Archives for posts with tag: Festividades Religiosas

Extraído de «O Independente», I-44 de 2 de Julho de 1869, p. 386

Ver referências à data de «24 de Junho» em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/festividades-24-de-junho/

Extraído de «O Independente»,  I-40 de 4 de Junho de 1869, p. 344

A festividade “Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo” mais conhecida como “Corpus Christi” (“Corpo de Cristo”) que este ano de 2021, se celebra a 3 de Junho (Quinta-feira) é uma comemoração religiosa celebrada sempre numa quinta-feira, pois é celebrada 60 dias depois da Páscoa, sempre na segunda quinta-feira depois do Domingo de Pentecostes. Terá começado no século XIII, mais precisamente em 1264.

Natal diferente, mais isolados, mas com a mesma alegria
Na chaminé, Pai Natal atrasado por causa do teste
Presépio reduzido, nada de aglomerações

Na consoada, não podia faltar na mesa, a tradição maquista, com as lembranças “muto tanto sabroso” das mãos da sempre amiga Diana (mais uma vez, muito obrigado)

Empada
Fartes
Alua

Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/gastronomia-macaense/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/12/24/poema-natal-azinha-chega-na-anote-di-consoada/

Extraído de «Almanach Luso-Chinêz de Macau», 1866

Durante as festas religiosas da semana de 12 a 17 de Setembro de 1893, comemorou-se no dia 17 de Setembro a festa na Sé, com missa cantada às 09.30 horas dedicada a “As Dores da SSma Virgem” . Foi orador o cónego Conceição Borges.

Extraído de «Echo Macaense», I-9 de 12 de Setembro de 1893 p. 4.
N. B. – Desde o meio dia de quinta-feira até egual hora de sexta-feira maior, é sempre de guarda
DIAS DE JEJUM E ABSTINÊNCIA DE CARNE
DIAS DISPENSADOS DA ABSTINÊNCIA MAS EMQUE SE NÃO DEVE MISTURAR CARNE COM PEIXE NA MESMA COMIDA Extraído de «Almanach Luso Chinez para o anno de 1866», pp. 46-47

No dia 2 de Julho de 1956, celebrou-se na Sé Catedral, a festa de Nossa Senhora da Visitação, (1) orago da Santa Casa da Misericórdia a que assistiram mesários, irmãos, funcionários da Santa Casa e pobres protegidos por esta secular instituição de beneficência, fundada nesta cidade, em 1569, pelo primeiro bispo de Macau, D Melchior Carneiro. (2)

D. Belchior Carneiro, (3) bispo titular de Niceia e governador do Bispado fundou em 1569, a Confraria da Misericórdia; a construção inicial englobava uma igreja consagrada à Visitação de Nossa Senhora, que foi demolida em 1883, Há uma informação do Padre Videira Pires, (4) referente ao século XVIII : “A igreja da Santa Casa, ao lado da sede, no Largo do Senado, tinha mestre de capela, organista e «meninos cantores», mas estes eram mal pagos

“A visitação” do pintor Domenico Ghirlandaio c. 1491 (Musée du Louvre, Paris) https://virgemimaculada.wordpress.com/2011/05/13/nossa-senhora-da-visitacao/

(1) “A devoção a Nossa Senhora da Visitação originou-se entre os primeiros franciscanos. Trata-se de uma devoção totalmente inspirada no Novo Testamento, mais precisamente no Evangelho de São Lucas 1, 39-56. Quando o anjo Gabriel anunciou a Maria que ela seria a Mãe do Salvador, ele disse que Isabel, prima de Maria, já idosa, estava no sexto mês de gravidez por um milagre de Deus. Por isso, Maria foi às pressas até a região montanhosa da Judeia, à cidade de Ain Karnm, para visitar Isabel. Daí o nome de Nossa Senhora da “Visitação”. (5) Porém somente com o Papa Pio V (papado 1566 – 1572) ela tornou-se obrigatória para toda a Igreja Latina e inserida no calendário geral das festas e no Missal romano, transferindo a data de 2 de Julho, na qual era antes comemorada, para 31 de Maio, o último dia do mês mariano.

(2) «M.B.I.», Ano III, n.º 71, 15 JUL 1956,  p. 14.

(3) Anteriores referências a D. Belchior Carneiro em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-belchiormelchior-carneiro/

(4) PIRES, Benjamim Videira – A Vida Marítima de Macau no Século XVIII,1993.

(5) http://www.cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-da-visitacao/202/102/

“Pelas oito horas da manhã do dia 12 de Junho, véspera da Festa de S. António saíram da casa da Câmara do Senado o Vereador mais velho Joaquim Carneiro Machado, o escrivão da Câmara Jacinto da Fonseca e Silva, e o tesoureiro Manuel P. da Fonseca todos em cadeiras levando o tesoureiro dentro, na sua bolsa de cetim carmesim com suas borlas, e cordões doirados, e a mesma bolsa com um letreiro o seguinte:

«Soldo de Capitaõ da Cidade q. tem vencido athe o dia treze deste mez, o Glorioso Sr. Santo António o qual lhe remete o N.e Senado

Chegados à porta da Igreja de Santo António, já se achava o Porteiro desta Câmara com uma salva de prata na mão onde o tesoureiro pôs o referido soldo e o entregou ao mesmo Porteiro para a conduzir ao cruzeiro da Igreja onde se achava o mesmo Santo em uma cardencia com oito velas acesas; aí pegou o Tesoureiro de cima da salva o referido soldo, e o pôs aos pés do mesmo santo tendo ele já nas suas mãos o recibo que fica registado. Ao tempo de pôr o Tesoureiro aos pés do Santo, repicaram os sinos da igreja por um espaço de tempo. Depois do Vereador, Escrivão, e Tesoureiro fazerem as orações ao Santo e o Tesoureiro receber o recibo, levantaram-se para se vir embora vindo sempre na sua companhia tanto à entrada da porta como à saída da mesma, o Vigário da Igreja.

A esta mesma hora, achava-se uma Companhia Militar à porta da Igreja, com as armas ensarilho, e não houve obstáculo algum para passar em cadeiras, os mesmo condutores até se apearem à porta ; e essa é a forma com que se fez este serio acto”

Recebi eu P.e Francisco Esteves vigário da Freguesia de Santo António, do N.e Senado por maons do Prezidente do mesmo, Escrivão, e o feo Thezoureiro actuaes a quantia de cento quarente, e dous taeis oyto mazes cinco conderins, e quatro caixas por dachem a saber noventa e três taeis sete mazes, e sinco conderins soldos que venceo o Glorioso Santo Antonio de foldado, em três anos hum mez, e meyo, q. se lhe devia: e quarenta e nove taeis nhum maz e quatro caixas soldos vencidos de Capitão da Cidade, em 7 mezes e 26 dias athe o dia de fua Festa, q. tudo faz a referida quantia afsima, de q reduzidos a patacas a 76 condr.s, dão 187 patacas 73,4 caixas e por verd.e de como o receby passey este para consto, e clareza.” Macao, 12 de Junho de 1784, – Francisco Esteves”

Extraído de GOMES. Artur Levy – Esboço da História de Macau 1511-1849, 1957, p. 290-291

Hoje, 152 anos atrás, neste preciso dia de 11 de Junho, dia do Corpo e Sangue de Cristo – DIA DE CORPO DE DEUS – , realizou-se a habitual procissão que saiu da Sé Catedral pelas 17h30.

Extraído de «BPMT». XIV-22 de 30 de Maio de 1868, p. 161-162