Archives for posts with tag: Fernando Pessoa
António Manuel Couto Viana, 17.07.1986 (1)

(1) In «Macau», suplemento da revista «Via Latina», Maio 1991, p. 60

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-couto-viana/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jorge-alvares/

CAPA

13 de Junho de 1888, data de nascimento do poeta e escritor Fernando Pessoa. Para recordá-lo nada melhor do que a leitura do livro de poesia “MENSAGEM”, traduzido para chinês por Jin Guo Ping, (1) edição do Instituto Cultural de Macau, “Em homenagem do 50º aniversário da morte de Fernando Pessoa e aos meus amigos que ficaram e que choraram quando eu parti.

Introdução “Elóquio” de António Manuel Couto Viana

Um dos mais conhecidos poemas do poeta:

(1) PESSOA, Fernando Pessoa – Mensagem. Tradução de Jin Guo Ping. Instituto Cultural de Macau, 1986, 133 p.

«Contos Breves», edição do Instituto Português do Oriente, (1) n.º 1 da colecção «Contar Um Conto», de 1922, bilingue, tradução para chinês de Cui Weixiao, ilustração de Sam Keng Tan (Teresa), é uma selecção de oito pequenos contos da adolescência (18 anos incompletos) (2) de Mário de Sá Carneiro (3)

Interior da Capa
Interior da Contra-capa

(1) SÁ-CARNEIRO, Mário de – Contos Breves. Edição bilingue (tradução de Cui Weixiao) do Instituto Português do Oriente, Macau, 1992, 111 p. ISBN – 972-8013-01-9, (15 cm x 21 cm x 0,5cm). Livro comprado na Feira do Livro do Porto no Pavilhão: IPOR, em 1993

(2) Conjunto de contos escritos entre Setembro de 1908 a Fevereiro de 1909 por Mário de Sá Carneiro (Lisboa 1890- Paris, por suicídio 1916), destinados à revista semanal Azulejos, utilizando o anagrama Sircoanera onde o autor colaborava com poemas e contos.

(3) Mário de Sá-Carneiro (Lisboa, 19 de Maio de 1890 — Paris, 26 de Abril de 1916) foi um poeta, contista e ficcionista português, um dos grandes expoentes do modernismo em Portugal. Em 1912, estuda na Universidade de Sorbonne, em Paris. Publica os primeiros poemas, «Dispersão», em 1914, mesmo ano da novela A Confissão de Lúcio». Retorna a Portugal em 1915 e lança a revista «Orpheu» em parceria com Fernando Pessoa.