Archives for posts with tag: Fortaleza da Taipa

Mapa que muitos ainda se recordarão, pendurado  no “quadro preto” ou na parede da Escola Primária (na sala da 4.ª classe).

Mapa de Portugal Insular e Imperio Colonial Português - 1934MAPA DE PORTUGAL INSULAR E IMPÉRIO COLONIAL PORTUGUÊS

Este mapa é de 1934; edição da LIVRARIA ESCOLAR “PROGREDIOR”  (Rua Passos Manuel – Porto); coordenado por Manuel Pinto de Sousa.

Mapa de Macau 1934Assinalados na cidade de Macau:  os Fortes de D. Maria II, da Guia, de S. Francisco, de S. Tiago da Barra; as  Portas do Cerco, a Ilha Verde já com istmo de ligação à cidade, a Baía da Praia, e Macau Siac.
Na Taipa: o Forte da Taipa, a Ponta Cabrita e  a Ponta Maria.
Em Coloane: o Forte Coloane, a Ponta de Cahó (Ka Hó) , a Baía de Hac-Sá, as povoações de Cahó (Ka Hó),  de Lai Chi Van, de Coloane, de Hac Sá e de Tai Van;
e as pequenas ilhas : da Pedra, de Kai Kiong e a Pedra da Areca.

“Inauguração após renovação, em Abril de 1956, do Jardim Público e Miradouro situados à esquerda da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, e junto à praia da Taipa.
MBI III-65 1956 ITrês fogões de cimento, especialmente construídos na extremidade Sul para esse fim, permitem aos visitantes a agradável facilidade de cozinharem ou aquecerem os seus petiscos ao ar livre, enquanto um caramanchão, guardado por dois ciprestes e que a seu tempo se cobrirá de trepadeiras, ensombreia uma grande mesa de marmorite, pronta a aparar as iguarias que farão as delícias dos excursionistas.

Jardim Público da Taipa I 2015O MESMO JARDIM – TAIPA  – ABRIL 2015

A toda a extensão da praia na encosta da Colina do Carmo, viçosas flores espalham seus aromas pelo relvado e pelas graciosas avenidas que levam ao mar, num conjunto harmonioso de singular exotismo e de arrebiques que fazem lembrar as histórias dos Jardins de Castelos de «Fadas e Mouras Encantadas».
Num pequeno lago, também ajardinado, ao lado da Igreja, com dois baloiços e outros tantos escorregadouros de madeira, expande a pequenada suas alegrias e fabrica suas inocentes brincadeiras enquanto não toca o sino para as aulas, ou não chega, nos dias de mais calor, o momento de poder nadar. Um pormenor que nos chamou a atenção: de cada lado duma das escadas que conduzem à praia, um escorregadouro de cimento por onde algumas crianças deslizavam alegremente.

Jardim Público da Taipa II 2015O MESMO JARDIM – TAIPA  – ABRIL 2015

A dominar a paisagem batida pelas ondas e refrescada pela brisa do mar, uma pequena esplanada com mesas e assentos semicirculares de cimento, pintados a vermelho, tendo ao fundo um rico balneário.
O jardim público recente remodelação do que já existia no mesmo local, ornamentado com novas plantas, provido de engenhosos canteiros e enriquecido com larga variedade de flores, ostenta ainda ao centro o aquário-repuxo e ao fundo quatro grandes gaiolas com periquitos, canários e pintassilgos, bicos-escarlates e pardais de Batávia.
MBI III-65 1956 IILá estão ainda a árvore de S. João e a Velha Palmeira, Á direita, e quatro Araqueiras altivas, quase à entrada e ao fundo.” (1)

Jardim Público da Taipa III 2015O  MESMO JARDIM TAIPA – ABRIL 2015

NOTA:Sintoma também da falta de técnicos é um pequeno jardim que se debruçava sobre a zona sul da Taipa (Baía de Nossa Sr.ª da Esperança). Neste espaço o miradouro Dr.ª Laurinda Marques Esparteiro – construído entre Novembro de 1954 e Abril de 1955 a partir de um projecto do então presidente da Junta local das Ilhas, António Maria da Conceição – revela-se de uma cândida imaginação, traduzida na rica inventiva das variadas peças – escadas, floreiras, vedações, mesas e bancos. Dada a semelhança de estilo devem-se certamente ao mesmo autor os jardins junto à antiga Ponte fluvial do Carmo e à Fortaleza da Taipa. Aqui, entretanto, e felizmente as poucas habilitações do projectista funcionaram num sentido positivo, pois dificilmente um técnico com uma formação académica evidenciaria tal liberdade de criação.
SARAIVA, António M. P. – Jardins e a história de Macau in Macau, encontros de divulgação e debate  em estudos sociais, pp. 193-205.
(1) Macau Boletim Informativo ANO III, Abril 1956

Portugal no Extremo Oriente VIIcontinuação de (1), (2) e (3)
“…
Com o nosso desdem pelas cousas coloniaes não demos governador á cidade já poderosa. Os holandezes quizeram bombardear a terra portugueza, que foi  defendida. Segunda vez tentaram o assalto, que o macaista Thomaz Vieira repelliu, e assim, de tempo a tempo, os chinezes iam tomando folego, buscando intervir no que era nosso, encontrando pela frente apenas os teirares da gente burgueza do Leal Senado, a ponto de estabelecer, em 1688, um hopa, alfandega, na região, sem que lhe resistissemos.

Portugal no Extremo Oriente XIIJardim do Lu-cau (vista interior) (4)

D´ahi  as exigências continuas, os escarneos, as negociações frouxas, a que só uma embaixada pomposa de D. João V devia pôr termo, para d´ahi a pouco voltarem as pretensões.

Portugal no Extremo Oriente XIIIFortaleza da Taipa

Macau era anciosamente desejada pelos chinezes. Não queriam que construissemos estradas, obrigavam-nos a expulsar do porto os navios que lhe faziam sombra ao seu commercio, arrasavam o que se erguia, prohibiam aos chinezes que pegassem nas nossas cadeirinhas e foram até ao ponto de protestarem energicamente contra a abertura que decretámos em virtude de vêrmos desviado o commercio para Hong Kong recentemente formado…”.

Portugal no Extremo Oriente XIV “Vista geral da Villa da Taipa”

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/04/15/leitura-portugal-no-extremo-oriente-macau-i/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/05/leitura-portugal-no-extremo-oriente-macau-ii/
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/10/leitura-portugal-no-extremo-oriente-macau-iii/
(4) O «Jardim das Delícias» ou «Yu Yun» ficou conhecido por «Jardim de Lou Kao» ou de «Lou Lim Ioc», filho mais velho de Lou Cheok Chin (1837-1906), personalidade de relevo na via pública de Macau. Fixara residência em Macau no ano de 1870 e tornou-se num abastado comerciante mandando construir um jardim ao estilo dos jardins chineses do século XIV nas ainda pantanosas várzeas do Tap Seac, que transformou em fermoso lago.
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XIX, Volume 3. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p. (ISBN 972-8091-10-9)