Archives for posts with tag: Henrique Valdez

Um folheto de 68 páginas “MACAU e o seu Porto Artificial atravez a IMPRENSA PORTUGUESA (VOLUME I)”, impresso na Tipografia Mercantil de N. T. Fernandes e Filhos, em 1924, (24 cm x 16 cm x 0,5 cm) (1)

O folheto apresenta uma assinatura de posse “Armando Zuzarte Cortesão 1925” (2)

Contém uma colectânea de artigos publicados até então na imprensa portuguesa sobre o porto artificial. O prefácio é do Hugo de Lacerda “Macau como Porto Marítimo e Testa de Navegação Fluvial e de Viação Acelerada”) (3) (pp.3-4)

Outros artigos:

1-O Renascimento de MacauUma riquíssima possessão, cheia de vida e com um grande futuro – Lopo Vaz de Sampayo e Mello (Do jornal “A ÉPOCA”) (pp. 5-10)

2-Portugal no Oriente. Macau serve mais alguma coisa do que para converter umas centenas de patacas numas dezenas de contos – Henrique Correia da Silva (4) (De “O Diário Notícias”) (pp. 11-15)

3-Interesses Portugueses no OrienteAs obras do porto de Macau honram a engenharia portugueza e são a maior base para o engrandecimento d´esta província ultramarina – João Barbosa Pires (5) (De “O Século-1923) (pp. 16-19)

4-O Porto de Macau – Um repórter de “A Pátria” ouve o ilustre Almirante Snr. Hugo de Lacerda (P.J.M.L. do jornal “A PÁTRIA” de Macau, 1924) (pp. 20-36)

5-A exploração do porto artificial de MacauO que a República fez e o que precisa fazer ainda – Henrique Valdez (6) (De “O Século” – 1924) (pp. 37-40)

6-Problemas NacionaisPortugal no Extremo-Oriente –Thomé Pires (Do periódico “A PÁTRIA”-1924 (pp. 14-62.

7-Sobre as obras do porto de Macau – O que sobre elas diz o seu ilustre Director o sr. Almirante Hugo de Lacerda (pp.63-68)

(1) “ Por ordem superior do Conselho de Administração das Obras nos Portos de Macau, fez a Secção de Propaganda publicar este folheto acabado de imprimir aos trinta de Novembro de 1924. “ (p. 1)

(2) “ O mais importante historiador português da cartografia antiga do século XX, como também de um dos raros especialistas de projecção internacional que ensaiaram uma análise historiográfica geral deste campo de estudos que emergiu com uma identidade disciplinar e uma actividade prática próprias a partir da década de 1930”. (Oliveira, Francisco Roque de – Armando Zuzarte Cortesão (1891-1977): vida, exílio e mapas. Academia de Marinha, 2019 In: Matos, A. T. de (coord.). Homenagem aos Fundadores da Academia de Marinha (pp. 70-105). Lisboa: Academia de Marinha. ISBN: 978-972-781-150-2.) https://repositorio.ul.pt/handle/10451/43173

(3) O Engenheiro hidráulico Almirante Hugo de Lacerda Castelo Branco foi governador interino de Macau de 1-08-1926 a 8-12-1926. Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hugo-lacerda-castelo-branco/

(4) O Capitão-tenente Henrique Monteiro Correia da Silva, foi governador de Macau de 23-08-1919 a 20-05-1922.

(5) João Barbosa Pires, jornalista vereador substituto do Leal Senado da Câmara de Macau

(6) Capitão-tenente Henrique Valdez, jornalista, senador https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/01/27/leitura-macau-e-seu-futuro-porto-1922/

MACAU E SEU PORTO ARTIFICIAL - CapaPublicação de 1922, coordenada e autorizada pelo Vice-almirante Hugo de Lacerda, Director das Obras do Porto, com a colaboração artística e fotográfica de Barbosa Pires. (1) Hugo de Lacerda nos “Preliminares” (p. 3) refere o seguinte:
Tratando-se de organizar tão eficazmente quanto possível a propaganda tal como parece necessária a Macau, nas novas condições que muito especialmente vão sendo creadas com o estabelecimento do porto para navios, foi elaborada uma relação de questões a atender n´este genero de trabalho; são alguns pormenores d´essa lista de questões que figuram em primeiro logar no presente folheto…”
MACAU E SEU PORTO ARTIFICIAL - 1.º PáginaOs artigos desta publicação são:
I parte, em português:
1 – Apontamentos servindo de base aos trabalhos necessarios à propaganda de Macau e do seu futuro porto – vice almirante Hugo C. Lacerda, pp. 4 – 13.
2 – Resumo do que tem sido feito relativamente às obras dos portos desde Abril de 1919, até ao fim de 1921, – sem indicação de autor, pp. 14-16.
3 – Publicações referentes ao porto que convem consultar – p. 17.
4 – Porto de Macau ( do Anuário de Macau de 1921) – Hugo C. de Lacerda, pp. 18 – 23.
5 – Porto de Macau – Do periódico “O Liberal” de 2-2-22 pp. 24-36.
6 – O caminho de Ferro Macau Kong-mun – ex-Senador Henrique Valdez, pp. 27 – 41.
7 – O porto que nos convem – Henrique Valdez,  pp. 42 – 44.
8 – Em torno do Porto e do Caminho de Ferro (Do periódico “O Liberal” de 8-6-922) – H. Lacerda, pp. 45-50.

MACAU RENASCENTE - Dragando a bacia Norte do PataneMACAU RENASCENTE – OBRAS DO PORTO – Dragando a bacia Norte do Patane

II parte, em inglês – Macao and Its Harbour
1 – Informations given to Messrs. Koppel Ltd. – pp. 52-53.
2 – Macao Harbour Projects – An expenditure of about ten million dollars involved- Work already in progress – From ” The Hong Kong Week´s Press & China Overland Trade Report” the 20 th. November 1920), pp. 54-61.
3 – What is said in the important – Review “Pacific Ports”, p. 62.
4 – Macao , pp.63-65.
5 – Macao by R. Hurley, pp. 66-67.
6 – Camões pp.68-73.
7 – Macao by Viscount Northcliffe in “The London Times”, pp. 74-75.
8 – Macao by J. arnold, pp.76-80.
9 – Portuguese in the Far East  by J. B Pires, pp. 81-84.

MACAU RENASCENTE - Construcção da doca de Macau SiacMACAU RENASCENTE – OBRAS DO PORTO – Construção da doca de Macau-Siac

O livro traz três mapas desdobráveis:
1 – 31 cm x 28,5 cm – Planta de Macau e Territorios Visinhos com a indicação do projecto de obras na Peninsula e ilha da Taipa; escala 1/80,000
2 – 27,5 cm x 24,5 cm – Plano Geral das Obras do Porto Artificial de Macau; escala 1/20,000
3 – 20 cm x 15,5 cm – Mapa Chorografico de Macau e Regiões Circunvisinhas; escala 1/14,285 (?)

MACAU E SEU PORTO ARTIFICIAL - Mapa Chorográfico“Mapa Chorografico de Macau e Regiões Circunvisinhas

(1) Macau e o seu porto artificial. Publicação coordenada e autorizada pelo Vice-almirante Hugo de Lacerda, Director das Obras do Porto (colaboração artística e fotográfica de Barbosa Pires).  Macau, 1922, Tip: Mercantil – N. T. Fernandes e Filhos. Rua Central Nos. 26 e 28, 84 p. + 16 p. anúncios, 23,5 cm x 15 cm.
Anteriores referências a Hugo C. de Lacerda e ao Porto de Macau
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/27/leitura-a-necessaria-morigera-cao-dos-costumes/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/04/27/o-projecto-do-porto-de-macau-em-1925/
Do periódico “O Liberal” ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/08/10/anuncio-jornal-o-liberal/

O “semanário de propaganda e defeza das colonias” a «Gazeta das Colonias», N.º 19, 12 de Fevereiro de 1925 apresentava no frontispício como “FOMENTO COLONIAL“, uma fotografia de Macau.

GAZETA COLÓNIAS I-19 12-02-1925 - Fomento ColonialMACAU – Vista parcial das oficinas do arsenal (lado sul)

As oficinas do arsenal ou da Capitania dos Portos de Macau existiam pelo menos desde 1902 e com a designação de «Officinas Navaes» desde 1907.
Nesse número apresentava um artigo do Comandante Henrique Valdêz, (1) que no Senado representou Macau, com o título ” O Problema da Instrução: Liceu Central ou Nacional“. Em números anteriores e um posterior, a mesma revista apresentou opiniões de individualidades sobre a questão, então muito premente, da necessidade dum Liceu Central ou Nacional, em Macau.
“O Liceu foi Nacional de 1894 a 1898 com o curso completo; continuou com a designação de Nacional, mas sem a 6.ª e a 7.ª classes, de 1898 a 1918; foi Central, readquirindo essas classes, de 1918 a 1933; foi Nacional de 1933 a 1936, em que foi classificado com Provincial; voltou a ser Nacional em 1937.” (2)
GAZETA COLÓNIAS I-19 12-02-1925 - Liceu Central ou Nacional… Macau não pode deixar de ter um Liceu e um Liceu completo sob o ponto de vista pedagógico, abundante em material didáctico, bem provido de professores competentes e capaz de ministrar aos alunos toda a instrução secundaria que é lei do país A sua reduzida frequência resulta apenas de não se ter feiro em volta dele a necessária propaganda e ainda de não se ter dado ao curso um aspecto pratico e útil que atraísse ou obrigasse á matricula os filhos da Colónia
(1) Henrique Maria Travassos Valdez (1884-1953), bisneto do conde de Bonfim, oficial de marinha, foi eleito Senador pelo Círculo de Macau a 25-07-1919, pelo Partido Reconstituinte (Partido Republicano da Reconstituição Nacional). Fundou em Macau, em 1919, com os seus correlegionários, o Centro Republicano Eleitoral. Saiu de Macau em 1925. Foi destituído da Marinha, no tempo do Estado Novo. Readmitido ao serviço da armada, como 1.° tenente reformado, depois do 25 de Abril, à sua filha Maria Luísa Lapa Travassos Valdez foi concedida uma pensão (Decreto do Governo 27/85 : concede pensões a 19 cidadãos portugueses que se distinguiram por méritos excepcionais na defesa da liberdade e da democracia)
Foto do então 1.º tenente da Marinha, h«Henrique Valdez  em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/07/noticia-sarau-dos-marinheiros-do-patria/
(2) TEIXEIRA, Monsenhor Manuel – Liceu de Macau, 1986