Neste dia,  o Ministro da Espanha na China, D. Heriberto Garcia de Quevedo (1), visitou Macau, deixando o seguinte «recuerdo» na vista que fez à Gruta de Camões….. (2)

Yo poeta también – también soldado
si bien no por la fama enaltecido;
también de hondas passiones arrastrado
también de hados adversos combatido;
en el altar á tu estro consagrado,
menos augusto á fé que merecido,
suspendo de mi amor esta memoria
tributo exíguo de tan alta gloria.

Estes versos  (oitava)  ficaram gravadas esculpidas  numa das lápides de granito existentes  ao lado do monumento, na época. Recorda-se que a Gruta de Camões foi adquirida pelo Governo em 1885 (3)

Gruta de Camões 1898Fotogravura de 1898 (4)

 Vê-se nesta fotogravura, que o rochedo do lado esquerdo fora revestido de seis lápides de granito, dispostas em ângulo recto, estando, na primeira das duas do cateto sinistro, inscritas duas quadras de Francisco Bordalo, datadas de 1851 e, na segunda outras duas quadras, em espanhol, de D. Heriberto Garcia de Quevedo, datadas de 1869 (5)

Henriberto Quevedo(1) José Heriberto Garcia de Quevedo (1819-1871; escritor, poeta, dramaturgo venezuelano; morreu em 1871 em Paris por infecção de uma ferida que recebeu acidentalmente durante o levantamento da Comuna de Paris), Ministro da Espanha na China (o 1.º embaixador espanhol residente em Pekin, 1868 – 1869), em 1869, visitou Macau, em viagem de cortesia e para estabelecer contacto com a população latina aqui residente. “Admirou  as belezas naturais e os recantos em certos pontos da cidade. E embebeu-se do aroma do retiro em que Camões escreveu parte do seu poema” ( Macau- Boletim Informativo, 1956)
(2) GOMES, Luís G. Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(3) Os padres da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris, pretendendo estabelecer um sanatório na «Casa Garden», ofereceram a Lourenço Marques (proprietário da Gruta) 35 mil patacas pela sua propriedade. Mas interveio o Governador Tomás de Sousa Rosa que, com a aprovação de Manuel Pinheiro Chagas, Ministro da Marinha e Ultramar, adquiriu a Gruta para o Governo por 30 mil.
(4) Fotogravura de P. Marinho, segundo uma fotografia tirada e oferecida por Joaquim António, de Bangkok (Sião/actualmente Tailândia)
(5) GOMES, Luís Gonzaga Gomes, 1972