Archives for posts with tag: Harry Ore
D. Lígia Pinto Ribeiro cantando no Teatro D. Pedro V

Realizou-se na noite de 14 de Abril de 1952, um concerto, no Teatro D. Pedro V, em benefício do Colégio D. Bosco de Artes e Ofícios, promovido pela senhora Lígia Pinto Ribeiro, (1) esposa do Dr. Aires Pinto Ribeiro, ilustre Chefe de Serviços de Saúde. (2) Acompanhou-a ao piano, o professor Harry Ore. (3)

O professor Harry Ore, na execução de um dos números do seu programa

A Sra. D. Lígia Pinto Ribeiro recebendo cestos e ramalhetes de flores das mãos dos alunos do Colégio D. Bosco

Os lugares de honra, no Teatro D. Pedro V, ocupados pelas altas individualidades da província

Fotos extraídos de «MOSAICO», IV-21/22 de Maio e Junho de 1952

(1) Lígia Edmunda de Morais Correia de Sá Pinto Ribeiro – ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ligia-pinto-ribeiro/

(2) Dr. Aires Pinto Ribeiro (1899) – Formado em Medicina pela Universidade do Porto, praticou nos hospitais do Porto, nomeado em 1925 médico do Quadro de Saúde Moçambique, onde esteve em diversas funções médicas até 1948, quando foi transferido para Macau para exercer o lugar de Chefe da Repartição Central dos Serviços de Saúde (4 de Maio de 1948). Em 1950 nomeado vice-presidente do Conselho do Governo e em 1951, tomou posse do cargo de Encarregado do Governo (18 de Abril até 23 de Novembro de 1951, data da chegada do Governador Almirante Joaquim Marques Esparteiro (1951-1957). Em 15 de Abril de 1955, nomeado Inspector Superior da Saúde do Ultramar pelo que deixou a chefia da Repartição Provincial dos Serviços de Saúde e Higiene de Macau, em 31 de Julho, seguindo para Portugal a 1 de Agosto. Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aires-pinto-ribeiro/

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/harry-ore/

No dia 9 de Março de 1954, os capitalistas Senhores Ho Yin e Y. C. Liang e alguns empresários mais, em conjunto com a Comissão de Senhoras Pro-construção do “Colégio D. Bosco” levaram a efeito no Teatro Cheng Peng uma noite de ópera chinesa; o espectáculo, dado por profissionais, teve a acompanhá-lo, para melhor transmissão do texto cantado, uma versão escrita em português, nos programas distribuídos.
O produto da venda dos bilhetes (Patacas $ 15 044,00) reverteu como era intenção para a continuação da construção do colégio (inaugurado em 10 de Fevereiro de 1952) que, mesmo inacabado, já alberga e educação de centenas de órfãos.” (1)

A Sr.ª. Dr.ª Laurinda Marques Esparteiro, esposa do Governador, entregando uma taça a uma das principais actrizes chinesas.

Extraído de «BGU» XXIX – 347 – MAIO DE 1954 p. 205.

A Comissão de Senhoras Pro-construção do “Colégio D. Bosco” presidida quando se constitui, pela esposa do governador Albano de Oliveira, D. Helena Cremilda de Oliveira e depois pela D. Laurinda Marques Esparteiro (tendo nessa altura como tesoureira e secretária D.ª Raimunda Faria, esposa do Director da Fazenda, e a D.ª Angelina Pacheco Borges, mãe do então Subdirector do colégio Padre Albino Pacheco Borges) (2) levaram a efeito vários espectáculos, peditórios e festas, em benefício do novo colégio que ainda estava em construção como por exemplo estas referências:
07-07-1951- Realizou-se um animado arraial, no Ténis Militar e Naval em benefício do Colégio D. Bosco de Artes e Ofícios. (3)
17 e 18-03-1954 –Nestes dias realizou-se no Teatro Oriental um espectáculo a favor do fundo da construção do «Colégio D. Bosco por iniciativa do «Sport Macau e Benfica» de que é activo presidente o Sr. Alberto Dias Ferreira (4)
14 de Abril de 1954 – Entregue ao Colégio D. Bosco, para aquisição de instrumentos para a sua oficina, a quantia de patacas $ 440,85, resultante de uma subscrição junto dos alunos do Liceu, da Escola Comercial Pedro Nolasco, dos Colégios de Santa Rosa de Lima e do sagrado Coração e das Escolas Primárias Oficiais e Luso-Chinesa (5)
20-06-1954 – Recital de Canto e Piano no Teatro D. Pedro V a favor do Colégio D. Bosco (6)
20-06-1954 – Recital no Teatro D. Pedro V, da cantora Lígia Pinto Ribeiro, acompanhada pelo Prof Harry Ore. Fins beneficentes, a favor do Colégio D. Bosco) (5).
(1) «M.B.I.», I-15, 1954.
(2) «M.B.I», II -33, 1954.
(3) «MOSAICO» II- 12,1951,
(4) «M.B.I», I-16, 1954.
(5) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 5, 1998.
(6) «M.B.I» I -21, 1954.
NOTA: Anteriores referências ao Colégio D. Bosco:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colegio-d-bosco/

Realizou-se neste dia de 22 de Outubro de 1950, no Teatro D. Pedro V, um concerto de canto e piano, cuja receita se destinava a constituir fundos para a construção do Colégio D. Bosco.
Além do fim caritativo de espectáculo, atraiu o público o facto de se verem reunidos dois artistas bastante apreciados nesta cidade e em Hong Kong, a cantora Lígia Pinto Ribeiro e o Professor Harry Ore (1)
O programa compunha-se de 3 partes, sendo a primeira preenchida com canções em italiano, música de Mozart, Scarlati e Vivaldi, a segunda de “lieder” de Schubert e a terceira de canções portuguesas de Aires Ribeiro, Cláudio Carneiro, Armando José Fernandes e Artur Santos.
Cada parte era precedida de 2 solos pelo pianista, que interpretou Beethoven, Mozart (a transcrição para piano das “Variações em Ré Menor”, de Mozart constituiu uma bela peça de concerto),  dois arranjos Paganini-Schumann e Paganini-Liszt, Viana da Mota e Grainger.
Da parte de canto das peças cantadas em italiano, destacaram-se  um trecho das “Bodas de Fígaro”, entre os “lieder” de Schubert, a interpretação em “Erlkonig”e entre as canções portuguesas, as interpretações de “Canário lindo” de Cláudio Carneiro, “Senhora do Almurtão” de Artur Santos e as canções de Aires Pinto Ribeiro “Altos montes, verdes campos”, “Cantiga do amor sozinho” e “Cantiga de embalar”.
(1) Ver anteriores referências dste distinto pianista em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/harry-ore/
(2) Cláudio Carneyro foi um compositor português (1895 – 1963). Aluno de Paul Dukas, escreveu algumas das melhores obras do reportório vocal português do século XX. Foi também diretor do Conservatório de Música do Porto.
Biografia em:
http://www.mic.pt/dispatcher?where=0&what=2&show=0&pessoa_id=141&lang=PT&site=ic
(3) Armando José Fernandes 1906 — 1983) foi um compositor português, dos mais representativos da música do século XX português, no movimento modernista. Pianista e autor de música de câmara a partir de 1943 (data de uma sonata para violoncelo e piano, com dedicatória a Madalena de Sá e Costa), de um  concerto para violino e orquestra e de numerosas obras para piano. A sua obra, de carácter intimista, é pontuada esporadicamente por passagens que exigem grande virtuosismo.
Biografia em:
http://web.tecnico.ulisboa.pt/mcasquilho/acad/Portugal/AJFernandes_ClassicalComposersDatabase.pdf 
4) O compositor Artur Santos, (1914-1987)que foi também professor no Conservatório Nacional, em  Lisboa, desenvolveu várias pesquisas no âmbito da música tradicional portuguesa, tendo pautado toda a sua vida por uma absoluta discrição, que se adensou após a morte da mulher, em 1969, que era “o grande auxiliar dele” no trabalho.
Biografia em
http://www.mic.pt/dispatcher?where=0&what=2&site=ic&show=0&pessoa_id=383&lang=PT
Extraído do artigo de M. Pimentel Bastos e fotos de Chan Kuong de «MOSAICO», VOL I, n.º 3 de Novembro de 1950.

O jornal “A Verdade” na sua edição do dia 29 de Abril de 1928,  agradece ao Sr. Harry Ore, distinto pianista, a oferta da sua curiosa composição impressa, «Naná de Macau», já executada em concertos no Teatro D. Pedro V e Teatro Vitória. O pianista compositor terá impressas, brevemente, algumas outras composições suas: «Canções Chinesas» (1)

MOSAICO IV-23-24 JULAGO1952 Harry Ore IO professor Harry Ore acompanhando ao piano o violinista Silva Pereira na execução de um dos números do programa musical efectuado no Teatro D. Pedro V, na noite de 24 de Julho de 1952, aquando da visita ministerial de Manuel Maria Sarmento Rodrigues a Macau.

Harry Bruno Johannes Ore (1885-1972) (夏里柯), (natural da Letónia; outras fontes referem nascimento em São Petersburgo), de origem judaica, foi pianista, compositor e  professor de piano (2), radicado no Extremo Oriente (3) nomeadamente em Hong Kong de 1915 até à sua morte em 1972. Em Novembro de 1941 (antes da ocupação de Hong Kong pelos Japoneses) fugiu para Macau, tendo ficado no território até o fim da guerra no Pacífico.
Foi colega de escola de Sergei Prokofiev, estudante de Rimsky Korsakov e colaborou com o grande compositor chinês Ma Sicong, em Fevereiro de 1924 e com este fez em Fevereiro de 1925 vários concertos em Hong Kong.(4)
Foi fundamentalmente um pianista e compositor duma música que verteu para piano utilizando as canções do folclore de Guangdong. (5)
NOTA 1: uma listagem das gravações /composições  de Harry Ore  (6), não está esta canção. Consta no entanto:
Harry Ore “Macao Lullaby” (music) for piano forte, op. 19 publicado Londres por W. Paxton, 1963 (printed music) (7)
NOTA 2: Harry Ore  compôs também  “Two Miniatures on Portuguese Folk Songs

MOSAICO IV-23-24 JULAGO1952 Harry Ore IIOutra fotografia do pianista Harry Ore acompanhando a D. Lígia Pinto Ribeiro, no sarau artístico realizado no dia 27 de Julho de 1952

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997.
(2) Importância do papel de Harry Ore como professor de piano, na formação de uma geração de pianista em Hong Kong em
POON, Letty – The piano as cultural capital in Hong Kong.
2012ku.hk/bitstream/10722/188287/1/FullText.pdf?accept=1
(3) Três notícias publicadas pelo jornal “The Straits Times” de Singapura:
The Straits Times 17 April 1932
CHINESE SONGS ON THE PIANO. A Composer’s Claim. FORTHCOMING SINGAPORE RECITAL. Mr. Harry Ore, a Latvian composer and pianist, who is a professor at the Academy of Music in Manila, is at present in Singapore. Mr. Ore is not well known in Malaya, but in north and south China he is know in many out-of-the-way places, simply because of his gift for transporting China songs, thousands of years old, for use on the piano. Among some of the famous Chinese songs, he has transported are, “The Monk´s Prayer”, “Two Butterflies”, “The Autumnal Moon Seen from a Palce”, “Goldshower from the Weeping Tree”, and “The Hungry Hiorse Rings the Bell”… (…)
The Straits Times 27 April 1932
EAST AND WEST MEET. Chinese Music Transposed For Piano. There was an unusual meeting of East and West in the Dutch Club last night— the parties in this case being the music of these two parts of the world, played by a Latvian, Mr. Harry Ore. For many years resident in the East, Mr. Ore has made a special study of Chinese music with a view to transporsing it in accordance with Western ideas of harmonization, and some of these he played at the piano last night….(…)
The Straits Times 5 May 1932
Mr Harry Ore – Last Night´s Recital at the Y. M. C. A. – Eastern and Western music again met when Mr Harry Ore, the Latvian pianist, gave his last piano forte recital in Singapore at the Y. M. C. A. last night. As on the previous occasion he revealed himself as a pianist of considerable skill.
Mr Ore played as extenssive programme which included some of his own transpositions of Chinese songs, and one of his composituions, the South China Fantasy… (…) 
http://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/Digitised/Article/straitstimes19320505-1.2.132.aspx
(4) https://en.wikipedia.org/wiki/Ma_Sicong
(5) “Transcriptions of Guangdong Melodies – Hong Kong is part of the Guangdong province. Most of the immigrants originated from Guangdong. Due to the popularity of Guangdong melodies in Hong Kong, local composers and those who migrated to Hong Kong rewrote numerous Guangdong melodies with harmonization for performance on solo piano. In fact, Harry Ore (夏里柯), one of the earliest western classical musicians who settled in Hong Kong in the late 1920s, ( might be the very first to inspire other Chinese composers in Hong Kong to transcribe Guangdong melodies for solo piano.Some examples are Han tian lei (旱天雷) and Shuang fei hu die (雙飛蝴蝶), Op.18, written in the 1930s, described as ‘imparting a distinctly native flavour to his music.”
2012ku.hk/bitstream/10722/188287/1/FullText.pdf?accept=1
(6) http://classify.oclc.org/classify2/ClassifyDemo?search-author-txt=%22Ore%2C+Harry+Bruno+Johannes%2C+1885-%22
(7) http://trove.nla.gov.au/work/35693601?q&versionId=44452665
Encontrei somente uma audição de Harry Ore disponível na net:
Chimes after Mozart
https://www.youtube.com/watch?v=3j–47DIu1E
Anterior referência a Harry Ore (actuação em 3-03-1929 no Teatro D. Pedro V) em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/03/03/noticia-de-3-de-marco-de-1929-concerto-no-teatro-d-pedro-v/

No dia 3 de Março de 1929, realizou-se um concerto no Teatro D. Pedro V, com o seguinte programa: pianista Harry Ore; (1) director da Banda Municipal, Sr. Constâncio José da Silva; (2) mezzo-soprano Mrs R. Sanger de  Hong Kong.(3)
Nessa mesma data e no mesmo Teatro,  o Padre Teixeira em (4), pág. 32, refere:
“Uma companhia italiana representou a ópera Carmen, com o mezzo-soprano Agozzino, (5) o tenor Giovanni (6) e o barítono Casarosa (7)”.
(1) Sobre Harry Ore, distinto pianista, irei publicar uma postagem em Abril.
(2) Nesta data, 1929, Constâncio José da Silva era director musical e regente da Banda da Polícia. Foi nomeado pelo  Governador Tamagnini Barbosa (Portaria 192, de 27 de Agosto), para director musical e regente da Banda da Polícia em 1927, ano em que foi criada esta a banda. (JORGE, Cecília; COELHO, Rogério  Beltrão  – Roque Choi, Um Homem dois sistemas, 2015, p. 22).
Quanto à Banda Municipal, em 6 de Julho de 1919, a Comissão Administrativa do “Leal Senado da Câmara de Macau (…) no intuito de melhorar a Banda Municipal, de modo a ser de algum proveito para o publico, resolveu nomear  Constâncio José da Silva para se encarregar da remodelação e regência da dita Banda” , mas as condições colocadas por Constâncio não agradaram à Comissão Administrativa que optou por contratar Alessio Benis, director musical do circo italiano “Bostock” que se encontrava na região. (JORGE, Cecília; COELHO, Rogério  Beltrão  – Roque Choi, Um Homem dois sistemas, 2015, p. 21)
Deixarei para uma próxima postagem, uma abordagem a este advogado e jornalista, Constâncio José da Silva que nasceu em Macau, na freguesia da Sé em 8 de Janeiro de 1864 e faleceu em Shanghai em 1947.
(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997.
(4) TEIXEIRA, Pe. Manuel – O Teatro D. Pedro V, 1971.
Rina Agozzino(5) Rina Agozzino (Mezzo-Soprano) (Summonte/Avellino 1888- ?). Actuou até 1939.
She was born in Sicily and later she moved to Neaples where she studied with Massimino Petrilli. She made her debut in 1906 at Mercadante of Neaples as Lola in Cavalleria Rusticana. In 1914 she appeared at the Teatro Real in Madrid in ”Walkiria” of Wagner  with Ofelia Nieto, Guido Vaccari and Jose Segura-Tallien. In 1916 she sang in ‘’Favorita’’ at the Teatro Regio in Parma with Giuseppe Paganelli as Fernando and Edoardo Faticanti  as Alfonso XI.”
http://forgottenoperasingers.blogspot.pt/2011/08/rina-agozzino.html
No ano de 1929, Rina Agozzino fez um “tour” pelo Oriente actuando em Manila, Batavia, Singapura, Shanghai, Hong Kong, Macau e Tien- Tsin (Tianjin).

Giovanni Martinelli(6) Giovanni Martinelli (1885-1969), tenor italiano com vida artística de 1929-1962. Um dos mais famosos tenores do século XX tendo uma longa carreira no Metropolian Opera em Nova Iorque. Não encontrei registos que confirmem ser este “Giovanni”, o que actuou em Macau.

Giovanni Martinelli  (foto entre 1918-1928)
https://pt.wikipedia.org/wiki/Giovanni_Martinelli#/media/File:Giovanni_Martinelli3.jpg
(7) Giuseppe Casarosa, barítono italiano, actuações em Itália desde 1911 a 1942 com uma interrupção ente os anos 1927 a 1932, onde possivelmente terá feito actuações no estrangeiro nomeadamente no Oriente.
http://musicsack.com/TheatreYearEvents.cfm?TheatrePK=801000384&Year=1926