Archives for posts with tag: Fortificações

Hoje, 17-04-2020, o «Jornal Tribuna de Macau» noticia(1) que “O Corpo de Polícia de Segurança Pública encontrou uma réplica de canhão numa obra de canalização, no Porto Interior. A obra já foi suspensa. Funcionários dos Serviços de Alfândega, Instituto para os Assuntos Municipais e Instituto Cultural já estiveram no local para avaliar a situação.”

De Macau, informam-me que o “achado” foi localizado na Zona do Patane. O canhão estará relacionado com o Forte do Patane (também conhecido como Palanchica) ? E/ou às docas de embarcações que existiram nessa zona? (2)

Pormenor de Mapa de Macau Vista da Lapa de «Ou-Mun Ke- Leok, 1979» p.97

O forte estaria situado perto da Calçada da Palanchica, (3) na pequena elevação do Patane, junto à capela dedicada a Sto. António? (Igreja de N.S. do Amparo?)  e tinha como “missão” proteger a cidade de uma invasão do Continente. Segundo Jorge Graça (4), o forte tinha “3 plataformas, cada qual provida de uma peça de artilharia. O acesso à esplanada superior era efectuado por meio de uma escada que a ligava com a de baixo. Estava ligado à fortaleza de S. Paulo (5) por uma secção da muralha Nordeste da cidade, na encosta ocidental da colina de S. Paulo e ao Porto Interior por outra secção desta muralha. Não é conhecida a data certa da sua construção, mas parece ser a mais antiga das fortificações do Macau primitivo. Estava provido com peças de artilharia retiradas dos barcos de comércio do Japão. Foi demolida juntamente com a muralha da cidade que ligava a fortaleza de S. Paulo ao Porto Interior em 1640 por exigência chinesa.

Segundo Padre Teixeira, o chamado Forte da Palanchica sobre o montículo de Patane não tem História, “ porque os únicos documentos que encontrou sobre Patane: ambos afirmam que se construiu um muro que ia desde S. Paulo a Patane e se tentou construir um forte neste lugar, mas gorou-se esta tentativa devido à oposição chinesa.”(6) Esta também foi a opinião do historiador Ljungstedt: (7) «Parece que em 1925 se tentou construir um forte num lugar chamado Patane a fim de ligá-lo por meio duma cortina com o Monte. Mas os chinas fizeram um tal resistência que se abandonou a obra, e a cortina mudou-se em muro do Jardim, que se estende até um braço do Porto Interior»

Era nessa zona designada por Patane ou Chão do Campo dos Patanes ou Campos de Patane que “corria um importante veio de água potável (Ribeira do Patane), suficiente não só para dessedentar a povoação mas ainda para o fornecimento da aguada aos juncos e mais barcos de cabotagem que já concorriam ao porto. Era por isso a zona que servia não só para abrigo e aguada, mas também servia de doca para reparação das naus da carreira do Japão, ou naus da prata, enquanto aguardavam a monção para prosseguir viagem. A Ribeira do Patane veio com o andar do tempo, após o inquinamento completo das suas águas pelas várzeas que o foram marginando, a converter-se num colector de esgoto que ainda não há muitos anos se via a descoberto e que era conhecido pelo canal de San Kiu” (6)

Planta de Macau, anónimo, Pedro Barreto de Resende no Livro das Plantas de Todas as Fortalezas, Cidade e Povoações do Estado da Índia Oriental de António Bocarro, c 1635

(1) https://jtm.com.mo/local/breves-1220/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ribeira-de-patane/

(3) As obras efectuadas na zona do Patane e Tarrafeiro em 1868 acabaram com o labirinto de becos e travessinhas da Palanchica. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/travessa-da-palanchica/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/palanchica/

(4) GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau, Concepção e História. ICM, 1985, p.99

(5) “D. Francisco Mascarenhas, governador de Macau (1623-1626) mandou construir uma muralha de 500 barças, que se estendia desde a Fortaleza de S. Paulo ao Patane. Os Chineses objectavam que, estando esta muralha voltada para a China, era contra eles que se dirigia e não contra os inimigos de fora, e, por isso, exigiram a sua demolição. Mascarenhas opôs-se, mas o Senado cedeu às exigências chinesas e revoltou-se contra o governador em Outubro de 1624 e demoliu essas 500 barças de muro em Março de 1625. D. Francisco Mascarenhas, para evitar efusão de sangue, engoliu em seco esta amarga pílula” (6)

(6) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I. ICM, 1997, pp. 36-37

(7) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/andrew-ljungstedt/

“No topo da colina da Penha existia outrora um forte que é anterior a 1623, (1) como se prova dum documento relativo a D. Francisco Mascarenhas, governador de Macau (1623-1626). A 1 de Fevereiro de 1625, este governador requereu ao ouvidor António Camelo Serrão que fizesse um inquérito judicial sobre os seguintes pontos:

«que vindo a esta cidade para Capitão geral com gente nella e ordem para a por em toda a boa defenção e desciplina, ordenou três Companhias na melhor forma que lhe foy possível. E tanto que o teve feito loguo os seus soldados occuparão os postos e forão fazer vegia na barra, no forte de São Francisco e no de Penha de França» (2)

 Não há dúvida da existência deste forte em Macau. Montalto de Jesus (3), cita um velho manuscrito francês un petit lieu ao bord de la mer au pied d´une  montagneoù autrefois les Portugais ont eu une forteresse mesmes qu´il y en a beaucoup  qui y habitente”.
Este forte estava ligado à fortaleza de Nossa Senhora de Bomparto/Bomporto  por uma muralha “Do Bomporto estendia-se uma muralha que ultrapassava a elevação da Penha”.  (3)

Forte da Penha LJUNGSTETNesta velha estampa, vê-se a muralha que ligava a Fortaleza de
Nossa Senhora da Penha à Fortaleza de Bomparto, s/ data (4)

O forte foi demolido devido às suspeições chinesas que receavam a fortificação e a construção de muralhas à volta da “cidadela”. A sua reconstrução foi depois do ataque holandês de 1622,  (5) atribuído a D. Francisco de Mascarenhas, o primeiro Governador de Macau. A fortificação de Macau, a “cidadela” foi completada em 1626. Este forte foi demolido em 1892.(6)

Forte da Penha Chinnery 1837

“Vista da Igreja da Penha”, Chinnery . c. 1837
A Ermida da Penha dentro do forte e a muralha que ligava à Fortaleza de Bomparto.

O Forte de Nossa Senhora da Penha de França estava situado no cimo da colina da Penha, onde se encontra presentemente a Ermida da Penha.

O seu objectivo principal era a defesa contra as invasões navais e por isso, apesar de não estar próximo do litoral, era considerado uma fortificação costeira. Além disso, as suas armas podiam ser apontadas formando um arco completo sobre toda a cidade. Infelizmente não há conhecimento de desenho, plantas ou descrições deste forte que tenham sobrevivido. (4)

Forte da Penha BORGET 1838“O Forte da Penha de França”, Auguste Borget – c. 1838
O Forte da Penha está à esquerda e a Fortaleza de Bomparto
no sopé da colina e ligando as duas fortificações, a muralha

(1) Não se sabe a data de construção do forte mas foi um dos primeiros de Macau. Por esta notícia, já existia o forte da Penha aquando da chegada de D. Francisco, a 7 de Julho de 1623.
(2) TEIXEIRA, Pe. Manuel – Os Militares em Macau.1976
(3) JESUS, C. A. Montalto de – Macau Histórico. Livros do Oriente, 1990
(4) “Fort Bomparto –“baluarte de Nossa Senhora de Bomparto” – anciently denominated with greater propriety Baluarte do Bomporto. From this fort a Wall ascends south-west the Hill, on the top of wich is seated the hermitage of Penha de França”
LJUNGSTEDT, Andrew – An Historial Sketch of the Portuguese Settlements in China ando of the Roman Catholic Chirch and Mission in China”. Boston, 1836.Ver em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/23/noticia-de-23-de-marco-de-1759-nascimento-de-andrew-ljungstedt/
Poderá ler este livro em:
http://books.google.pt/books/about/An_Historical_Sketch_of_the_Portuguese_S.html?id=Q7gNAAAAIAAJ&redir_esc=y
(5) Ou-Mun Kei-Leok relata que, para protecção contra os ataques holandeses, os portugueses construíram um forte semelhante a um antigo que tinha sido demolido.
Tcheong-U-Lâm; Ian-Kuong-Iâm- Ou-Mun Kei-Leok, Monografia de Macau, 1751, traduzida por Luís Gonzaga Gomes. Quinzena de Macau, 1979.
(6) GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau; concepção e história. Instituto Cultural de Macau.