Archives for posts with tag: Ilha da Taipa – 氹仔島

O Centro da Aviação Marítima de Macau foi criado pelo Diploma Executivo n. 22 de 14-06-1928 (publicado no Boletim Oficial  da Colónia de Macau, n.º 24 de 16-06-1928),  após autorização de Lisboa da passagem dos Serviços da Aviação da Marinha de Guerra (1) para a Marinha Privativa da Colónia, do material, pessoal e equipamento do anterior centro, em 1 de Maio de 1928,
O chefe dos Serviços de Marinha em 1928, apetrechou o Centro com dois aviões (Fairey equipados com motor Rolls Royce) (2) e metralhadoras antiquadas) e um quadro de pessoal europeu que nunca ultrapassou a meai dúzia (o diploma no seu artigo 3, estipulava um quadro de 8 elementos)  um piloto (o primeiro-tenente, José Cabral) (3) dois sargentos (um deles, o ajudante  de carpinteiro Joaquim Carpeita), dois cabos e um Havia ainda ao serviço, seis loucanes e um guarda africano, um cavalo e algumas cabras que quando em liberdade, insistiam em destruir as árvores e plantas do jardim da Taipa perante o desespero e indignação do comandante da Aviação Naval.(4)

A leste da Taipa Grande, onde é hoje a Avenida da Praia, esteve até 1940, estabelecida a base da aviação naval da Colónia.

(1) Em 1927, havia apenas três centros de Aviação naval dependentes do Chefe dos Serviços de Marinha de Guerra: Lisboa, Aveiro e Macau.
(2) Em abril de 1927, por necessidade de vigilância das águas territoriais, face à pirataria e às contingências da guerra civil na China, foi estabelecida uma Secção da Aviação Naval em Macau sob o comando de José Cabral, com ao três hidroaviões Fairey (um deles era o “Santa Cruz”, o F – 17 que fez a travessia do Atlântico Sul, com Gago Coutinho e Sacadura Cabral) baseados na Ilha da Taipa.O avião “Santa Cruz” regressou a Portugal em 1928. A extinção dessa unidade aviação-naval foi em Abril de 1933.

Fairey IIID

(3) José Cabral, primeiro-tenente, ex-combatente da I Grande Guerra, de “valentia indispensável para ser o único que só tinha aviões decrépitos que nunca caíram.”, em Macau de 1928 a 1931, (4)  esteve integrado inicialmente num projecto inicial de Sacadura Cabral, de viagem aérea à volta do mundo, que retomado em 1926 pelo major Sarmento de Beires (travessia aérea Lisboa-Macau, em 1924) (5)  viria a transformar-se na 1ª travessia nocturna do Atlântico Sul, mas por ter sido colocado em Macau, foi substituído pelo capitão Dovalle Portugal.
(4) , Luís Andrade de – Aviação em Macau, um século de aventuras, 1990.
(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-m-sarmento-beires/
Outras referências ao Centro de Aviação Naval
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-aviacao-naval/

Artigo intitulado “QUESTÃO DE MACAU”, publicado na “Revista Portugueza Colonial e Marítima”, de 1908, (pp. 114-117) assinado por E. de V. (possivelmente: Ernesto Júlio de Carvalho e Vasconcellos, director da revista) (1)
(1) Livraria Ferin, Lisboa (ed.); Ernesto Júlio de Carvalho e Vasconcellos (dir.), Vol. XVIII – 135, 1908, 45 pags. (pp. 114 – 117)

Em 1922, novo edifício das Repartições públicas na Ilha da Taipa, onde se encontrava também instalada a estação postal.
A Administração do Concelho Municipal da Taipa e Coloane, criada em 1 de Dezembro de 1869, em 28 de Agosto de 1879. deixa de funcionar na fortaleza da Taipa e começa a «funcionar na povoação nas casas que lhe pertencem». (1)
O edifício das repartições públicas seria restaurado e passaria a ser a sede da Câmara Municipal das Ilhas (2)

O mesmo edifício visto de perfil (3)

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3.
(2) Em 31 de Dezembro de 2001, o município que estava depois da passagem para a Região Administrativa Especial de Macau, como provisório bem como os seus respectivos órgãos municipais, foram abolidos, dando lugar a um novo órgão administrativo, o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM]. O IACM está subordinado à Secretaria da Administração e Justiça.
(3) Esta mesma foto foi republicada em 1927 no livro COLOMBAN, Eudore de – Resumo da História de Macau, 1927. Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/01/fotos-de-1927-v-as-ilhas-taipa-e-coloane/

Notícia publicada no jornal “Notícias de Macau” do dia 24 de Fevereiro de 1968 e reproduzida com o título “Nota do Dia no «BGU», XLIV – 514, 1968,
A Inauguração oficial do istmo Taipa-Coloane, de 2200 metros de comprimento e 7 metros de largura, entre as ilhas da Taipa e Coloane, foi a 2 de Junho de 1968.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/06/02/noticia-2-de-junho-de-1968-inaugura-cao-do-istmo-taipa-coloane/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/istmo-taipa-coloane/

Mais dois postais (n.º 9 e n.º 10) da colecção de 10 postais intitulada “Ten Scenic Spots of Macau”, uma colecção especial emitida na ocasião da transferência de Macau, em 1999. (1)
Postal n.º 9 –“Four Face Buddist Statue”
In front of the Macau Jockey Club square there is a four-face buddist statue which came from Thailand and attracted many people to pray
A estátua do Buda de Quatro Faces veio da Tailândia para Macau em 1984 sendo colocada na Taipa frente ao Jockey Clube. O Buda de Quatro Faces no centro do santuário, como o nome indica, é uma estátua do santo com quatros faces nas quatro direcções cardeais e com as mãos a empunhar vários objectos budistas, nomeadamente, rosários, concha, um jarro para água, uma placa com os sutras (escrituras sagradas) e a roda do Dharma que alude à omnipotência do Buda. Diz-se que o Buda de Quatro Faces é uma divindade originária da Índia e que é venerado no sudeste asiático, sendo especialmente popular na Tailândia, pois o Buda é conhecido por auspiciar riqueza, boa sorte e honra aos que o veneram. Quando as pessoas de Hong Kong e Macau viajam até à Tailândia, nunca se esquecem de prestar homenagem ao Buda de Quatro Faces local. As quatro faces da divindade regem a carreira profissional, a vida amorosa, a prosperidade e honra e a paz e segurança. Consoante a finalidade da oração, os crentes seguem determinada sequência de veneração das quatro faces.
https://m.cityguide.gov.mo/p/sightseeing/Detail/

Verso do postal n.º 9

Postal n.º 10 – “Casino Lisboa”
Gambling and the anual Grand Prox Motor Racing gave the name “Oriental Monte Carlo” to Macau. Casinos attract many H. K. people to come to Macau. The Macau government get great income tax from glambling annually.“ (2)

Verso do postal n.º 10

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/01/23/postais-ten-scenic-spots-of-macau-i/
(2) Ver anteriores referências do Casino Lisboa em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/casino-lisboa/

Notícia de 14 de Fevereiro de 1844 publicada no jornal “Friend of China
Capt Kelly of the Isabella Robertson was landing at Macau, ¼ mile from the Bar Fort, with three treasure boxes containing $7,440, when passing pirates threw fireworks into his boat. The pirates boarded in the confusion and Kelly and his Lascars jumped overboard. The pirates then took to the oars and escaped in the Isabella Robertson’s own boat with the money. Kelly had anchored Isabella Robertson in Taipa roads. The voyage to Macau from the roads by small boat is too long to go unarmed.”
Fico na dúvida se o nome do navio era «Isabella Robertson» (1) ou Isabella Robertson (2) seria uma passageira de 23 ou 24 anos, missionária protestante a caminho de Cantão. Um dos periódicos da mesma altura refere “boat of the Isabella Robertson

“The New World”, Volume 8.June 1, 1844

Outro periódico “The Singapore Free Press and Mercantile Advertiser,(1835-1869) 29 February 1844”, relatava o seguinte
Macao. a oaring act of piracy, was perpetrated in Macao harbour, on the morning ot the stb Instant Captain Kelly, of the Isabella Robertson, was landing hi boat, with three boxes ot treasure, containing $ 7,440. When within quarter of a eUkws he was attacked by pirates. …”
(1) Existiu um navio registado como “Isabella Robertson” construído em 1818, em Coringa (Índia?) e vendido na América do Sul em 1820
A Collection of Papers Relative to Ship Building in India”. Compilação de John Phipps “of the Master Attendant’s Office”, Calcutta., 1840.
https://books.google.pt/books?id=SpleAAAAcAAJ&pg=PA174&lpg=PA174&dq=Isabella+Robertson+
(2) Isabella Robertson (1820 ou 1821 – desconhece-se a data da morte) casada com o missionário protestante, Dyer Ball (1796 – 1866 em Cantão).
Dyer Ball foi missionário da «American Home Missionary Society» desde 1833, ordenou-se em 1831. Destacado para a China passou primeiro por Singapura onde estuda chinês. Em 1841 devido à doença da 1.ª mulher, parte para Macau e em 1845 para Hong Kong, onde a mulher falece. Muda-se para Cantão em 1845 e casa com Isabella Robertson, missionária escocesa, em 26 de Fevereiro de 1846. (3)
O único filho do casal, Rev. Dyer Ball and Isabella Robertson, James Dyer Ball – 波乃耶 (Cantão 1847 – Londres 1919) (4) nasceu em Cantão, era sinólogo, autor de vários livros sobre a cultura, língua e os dialectos chineses (autor dum sistema de romanização do cantonense). Trabalhou como professor e intérprete nos tribunais em Hong Kong durante 35 anos (reformou-se em 1909) e é o autor do livro “Macao: the Holy City,  the Gem of the Orient Earth”, publicado em 1905, de onde tenho retirado, por várias vezes, descrições feito pelo autor da história e dos sítios de Macau. (4)
http://en.wikipedia.org/wiki/James_Dyer_Ball
(3) Ver biografia mais pormenorizada do missionário Dyer Ball, em
http://www.newenglandballproject.com/g3/p3628.htm
(4) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/j-dyer-ball/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/02/18/leitura-macao-the-holy-city-the-gem-of-the-orient-earth/
BALL, J. Dyer – Macao: The Holy City; The Gem of Orient Earth. Printed by The China Baptist Publication Society, Canton, 1905, 83 p.
O livro está digitalizado pelo “Internet Archive“, em 2007 e poderá consultá-lo em:
http://archive.org/details/macaoholycitygem00ballrich

A 8 de Dezembro de 1989, o Governador Carlos Melancia provocou uma verdadeira explosão no território ao carregar no botão que fez deflagrar duas toneladas de explosivos para desmontar o morro da Ponta da Cabrita, assinalando assim o início formal das obras do aeroporto internacional de Macau (1)
O acontecimento foi presenciado por muitos curiosos (eu assisti da Estrada de Cacilhas, a perda de parte de uma “paisagem” diária da minha infância e adolescência)
A inauguração do aeroporto oficial (2) foi a 8 de Dezembro de 1995 (seis anos depois deste acontecimento) embora os voos tenham iniciado a 9 de Novembro de 1995.
Pormenor de um Mapa de 1934 onde se assinala a localização da Ponta Cabrita na ilha da Taipa Grande
Actualmente , embora inexistente a Ponta da Cabrita, permanece na Toponímia da Ilha da Taipa nas proximidades do Aeroporto,  a Estrada da Ponta da Cabrita – 雞頸馬路
Um trecho da estrada para a Ponta da Cabrita de autor não identificado, (data:?) do espólio do  IICT/Cartografia; Centro de Documentação e Informação.(3)
(1) Extraído do “Baú de recordações” do JTM.
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aeroporto-internacional-de-macau/
(3) https://actd.iict.pt/view/actd:AHUD5114