Archives for posts with tag: Heung-Shan
Extraído de «GAZETA DE MACAO», Vol. I, n.º 21 de 13 de Junho de 1839, p. 82

O Padre Teixeira em “Os Macaenses” (1965, p. 61) cita a Chapa do Mandarim de 1690, referindo-a aos  “Arquivos de Macau” (Fevereiro de 1964, pp. 39-40)

“ A 3 de Junho de 1690, o Procurador expôs que o mandarim Heung-Shan remetera uma chapa dos mandarins de Cantão, ordenando que «os Cabeças da Rua dessem pr lista todos os Chinas assistentes nesta cidade em Challes, Boticas, e Gudoens dos Moradores, e q´ de cada dez pessoas nomeasse hum, q´ fosse cabeça, p.ª dar  conta dos mais todas as vezes q´ lhe pedissem e q´ se dessemos nomes de todos os nossos moradores, q´ em seus Gudoens recolhem Chinas, p.ª darem conta deles». Os oficiais do Senado, para evitar questões, resolveram que se dessem as listas dos chinas das lojas e que os portugueses expulsassem de suas casas aqueles que lá viviam»

Arquivos de Macau, 3.ª Série – Vol.I n.º 1 – Fevereiro de 1964, pp. 39-40

Notícia publicada em 22 de Dezembro de 1835 no “The Canton Register” (1) sobre a interferência do mandarim da Heung Shan/Casa Branca nos trabalhos de melhoramentos e aumento da extensão da praia na Praia Grande.
Recorda-se que os Mandarins tanto de Cantão como o da Casa Branca /Heong shan ou Heung san) interferiam muitas  vezes em Macau no que concerne às novas construções de estruturas nomeadamente às construções militares e outras construções  para novas estradas (2)

Vista da Praia Grande – 1834
George Chinnery
Sepsia sobre papel

(1) Extraído de “The Canton Register”, Vol 8, n.º 51, Dec 22 1835, p.202
«The Canton Register» foi o primeiro jornal (8 de Novembro de 1827) em língua inglesa na China, fundado pelos mercadores escoceses, James Matheson e seu sobrinho Alexander junto com o americano William Wigtman Wood, que foi o primeiro editor. Publicado no início de duas em duas semanas, era impresso em Cantão, mas depois transferido para Macau – de 1839 a Junho de 1843 – e a partir desta data impresso em Hong Kong. Terminou em 1936. Em 12-11-1835, surgiu o semanário “The Canton Press”, editado por Franklyn e depois por E. Moller. Este periódico passou também, em 1839, a ser impresso em Macau.
(2) – “12-05-1835 – Mais uma vez os Mandarins (o Suntó e o Juiz de Fora de Casa Branca) interferem com as construções militares e de estradas em Macau. Desta vez (v. 1829 e outras) pedimos e eles autorizam os concertos nas Fortalezas do Monte e da Guia, contando que nada se acrescente ao anterior. Por outro lado, mandam entulhar a estrada recentemente aberta por detrás da Guia.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 4, 1995.
Ver outras referências a este jornal neste blogue em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/the-canton-register/

O administrador do Conselho das Ilhas da Taipa e Coloane recebeu no dia 19 de Outubro de 1885, o seguinte telegrama do Secretário-geral de Macau:
VAPOR GREYHOUND ASSALTADO PIRATAS VIERAM DIRECÇÃO MACAU- PRECISA-SE VIGILÂNCIA PARA PRENDEL-OS CAZO DESEMBARQUEM“(1)
“19-10-1885 – O Secretário Geral de Macau mandou um telegrama ao Administrador do Concelho das Ilhas da Taipa e Coloane lançando um alerta para a situação de um vapor inglês «Greyhound» (2) assaltado por piratas no dia 17 de Outubro que tomaram a direcção de Macau, pelo que urgia vigiar e capturar os aventureiros, onde quer que se lembrassem de desembarcar. Outros telegramas foram trocados e o jornal «O Independente» de 24 de Outubro seguinte dá-nos notícia do que aconteceu «Um dos mais ousados e horríveis actos de pirataria e assassinato teve lugar a bordo do vapor inglês «Greyhound» da carreira de Hong Kong, Pac-hoi, Hoi-hau e Macau…». Os piratas tinham embarcado como passageiros e depois de fechados os verdadeiros e de terem lutado com a tripulação deixando atrás de si a morte e a confusão, passaram o produto do saque para três embarcações suas, com quem estavam combinados. As nossa autoridades, alertadas pelas de Hong Kong e em conjunto com elas, acabaram por ir prendendo aos poucos a quadrilha e recuperar parte do espólio roubado.” (3)
No dia 27 de Outubro de 1885, o «O Correio Macaense» (4), trazia a seguinte notícia:
(1) TEIXEIRA, Padre Manuel – Taipa e Coloane, 1981,p. 169
(2) O navio a vapor inglês “Greyhound” foi assaltado por piratas no dia 17 de Outubro de 1885, a 70 milhas de Hong Kong quando ia ao longo da costa chinesa em direcção sudoeste para Hoihow e Pakhoi. Cerca de 100 passageiros eram piratas que rapidamente apoderaram do navio, assassinaram o capitão atirando o seu corpo para o mar. Mais tarde, encontraram 3 juncos e desapareceram com a pilhagem permitindo o “Greyhound” regressar a Hong Kong no dia 18.
O Vice Rei da Cantão enviou 3 canhoneiras para auxiliar o “HMS Midge”, (5) cooperando para prender os culpados.
PARKINSON, Jonathan – The Royal Navy, China Station: 1864 – 1941. 2018
(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 3, 1995
(4) «O Correio Macaense», Vol III, n.º 113 de 3 de Novembro de 1885, p. 14.
(5) «HMS Midge» veio para Hong Kong em 1871, para controlar o contrabando de arroz e pirataria na costa da China e costa da Malásia.

HMS Midge

“HM Gunboat Midge, commanded by Commander Charles Rising, RN was a rakish looking twin screw vessel of 603 tons with a complement of about 100 men. She was armed with 20-pounder bow and stern chasers and a large 7-inch gun amidships and powered by two 40 h.p. engines from an Admiralty stockpile left over from the Crimean War. Needless to say they did not match her hull and she was a poor steamer. But here in this small ship Creswell had his own watch and was on his way to see action against pirates.
https://www.navyhistory.org.au/william-creswell-what-maketh-the-man/

Publicado no jornal australiano “The Leader” de 14 de Maio de 1917 (1), um interessante e  extenso artigo (aconselho a leitura) com  o título “MACAO”, a propósito dum telegrama por cabo de 29 de Março de 1917  (2)

“It is stated that Japan purchased Macau from the Portuguese”

……………………………………………………………………………………..continua

Termina o artigo, com os versos de Sir John Bowring inscritos numa pedra granítica na Gruta de Camões
(1) “The Leader, Monday Morning, May 14, 1917 p. 6 (Orange, NBSW: 1912 – 1922) “
Disponível em:
nla.gov.au/nla.news-article117826380
(2) Sobre este assunto,  ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/03/22/noticias-de-22-e-30-de-marco-de-1917-macao-sold-purchased-by-japan-e-macao-island-sale-to-japan-questioned/