Archives for posts with tag: Ilha da Montanha – Tai-Vong-Cam – 大横琴島 – Da Hengqin

Porta-chaves circular (5 cm de diâmetro) com o emblema da Universidade de Macau, nos dois lados, com argola de 2, 5 cm de diâmetro, da década de 90 (Século XX).

UNIVERSIDADE DE MACAU 澳門大學

O emblema da Universidade de Macau (UM) apresenta uma crista de cinco torres rodeada por círculos de ouro e o nome da universidade em chinês e em português. A chave sobre o livro representa a chave para o conhecimento, e as ondas representam a universidade localizada inicialmente na ilha da Taipa. (1). A ponte liga as culturas Oriental e Ocidental. Na fita está inscrita uma divisa chinesa, enumerando as cinco virtudes de um académico ideal: humanidade, integridade, propriedade, sabedoria e sinceridade. As cores são o vermelho para a esperança, o azul para a alegria do bem-estar, e o ouro para o avanço da humanidade.

(https://pt.wikipedia.org/wiki/Universidade_de_Macau)

(1) No lugar da Universidade da Ásia Oriental. Hoje, o campus da UM está localizado no leste da ilha de Hengqin (antiga ilha da Montanha/Tai Vong Cam).

https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ilha-da-montanha-tai-vong-cam-%E5%A4%A7%E6%A8%AA%E7%90%B4%E5%B3%B6-da-hengqin/

Notícia extraída de «Gazeta de Macau e Timor» (1) sobre mais uma expedição do comandante Tassara contra os piratas.

PIRATAS. – A requisição do capitão Tassara, comandante militar da Taipa e Colovam, marchou na madrugada de 10 de corrente, uma força do batalhão de linha, da corveta Duque de Palmella e da canhoneira Camões, em perseguição de três sapatiões tripulados por perto de cem piratas, que na tarde de 9 tinham vindo acoutar-se na Ribeira da Prata. (2) Parece que fugindo da costa d´oeste, onde foram ocupados por tropas mandarinas ás quaes resistiram causando-lhe algumas perdas, vinham procurar nas proximidades de Macau, novo teatro para as suas proesas. A força, comandada pelo capitão Tassara desembarcou ao sul da ilha Montanha não encontrando vestígio algum de pirata. Sobe-se ali que na véspera á noite, eles se tinham retirado, e que provavelmente estariam ou em “Apomi” ou em Von-came.(3)  O estado da maré e a difficuldade da marcha por terra, não permitiam a ida a Von-came, em vista do que a força se dirigiu a “Apomi”, onde igualmente não teve noticias dos criminosos. Ás 7 horas da tarde recolheu a Macau depois de um dia de improbo trabalho sem resultado aparente. Nós julgamos que embora estas expedições não cheguem em geral a conseguir o seu fim tem comtudo a vantagem de afastar das proximidades de Macau, os malfeitores. Seria útil que as lanchas a vapor fizessem cruzeiros uma ou duas vezes por semana, o que talvez viesse a dispensar expedições como a ultima.”

(1) «Gazeta de Macau e Timor», I-4 de 15 de Outubro de 1872, p. 4

(2) Ribeira da Prata na Ilha de D. João.

(3) llha da Montanha ou Tai Vong Cam

29-07-1912 – Conflito com a China – Uma força chinesa de 20 ou 30 praças desembarca em 23 de Julho na Ilha de Tai Vong Cam, (ilha da Montanha) demorando-se pouco tempo. Dias depois, em 8 de Agosto uma força de 300 soldados chineses desembarca e efectua prisões na Ilha de D. João, (Siu Vong Cam) sob o pretexto de perseguição de piratas – Intervenção «enérgica do comandante militar da Taipa e Coloane e protesto do Governo de Macau perante o Governo de Cantão pela violação do tratado cometido por aqueles soldados chineses”.

(GOMES, Luís G. – Catálogo dos Manuscritos de Macau, 1965 n.º 105)
O Governador interino de Macar era o oficial de Artilharia, Aníbal Augusto Sanches de Miranda (até 16 de Abril de 1914 tendo tomado posse a 15-07-1912, por exoneração de Álvaro Cardoso de Mello Machado) e o Comandante Militar e Administrador do Concelho da Taipa e Coloane era o capitão Artur Taborda de Azevedo e Costa (até Setembro de 1912.
Relacionados com este tema, ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/08/21/noticia-de-21-de-agosto-de-1912-batida-a-ilha-de-tai-vong-cam/

Artigo intitulado “QUESTÃO DE MACAU”, publicado na “Revista Portugueza Colonial e Marítima”, de 1908, (pp. 114-117) assinado por E. de V. (possivelmente: Ernesto Júlio de Carvalho e Vasconcellos, director da revista) (1)
(1) Livraria Ferin, Lisboa (ed.); Ernesto Júlio de Carvalho e Vasconcellos (dir.), Vol. XVIII – 135, 1908, 45 pags. (pp. 114 – 117)

Continuação da entrevista dada pelo tenente de engenharia Raul Esteves ao «Diario Illustrado» (1)  cujo excerto publiquei em 22 de Janeiro de 2017 (2). Hoje a segunda parte, intitulada “ A questão do domínio portuguez” (3)
(1) «Diário Illustrado» 22JAN1909
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/01/22/noticia-de-22-de-janeiro-de-1909-a-defeza-de-macau/
(3) «Diario Illustrado» 26JAN1909

NOTA: No 2.º parágrafo do artigo, há um erro de datação: Deveria ser: “ A 22 de Outubro de 1872, ele teve conhecimento….”.
Este artigo foi escrito pelo Padre Manuel Teixeira, em “A Polícia de Macau” (1) e reproduzida em (2) donde extraí este relato.
(1) TEIXEIRA, Manuel – A Polícia de Macau – 2ª ed. rev. e aum. – Macau : Imprensa Oficial, 1991. – 248 p.
(2) Extraído de https://www.fsm.gov.mo/psp/cht/revista%20da%20psp/pdf/09.pdf

Devido ao tufão ocorrido a 12 de Julho (1) concentraram-se embarcações na Ribeira da Prata, porto e terriola na Ilha da Montanha. A pirataria no dia 20 de Julho de 1883, aproveitou para ir a bordo e roubar o que pôde. Por acção do Administrador das Ilhas, os objectos roubados foram recuperados e os malfeitores daquela povoação, que sempre ali se refugiaram da justiça chinesa, foram multados. O sistema de sobrevivência destes piratas, quando não atacavam embarcações, consistia em atormentar as pedreiras, as ostreiras, e os pescadores, mesmo em terra; toda esta gente preferia pagar-lhes para viver em paz, alimentando estes exploradores, impunes e numerosos, até aparecerem as forças portuguesas a limpar o mar e a costa (SILVA, Beatriz Basto de – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)
Estava prevista para o dia 12 de Julho, no coreto do Jardim de S. Francisco, a actuação da Banda da música da guarnição (adida à guarda policial de Macau) com um programa variado, anunciado no Boletim de 7 de Julho de 1883.
Embora não haja nenhuma informação disponível, de certeza que houve cancelamento dessa actuação tando mais que segundo as observações meteorológicas feitas pela canhoneira Tâmega a partir da 15.15 horas, os aguaceiros tornaram-se fortes anunciando a aproximação do tufão.

Boletim da Província de Macau e Timor, vol. XXIX,n.º 27 de 7 de Julho de 1883.

(1) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/12/noticia-de-12-de-julho-de-1883-temporal-ciclone-sobre-macau-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/14/noticia-de-14-de-julho-de-1883-ainda-sobre-o-temporal-ciclone-sobre-macau-ii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/16/noticia-de-16-de-julho-de-1883-ainda-sobre-o-temporal-ciclone-sobre-macau-iii/ 

A propósito do ataque de piratas à ilha inglesa de Cheong Chau, (1) corre o boato de que na ilha de Tai Vong Cam (em litígio entre Portugal e a China) (2) há piratas açoitados. O governo de Hong Kong pretende organizar uma expedição mista de forças terrestes chineses e de forças navais inglesas e portuguesas para bater os piratas nas ilhas de Vong Cam. Governo de Macau discorda da proposta por entender que a expedição deve ser levada a efeito, em terra e no mar, por forças portuguesas e por forças chinesas se estas quiserem colaborar. Realiza-se, nestas condições, uma exposição combinada entre os Governos de Macau e Cantão, mas nenhum pirata é encontrado.” (3)
Nesse ano de 1912, a pirataria nos mares da China, principalmente nas ilhas do delta, estava bastante intensa, incomodando as populações das ilhas menos povoadas, com notícias várias de assalto de piratas como a uma lorcha nas alturas de Ka Tai, em 03-05-1912; em 1-07-1912, os piratas de Tai Vong Cam  assaltaram o Hospital de Leprosos em D. João e um tancar de Macau, na Ribeira da Prata (A lancha «Macau» foi fazer o policiamento daquele local) e a 14-08-1912, o Capitão dos Portos oficiava ao Comandante da Companhia Indígena da Índia, solicitando que dêsse ordens às praças de serviço na Avenida da  República para prestarem atenção a qualquer sinal feito da Taipa. Idêntico pedido foi feito, a 19 de Agosto ao Quartel da Fortaleza da Barra. Muitos proprietários de embarcações pediram autorização para adquirir pólvora para sua defesa. (3) (4)
Na verdade, posteriormente, no dia 26-08-1912, a ilha inglesa de Cheung Chau era atacada por piratas que cometeram vários assassinatos e roubos, A polícia de Macau descobriu a pista dos criminosos que se haviam refugiado na ilha da Lapa e prenderam alguns suspeitos. (3)
(1) Cheung Chau 長洲, literal: “ilha comprida” a 10 km sudoeste de Hong Kong.
(2) Ilha da Montanha – Tai-Vong-Cam – 大横琴島 – Da Hengqin
(3) GOMES, Luís G. – Ctálogo dos M. M e Arquivos de Macau, Boletim do Arquivo Histórico de Macau, Tomo I (Jan/Jun 1985)
(4) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau ,Volume 4.
Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ilha-da-montanha-tai-vong-cam-%E5%A4%A7%E6%A8%AA%E7%90%B4%E5%B3%B6-da-hengqin/

Extraído de «BGU» –  XXXIV – 398, Agosto 1958, pp. 198/199

 

Extraído do BGC XIV-155, MAIO DE 1938, p. 177