Archives for posts with tag: George Smirnoff

Continuação das aguarelas de George Vitalievich Smirnoff (1) de 194494 – 1945 que estavam no então Museu «Luís de Camões». (2)

Farol da Guia visto da Estrada de S. Francisco. Aguarela, 1945
Pavilhão e Lago do Jardim de Lou Lim loc. Aguarela, 1945
Macau visto do Hospital Conde de S. Januário. Aguarela, 1945
Palácio do Governo. Praia Grande. Aguarela, 1944.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-smirnoff/

(2) http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30026/1863

Continuação das aguarelas de George Vitalievich Smirnoff (1) de 1945 que estavam no então «Museu Luís de Camões». (2)

Travessa do Paiva. Aguarela, 1945

NOTA: Travessa do Paiva (3) começa entre a Rua Central e a Rua de S. Lourenço, quase em frente da Rua da Imprensa Nacional (4) e termina na Rua da Praia Grande, ao lado do Palácio do Governo.

Pátio Interior. Rua da Prata. Aguarela, 1945.

NOTA: Rua da Prata (5) começa na Rua de S. José, em frente da rua do Seminário e termina na Rua de S. Lourenço, ao lado da Rua da Imprensa Nacional

Trecho da Calçada do Monte. Aguarela, 1945,

NOTA: A Calçada do Monte começa na Rua de Pedro Nolasco da Silva, ao lado do edifício do Consulado de Portugal e termina junto à Fortaleza do Monte, na Rua dos Artilheiros.

Praça Lobo d’Ávila. Casas Tradicionais. Aguarela. 1945

NOTA: A Praça de Lobo de Avila (6), antigo largo do Chunambeiro, começa na Rua do Chunambeiro e na Rua da Praia do Bom Parto e termina na Rua da Praia Grande, à entrada da Calçada do Bom Jesus.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-smirnoff/

(2) http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30026/1863

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/travessa-do-paiva/

(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/rua-da-imprensa-nacional-rua-dos-prazeres/

(5) https://www.youtube.com/watch?v=g9QOFkjWlBg

(6) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/praca-lobo-de-avila/

Quadros com aguarelas de George Vitalievich Smirnoff (1) de 1945 que estavam no então Museu Luís de Camões. (2)

“Igreja de St° António”. Aguarela, 1945. 22,4 x 28.3 cm.
“Igreja do Seminário de S. José e Casario Chinês”. Aguarela, 1945. 28,6 x 22.6 cm
“Igreja da Penha Vista do Porto Interior”. Aguarela, 1945, 22,5 x 28,6 cm.
Igreja de St° Agostinho Vista da Calçada do Gamboa”. Aguarela, 1945. 29 x 25,5 cm
“Igreja de S. Domingos”. Aguarela, 1945, 28,5 x 22,5 cm.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-smirnoff/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/museu-luis-de-camoes http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30026/1863

Envelope (22 cm x 15,5 cm)
Envelope – verso

Dentro do envelope (22 cm x 15,5 cm), um postal (19,7cm x 15 cm) e um marcador de livro (19,7 cm 6 cm) com a mesma temática: quadro – aguarela sobre papel (9“ x 11“) – retrato de Cecília Yvanovich, pintado por George Smirnoff, em Macau, 1945. Emissão do Instituto Internacional de Macau em 2010.

Postal (19,7cm x 15 cm)
Postal – verso

Cecilia Yvanovich pintura de George Smirnoff
Exílios diferentes provocaram o encontro entre George Smirnoff e Cecilia Yvanovich, em 1945, em Macau. Desse acaso, e das mãos do pintor, saiu um dos poucos retratos produzidos poe ele, mais conhecido pelas aguarelas de cenas e paisagens de Macau. Retrato que a jovem modelo oferece, 66 anos depois a Macau, para que possa juntar às outras obras do mestre, no Território” (português, chinês e inglês)

Marcador (19,7 cm 6 cm)
Marcador -verso

(1) Nascido em Vladisvostock (Rússia) a 27 de Outubro de 1903, devido à revolução russa, vai com a mãe e uma tia, aos 12 anos, para Harbin (Manchúria) onde se forma, e trabalha como arquitecto-engenheiro, e onde projecta cerca de 200 casas e uma grande igreja. Continuava a pintar sendo autodidata e consegue sobreviver vendendo alguns quadros. Casamento em 1934 e em 1937, vai com a família para Tsingtao (Qingdao) norte de Shanghai, e em 1939, devido à ocupação japonesa, foge com a família para Hong Kong, onde retoma a sua profissão sobrevivendo com a pintura e fotografia. Em Dezembro de 1941 devido à invasão japonesa a Hong Kong, consegue em 1944 refugiar-se em Macau e aqui sobrevive dedicando-se à pintura, quer em aguarelas quer em desenhos de cenários para peças de teatrais, e ao ensino.

Grémio Militar e Quartel-General de S. Francisco, aguarela, 1945
http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30026/1863

O Governo de Macau através de Pedro José Lobo encomenda-lhe uma série de 63 aguarelas de cenas e paisagens de Macau. Fez a primeira exposição em Macau em Dezembro de 1945 no Colégio de S. Luís na Rua da Praia Grande, juntamente com os seus alunos. Após a guerra, regressou a Hong Kong onde se suicidou, por precipitação, em 1947. Está sepultado no Cemitério de Happy Valley. (2)
(2) Informações retiradas de SMIRNOFF, Irene – Biografia no Catálogo de Exposição “George Vitalievich Smirnoff”, edição do Leal Senado de Macau em Junho de 1985.

MILAGRE
EM CUMPRIMENTO DA ORDEM DA
Mesa da confraria da Nossa Senhora dos Remedios do dia 12 de Abril do anno de 1829, Eu, José Maria Marim presidente da mesma fiz copiar fielmente “de verbo ad verbum” o milagre que se acha escripto no livro do archivo da mesma abaixo se ve

Memoriai do milagre, que a favor d´esta cidade do Nome de Deos de   Macau obrou a veneravel e santa imagem de Nossa Senhora   dos Remedios na occasião de caristia de mantimentos, que   experimentaram os seus moradores, pela falta de chuvas.

Das memorias antigas, que alguns curiosos deixaram escriptas, e tambem das tradicções de varias pessoas, que foram testemunhas de vista, consta, que no anno de 1703, sendo Bispo d´esta cidade o Exmo. Sr. D. Joaõ do Cazal, houve uma grande carestia de arrôs causada pela falta de chuva, por cujo motivo mandou o mesmo Exmo. Sr Bispo  se fizessem nas Igrejas Preces Publicas para impetrar de Deos o remedio a tão grande necessidade. Na noite de 28 de Abril houve huma Procissão de Penitencia, que sahio da Igreja de Sm Francisco, e visitando as Igrejas da Sé, de S. Paulo, de S. Domingos, e Sto. Agostinho, se recolheo no sobredito Convento: no dia 30 houve outra, que sahioda Igreja de Sto. Agostinho para a Cathedral levando-se a Imagem do mesmo Santo e como continuasse ainda o flagello da Divina Justiça até 3 de Maio, determinou ultimamente o Sr. Bispo, que se recorresse ao Soberano Patrocínio da Mai Santíssima dos Remedios: tirou-se no mesmo dia de tarde da sua Capella sitta na Igreja de Sm. Lourenço a Veneravel Imagem e collocada reverentemente em Andôr foi levada em Procissão pelos Conegos da Sé, com assistencia do Exmo. Sr. Bispo, de todo o Corpo Ecclesiastico, e Povo desta Cidade até à Cathedral, onde ficou depositada; logo no dia immediato, que foi sexta-feira, se deo princípio à sua Novena, e nesse mesmo dia com geral consolação de toda a cidade, principiou a chover ainda que pouco, mas no dia seguinte choveu com maior abundancia, continuando deste modo por todos os mais dias até o ultimo da Novena, em que devia tornar para Sm. Lourenço a Santa e Veneravel Imagem.

SMIRNOFF - Vista lateral Igreja S. Lourenço 1944Fachada Lateral da Igreja de S. Lourenço (1944)
George Smirnoff

Ella foi reconduzida na tarde desse dia com toda a pompa e solemnidade para a dita Igreja, e collocada ultimamente com a devida veneração na sua Capella; alli se renderam a Deos solemnemente as graças pelo altissimo benefício,
que pela sua bondade infinita, recebeo esta Cidade pela intercessão da Mai Senhora dos Remedios. Este grande milagre assim como cauzou nos gentios a maior admiração e espanto, infundio tambem nos Christãos hum intimo reconhecimento ao benefíco de Deos e de sua S.S. Mai. Permitta o mesmo Sr. que se perpetue nos nossos corações este reconhecimento para sermos gratos ao Deos das Mizericordias, e à Mai N. S. dos Remedios.
Esta he a fiel rellação do sobredito Milagre, que se julgou muito importante conservar no Archivo desta Confraria para brazão da mesma, e de todos os Confrades, e por esta cauza mandou o Prezidente actual o Rmo. Chantre Joaquim Soares a mim Secretário, da dita Confraria, que o transcrevesse neste Livro ad perpetuam rei memoriam. Eu José Maria Marim Secretário que o escrevi.. Eu Secretario actual da mesma, que o fiz escrever, sobscrevi e assignei
                   ANTONIO DE SENNA                          J. MARIA MARIM

Eu Braz de Mello Secretario da Confraria de N. S. dos Remedios fiz extrahir a copia deste Milagre, para o imprimir, sem acrescentar, nem diminuir coisa alguma, que duvida taça; e em que se assignarão comigo o Irmão Presidente Manuel Duarte Bernardino, o Irmão Thesoureiro Carlos Vicente da Rocha, o Irmão Procurador Jozé Maria da Fonseca, e mais Irmãos Conselheiros
Macau, 17 de Abril de 1841.

O altar de N. Sra. dos Remédios na Igreja de S. Lourenço foi erecto em 1618 (o segundo mais antigo desta Igreja; o mais antigo é o altar de S. Lourenço, orago da Igreja que foi erecto, com a mesma), data em que foi também ali colocada a estátua da mesma Senhora A actual estátua de N. Sra. dos Remédios foi benzida e inaugurada no dia 10 de Abril de 1931.(1)
NOTA: sobre este “milagre”, de uma outra fonte de informação, ver anterior referência em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/03/noticia-de-3-de-maio-de-1703-procissao-de-penitencia/
(1) TEIXEIRA, Pe. Manuel – Paróquia de S. Lourenço, 1936, p. 4;  pp.10-11

Tendo sido transferido para o Convento de Sta. Clara a escola de meninas que funcionava no convento de Sto. Agostinho, desde 10-08-1846 (1), em 6 de Julho de 1857, foi este transformado em Hospital Militar até 1874, (2) ano em que foi construído o Hospital Conde de S. Januário (inaugurado a 6 de Janeiro de 1874). Depois “velho e desactivado“, o convento é convertido em Liceu Nacional de Macau (inaugurado em 18-09-1894) (3) e depois comprado por Artur Basto que o transformou em sua residência. Com a morte foi adquirido pela Companhia de Jesus e, sob o nome de Residência de Nossa Senhora de Fátima dos jesuítas ou “Vila Flor” (serve de casa de repouso aos jesuítas), junto à Igreja de Sto. Agostinho. (GOMES, Luís Gonzaga- Efemérides da História de Macau, 1954).

Chinnery Escadas de Sto Agostinho 1829Escadas que conduziam ao antigo Convento de Santo Agostinho
George Chinnery – 1829 (4)

(1) “O convento de Santo Agostinho foi fundado em fins de 1586 ou princípios de 1587, pelo agostinho espanhol Fr. Francisco Manrique, (os padres espanhóis pertenciam à Província Filipina) e foi entregue aos agostinhos portugueses em 22 de Agosto de 1589. (5) Encadeados nas múltiplas hipóteses da sua transferência, total ou parcial, para o sítio onde hoje existe, há manuscritos que nos afirmam ter-se mudado o local do convento para a Colina do Mato Mofino (onde hoje se encontra a residência de Nossa Senhora de Fátima dos jesuítas) em 1591. Outros dizem que só foram mudadas algumas portas e não todo o corpo do convento, por não se encontrar notícia nem vestígios do que se pretende dar por mais antigo.
Esta transferência, e até à fundação dos agostinhos em Macau, atribui-a Casimiro Cristóvão de Nazaré em «Mitras Lusitanas no Oriente», ao agostinho português Fr. Miguel dos Santos.
Em 1711, o Convento de s. Agostinho foi retirado aos seus frades por ordem do Vice – Rei D. Rodrigo da Costa, sob a acusação de serem afectos ao Cardeal de Tournon. Mas foi-lhes restituído em 1721.
Em 1834, com a expulsão e extinção de todas as ordens religiosas no Império Português, esta igreja foi confiscada pelo Governo de Macau e serviu-se de quartel militar (Batalhão de Primeira LInha), escola de meninas desde 10-08-1846   e hospital. No final do séc. XIX,, em 1873, o Governador de Macau devolveu a administração desta igreja à Confraria de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos.
O engenheiro Jerónimo Luna no relatório «Hospital Militar – no extinto convento de Santo Agostinho» refere as obras realizadas neste edifício:
«Neste hospital se fizeram primeiramente diferentes obras, de consertos, reparos e pinturas, e, ultimamente, fizeram-se as obras necessárias para o isolamento completo dos doentes, em relação à parte do edifício arruinado, pelo desmoronamento de parte da igreja. …» (6)
«…Este edifício, por ser velho e ter geralmente má construção, precisa constantemente de reparos.»” (7)
(2) A instalação do Hospital Militar que foi autorizada por portaria de 21 de Novembro de 1855, implicou alterações/adulterações da estrutura do edifício. O Hospital Militar ocupou as alas que conformavam o claustro e dispunha de sessenta e oito camas. Mesmo após 1874 após a transferência dos doentes para o Hospital Sam Januário, a tropa continuou no convento até 1893 (aquando da instalação do Liceu de Macau).( GOMES, L.G.- Efemérides da História de Macau, 1954).
3) “28-09-1894 – Foi inaugurado o Liceu Nacional de Macau, instalado no velho e desactivado Convento de Santo Agostinho (que acabou de ruir, sem causar danos pessoais) com uma simples visita do Governador Horta e Costa. Não se realizou nenhuma solenidade por a família real se encontrar de luto. .(GOMES, L.G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

SMIRNOFF Igreja Sto Agostinho 1944Fachada principal da Igreja de Santo Agostinho
George Smirnoff, 1944
O Convento ficava à direita (na foto) da Igreja

(4) Este desenho de Chinnery vem mencionado com este título nos catálogos das exposições, ambas em 1995 “Macau Uma Viagem Sentimental” e “Imagens de Macau Oitocentista“. Mas tem uma referência ao “Convento de S. Francisco”, embora interrogado, no catálogo da exposição em 1985 “George Chinnery – Macau“.
(5) “22-08-1589 – Tomarão posse os Religiosos de Stº Agostinho desta Cidade do Convento de N. S. da Graça que hoje possuem o qual foi fundado pelos Religiosos desta Ordem vindos de Filipinas …” (BRAGA, Jack M. – A Voz do Passado, 1964).
(6) “Isto escrevia-se depois do grande incêndio de 1872, que destruiu a capela‐mor, a sacristia e várias outras dependências e que nos faz crer que essa parte do convento, já não alinhava com o bloco da igreja, pois era considerada dependência militar, e , posteriormente, passou a pertencer a particulares.” (7)
(7) ” A Colina de Santo Agostinho e o seu Convento”, sem indicação de autor in . MACAU, Boletim Informativo, 1956.
Anteriores referências ao Convento de Santo Agostinho:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/convento-de-s-agostinho/
Ver ainda «NOTÍCIAS – QUEDA DO TECTO DA IGREJA DE SANTO AGOSTINHO» em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/27/noticias-queda-do-tecto-da-igreja-de-santo-agostinho/