Archives for posts with tag: Hotel Macao
Extraído de «BPMT», XIV- 20, de 16 de Maio de 1868

Dois alemães, William Gardner (13-01-1843) de Strassburg e seu amigo Wilhelm von der Bussche (10-01-1838) casaram com duas irmãs macaenses e estabeleceram em Macau no ramo da hotelaria. William Gardner, que era proprietário do “Hotel Oriental”, segundo o anúncio, investiu muito dinheiro em duas “máquinas de banhar”, (2) em 1868, que foram colocadas no extremo oeste da Praia Grande, cobrando para a sua utilização, em dinheiro que deveriam ser pagos adiantados no “Hotel de Macao”: $ 20 patacas por bilhete familiar para uma estação balnear;  $5 patacas para uma pessoa (mensal) ou 25 avos por banho (cada banho: 20 minutos).   Em 18 de Agosto de 1869, (1) o Hotel Oriental foi totalmente destruído pelo fogo. A mulher de Gardner e sua filha estavam a dormir no andar superior e os socorristas conseguiram subir as escadas,  apesar do fumo intenso e com grande dificuldade, resgatá-las.

A família abandonou Macau e William Gardner estabeleceu-se em Hong Kong no mesmo ramo, hotelaria / restauração. Na sua morte em Fevereiro de 1875, William Gardner deixou a quantia de HK$ 3.724 (3)

(1) O Hotel Oriental situado na Praça de Ponte e Horta teve um incêndio em 18-08-1869. (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau , 1954) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/28/noticia-de-28-de-outubro-de-1867-anuncio-passeios-turisticos/

(2 As chamadas “Máquinas de banhar” eram muito populares nas praias da Europa desde o século 18 até princípios de 20. Eram uma espécie de cabana (alguns feitos de madeira) sobre rodas que serviam como um pequeno camarim para troca de vestuário e “toilette” e podiam ser puxadas da areia para a água. https://www.apartmenttherapy.com/history-of-the-bathing-machine-photos-facts-231324

Mermaids at Brighton” – William Heath (1795-1840), c. 1829. https://en.wikipedia.org/wiki/Bathing_machine
“Woman in bathing suit”(1893) – Foto de Wilhelm Dreesen (Image credit: Messy Nessy Chic)

Pode ver exemplos destas máquinas de banhar em: https://www.apartmenttherapy.com/history-of-the-bathing-machine-photos-facts-231324 https://www.apartmenttherapy.com/history-of-the-bathing-machine-photos-facts-231324

(3) LIM, Patricia – Forgotten Souls: A Social History of the Hong Kong Cemetery Royal Asiatic Society Hong Kong Studies Series. Hong Kong University Press, 2011, p. 359.

Continuação da publicação dos postais constantes da Colecção intitulada “澳門老照片 / Fotografias Antigas de Macau / Old Photographs of Macao”, emitida em Setembro de 2009 pelo Instituto Cultural do Governo da R. A. E. de Macau/Museu de Macau (1)

Aspecto do Porto Interior na década de 10 do século XX, (2) – uma ponte-cais de passageiros, muito possivelmente da empresa “The Hong Kong, Canton and Macao Steamboat Company, Ld.” (agente em Macau: A. A. de Mello – Praça Lobo de Ávila (Praia Grande) n.ºs 22-24.
Reparar nos anúncios (lado esquerdo da foto) aos hotéis: “THE MACAO HOTEL” – situated in the centre of praya grande facing the sea”,(3), “ORIENTAL HOTEL” (4) e “HOTEL DE BOA VISTA” (5) e ao cinema: “ VICTÓRIA CINEMATÓGRAFO”. (2)
(1) Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/postais/
(2) Pelo anúncio afixado na fotografia: “VICTORIA CINEMATOGRAFO”, a foto deverá ter sido tirada após 08-01-1910, dia da inauguração desse cinematógrafo (o primeiro em Macau), situado na Calçada Oriental (hoje, Calçada do Tronco Velho)
Ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2011/12/28/cinemas-de-macau-i/
(3) Proprietário W.M. Farmer (Rua da Praia Grande n. º 65). Também proprietário do “Victoria Hotel” (em Cantão) e agente em Macau de casas comerciais de Cantão e Hong Kong.

Anúncio de 1912

Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/12/06/leitura-macau-ha-cem-anos-a-chegada-iii/
(4) O “Oriental Hotel” ficava na Rua da Praia Grande. Em 1912 era gerido por M. A. Conceição
東方酒店 mandarim pīnyīn: dōng fāng jiǔ diàn; cantonense jyutping:  dung1 fong1 zau2 dim3
(5)  Hotel de Boa Vista – 海鏡酒店 (“Hou Kiang Tsau Tim” ) , propriedade da Santa Casa da Misericórdia, estava alugada a A. A. Vernon. O Gerente era A. Naris.
Publicitado como “The Sanitarium of South China” na Rua do Tanque do Mainato n.º 1.
Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/04/24/anuncio-de-1904-boa-vista-hotel-sanitarium-of-south-china-macao/
海鏡酒店 mandarim pīnyīn: jiǔ jìng diàn hǎi ; cantonense jyutping: hoi2  geng3 zau2 dim3

Continuação do testemunho de Francisco de Carvalho e Rego (1) (2)
De ali, pela tortuosa rua do Gonçalo, apertada e estreita, era o visitante conduzido até à calçada do Governador, por onde vinha dar à “Praia Grande”. E, chegado ao fim da Calçada, à direita tinha o edifício das Repartições Públicas, e à esquerda o pequeno edifício dos Correios, ao lado do qual se mostrava em suas arcadas, tão próprias da arquitectura das cidades cosmopolitas do oriente, o “Hotel Macau” modesto e simples, onde o velho inglês Farmer (3) e sua família recebiam acolhedoramente os hóspedes.
Aquele que viesse encomendado ao “Hotel Bela Vista”, ao deixar a ponte-cais, dirigia-se pela Calçada do Gamboa à Rua do mesmo nome e, seguindo pela Rua do Seminário, entrava no Largo de S. Lourenço, alcançando a Penha pela Rua do Pe. António  e Rua da Penha, indo dar ao chamado Chôc-Chai-Sat  onde , no referido Hotel, era recebido pelo velho Vernon, (4)  que, de há muito, explorava, na Colónia, a indústria hoteleira.

A residência de Verão do Bispo da Diocese (final da década de 40, século XX)

Mas não eram estes os hotéis recomendados aos funcionários chegados à Colónia, porque os seus preços eram elevados. Para estes funcionários era mantido pelo velho Mami o “Hotel Ocidental” modesto e pouco dispendioso e que, situado também na Praia Grande, oferecia ao visitante a mesma vista agradável, que lhe era apresentada nos outros hotéis.
A Praia Grande tinha os seus encantos: bela vista sobre as águas; passeio à beira-mar; brisa do mar, sombra das árvores e a música aos domingos, à noite, que tocava em frente do palácio do Governo e às quintas-feiras no jardim de S. Francisco.
Os únicos meios de transporte, que havia, eram o rickshaw e, a cadeirinha, espécie de palanquim transportado por dois ou quatro homens.
Era a Praia Grande pavimentada a macadame e o resto da cidade quase todo calçado à portuguesa.
Viam-se na Praia Grande as residências dos Primeiros e Segundos Condes de Sena Fernandes, de Carlos Pais da Assunção, de Luís Aires da Silva, do Major Aurélio Xavier, do General Garcia, José Ribeiro, Simplício de Almeida, Dr. Álvares, Constâncio José da Silva, Alexandrino de Melo, da Família Eça, do Capitão Carneiro Canavarro, etc.
E algumas viviam os chineses Lam-Lim, Chou-Sin Ip, Li-Kiang-Chin, Chan-Fong e outros.
(1) Extraído de REGO, Francisco de Carvalho e – Macau … há quarenta anos in «Macau». Imprensa Nacional, 1950, 112 p.
(2)Anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/08/10/leitura-macau-ha-cem-anos-a-chegada-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/08/16/leitura-macau-ha-cem-anos-a-chegada-ii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-de-carvalho-e-rego/
(3) O Sr. Farmer comprou o “Hotel Hin-Kee” em Maio de 1903, para transformá-lo no “Macao Hotel”, porque não conseguiu, como era seu desejo, arrendar o Hotel sanatório “Boa Vista”, que em 1901 foi expropriado pelo governo e cedido/vendido  à Santa Casa de Misericórdia por 80 mil patacas.
(4) O súbdito francês A. A. Vernon tinha um projecto de contrato de jogos em Macau em 1909 mas não chegou a concretizar por não ter tido a autorização do Director-Geral da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar. Em 1910 é-lhe concedida licença para a circulação de automóveis em Macau e solicita idêntica autorização de Cantão em 1911 para poder encarregar-se de transportes viários entre Macau e Qiang Shan (Casa Branca para os portugueses)   A. Vernon geria o “Hotel Boa Vista” (arrendado à Santa Casa de Misericórdia) e queria trespassá-lo em Janeiro de 1913 para G. Watkins mas não foi aprovado pelo Governo. Depois de vários outros posteriores arrendamentos (o Liceu de Macau esteve aí instalado até passar ao Tap Seac) o Governo compraria em 1923 o Hotel à Santa Casa de Misericórdia por 82 585 patacas.

Notícia curiosa referenciada em 17 de Fevereiro de 1913: (1)
Queixa apresentada por W. Farmer, (2) gerente do «Macao Hotel», (3) contra o facto de os culis se servirem de um cais fronteiro ao seu hotel, na Praia Grande para mictório. Providências tomadas pelo Governo.
(1) Processo n.º 416 – Série Q, dos Arquivos de Macau in Boletim do Arquivo Histórico de Macau, Tomo I (Jan/Jun 1985).
NOTA. Esta mesma notícia é reproduzida por Luís Gonzaga Gomes (Catálogo dos Manuscritos de Macau, 1965) com a data de 17 de Maio de 1913. Não sei qual a data exacta, confirmação essa só com uma consulta directa do Arquivo da Repartição Provincial dos Serviços de Administração Civil (documentos referentes ao ano de 1913) existente no Arquivo Histórico de Macau.
(2) Em Maio de 1903, W. Farmer comprou por 20 mil patacas o «Hotel Hin-Kee» de Macau mudando o nome para «Macao Hotel». O objectivo inicial do Sr. Farmer era conseguir o arrendamento do Hotel «Boa Vista» que os franceses pretendiam comprar para aí instalarem um sanatório mas o governo (por pressão dos ingleses que duvidavam das verdadeiras intenções dos franceses) expropriou o edifício e vendeu-o à Santa Casa da Misericórdia.
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/04/25/postais-macau-em-bilhetes-postais-antigos-vi/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-hing-kee/

Continuação da apresentação dos postais da colecção “Macau em Bilhetes Postais Antigos” (1-5)

Bilhetes Postais Antigos LOGOBilhetes Postais Antigos LOGO chinês古董明信片中的澳門
Macau em Bilhetes Postais Antigos
Macau in Historical Postcards

Bilhetes Postais Antigos Ilha Verde c 1890“Green Island, Macao”
Paisagem da zona de Fai Chi Kei e Ilha Verde vista da Lam Mau Tong/Lamau (por volta de 1900)

Bilhetes Postais Antigos Praia Grande c 1890“Post Office and Macao Hotel on Praya Grande, Macao”
Os Correios e o Hotel Macau na Praia Grande (por volta de 1890)

NOTA: este último postal vem referenciado em LOUREIRO, João – Postais Antigos de Macau, com a data: cerca de 1900, sendo emitido originalmente em Hong Kong por M. Sternberg. No entanto, este postal, embora semelhante, não “aparece” as duas figuras humanas andando  na Avenida.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/02/21/postais-macau-em-bilhetes-postais-antigos-i/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/03/23/postais-macau-em-bilhetes-postais-antigos-ii/
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/04/17/postais-macau-em-bilhetes-postais-antigos-iii/
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/04/22/postais-macau-em-bilhetes-postais-antigos-iv/   
(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/04/23/postais-macau-em-bilhetes-postais-antigos-v/