Archives for posts with tag: Fortaleza de S. Tiago ou da Barra

Aquele que, deixando Hong Kong viesse a Macau pela primeira vez, gozava as delícias de uma curta viagem de quatro horas, rodeado do maior conforto e desfrutando uma paisagem admirável por entre ilhas e ilhotas cobertas de vegetação e semeadas a capricho, como se tal disposição obedecesse à finalidade de proporcionar o imprevisto.
Para trás ficava a imponente colónia inglesa, cheia de grandeza e majestade, lançada pela íngreme vertente, que parecia dirigir-se ao Céu… (…).
E quanto mais o pequeno e confortável navio se aproximasse de Macau, tanto mais mudava a feição de tudo, desde a brisa, que se tornava suave e branda, à cor das águas, que reflectiam na superfície o amarelado dos fundos que as correntes cobriam de lodo.

A Baía e a Praia Grande (final da década de 40, século XX)

Passadas as Nove Ilhas, semelhantes a nove irmãs imorredouras, que a lenda não deixa esquecer, avistava-se à distância a “Porta do Cerco”, a praia da “Areia Preta”, a “Chácara do Leitão”, mostrando-se no cimo da “Montanha da Guia” o célebre farol, o mais antigo da Costa da China.
Na outra elevação próxima, distinguia-se o “Hospital Conde de São Januário” , que dominava o grande casarão que outrora fora Convento de S. Francisco e que servia de Quartel de Infantaria.
É, então, à recortada costa de pequenas enseadas, seguia-se a “Baía da Praia Grande”, em curva caprichosamente feita, deixando antever as delícias de uma pequena cidade de paz e sossego…(…)
O casario caiado a cores garridas, as Igrejas, as Capelas, os Fortes, Fortins e Bastiões, as casas solarengas e a quietude dolente e embaladora, não deixavam dúvidas de que a China deveria estar longe desta terra, que tudo indicava ser portuguesa.
Ao dobrar a “Fortaleza do Bom Parto”, talhada no regaço do imponente “Hotel Bela Vista”, surgia o sinuoso caminho, que levava ao ”Tanque do Mainato”, com a colina despida de casario, à excepção da velha e abandonada vivenda de “Santa Sancha”.
Em cima, a velha Ermida da Penha, cheia de unção religiosa e graça na sua simplicidade.
Na última curva da ordenada beira-mar, via-se a “Fortaleza da Barra” e, mais adiante, em plano superior, a “Capitania dos Portos”, em estilo mourisco…
continua.
REGO, Francisco de Carvalho e – Macau … há quarenta anos in «Macau». Imprensa Nacional, 1950, 112 p.
Deste autor, anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-de-carvalho-e-rego/ 

A «Gazeta das Colónias, semanário de propaganda e defeza das colónias» publicou no dia 10 de Julho de 1924, (1) na sua primeira página (era habitual em cada número do jornal, publicar um “Monumento Colonial”) uma fotografia intitulada:

«MACAU – A FACHADA DO ANTIGO CONVENTO DE S. PAULO»

Comparando esta foto com uma outra tirada cerca 1875, ainda se vê no lado direito as casas danificadas não pelo violento tufão de 1874, considerado na altura tufão mais violento de que há memória, mas sim pelo fogo que apareceu no dia seguinte, propagado pelo abatimento dos tectos sobre as fornalhas das fábricas de chá e as labaredas sopradas pelo vento. (2)

Ruínas de S. Paulo
1875
Fotografo desconhecido

“… As labaredas sopradas fogosamente pelo vento, que corria sem rumo certo e em desencontradas direcções, ganhavam as casas vizinhas e, dentro em pouco, eram bairros inteiros que ardiam. O clarão, que era enorme, espelhava-se num mar revolto e acendia as nuvens. Era belo e espantoso o espectáculo que os olhos viam, presos de horror e de maldição. Sôbre o fundo vermelho avultavam as paredes tisnadas das casas e as árvores sem copa e sem ramos. A formosa egreja de S. Paulo, edificada pelos jesuítas em louvor da Mãe Deus, numa pequena eminência, logo abaixo da fortaleza do mesmo nome, dominando uma grande parte da cidade, antes de ser tomada pelas chamas, estava deslumbrante, iluminada pelo clarão vivíssimo que a cercava. Parecia que a sua opulenta fachada, de boa fábrica arquitectónica, se afogueava num vermelho translúcido, como que engastada no anel de fogo que a rodeava. Nuvens de fumo e de poeira das derrocadas vizinhas toldavam-na de quando em quando, realçando assim, por contraste, o seu deslumbramento aos olhos de alguns de maior força de ânimo….”
A descrição do tufão e seus efeitos em Macau, baseados nos relatórios oficias de então, relatados pelo Eng. Carlos Alves (ALVES, Carlos – Os Tufões do Mar da China. Separata da Revista «Técnica», 1931, 12 p.)
(1) «GAZETA DAS COLÓNIAS», ANO I, N.º 2, Lisboa, 10 de Julho de 1924.
(2) Foi nos dias 22 e 23 de Setembro de 1874. Causou cerca de 4 000 mortos, (enterrados ou queimados para evitar epidemia), prejuízos da ordem de 1 milhão de patacas, as povoações da Taipa e Coloane quase que desapareceram. Destruiu grande parte do edifício do Leal Senado. A escuna Príncipe Carlos encalhou dentro da Ilha da Lapa; a canhoneira Camões encalhou numa várzea de arroz, a canhoneira Tejo aguentou-se apesar dos encontrões dos barcos desgarrados e foi parar à fortaleza da Barra; as vagas arrasaram a costa desde o forte de S. Francisco até à Barra arrombando das casas da Praia Grande, inundando os andares térreos. Dos estragos do tufão acrescenta-se aos do incêndio. As ruas do bazar só a nado se podia passar e graças às águas da inundação, ajudaram a extinguir os incêndios, tarefa que começou logo que o vento permitiu que as pessoas se aguentassem de pé.
Anteriores referências a este tufão em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/09/22/noticia-de-22-de-setembro-de-1953-te-deum-em-cumprimen-to-do-voto-macau-e-o-tremendo-tufao-de-1874/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/09/22/noticia-de-22-de-setembro-de-1874-o-maior-tufao-da-historia-de-macau-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/09/23/noticia-de-23-de-setembro-de-1874-o-tufao-e-o-farol-da-guia/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/09/23/noticia-de-23-de-setembro-de-1874-o-maior-tufao-da-historia-de-macau-ii-incendio-no-bairro-de-santo-antonio/

Outro artigo publicado no Boletim Geral das Colónias de 1950, (1) referente à acção da Repartição de Obras Públicas no ano de 1949, com inclusão de três imagens.

A nova Avenida Ouvidor Arriaga
Outro aspecto da Avenida Ouvidor Arriaga
O novo troço da Rua da Praia Grande

(1) Disponível na net
http://memoria-africa.ua.pt/Library/BGC.aspx

Nesta data, 2 de Novembro de 1835, o procurador da Cidade Francisco António Pereira da Silveira oficiou ao mandarim da Casa Branca dizendo que pela frequente ida e vinda de soldados para a Fortaleza da Barra, se tornava necessário construir uma estrada de 10 côvagos de largura desde o Pagode até à Fortaleza.

postal-templo-de-a-maPOSTAL: Templo de A-Ma – Porta da Entrada –
A-Ma Temple – Entrance Gate
媽閣廟入口大門
Direcção dos Serviços de Turismo de Macau
LITO: Imprensa Nacional de Macau

Mas como esse lugar estava repleto de barracas, «que os chincheus diariamente fazem, formando-se becos, ficando por isso intransitável», pedia ao mandarim que mandasse desmanchar as barracas dos chineses existentes entre o templo e a fortaleza da Barra, permitindo assim aos obreiros chineses que construíssem a estrada. (1) (2)
A 1 de Dezembro de 1940, foi aberta a Estrada da Barra. (3)
mapa-da-barra(1 GOMES, L. G. –Efemérides da História de Macau, 1954
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997.
Embora nesta obra, esteja referido «Estrada da Barra», aberta a 1 de Dezembro de 1940, esta designação não consta no cadastro de Macau. Com a «Barra» está associado a Rua da Barra, a Travessa da Barra, o Beco da Barra, o Pátio da Barra, a Calçada da Barra, o Largo do Pagode da Barra, e a Rampa da Barra.
A Rampa da Barra que começa no início da Calçada da Barra/ fim da Rua da Barra “sobe” em direcção á encosta da Colina da Barra mas conforme mapa actualizado não tem saída. (?).  Esta última via é a única que não consta nos Anuários de Macau até 1940. Assim também a designação da ligação actual do Largo do Pagode da Barra (媽閣廟前地) para a Fortaleza da Barra/ Pousada de Santiago que se faz através da Rua de S. Tiago da Barra (3) que em chinês 媽閣上街 se denomina «Rua acima da Barra». Possivelmente será esta a Estrada mencionada.
(3) “A Fortaleza de S. Tiago da Barra que era do tamanho de uma pequena aldeia, embora muito mais pequena em área, no presente, sofreu muitas alterações tanto na sua traça como no tamanho. O aparecimento da Rua de S. Tiago provocou a maior parte das suas mutilações e, como resultado, muitos dos seus elementos principais e históricos desapareceram.
GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau. Concepção e História. I.C.M., 1985
Ver anteriores referências a esta Fortaleza, hoje Pousada em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza-de-s-tiago-ou-da-barra/
 
Rua S. Tiago da Barra – 媽閣上街mandarim pīnyīn: mā gé shàng jiē; cantonense jyutping: maa1 gok3 soeng3 gaai1 (rua acima da Barra)
Largo Do Pagode Da Barra – 媽閣廟前地mandarim pīnyīn: mā gé qián shàng dì,  cantonense jyutping: maa1 gok3 miu6 cin4 dei6 (terreiro à frente do templo de Á Má/Barra)
Rua da Barra – 媽閣街mandarim pīnyīn: mā gé jiē; cantonense jyutping: maa1 gok3 gaai1 (rua da Barra)
Calçada da Barra – 媽閣斜巷mandarim pīnyīn: mā gé xié hàng; cantonense jyutping: maa1 gok3 ce3 hong6 (via inclinada da Barra).

Ta-Ssi Yang-Kuo MAPA Macau sec. XVII »1638Macau no seculo XVII (depois de 1638)
(Margem do porto interior, vista da Lapa – Fac-simile (reduzido) d´uma antiga gravura hollandeza) (1)

Apezar de não ser não ser desenhada com as devidas proporções, é curiosa porquie é das mais antiga s que conheço. Representa a margem que deita para o porto interior, vista da ilha da Lapa. Para mais facil comprehensão colloquei diversos números que indicam:
1- Fortaleza do Monte; 2 – Ermida e fortaleza da Guia; 4- Ermida e fortaleza (?) da Penha; 5 – Forte do Bom parto ?  ou bateria no alto do monte imminente à fortaleza da Barra ?; 6 – Fortaleza de S. Thiago da Barra; 7 – Pagode da Barra; 8 – Convento de S. Paulo; 9 – Porta do cerco.
É curioso notar n´esta gravura: os torreões da fortaleza do Monte; a Guia já com fortaleza, o que mostra ser a gravura posterior ao anno de 1638 (2);  as ameias e canhoneiras que se notam no muro que circumda a ermida da Penha; e a indicação d´um reducto ou bateria na altura sobranceira à Barra, de que hoje não restam vestígios. E a que vae indicado com o n.º 5, que não parece seja a fortaleza de Bom  porto, (ou Bom parto) que está na outra margem da cidade e não podia ser vista do ponto da Lapa d´onde foi tirada a estampa.” (1)

(1) PEREIRA, J. F. Marques – Ta-Ssi-Yang-Kuo, 1899-1900. Edição da Direcção dos serviços de Educação e Cultura / Arquivo Histórico de Macau, 1984.
(2) A fortaleza de N.ª Senhora da Guia teve princípio em setembro de 1637 e terminou em março de 1638. (1)

Panfleto (folha de 28 cm x 21 cm), publicitando a “Pousada de São Tiago“, em inglês.

ANÚNCIO - Pousada de São Tiago década de 80“There is Nowhere Else”

Recorda-se que a Pousada  foi inaugurado em 1982, no interior  do Forte de S. Tiago da Barra.
A few days at the Pousada de São Tiago is a delight and a real treat, though be warned – it is not cheap, even after substancial mid-week discounts have been arranged from local travel agents.. (…)  The hotel terrace remains a pleasant place to relax witn a drink and – if  one looks in the right direction – the city´scenic beauty is still apparent.”
WORDIE, Jason – Macao People and Places, Past and Present, 2013, p. 331.
Ver anterior referência em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/pousada-de-santiago/

Mapa que muitos ainda se recordarão, pendurado  no “quadro preto” ou na parede da Escola Primária (na sala da 4.ª classe).

Mapa de Portugal Insular e Imperio Colonial Português - 1934MAPA DE PORTUGAL INSULAR E IMPÉRIO COLONIAL PORTUGUÊS

Este mapa é de 1934; edição da LIVRARIA ESCOLAR “PROGREDIOR”  (Rua Passos Manuel – Porto); coordenado por Manuel Pinto de Sousa.

Mapa de Macau 1934Assinalados na cidade de Macau:  os Fortes de D. Maria II, da Guia, de S. Francisco, de S. Tiago da Barra; as  Portas do Cerco, a Ilha Verde já com istmo de ligação à cidade, a Baía da Praia, e Macau Siac.
Na Taipa: o Forte da Taipa, a Ponta Cabrita e  a Ponta Maria.
Em Coloane: o Forte Coloane, a Ponta de Cahó (Ka Hó) , a Baía de Hac-Sá, as povoações de Cahó (Ka Hó),  de Lai Chi Van, de Coloane, de Hac Sá e de Tai Van;
e as pequenas ilhas : da Pedra, de Kai Kiong e a Pedra da Areca.

Todo o visitante que viajava, no século passado, nos barcos de carreira, ao curvar a Barra para entrar no Porto Interior, deparava com a Fortaleza de S. Tiago, encostada nos rochedos que se erguiam pela colina da Barra.

Fortaleza de S. Tiago 1899Fortaleza de S. Tiago da Barra
Photograv. De P. Marinho, segundo uma photographia do sr. Carlos Cabral (1899) (1)

A Fortaleza está situada na ponta Sul da península de Macau, à entrada do Porto Interior. Esta importante fortaleza era essencial e indispensável à defesa de Macau por proteger o Porto Interior. Em 1638, Marco D´Avalo descrevia “ Todos os navios e juncos que desejam entrar esta barra ou pôrto têm necessariamente que passar dentro de 3 ou 4 alabardas de distância do forte porque (cerca de 6 a 7 metros) os portugueses  bloquearam a restante parte do canal a fim de protegerem melhor o local.” (2)

Fortaleza da Barra 1775Fortaleza de S. Tiago, ou da Barra.
Planta aguarelada, autor desconhecido, s.d. (século XVIII) (provável: 1775) (3)

A artilharia estava orientada e apontava directamente para este único meio de acesso ao Porto Interior e o canal entre as ilhas da Taipa e de D. João (4)

Dentro da Fortaleza de S. Tigo1888Bateria da Fortaleza de S. Tiago da Barra
Photograv. De P. Marinho, segundo uma photographia de 188? (1)

A fortaleza estava a Sudeste da Fortaleza de Bomparto e em frente à Ilha da Lapa (4)
A construção da Fortaleza (Forte da Barra) iniciou-se em 1616 e ficou concluía em 1629 no local de uma primitiva bateria de canhões, com a função de defesa do ancoradouro interior. A sua importância estratégica para a defesa de Macau era de tal ordem que nos séculos XVII e XVIII “o capitão deste baluarte é nomeado directamente pelo rei ou em seu nome e o capitão geral da cidade não pode substitui-lo por outro, excepto em caso de negligência manifesta ou então, provisoriamente até que seja recebida a aprovação do Rei” (2)

Mapa Macau dps 1622Macau no século XVII (depois de 1622)
Estampa publicada por Manuel de Faria e Souza no tomo 3.º da Asia portuguesa (1)

Quando se deram os combates contra os holandeses, em 1622, a primitiva bateria era apenas uma bateria montada mas prestou uma valiosa defesa. O local tinha características de boa defesa militar e ainda mais na defesa costeira, como auxiliar dos outros fortes que serviam a costa exterior.
O proprietário do forte era um homem robusto chamado João Soares Vivas.
Em regime de propriedade privada era contudo de utilidade na defesa, e mantinha ao seu serviço bom número de homens, pois esse valoroso capitão marchou com 160 homens para a elevação da Guia para a defender dos ataques que nessa altura os holandeses vibravam contra esta possessão.
A sua situação estratégica foi depois aproveitada, após a derrota dos holandeses, para resistir a futuras investidas. Assim, foi dotada de 14 canhões de grosso calibre, alguns de 50 libras de bala. Estes últimos eram feitos de bronze, mas estava guarnecida de material, tanto de ferro como de bronze, em parte fabricado nas fundições do Chunambeiro. (5)
NOTA: A fortaleza sofreu muitas alterações quer na traça quer no tamanho ao longo dos anos principalmente no alargamento dos arruamentos (ex: Rua de São Tiago).
Baluarte de Santiago de la Barra, por onde os navios passam e que é muito bom e forte dando a aparência de ser por si uma pequena cidade quando visto à distância devido às grandes construções e aquartelamento existentes no seu circuito. Existe um reduto no tôpo da montanha que serve de refúgio, aonde há 16 peças pesadas 4 das quais têm bôcas largas para tiros de pedras, enquanto as restantes são de calibre para bala de ferro de 24 libras. Dentro dêste referido baluarte há um outro baluarte mais alto, provido de seis canhões, como os referidos, que têm um alcance muito longo” (2)

(1) PEREIRA, J. F. Marques – Ta-Ssi-Yang-Kuo, Vol II. Antiga Casa Bertrand – José Bastos, 1899-1900, 812 p.
(2) “Descrição da cidade de MACAOU ou, MACCAUW, com as suas fortalezas, peças, negocio e costumes dos habitantes”, escrita por MARCO D´AVALO, italiano, em 1638 in BOXER, Charles Ralph – Macau na Época da Restauração (Macao Three Hundred Years Ago). Fundação Oriente, Lisboa, 1993,2 31 p.
(3) http://fortalezas.org/?ct=fortaleza&id_fortaleza=1313&muda_idioma=PT
(4) A Fortaleza “está mesmo à frente da aldeia conhecida antigamente por «Ribeira Grande», na Ilha de Lapa.
GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau Concepção e História. Instituto Cultural de Macau, 1.ª edição em português, s/ data, 144 p.
(5) Macau Boletim Informativo n.º 48 de 1955 e n.º 72 de 1956.

Uma das relíquias dispersas por esta terra, é a capelinha de S. Tiago, construída dentro da Fortaleza da Barra, aonde acorrem os portugueses e chineses, anualmente, a pagar as suas promessas ou a cumprir um voto, em romaria tão característica do povo português.

Ano III Capela de S. Tiago 1956

A Capela de S. Tiago, em 1955

Coisa curiosa é a devoção que até os gentios mantém por S. Tiago. Os pescadores quando passam em frente da capela, a caminho da sua faina piscatória, curvam-se reverentes – no dizer deles, batem cabeça – perante a sua imagem, cientes de que a sua intervenção lhes trará às redes grande abundância de peixe. Quantos não atribuem milagres a S. Tiago, embora vivendo em pleno paganismo.
A imagem de S. Tiago, venerada até cerca de 1920, na referida capelinha, era a que maior devoção mantinha da parte do povo.

Ano III Festa S. Tiago 1956A veneranda imagem de S. Tiago da Barra no dia da sua festa, 25 de Julho de 1956

E diz uma lenda antiga, cuja veracidade desconhecemos, mas ainda hoje bem conhecida, que aparecia, todas as noites, um oficial a passear no recinto da Fortaleza. Com as portas trancadas e sem ninguém as ter aberto, como explicar o caso?
Pessoas que ainda vivem contam que, quando crianças, iam por graça engraxar as botas da imagem, as quais apareciam novamente sujas de lodo, no dia seguinte, como se ele tivesse a passear em terra.
Diz a lenda que o oficial pedia aos soldados de serviço que lhe limpassem o calçado, e que ele lhes dava pontapés se se recusavam a fazê-lo.
Seja o que for, a imagem foi levada para Roma, considerada como milagrosa, e substituída pela actual, também antiga e muito respeitada.” (1)

A Fortaleza (Forte da Barra) situada na ponta sul da península de Macau, à margem da colina da Barra do porto interior, foi construída de 1616 a 1629 (2) no local de uma primitiva bateria, com a função de defesa do ancoradouro interior. A Capela de S. Tiago (com uma sacristia) foi construída em 1740 (data que estava na capela, mas que já desapareceu) no interior do Forte da Barra, quando esta foi ampliada e reforçada. No entanto, há quem afirme que a ermida é do tempo da construção da fortaleza ou seja 1629, por documento dessa data: “…Detrás da Capela de S. Tiago outra peça (canhão) de 18 libras invocava S. Lino, Papa…” É curioso que os nomes dos protectores que estavam gravados em cada peça existente na fortaleza, como S. Miguel, S. Gabriel, Sto. António, Sto. Afonso, Sta. Úrsula e outras, não se encontrou porém, nenhuma com a invocação de S. Tiago (existia duas mas na Fortaleza do Monte). O certo é que os portugueses têm consagrado especial devoção a S. Tiago da Barra.

Pousada de Santiago 1988A Pousada de Santiago inaugurada em 1982, dentro da Fortaleza da Barra
(Revista MACAU n.º 13, 1988)

Actualmente, a Capela encontra-se dentro da Pousada de S. Tiago da Barra, podendo ser visitada a capela em seu interior onde se destacam a imagem da Virgem e do padroeiro.
NOTA: Das capelas que se ergueram dentro de muralhas fortificadas, conservam-se intactas apenas a da Guia e a de S. Tiago da Barra.
(1) Macau Boletim Informativo n.º 72 de 1956
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol II. Instituto Cultural de Macau, 1997, 560 p. ISBN 972-35-0244-5.

Outros dois desenhos a lápis, do álbum da colecção Duarte de Sousa, presente no livro “Macau, Cidade do Nome de Deus na China” (1).

Pintura de 1831-1832 - Praia Grande“Macao, from the Balcony of the Albany
No livro, a legenda para este desenho: “Macau – Praia Grande”

“Balcony of the Albany” – desenhado duma varanda de “Albany” (não consegui descobrir a tradução deste termo). Pela perspectiva destes dois desenhos, tratar-se-ia da varanda de uma residência, num alto, na zona da Praia Grande / Bom Parto (2), com uma vista para o mar desde o E/SE até ao SW.

Reparar no desenho seguinte, a entrada da residência por debaixo da varanda, (à direita), próximo da marginal da entrada do Porto Interior

Pintura de 1831-1832 - Entrada do porto interior“From the Albany, Macao
Looking to the South”
No livro, a legenda para este desenho: “Macau – Entrada do porto interior”

(1) Álbum de Desenhos a Lápis Sobre Macau e Ilhas do Atlântico e Índico – 50 desenhos.
http://purl.pt/index/porCulture/aut/EN/933589_P6.html.
Ver anteriores “posts”
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/02/21/pintura-de-macau-de-1831-1832
(2) A zona da Praia Grande até ao Bom Parto foi aterrado somente a 1869, tendente a harmonizar e tornar mais saudável a zona de Chunambeiro e só mais tarde, em 1910, concluir-se-ia com a pavimentação em terra batida da Avenida  da República, a ligação do Bom Parto a S. Tiago da Barra e Porto Interior. A primeira referência ao Hotel Boa-Vista (depois Hotel Bela Vista) é de Julho de 1890
(Beatriz Basto da Silva, Cronologia da História de Macau,, 3.º Vol)