Archives for posts with tag: Fragata D. Maria II

Poesia de F. M. Bordalo, (1) de 20 de Novembro de 1845, intitulada “IMPROVISO” publicada originalmente na «Revista Universal Lisbonense, Jornal dos Interesses Phisicos, Moraes e Intellectuaes» (2) e posteriormente em 1851, aquando da estadia de Francisdo Maria Bordalo em Macau, no  «Boletim do Governo». (3)
.O “Improviso” foi composto a bordo da corveta D. João I, onde o poeta estava a caminho do Brasil em comissão de serviço, no momento em que a corveta se encontrava encalhada no banco de Ortis, no Rio da Prata (separação do Uruguai com a Argentina)
(1) Francisco Maria Bordalo (1821-1861), oficial da armada (promovido a capitão-tenente da armada em 1859), escritor, romancista, dramaturgo,folhetinista e colaborador em várias revistas portuguesas da época, Esteve em Macau de 1849 a 1852 quando era tenente, exercendo o cargo de secretário do governo de Macau.
Irmão do tenente Luís Maria Bordalo, falecido em 29 de Outubro de 1850, na explosão da fragata D. Maria II e a quem dedicou o romance “Sansão na vingança“(4)
É também autor de “Trinta anos de peregrinação -1821 a 1851 que foi publicado em fascículos por vários números no «Boletim de Governo» de 1851.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Maria_Bordalo
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-maria-bordalo/er
(2) «Revista Universal Lisbonense, Jornal dos Interesses Phisicos, Moraes e Intellectuaes», redigido por José Maria da Silva Real , Tomo VI, Anno de 1846-1847, pp. 202-203.
(3) Extraído do «Boletim do Governo da Província de Macao, Timor e Solor», Vol 6, n.º 50  de 1 de Novembro de 1851
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/06/08/leitura-sansao-na-vinganca/

Em princípios de 1854, andava na costa da China nas imediações da cidade de Neng-Pó (Ningbo-寧波) (1) onde tinha a sua base, um pirata chamado Apak, que gozava de impunidade absoluta pois os mandarins nada podiam (ou não queriam pois toleravam a situação mediante a irresistível peita) fazer perante uma esquadra constituída por um junco Haipó (barco caranguejo) de grandes dimensões, armado com 32 peças (2) e por outras seis velozes taumões (T´au mang – cabeça violenta – barco com 3 mastros para transporte de carga) mais pequenos e tripulados por aguerridos piratas. A esquadra surpreendia desprevenidamente no alto mar e longe da terra os juncos mercantes cumulados de valiosas fazendas ou aqueles como as lorchas mercantes portuguesas de Macau que transportavam carregamentos mais preciosos.
Para evitar os constantes ataques e pilhagens com prejuízos à navegação e ao comércio de Macau, o Governador de Macau, Isidoro Francisco Guimarães mandou a corveta D. João I, (3) partir de Macau, em 14 de Maio de 1854, com destino ao porto de Neng Pó, fazendo escala por Hong Kong e Amoy. Entrou em Hong Kong no dia seguinte e largou a 17 para Amoy.
Fundeou diante da cidade de Neng Pó a 22 de Junho. Dois dias depois da chegada, o comandante e os restantes oficiais envergando uniforme de gala apresentaram cumprimentos ao Tau-tai (mandarim de Neng Pó), visita que foi retribuída, no dia 28 sendo, nessa ocasião, a autoridade chinesa saudada, tanto à entrada como a saída da corveta, com uma salva de três tiros, de conformidade com a pragmática do país.
E quatro dias mais tarde, tiveram início as negociações com as autoridades locais (acompanhava a delegação macaense, o sinólogo macaense João Rodrigues Gonçalves) pois a missão do comandante Craveiro Lopes era exigir das autoridades competentes uma satisfação oficial e se possível uma adequada indemnização pecuniária pelos danos causados ao comércio português, negociações essas que falharam quanto à indemnização pedida.
A 6 de Julho, a corveta fundeou na boca de um afluente do rio Iông (4), entre Neng Pó e Com-Po, onde estavam os barcos dos piratas, alinhados junto à terra. Juntou-se à corveta, dezanove lorchas de Macau que já se encontravam em Neng Po.
Ao amanhecer do dia 10 um taumão tentou evadir-se saindo do rio sendo impedido. Pelas 9.00 hora tendo recebido um oficio do vice-cônsul inglês, que foi informado pelo da decisão portuguesa de responder a qualquer represália,  o comandante da corveta capitão-de-fragata Carlos Craveiro Lopes (5) reuniu o conselho de oficiais, ficando resolvido fazer-se fogo contra os barcos piratas, no caso deles continuarem a não obedecer às suas intimações. Pelas 11 horas silvou uma bala por entre os mastros da corveta, tendo Craveiro Lopes içado a bandeira nacional no tope do mastro da gata da corveta – sinal combinado com as 19 lorchas para romper o fogo – e consequentemente lançaram ferro e fogo sobre os taumões estabelecendo o pânico entre os piratas que abandonaram precipitamente os seus barcos, deixando além dos estragos, os mortos e feridos. As equipagens da corveta e das lorchas devidamente armadas, não perderam tempo em se meterem nos seus escaleres, para se lançarem à abordagem dos taumões que se encontravam sem viva alma mas atestados de riquíssimo despojos – uma enorme quantidade e variedade de armas brancas e de fogo, caixas de bolas de ópio, riquíssimas cabaias de delicadíssimo brocado, muito delas bordadas a primor, figuras de marfim, barro e madeira, charões, vasos, porcelana, (“sendo tudo escaqueirado”, segundo Padre Teixeira). A artilharia foi recolhida a bordo da corveta, excepto aquela que era demasiado grande e pesada, que foi lançado ao mar.
Seis dos juncos dos piratas encontravam-se em mau estado pelo que Craveiro Lopes resolveu mandá-los afundar no próprio local depois de terem sido inutilizadas as peças A este combate puseram os marinheiros portugueses o nome de «combate das cabaias»
As negociações com as autoridades chinesas continuaram até finais de Julho, acabando aquela por satisfazer toas as exigências incluindo o pagamento de uma indeminização de 3 000 pesos. No dia 11 de Agosto foram afixados editais por parte do Governo da China e do Cônsul Português em Neng Po, Francisco Marques, com as declarações que a questão com os portugueses se achava terminada e que entre as duas Nações continuavam a existir as antigas relações de comércio e amizade.
Todos os membros da guarnição na corveta tiveram direito ao seguinte averbamento nas suas notas de assentamento «Ataque e aprisionamento pela corveta D. João I das forças navais do pirata Apak, no rio Yung-Kiong, em 10 de Julho de 1854»
(1) Neng Pó ou Ning Pó actual Ningbo (寧波) (Meng-Tchau como era conhecida na dinastia Meng) e o Porto de Neng Po, (Port of Ningbo-Zhoushan 宁波舟山港) ficam na Província de Zhejiang (Chekiam / Tchit-Kóng), no norte da China. Para o norte, a baía de Hangzhou separa Ningbo de Xangai; a leste fica Zhoushan no Mar da China Oriental; no oeste e no sul, Ningbo faz fronteira com Shaoxing e Taizhou, respectivamente.
A cidade de Ningpo foi identificada, erradamente, como a famosa Liampó citada por Fernão Mendes Pinto e João de Barros No entanto, hoje, segundo investigadores, identifica Liampó com a actual Zhenhai (鎮海 – Tchân-Hói), na embocadura do rio Iông (Yung) – um distrito municipal em Ningpo.
Ver:
https://en.wikipedia.org/wiki/Ningbo
https://en.wikipedia.org/wiki/Zhenhai_District
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/11/04/noticia-de-4-de-novembro-de-1843-conferencia-luso-chinesa-em-cantao/
(2) Algumas das peças faziam parte do armamento da malograda fragata D. Maria II, que no dia 19 de Outubro de 1850, teve uma explosão na Ilha da Taipa.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
(3) A corveta D. João I largou de Lisboa a 6 de Outubro de 1853 sob o comando do capitão-de-fragata Carlos Craveiro Lopes para a segunda comissão na estação naval de Macau, fazendo escala pelo Cabo de Boa Esperança e Timor. Veio como imediato do navio o 1.º tenente Joaquim de Fraga Pery de Linde e faziam quartos os tenentes Zeferino Teixeira, João António da Silva Costa, José Maria da Fonseca e João Eduardo Scarnichia. O médico era Faustino José Cabral.
Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/20/leitura-a-corveta-d-joao-i-e-o-ultramar-portugues/
4) Rio Yong – 甬江, um dos principais rios da China localizado em Ningbo. Formado pela convergência de dois rios rio Fenghua e rio Yao.
(5) Carlos Craveiro Lopes (1807 – 1865) militar português.. Ver biografia em:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Craveiro_Lopes
Informações recolhidas de
GOMES, Luís Gonzaga – Páginas da História de Macau, 2010.
MONTEIRO, Saturnino – Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol VIII (1808-1975), 1997, pp 109-110.
TEIXEIRA, Mons. Manuel – Marinheiros Ilustres Relacionados com Macau, 1988, p.91.

Acerca da explosão da fragata «D. Maria II»,já descrita em anteriores postagens, (1) no dia 19 de Outubro de 1850, na Ilha da Taipa, a «Revista Universal Lisbonense» de Portugal,  no dia 2 de Janeiro de 1951 (2) publicava o seguinte:
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
(2) «Revista Universal Lisbonense» n.º 17, 1851.

“No dia 14 de Fevereiro de 1851, saiu para Goa a corveta Iris, (1) para ir fazer concerto geral do lume de água para cima, e conduziu algumas praças inválidas. O segundo-tenente Celestino (2) que pertencera à guarnição da fragata D. Maria II (3) foi nesta corveta. Este indivíduo é notável na marinha portuguesa, e talvez em toda a nação, pela sua extraordinária obesidade, e pelo muito que bebe; no tempo em que esteve mais gordo pesou 14 arrobas e 7 arráteis.(4) 
Não é excessivo em comer, mas bebe extraordinariamente. Está nos seus 38 anos e já se diz um bebedor decadente, uma barcaça arruinada. No seu tempo dourado, como ele diz, enxugava 18 garrafas de vinho de meia canada (5) a uma comida, mas hoje declara que qualquer meio almude (5) lhe faz dar a borda. Nunca porém tomou bebedeira completa, ou encalhou o espírito, na frase dele. Viu-se-lhe numa ocasião beber 4 copos a fio, cheios com a genebra (6) contida em duas botijas de Holanda. (7) 
É um homem muito engraçado, e apesar da sua gordura é ligeiro, e trepa pelas enxárcias. (8) 
Falando desta circunstâncias, por serem raras, estamos certos que não ofendemos o tenente Celestino, porque conhecemos o seu carácter folgazão, sendo ele o próprio que a todos as declara, e sobre elas graceja.” (9)
(1) Corveta “Íris” construída em Lisboa, concluída em 1845, de 35 m de comprimento e com 24 peças. Em Fevereiro de 1850, largou do Rio de Janeiro para a Estação Naval de Macau. Em Fevereiro de 1851, largou de Macau para a Estação de Goa para receber fabricos. Foi desmanchada em 1853 por inútil.
corveta-irishttps://arquivohistorico.marinha.pt/details?id=2817
Revista Universal Lisbonense redigido por António Feliciano de Castilho Tomo III ANNO DE 1843 -1844.
https://books.google.pt/books?id=9Q4XAAAAYAAJ&pg=PR5&lpg=PR5&dq=Corveta+
(2) O Segundo Tenente, João Maria Celestino (e não “Celestiniano” como refere Padre Teixeira em «Os Militares em Macau», 1975) da guarnição da Fragata D. Maria II foi o oficial (e único) mais graduado que escapou à explosão pois estava destacado na Vila da Taipa, não se encontrando na fragata na altura da explosão.
A tragédia – Explosão da Fragata D. Maria II – ocorreu na Taipa a 29 de Outubro de 1850. A guarnição de 224 praças apenas dela restou 36 tendo perecido 188.
João Maria Celestino vem referenciado no «Livro Mestre do Corpo da Armada Real – Volume IV» como Primeiro-tenente. (https://arquivohistorico.marinha.pt/details?id=9039)
segundo-tenente-joao-maria-celestinoRepartição da Marinha e do Ultramar,. Disposições Governativas. Secção de Marinha N.º 144- Quartel General da Marinha 30 de Junho de 1846.
https://books.google.pt/books?id=aQQ5AQAAIAAJ&pg=RA1-PA28&lpg=RA1-
taipa-sepulturas-vitimas-d-maria-iiFONTE: Sepultura das vítimas da exposição da fragata D. Maria II na bahia de D. João
Autor: não identificado; Data: ?
IICT/Cartografia; Centro de Documentação e Informação; Centro de História do Instituto de Investigação Cientifica Tropical, Lisboa Portugal
http://actd.iict.pt/view/actd:AHUD5094
(3) Sobre este assunto:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
(4) Arroba – Unidade de medida equivalente a 14,69 kg.
Arratel – antigo pêso de 16 onças que equivale aos 459 gramas.
(5) Canada – Antiga medida de líquidos que era a 12ª parte do almude.
Almude antiga medida de capacidade correspondente às 12 canadas, cerca de 32 litros.
(6) Genebra – Licor espirituoso feito de aguardente e bagas de zimbro.
(7) Botija ou garrafa de grés destinado a bebidas alcoólicas, principalmente genebra.
(8) Enxárcias – conjunto de todos os cabos de um navio que seguram os mastros e mastaréus.
https://www.priberam.pt/dlpo/genebra 
(9) CALDEIRA, Carlos José – Macau em 1850. Crónica de Viagem. Quetzal Editores, 1997.

Pouco dias antes da fatalidade, explosão da fragata “D. Maria II, no dia 29 de Outubro de 1850, (1) o tenente Luiz Maria Bordalo, uma das vítimas, compôs uma sentida e maviosa poesia (nela um vago pressentimento do destino que o esperava) (2) no dia 20 de Outubro de 1850, que foi publicada postumamente numa Revista Estrangeira.

Viver é gozar – um dia
Também eu vivi, oh! sim!
Como é doce a fantasia,
Sonhar contigo, oh Malim!
Lembras-te? … a flor perfumada,
Às mãos d´ella desfolhada,
E depois lançada ao mar?
Do poeta cifraste a sina,
Como essa flôr, Guilhermina,
Devem meus dias findar.

Onde Camões desterrado
Seu tão triste amor carpira
Vivo eu pobre, eu deslembrado,
Sem ter como elle uma lyra:
Oh! Quem china antes nascêra,
Na minha Lorcha eu vivera
Com velas de esteira fina;
Que lhe importa ao china a terra,
Se tudo qu´elle ama, encerra
A Lorcha dum pobre china?

Oh deusa! … tu, que no céu
Trazes cortejo de estrelas,
Que quando assomas sem véu,
Tanto semelhas às bellas;
Faze tu, casta deidade,
Que a pura ingenua amizade,
Que esses dois anjos estreita,
Seja eterna, como as plagas,
Onde vem quebrar-se as vagas,
Quando a tormenta é desfeita.

Mas se esta canção magoada,
Por vós, ó anjos, fôr lida,
Se por ella recordada,
Fôr do nauta a pobre vida;
Se em meio de alegre dança.
Surgir d´elle uma lembrança …
Oh! Fazei que uma saudade,
Busque ao triste ode elle arquêja,
Venha oh! Venha! … inda que seja
Nas azas da tempestade!.

Macau, 20 de Outubro de 1850
L. M. Bordallo (3)

explosao-da-fragata-d-maria-ii-em-1850-ihttp://www.acessibilidade.gov.pt/accessmonitor/dir/see/?cD0yfG89aW1nfHM9MzI3<

(1) A guarnição da D. Maria II compunha-se de 224 praças, das quais pereceram 188, salvando-se apenas 36 , que estavam em terra, doentes ou destacados e um grumete o único que sobreviveu entre os feridos que foram transportados ao hospital de Macau. Apenas foram enterrados 71 corpos; os outros desapareceram. Entre os mortos contam-se o comandante capitão-tenente, Francisco d´Assis e Silva (o corpo só foi encontrado no dia 31); os 2.ºs tenentes Plácido José de Sousa, Luís Maria Bordalo, Francisco Xavier Teles de Melo, Francisco Xavier Teles de Melo, Francisco Cipriano soa Santos Raposo, o tenente Mouro Samgi, o guarda-marinha João Bernardo das Silva, o 2.º cirurgião José Maria Lucas d´Aguiar e o comissário Manuel Marques. Entre os mortos, além da guarnição, contavam-se três marinheiros franceses presos, e uns 40 chineses que estavam a bordo ou em embarcações próximas. (3)
A fragata “D. Maria II” era um navio mercante “Ásia”, comprado em Inglaterra em 1831 e transformado em fragata no ano de 1832. A grande explosão deu-se no paiol que continha 300 barris de pólvora, e teria sido causada de propósito ou descuido pelo fiel da artilharia.

explosao-da-fragata-d-maria-ii-em-1850-ii“Explosão da Fragata D.ª Maria 2.ª  em Macao no anno de 1850”
Autor desconhecido de origem chinesa. (4)

Foi iniciativa do comendador Lourenço Marques mandar retirar do fundo do porto da Taipa o casco da fragata «D. Maria II» e algum tesouro, tendo sido o casco vendido por algumas mil patacas em benefício do erário público.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/12/14/noticia-de-14-de-dezembro-de-1902-falecimento-do-comenda-dor-lourenco-marques/
Outras referências a esta fragata:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
Aconselho visualização do vídeo “Explosão da Fragata D. Maria II”, de João Guedes, publicado a 19/01/2014 e artigo “Macau 1850: O mistério do maior desastre naval ultramarino português dos últimos duzentos anos”, do mesmo autor em:
https://www.youtube.com/watch?v=phN-7MWn39Q
https://temposdoriente.wordpress.com/2011/03/06/macau-1850-o-misterio-do-maior-desastre-naval-ultramarino-portugues-dos-ultimos-duzentos-anos-01-marco-11/
(2) “Virá aqui a propósito referir outra extraordinária coincidência relativa ao mesmo acidente:
Pela mala chegada em Outubro, recebeu o 2.º tenente Luís Maria Bordalo, uma carta de Lisboa do seu irmão Francisco Maria Bordalo (5) em que lhe dizia que em Lisboa corria a notícia, de ter voado com uma explosão a fragata «D. Maria II», carta essa que Luís Maria Bordalo mostrou a alguns dos seus camaradas. É extraordinário que tenha sido falado em Lisboa dum acontecimento que só viria a acontecer dali a dois meses e a 3600 léguas de distância” (3)
(3) Transcrito de TEIXEIRA, Padre Manuel – Taipa e Coloane, 1981.
(4) https://www.google.com/culturalinstitute/beta/u/0/asset/the-explosion-of-the-frigate-dona-maria-ii-off-taipa-island-macau/LwEeQsqGGH7xTQ
(5) Francisco Maria Bordalo (1821-1861) irmão de Luís Maria Bordalo, oficial da armada (promovido a capitão-tenente da armada em 1859), escritor, dramaturgo e colaborador em várias revistas portuguesas, também esteve em Macau de 1849 a 1852 quando era tenente, exercendo o cargo de secretário do governo de Macau. Publicaria em 1854 uma novela, baseada na tragédia da fragata D. Maria II, ocorrida a 29 de Outubro de 1850.  O protagonista Luís Osório seria o seu irmão Luís Maria Bordalo (morto na explosão) e todos os outros nomes (idênticos aos da vida real) correspondiam a tripulantes da fragata, mortos ou não na explosão. Ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/06/08/leitura-sansao-na-vinganca/
NOTA:Luís Maria Bordalo (1814-1850) promovido de guarda marinha a 2.º tenente em 26 de Novembro de 1840 publicou um drama original em 4 actos: “O Judeu” em 1843.

19-02-1852 – Concluído o fortim novo, sobranceiro à Praia de Cacilhas, tomou este o nome de D. Maria II, (1) segundo a «Ordem à Força Armada n.º 9» que por este motivo, ordenou o desmantelamento do Forte de Mong-Há, por se encontrar em ruínas e desnecessário, em virtude da construção do novo fortim.” (2)
No entanto, o Forte de Mong Há foi reconstruído e reactivado mais tarde. (3)

Ta-Ssi Yang-Kuo Fortim de D. Maria II (1899)FORTALEZA DE D. MARIA 2.ª E LAZARETO
Photograv. de P. Marinho, segundo uma photographia do sr. Carlos Cabral (1899)
(Ta-Ssi Yang-Kuo, Vol. I/II)

De acordo com a ordem n.º 19 do quartel General Militar, de 17 de Fevereiro de 1852, este forte foi ocupado militarmente, nessa data com a intenção de substituir o forte de Mong-Ha, apesar da localização deste último ser de longe superior. Foi edificado sob a direcção do oficial engenheiro Major António de Azevedo e Cunha. (1)
Em 1872, na Fortaleza de D. Maria 2.ª, «fizeram-se nesta fortaleza todos os concertos e reparos de que precizamos; nas muralhas, no terrapleno; no quartel do destacamento; no paiol; e na ponte levadiça junto da entrada, fazendo-se de novo para esta, um molinete» (4)

FORTIM DE D. MARIA II 2015Portal da entrada do Forte de D.Maria II /馬交石炮台 como está actualmente, vendo-se o local onde estava a ponte levadiça. Observar o parapeito saliente, onde se encontram ameias que serviam para o defesa do portal de entrada.
(Foto de https://pt.wikipedia.org/wiki/Fortifica%C3%A7%C3%B5es_de_Macau)

O forte de D. Maria II, bem como o de Mong Há e o  da Taipa são as últimas fortalezas  construídas pelos portugueses em Macau (todas já do século XIX) e têm uma função  diferente das primitivas Já não serviam para se defenderem dos ataques dos estrangeiros e piratas mas para defenderem de eventuais ataques vindas do continente chinês, após o trágico assassinato de Ferreira de Amaral
A casamata deste forte foi destruída por uma bomba durante o bombardeamento americano a Macau em 16 de Janeiro de 1943. (5)

MACAU PASSADO E PRESENTE 1907-1999 Colina , Forte de D. Maria IIFORTE DE D. MARIA II no topo,  o LAZARETO mais abaixo e a antiga Estrada de D. Maria II.
Foto de Man Fook (1907) (6)

O Fortim está classificada como património arquitectónico, paisagístico e cultural desde 1984 e mantido sempre este estatuto nas sucessivas revogações, a última em 2013 (Lei n.º 11/2013 da RAEM de 22 de Agosto – Lei de Salvaguarda do Património Cultural).
Hoje recuperado, no entanto, não é visitável o seu interior; o parque que o rodeia é um lugar aprazível com uma boa vista para o reservatório  e o Porto Exterior.
馬交石炮台- mandarim pinyn: mǎ jiāo dàn bāo tái; cantonense jyutping: maa5 gaau1 daam3 baau1 toi4.
(1) “Este forte está localizado no cume da colina de D. Maria II, com uma altitude de 47 metros, a dominar a baía de Cacilhas e o Istmo da Península de Macau. Objectivo: apesar da sua posição estratégica ser inferior, foi construído para substituir o forte de Mong-Ha. Mais tarde  a sua missão principal foi a de reforçar e fornecer fogo de cobertura ao forte de Mong-Ha e, assim, funcionava como posição auxiliar. Tinha também a função de cobrir a Baía de Cacilhas afim de proteger as suas margens. Por isso, a sua única arma era rotativa num arco de 360.º. Apesar de tudo, este forte nunca deve ter sido muito eficiente.”
GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau , Concepção e História, 198?
(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(3) “Os trabalhos de fortificações na colina de Mong-Ha foram iniciados pelo Governador Ferreira do Amaral em 1849 como uma medida preventiva de defesa contra uma temida invasão chinesa, mas não foram concluídas devido ao seu assassinato.”  Foram retomados em 1850, mas em 1852 estavam praticamente reduzidas a ruínas. Em 1864  foi reconstruído o forte  por ordem do Governador Coelho do Amaral e ficou concluído em 1866.”(1)
Carlos José Caldeira a propósito da visita do Governador Francisco António Gonçalves Cardoso (chegou a Macau 26-01-1851 e tomada de posse a 3-02-1851) às fortalezas de Macau: « Em todas as fortalezas poucas peças estavam em estado de fazer fogo e não continuado; no já quasi desmoronado forte de Mohá (feito haveria pouco mais de um anno) n´um dos canhões principais, dirigido sobre a Porta do Cerco, no ouvido faziam as lagartixas seu sossegado ninho; as poucas munições estavam fechadas num caixão do qual se perdera a chave havia tempos, etc, etc, etc… Sirva isto só de dar idêa de todas outras misérias. E, no entanto que faziam os governadores de fortalezas, e o major de engenheiros, todos com denominações alti-sonantes, e bons soldos gratificações?. Tratavam das suas hortas, ou passavam vida airada e folgasã…
O major  de engenheiros, mandado de Portugal pelo Egipto com avultada despesa, recebia mensalmente em Macau 116 patacas»
CALDEIRA, Carlos José – Apontamentos d´uma viagem de Lisboa à China e da China a Lisboa , 1852.
(4) Relatório o Director das Obras Públicas, Ten-Cor. Francisco Jerónimo Luna, relativo a 1871-1872 in TEIXEIRA, Pe. Manuel – Os Militares em Macau, 1975.
(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/01/16/noticia-de-16-de-janeiro-de-1945-bombarde-amentos-em-macau/
(6) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/05/01/noticia-de-1-de-maio-de-1911-epidemia-de-peste-bubonica/
Referências anteriores a este fortim:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza-de-d-maria-ii/

No dia 14 de Dezembro de 1902, com 91 anos, faleceu em Macau o Comendador Lourenço Marques. (1) Um dos traços perene da sua passagem pela vida é o Monumento da Vitória (contra os holandeses, 1622), que mandou erguer. Quando Procurador dos Negócios Sínicos e membro do Conselho do Governo, mandou colocar letreiros com os nomes das ruas e os números das casas (já o Governador Ferreira do Amaral, em 23-II-1847, havia mandado dar o nome às ruas e números das casas; propôs que criassem as fontes de rendimentos nas ilhas da Taipa e Coloane que não o tinham). A ele se deve a indicação, por meio de sinais o incêndio e a aproximação de tufões, por sinais públicos, de tufão próximo. A 1.ª iluminação pública de Macau foi da sua iniciativa, fazendo colocar à sua custa – lanternas à frente do Leal Senado e do Palácio do Governo – foi da sua iniciativa e à sua custa. Foi também Procurador do Senado e seu Presidente (1871-72). Foi ele ainda que, igualmente à sua custa, mandou fundir em bronze, no Arsenal de Lisboa, o busto do poeta português Luiz de Camões 1866, para depois o colocar na gruta onde hoje o vemos.
SILVA, Beatriz Basto e – Cronologia da História de Macau, 4.º Volume.

Jardim de Camões AGU c.1950

Jardim de Camões c. 1950

Outros cargos exercidos e contribuições para o benefício da cidade realizadas pelo Comendador:
1839 – Juiz almotacel do Leal Senado da Câmara.
1846 – Juiz substituto de paz das freguesias da Sé e de S.º António; 13 de Dezembro – procurador da Câmara. Cooperou neste ano na formação do Batalhão Provisório de Macau oferecendo ele a bandeira a esse corpo. Em 1847 era Tenente da segunda Companhia; Capitão da mesma companhia em 1850 e mandou construir uma barraca para o aquartelamento da 2.ª companhia de que era capitão das tropas.
1847 – Como membro do Conselho do Governo e Procurador dos Negócios Sínicos, mandou iluminar a cidade e numerar as casas e por nomes às ruas.
Fez parte de uma comissão (2) com o fim de promover uma subscrição voluntaria para levar a efeito um plano de educação, fundo com que se organizou a Escola Principal de Instrução Primária inaugurada em 16 de Junho de 1847. Ofereceu a esta Escola o mobiliário.
1851-1856 e de 1859-a 1861 – Procurador do Leal Senado.
No desastroso incêndio do Bazar em 1856 vendo que na cidade não havia bombas nem bombeiros em estado de poderem funcionar, solicitou-as ao almirante Guerin, e este prontamente mandou três acompanhadas de uma força de 300 homens desembarcados dos vasos de guerra «Glorie», «Ergon» e «Constantine» e devido a tão valioso auxílio é que se conseguiu extinguir esse pavoroso incêndio.
Foi sua iniciativa mandar retirar do fundo do porto da Taipa o casco da fragata «D. Maria II» e algum tesouro, tendo sido o casco vendido por algumas mil patacas em benefício do erário público
1864 – Propôs que se erigisse o Monumento da Vitória e inaugurou-a como Presidente do Leal Senado em 26 de Março de 1871.
1862 – Comendador da Ordem de Cristo a 30 de Janeiro.
1865 – Vice-presidente do Leal Senado.
1869 – Procurador substituto interino dos Negócios Sínicos.

Há um Pátio Lourenço Marques na Toponímia de Macau que fica junto à antiga casa do ópio, indo desembocar na Avenida Almirante Sérgio.

(1) Nasceu a 7 de Agosto de 1811 (baptizado a 14 de Agosto do mesmo ano, na Igreja de Lourenço), Lourenço Caetano (nasceu no dia de S. Caetano) Cortela Marques.
Casou a 7 de Agosto de 1838 (precisamente no dia em que completava 27 anos) com a sua prima Maria Ana Josefa Pereira (nascida a 21 de Abril de 1825, portanto contava apenas 13 anos de idade. Consta-se até que, quando ela teve o primeiro filho (nascido a 27 de Setembro de 1852) fazia-se mister andar a chamá-la constantemente para dar o peito à criança, pois ela – pouco menos que criança- se entretinha a brincar no jardim com outras meninas de idade… (TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século XIX, 1942)
(2) Composta por Cónego António José Vítor Dias de Lima, Alexandrino António de Melo, Vicente Paulo Salatwichy Pitter e João Joaquim dos Remédios.

Romance de Marta Curto publicado em 2009 (1) (2).
É um romance que se lê muito bem, uma história de amor entre episódios históricos de Macau, com o desfecho na era actual.
Amor no Rio das Pérolas CAPA

Sinopse (na contra-capa)
No dia 29 de Outubro de 1850, Macau é abalada por uma forte explosão (3). No porto da Taipa no lugar onde antes estava fundeada a fragata D. Maria II, vinda de Goa para vingar a morte do governador Ferreira do Amaral às mãos dos chineses, apenas se vislumbravam os restos  do casco de um navio incendiado. Em terra, acompanhado de poucos marinheiros, o filho do comandante Francisco d´Assis e Silva sobrevive e assiste à tragédia. Com apenas cinco anos vê-se órfão numa terra estranha. No mesmo ano, uma menina de poucos meses é abandonada à sua sorte na Roda da Santa Casa da Misericórdia de Macau. Receberá o nome de Vitória e o destino fará com que se encontrem anos depois.
Em Junho de 2009, Wai vive emparedado nas regras da tradicional cultura chinesa, entre os desejos do pai e o vazio que vislumbra para o seu futuro. Sofia sente-se encurralada entre Portugal, que já não conhece, e Macau, lugar onde nasceu que vê como a sua terra apesar da ascendência portuguesa. Uma visita à capela da Guia fá-la descobrir o diário onde é revelada a história de Francisco e Vitória, pela qual se encanta de imediato levando-a a sonhar com o amor.
Serão precisos mais de 150 anos para as vidas de todas estas personagens se cruzarem no tempo. Histórias feitas de encontros e desencontros, de amores proibidos, de amores que ainda nem se sabe que virão. Um livro que nos faz viajar entre a Macau do século XIX e a de hoje, dez anos depois de Portugal ter abandonado a administração do território, fazendo-nos descobrir uma nova realidade desconhecida para a maioria dos portugueses.
Amor no Rio das Pérolas CONTRACAPA

NOTA:
O rio das Pérolas (珠江 mandarim pinyin: Zhū Jiāng; cantonense jyutping: zyu1 gong1) é o rio localizado no sul da China, sendo o terceiro rio chinês em comprimento (depois do Yangtzé e do rio Amarelo) e o segundo em caudal (depois do Yangtzé). Atravessa as províncias de Guangdong, Guangxi, Yunnan e Guizhou e parte de Hunan e Jiangxi, desaguando no mar do Sul da China. É formado pela convergência do Xi Jiang (“rio Ocidental”), do Bei Jiang (“rio Setentrional”) e do Dong Jiang (“rio Oriental”) (4) A sua bacia hidrográfica tem 409480 km² de área. No seu delta, localizam-se Macau e Hong Kong, duas cidades e portos de grande importância económica para a República Popular da China. Por isso, a foz do rio é uma região comercial e industrial muito importante e altamente movimentada, denominada muitas vezes de região do Delta do Rio das Pérolas (珠江流域mandarim pinyin: zhu jiang li´yù; cantonense jyutping: zyu1 gong1lau4 wik6 área do rio da pérolas
http://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_das_P%C3%A9rolas
(1)CURTO, Marta – Amor no Rio das Pérolas. Livros d´Hoje, 2009, 237 p., ISBN: 978-972-20-3916, 23,5 cm x 15,5 cm.
(2) Entrevista da autora pela jornalista Sandra Gonçalves sobre o livro:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=426399
Maria Curto nasceu em 1978, licenciou-se em Comunicação Empresarial e, aos 20 anos, começou a trabalhar como jornalista. Em 2007 mudou-se para Macau, onde trabalhou e vivreu durante dois anos.
(3) Episódio histórico também mencionado por Francisco Maria Bordalo na novela “Sansão na Vingança”, relatado em anterior post:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/
(4) Por isso chamado 珠江三角洲mandarim pinyin: zhu jiang san jué zhou; cantonense jyutping: zyu1 gong1 saam1 gok3 zau1

Trata-se de uma novela escrita por Francisco Maria Bordalo (1) e publicada em 1854 n´O Panorama (2)
É baseada na tragédia da fragata D. Maria II, ocorrida a 29 de Outubro de 1850.(3)  O protagonista Luís Osório seria o seu irmão Luís Maria Bordalo (morto na explosão) e todos os outros nomes (idênticos aos da vida real) correspondem a tripulantes da fragata, mortos ou não na explosão. (4)
Segundo Pedro da Silveira  que prefaciou a presente edição (5) : ” Claro que Sansão na Vingança!” não é uma obra-prima, nem bem uma novela perfeita. Se lhe falta, no desfecho, a força dramática que o assunto pedia, já o seu desenvolvimento padece também de evidentes «desuniões»…(…). Dito já que F. M. Bordalo foi o iniciador da nossa ficção de temática ultramarina…
O livro apresenta como apêndice uma NOTA INTRODUTÓRIA de Pedro da Silveira, explicando a proveniência dos  dois textos relativos à tragédia da D. Maria II: “Ofício do Comandante d Corveta «D. João I» ao Ministro e Secretário de Estado dos negócios da Marinha» e “Explosão da Fragata «D. Maria II» no Ancoradouro das Taipas, em Macau (autor: Guilherme José António Dias Pegado, macaense, colaborador assíduo e redactor da “Revista Popular” onde foi publicada) e do texto “Acon” (publicada na Revista Popular, assinada e datada por Francisco Maria Bordalo , Macau,  12 de Abril de 1852)
(1) Francisco Maria Bordalo (1821-1861), foi promovido a primeiro-tenente supranumerário a 12 de Novembro de 1850, e foi ao mesmo tempo nomeado, em comissão , secretário do novo governador da província de Macau, Timor e Solor, conselheiro FranciscoAntónio Gonçalves Cardoso, partindo os dois de Lisboa para o seu destino a 23. Foram via Suez (ainda sem canal), para chegarem, com vários transbordos, a Hong Kong em 24 de Janeiro de 1851.
No Egipto recebeu má sombra: aí, desembarcando em Alexandria, por passageiros vindos para a Europa, Bordalo teve a primeira notícia da explosão em Macau da fragata D. Maria II; notícia algo vaga, suficiente porém para não deixar sossegado quem tinha entre os tripulantes desse navio de guerra um querido irmão. Em Singapura tudo ficou esclarecido: a D. Maria II perecera e com ela quase toda a tripulação, incluso o segundo-tenente Luís Maria Bordalo. Chegou a Macau em 24 de janeiro de 1851, retirou-se passados dezasseis meses, em Maio de 1852“. (2)
(2) Revista “O Panorama: jornal literário e instructivo da sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis” (revista fundada e dirigida por Alexandre Herculano)
(3) Sobre a explosão da fragata D. Maria II, aconselho leitura do artigo “O maior desastre naval ultramarino dos últimos 200 anos de João Guedes, no JTM e que se pode encontrar em:
http://www.jtm.com.mo/view.asp?dT=369103010  
(4) Dados retirados do Prefácio do mesmo livro, de Pedro de Silveira.
(5) BORDALO, Francisco Maria – Sansão na Vingança. Imprensa Nacional, 1980. Recolha, prefácio e notas por Pedro da Silveira (V-XI), 63 p., 26 x 18,3 cm.
Biografia de Francisco Maria Bordalo em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Maria_Bordalo.
Outros citações encontradas na net:
1 – A Passagem da Linha “…foi o introdutor do romance marítimo na nossa literatura. Amigo íntimo de Herculano, de Garrett e de outros intelectuais da época, deixou páginas de muito interesse para o conhecimento da vivência a bordo dos navios do seu tempo…(…). Aa suas impressões de viagens foram traduzidas pelo Time”
http://www.ancruzeiros.pt/ancpassagem-linha1.html.
2 – De Maria das Graças Moreira de SáFrancisco Maria Bordalo e o Romance Marítimo Oitocentista: Uma Tentativa Falhada
Com este artigo pretende-se lembrar o tipo de composição do século XIX a que Fidelino de Figueiredo chamou «romance marítimo» e o seu maior cultor em Portugal, Francisco Maria Bordalo. Inspirado no já então célebre Eugène Sue, e na esteira do americano Fenimore Cooper e do inglês Frederick Marryat, Francisco Maria Bordalo tenta criar histórias de enredo, localizadas no pequeno pátio dos navios que percorriam as costas da Península e do Império Ultramarino, focalizadas nas relações dos profissionais do mar com a gente de terra. Eugénio (1846) e Nau de Viagem (1880) são exemplos deste tipo de romance que falha, sobretudo, pela falta de volume e de autenticidade das personagens.”
http://ww3.fl.ul.pt/revistas/rflul/revflul234.html
Outras obras de Francisco Maria Bordalo relacionadas com Macau:
“Manuscrito achado na Gruta de Camões” (Macau, 1852)
“Um passeio de Sete Mil Léguas” (Lisboa, 1854)
Parte de uma das “cartas” que compõem este livro, pode-se ler em:
http://caderno-do-oriente.blogspot.pt/2010/08/as-portas-de-macau.html.
Pode-se ler trecho “Macau vista do mar“, do mesmo autor em
http://caderno-do-oriente.blogspot.pt/2010_01_01_archive.html.