGE IIIEstrada da Vitória (foto de 2015)

(1) MACAU Boletim Informativo ANO III, 1952.
(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau. Direcção dos Serviços de Educação e Cultura, 1981, 423 p.
História do Colégio Yuet Wah, em cantonense:
https://www.youtube.com/watch?v=07KK3i7f4SY

Macau festejou condignamente o seu paradeiro, S. João Baptista, realizando nos dias 23 e 24 de Junho de 1956, as tradicionais comemorações e festividades em honra daquele Santo Popular.

Procissão S. João Baptista

Ecos da imprensa (1), relatava:

As festas a S. Baptista, Padroeiro da cidade, têm sido anualmente celebradas a partir de 24 de Junho de 1622 por voto do Município e da população desta província em homenagem àquela plêiade de heróis que animadamente de forças sobrenaturais e fé inquebrantável se opuseram com denodo e vitoriosamente às forças holandesas que procuravam a todo o transe a conquista da cidade. Nesse inolvidável dia de 1622 se as forças se multiplicaram e um acendrado patriotismo dos macaenses conseguiu coisas inverosímeis, o povo na sua crença divina de S. João que protegeu o povo português de Macau nessa pugna de direito… (…)”

O Leal Senado promoveu nesse ano, nos dias 23 e 24 a festa religiosa, havendo nos mesmos dias no terraço do Mercado De S. Domingos um arraial à portuguesa com bandas de música e atractivos.
O Bispo de Macau, D. Policarpo da Costa Vaz presidiu na Sé Catedral no dia 23 aos actos vespertinos acompanhados do Cabido, Clero e Seminário Diocesano de S. José.
Seguidamente às Vésperas Solenes, o Reverendo Padre Benjamin Videira Pires, numa pregação patriótica de alto valor histórico, evocou o dia 24 de Junho de 1622, pondo em foco a importância da Fé naquela memorável façanha dos portugueses.
A procissão saiu depois percorrendo o caminho que já é do hábito nos anos anteriores. A banda da música dos alunos Salesianos tocou durante o cortejo.
(1) MACAU Boletim Informativo, n.º 70, 1956

Integrado no programa das Comemorações Henriquinas, foi levado a efeito em Macau, nos dias 29 e 30 de Abril e 1 de Maio de 1960, no Campo Desportivo «28 de Maio», um Torneio Escolar de Atletismo, que “em todos deixou as melhores impressões”. (1)

O evento desportivo foi “o segundo dos que ultimamente se realizaram em Macau”, promovidos pelos Serviços de Instrução da chefia do Intendente António Emílio Maria Rodrigues da Silva, com a colaboração da Mocidade Portuguesa, Leal Senado e Conselho Provincial de Educação Física.

Estiveram inscritos neste certame atlético 376 estudantes de ambos os sexos pertencentes aos seguintes estabelecimentos de ensino:

Colégio D. Bosco,
Colégio do Sagrado Coração,
Colégio de Santa Rosa de Lima,
Escola Comercial «Pedro Nolasco»,
Escolas Primárias Oficiais «Pedro Nolasco» (sexo masculino e sexo feminino),
Instituto Canossiano,
Instituto Salesiano,
Liceu Nacional Infante D. Henrique e
Externato do Seminário de S. José.

Comemorações Henriquinas Torneio Escolar IProva de corridas 100 metros (?) , vendo-se três atletas do Liceu

Nos dias 29 e 30 de Abril fizeram-se as eliminatórias e as provas de apuramento.

Comemorações Henriquinas Torneio Escolar IIProva do lançamento do dardo, vendo-se três atletas do Colégio D. Bosco

Foram disputadas as seguintes taças:
Taça «Infante D. Henrique» entregue ao Liceu Nacional Infante D. Henrique
Taça «Governador da Província», entregue ao Colégio de Santa Rosa de Lima
Taça «Leal Senado», entregue ao Instituto Salesiano.
Quatro taças «Conselho Provincial de Educação Física», entregues no final às classes de ginástica das quatro escolas que as apresentaram.
Duas taças «Mocidade Portuguesa», entregues no final à equipa do Liceu, vencedora da luta de tracção masculina e à equipa do Colégio de Santa Rosa de Lima, vencedora da luta de tracção feminina e
Taças «Serviços de Instrução» foram entregues às escolas vencedoras das provas de estafetas.

Comemorações Henriquinas Torneio Escolar IIIProva de salto em comprimento de um atleta da Escola Comercial

No dia 1 de Maio, o programa compreendia a apresentação de quatro classes de ginástica, do Colégio de Santa Rosa de Lima, das Escolas Primárias Oficiais (1) , do Colégio D. Bosco e do Instituto Salesiano; desfile dos atletas e ginastas e disputa das finais das provas do torneio.
O Governador à entrada do recinto, foi saudado pelos primeiros acordes do Hino Nacional, executados pela Banda do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição.
No campo, os estudantes, em formatura e sob a direcção do reverendo Pe. José Barcelos Mendes, entoaram «A Portuguesa», acompanhados pela banda dos alunos salesianos, findo o que, desfilaram perante a tribuna, saudando a primeira autoridade da Província.

Os juízes das provas estavam sob a direcção do Sr. José dos Santos Ferreira.

Informações recolhidas de: Comemorações, em Macau, do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique. Leal Senado da Câmara de Macau, 1960, 417 p.

(1) Quanto à apresentação da classe de ginástica da Escola Primária Oficial (sector masculino), pode ver três fotos, tiradas nesse dia, 1 de Maio de 1960, da minha participação nessa classe de ginástica , então aluno da 3.ª classe da primária.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/03/14/escola-primaria-oficial-pedro-nolasco-da-silva-emblema-i/