Archives for posts with tag: Ilha da Taipa – 氹仔島

Acerca da explosão da fragata «D. Maria II»,já descrita em anteriores postagens, (1) no dia 19 de Outubro de 1850, na Ilha da Taipa, a «Revista Universal Lisbonense» de Portugal,  no dia 2 de Janeiro de 1951 (2) publicava o seguinte:
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
(2) «Revista Universal Lisbonense» n.º 17, 1851.

Outro postal da colecção (1) de seis da Ilha da Taipa e dois da Ilha de Coloane,  da década de 90 (século XX), com edição da Câmara Municipal das Ilhas. Indicações em português, chinês e inglês. Fotografia de Fong Kam Kuan.

Pormenor do interior do templo Pak Tai, Taipa
仔北帝廟香火頗盛
Inside detail of Pak Tai´s Temple – Taipa

De todos os templos existentes em Macau e Ilhas, encontra-se apenas um em que é dedicado ao deus taoista Pak Tai (Deus do Norte). O templo de Pak Tai situa-se na Rua Regedor, tendo em frente um recinto quadrado, denominado Largo Camões. Porém, a designação mais utilizada pelos residentes é Largo em frente do templo Pak Tai.
Segundo uma inscrição na parede lateral interior esquerda, em homenagem aos que contribuíram com donativos para a reconstrução do templo, a sua primitiva edificação remonta ao tempo do reinado do Imperador Tou Kung da dinastia Cheng, isto é, em 1844.
O Templo de Pak Tai foi reconstruído por duas vezes, uma em 1882, com os donativos da população, encontrando-se nele ainda muitas peças religiosas dessa altura; a outra foi em 1994, sendo as obras executadas pelo Instituto Cultural de Macau e integralmente subsidiadas pela Fundação Oriente. É deste então considerado monumento classificado.
(1) Anteriores postais em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/08/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/10/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-ii-biblioteca-do-carmo/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/17/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-iii-mosteiro-de-pou-tai/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/26/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-iv-avenida-da-praia/ 
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/11/postal-da-ilha-de-coloane-da-decada-de-90-seculo-xx-v/
(2) 氹仔北帝廟火頗盛  mandarim pīnyīn: dàng zǎi běi dì miào xiāng huǒ pō shèng; cantonense jyutping: tam5 zai2 baak1 dai3 miu6 hoeng1 fo2 po1 sing4

Anúncio publicado na imprensa em Março de 1988:

FESTIVAL DE MARISCO
TODOS OS SÁBADOS À NOITE
A partir das 19.00 hrs.
no CAFÉ-RESTAURANTE “POUSADA”
do “HYATT REGENCY MACAU”,
na Ilha da Taipa.

Bons e belos tempos em que excelentes “buffets” , ficavam por $59.00 patacas (adulto).
Ver anteriores referência a este Hotel em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-hyatt-regency/

O infantário de “Nossa Senhora do Carmo”, na Ilha da Taipa, a cargo do Pároco o Concelho das Ilhas era uma das mais interessantes obras de assistência social de Macau.
O Infantário foi uma obra missionária criada pelo reverendo Pároco das Ilhas (na altura), cónego António André Ngan. (1) Abrigava os filhos da população operária da Vila da Taipa que vivia na grande maioria do fruto do seu trabalho nas fábricas de panchões. Estas empregavam frequentemente, em diferentes misteres, toda uma família: pai, mãe e filhos maiores de 14 anos, ficando então os mais pequenos entregues aos cuidados do pessoal do Infantário, desde as sete horas e meia da manhã às oito da noite.
Inaugurado oficialmente em 8 de Junho de 1952 recolhia diariamente umas 120 crianças divididas em duas secções: infantil e dos bebés. Na primeira eram recebidas as crianças de 2 a 6 anos, mediante a quantia de dez avos que lhes dava direito a uma merenda de tarde, e na segunda os bebés com menos de 2 anos de idade, pagando os pais uma diária de vinte avos para ajudar a despesa feita com o leite que lhes eram administrados durante o dia.
Outra obra do mesmo Pároco – Asilo dos Velhinhos – tinha por fins auxiliar as pessoas mais idosas que, por terem ninguém de família, se veriam na contingência de estender as mãos à caridade, quando despedidas ou impossibilitadas de trabalhar.
De facto, as fábricas de panchões estabelecidas na Ilha da Taipa, uma vez paralisadas ou obrigadas a reduzirem o seu pessoal, despediam, como era óbvio, em primeiro lugar, os velhinhos que, nesta conjectura, iriam recorrer ao Asilo onde receberiam gratuitamente alimentação e alojamento por tempo indeterminado. Aqueles que veriam a conseguir depois, novamente o trabalho, podiam continuar internados, pagando, nesse caso, uma pequena quantia estabelecida de acordo com as suas possibilidades.
O Infantário e o Asilo recebiam os benefícios e o auxílio da Comissão Central de Assistência Pública de Macau, (2) nomeadamente um subsídio anual de $675,00 e $ 1.200,00 respectivamente.

Edifício onde estava instalada a então nova Maternidade da Ilha da Taipa

(1) Cónego (depois Monsenhor) António André Ngan Im Ieoc (1907-1982) foi governador do bispado em 1966 e vigário-geral em 1966-1975 sendo o primeiro padre chinês a ocupar estes cargos na Diocese de Macau. Foi também professor de Música no Seminário S. José (foi professor do Padre Áureo Castro) e publicou dois manuais para ensino do português: “Método de Português para uso nas escolas estrangeiras” (1944) e “Método de Português para uso das escolas Chinesas” (1945), usados durante 50.
Anos, na escola primária, principalmente para as crianças chinesas e na década de 70 n no Instituto D. Melchior Carneiro.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-antonio-andre-ngan-im-ieoc/

A sala de partos da Maternidade da Ilha da Taipa

(2) A Comissão Central de Assistência Pública de Macau apoiava (anualmente tinha inscrita anualmente no seu orçamento uma verba) além destas duas instituições, outras na Ilha da Taipa nomeadamente a Maternidade da Junta Local das Ilhas, (prestava assistência gratuita às parturientes declaradamente pobres da Vila da Taipa); as Leprosarias de Ká-Hó e Seac Pai Van (a de Ká-Hó para mulheres albergava cerca 30 leprosas; a de Seac Pai Van, para homens , albergava cerca de 28 doentes e nesse ano (1956) nela estavam também  os que vieram da China transferidos de um prédio isolado na Ilha Verde); O Lar dos Pobrezinhos (instalado num prédio da Vila de Coloane, na Rua dos Cordoeiros), destinada a recolher as criancinhas pobres e desvalidas do Concelho das Ilhas; e um bloco com 6 casas económicas edificadas em 1952 que foram distribuídas, para habitação a pobres mais necessitados da mesma ilha.
Extraído de «Macau Boletim Informativo», IV-78,1956.


Outro postal da Taipa, da colecção de oito postais (seis da Ilha da Taipa e dois da Ilha de Coloane) da década de 90 (século XX), com edição da Câmara Municipal das Ilhas. Indicações em português, chinês e inglês. Fotografia de Fong Kam Kuan (1)

Solares na Avenida da Praia, Taipa
氹仔龍環葡韻  (1)
Mansions in Praia Avenue – Taipa

A Avenida da Praia é um dos pontos turísticos mais apreciados na Ilha da Taipa. Este local é muito admirado e escolhido (na década de 90 do século XX) pelos noivos para tirarem as fotografias de casamento, tendo sido eleito também para algumas cenas dos filmes “ Amor e Dedinhos do Pé” e “A Trança Feitiçeira”. (2) (3)
Encontra-se nesta avenida, realçando no ponto de vista quer paisagístico quer arquitectónico, um conjunto de cinco vivendas, de cor verde claro, tendo todas elas um estilo elegante e sóbrio, apresentando uma convergência da cultura arquitecónica da China e da Europa.
Esta avenida está ladeada por várias árvores de S. José, de tronco grosso e alto, com folhas viçosas, e pelos candeeiros de rua.
Todas as vivendas foram construídas em 1921 e serviam aos funcionários superiores das Ilhas. Actualmente são edifícios classificados de interesse arquitectónico do território e transformados em espaços museológicos – Casa Vivo Macaense, Casa Criativa, Casa de Nostalgia, Galeria de Exposições e Casa de Recepções. Excepto esta última, estão abertas ao público desde 1999.
Existia ao longo desta Avenida uma praia que frequentava nas férias da década de 50 (século XX) nos passeios anuais  organizados pela Igreja – Catequese da Sé. Após a construção do istmo Taipa-Coloane, a praia progressivamente foi assoreada, tornando-se uma zona pantanosa devido ao impedimento da corrente da água.
Aí cresceu o Mangal da Taipa com a sua vegetação e as aves que nele abrigavam.
Artigo e fotos extraídos de “Roteiro das Ilhas – Ilha da Taipa”. CMI. 1996.
(1) Anteriores publicações em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/17/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-iii-mosteiro-de-pou-tai/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/10/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-ii-biblioteca-do-carmo/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/08/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-i/
Anteriores referências à Avenida da Praia em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/avenida-da-praia-taipa/
(1) 仔龍環葡韻mandarim pīnyīn: dàng zai long huàn pú yùn; cantonense jyutping: tam5 zai2 lung4 waan4 pou4 wan5.
(2) “Amor e Dedinhos de Pé” filme de 1991, realizado por Luís Filipe Rocha com argumento do próprio e Luís Azaías Almada, baseado no romance homónimo de Henrique de Senna Fernandes e rodado em Macau.
https://www.youtube.com/watch?v=2rdtNGzp_UE
(3) “A Trança Feiticeira” ( The Bewitching Braid) realizado por Yuanyuan Cai, estreado em 1996, em mandarim e português, filmado em Macau e baseado no romance de Henrique de Senna Fernandes.
https://www.youtube.com/watch?v=ouRTm3Ev1rg

No dia 23 de Outubro de 1965 foi inaugurado pelo Governador Tenente-coronel António Lopes dos Santos, o Hospital do Centro de Recuperação Social da Taipa.(1)

O Hospital do Centro de Recuperação Social da Taipa, 1965

À inauguração, a que foi dado um carácter festivo, assistiram entidades civis, militares e eclesiásticas e outras representativas de todos os sectores da vida pública e privada de Macau. O Governador foi recebido à chegada à Taipa, no largo fronteiro à ponte, por uma guarda de honra, constituída por uma companhia da PSP, com charanga, banda de música e bandeira, sob o comando do Tenente José Carvalho da Fonseca.

Outro aspecto do Hospital do Centro de Recuperação Social

Após revista à formatura e ao seu desfile, o Governador e comitiva tomaram lugar em 17 viaturas, divididas em grupos, visitaram a Casa dos Rapazes, a Granja, o Asilo dos dementes e inválidos e o Edifício do Centro de Recuperação Social, onde nos terrenos anexos foi construído o novo Hospital.
O Centro de Recuperação Social da Ilha da Taipa incluía como sector especial e importante entre os seus objectivos e funções o tratamento e recuperação de toxicómanos. No aspecto particular da reabilitação social estava sob a alçada do centro de Combate à Toxicomania por força do Art.º 50.º do Decreto n.º 46 371, de 8 de Junho de 1965 que na província regula o comércio, uso e detenção de estupefacientes.

O Governador, tenente-coronel Lopes dos Santos, fazendo uso da palavra, na inauguração do Hospital do Centro de Recuperação Social.

No Centro de Recuperação Social (CRS) o serviço médico, especialmente no que se referia ao tratamento de toxicómanos era um dos serviços fundamentais.
O novo hospital tinha no rés-do-chão 4 salas de psicoterapia e 2 gabinetes para inquérito, salas devidamente separadas, onde a direcção do CRS apresentou uma exposição de fotografias, gráficos e plantas, a história do CRS.
No primeiro andar tinha uma enfermaria com 18 camas para homens e outra com 6 camas para mulheres. Tinha gabinetes para os médicos e enfermeiras, sanitários separados para homens e mulheres, sala de raios X e câmara escura, quarto para a enfermeira e outros anexos funcionais do hospital.

Uma enfermaria do Hospital do Centro de Recuperação Social

O custo da obra foi de $274 469,00. A receita foi proveniente dos seguintes donativos: $ 110 900,00m (US $19 000,00) do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados; $ 63 740,00 da Assistência Pública; $ 18 669,00 do CRS; e $ 81 160,00 do Sr. Y. C. Liang.
O projecto era da autoria da engenheira Gaby de Sena Fernandes e do arquitecto Allan R. Gilbert, tendo a empreitada sido adjudicada ao empreiteiro Choi Seng.
O director clínico do Hospital era o Dr. Alberto Cota Guerra (2) e médico assistente o Dr. Alberto da Luz (3) auxiliado por 3 enfermeiras.
Por cima do amplo refeitório dos internados, tinha uma sala onde os internados podiam ouvir música, leitura, efectuar jogos lícitos, e por vezes, assistirem às sessões de cinema educativo e recreativo.

Uma dependência do mesmo Hospital

Usaram da palavra o Comandante da PSP, tenente-coronel Galvão Figueiredo e o Governador da Província.(4)
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-combate-a-toxicomania/
      https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-recuperacao-social-da-taipa/
(2) Dr. Alberto Juliano Gonçalves Cotta Guerra (1913-2012) médico neuropsiquiatra dos Serviços de Saúde e Assistência de Macau, desde 6-09-1957, foi vogal do Centro de Combate à Toxicomania e Director Clínico do Centro de Recuperação Social (desde 1961) tendo nesta qualidade representado o território no XI Congresso Internacional de Pediatria realizado de 6 a 13 de Novembro de 1965, em Tóquio, e apresentado uma comunicação sobre o fenómeno da toxicomania e a contribuição de Macau para uma revisão do problema. Trabalhou no CRS até Abril de 1966 ano em que regressou a Portugal, para ser colocado em Angola. Foi posteriormente Director Nacional do Centro de Estudos de Profilaxia da Droga (CEPD) entre 1976 e 1978.
(3) Dr. Alberto Vaz da Luz (1930 -?), natural de Macau, licenciado pela Universidade de Coimbra, foi nomeado médico de 2.ª classe do quadro médico comum do ultramar por despacho de 31-08-1964, tomando posse em Macau no dia 21-09-1964. Foi nomeado em 05-01-196, Delegado de Saúde das Ilhas a partir de 21-01-1965, em comissão de serviço de 12 meses tendo sido exonerado em 10-03-1966 e em 31-03-1966 nomeado adjunto do Delegado de Saúde de Macau. Posteriormente viria a obter o título de especialista em Otorrinolaringologia pela Ordem dos Médicos em Portugal, voltando a Macau para exercer essa especialidade nos Serviços de Saúde até á sua reforma.
(4) Extraído do Relatório n.º 22 do “Centro de Combate à Toxicomania”, 1965.

Outro postal da colecção de oito postais (seis da Ilha da Taipa e dois da Ilha de Coloane), da década de 90 (século XX), com edição da Câmara Municipal das Ilhas. Indicações em português, chinês e inglês. Fotografia de Fong Kam Kuan (1)

“Altar e estátua de Buda no Templo de Pou Tai Un, Taipa
氹仔菩提園大佛像 (2)
Altar and statue of Buda in Pou Tai Un – Taipa

Esta estátua dedicada ao Buda Saquiamuni é de bronze com a altura de 5,4 metros e um peso de 6.5 toneladas. Fica no último andar do edifício principal do Mosteiro/Templo Pou Tai Un(3) chamado de Palácio Budista (Tai Hong Pou Tin)
1)  https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/08/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-i/
(2) 氹仔菩提園大佛像  – mandarim pīnyīn: dàng zǎi pú dī yuán dà fó xiàng; cantonense jyutping: tam5 zai2 pou4 tai4 jyun4 daai6 fat6 zoeng6.
(3) O Mosteiro Pou Tai situa-se entre a antiga Estrada Lou Lim Ieok (hoje, Avenida Lou Lim Ieoc 5 – 5B) e a Rua do Minho. Fica junto ao antigo sopé oriental do morro da Taipa Pequena, e tinha uma vista panorâmica sobre a zona central da vila. Era o maior e mais rico de todos os templos das Ilhas e um dos principais santuários budistas de Macau.
Nele encontra-se vários santuários dedicados às divindades budistas e da religião popular chinesa, aposentos dos bonzos, pavilhões onde se colocam as cinzas dos defuntos, salas para tabuletas dos espíritos, um jardim e um restaurante (não sei se ainda se mantém em funcionamento).

Foto de “Roteiro das Ilhas – Ilha da Taipa”, 1996 (3)

O templo chamava-se originalmente mansão (ou jardim) Pou Tai e foi construído pela família Lo em 1927.Um dos seus membros chamava-se Lo Pou San, e era então um dos pintores mais famosos da província de Guangdong, da Escola de Pintura de Lignan, morando na mansão com a sua mãe. O espaço total da mansão foi registado oficialmente em 1933 com uma área tão espaçosa que incluía ainda uma parte da terra onde ficava a Fábrica de Panchões “Him Son” e a terra onde ficava o edifício contíguo da “Wa Seng”. Depois da morte de Lo Pou San, seu filho Lo Vai Chong mudou de residência para Hong Kong e vendeu os terrenos da mansão Pou Tai, que foram comprados por cinco entidades. No dia 16 de Julho de 1964, uma destas entidades, Mestre-Monge Sik Chi Un, comprou a parte principal da mansão, que incluía um pequeno templo que se chamava Palácio Lok Chou, e a maior parte do jardim com a área de 3330 m₂.

Foto de “Roteiro das Ilhas – Ilhada Taipa”, 1996 (3)

O mestre Sik Chi Un introduziu o ramo do budismo Cheng Tou (Terra Limpa/Pura) em Macau. Nasceu na província de Zhejiang na China. Tornou-se monge no templo Chiu Heng na cidade de Hangzhou em 1928, e começou a difundir a doutrina budista, pregando no distrito de Zhongshan na província de Guangdong durante alguns anos. No período da guerra entre o Japão e a China, mudou-se para Macau e estabeleceu o ramo Budista Chi Sam. No mosteiro Pou Tai encontram-se actualmente deuses do Budismo e do taoísmo.
Extraído de: Roteiro das Ilhas – Ilha da Taipa. Câmara Municipal das Ilhas, 1996