Archives for posts with tag: Fernando José Rodrigues

Relação dos trinta maiores contribuintes de todas as contribuições (predial, industrial de taxa varável e industrial por licenças) no ano de 1923, muitos deles figuras/individualidades notáveis da época (grandes negociantes da área comercial e industrial, alguns ligados actividades liberais, advogados, médicos, etc.)

Extraído do «BOGPM», suplemento ao n.º 24 de 18 de Dezembro de 1923.

Mário Cabral e Sá, de Goa, num artigo publicado na «Revista Nam Van» de 1984 (1) a propósito do Arquivo Histórico de Goa onde se encontra vários processos administrativos e judiciais do regime português até 1961 (data em que termina a alçada judicial que o Tribunal de Relação de Goa tinha sobre Macau e Timor), refere que entre esses processos nomeadamente numa série de «Livros de Macau» encontrou o processo n.º 113 ( o autor não aponta a data!) que relata sumariamente o seguinte: 

“O Dr. Gustavo Nolasco da Silva, (2) conservador do Registo Predial da Comarca de Macau, foi ferido, com dois tiros de revólver, por Fernando Sena Rodrigues, (3) natural de Macau, casado, comerciante. Nolasco da Silva, que era também vogal da Comissão de Terras, teria dito a Sena Rodrigues que não lhe era possível conceder os terrenos referidos porque já o haviam sido a um tal Gomes, que era financiado por uns alemães de uma sociedade em que o pai de Nolasco da Silva parecia ter interesses.”

(1) SÁ, Mário Cabral e – Há muitas maneiras de matar pulgas in «Revista Nam Vam», n.º 5, 1 de Outubro de 1984, pp. 25-26.

(2) Gustavo Nolasco da Silva (1909-1991), 2.º filho de Luis Gonzaga Nolasco da Silva (7.º filho de Pedro Nolasco da Silva e Edith Maria Angier) e proprietário da «Casa Branca», posteriormente Convento da Ordem do Precioso Sangue, era licenciado em Direito. Foi conservador do Registo Predial de Macau. Foi advogado da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia (Cartório da Santa Casa). https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gustavo-nolasco-da-silva/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/09/postais-macau-artistico-iv/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/06/personalidade-pedro-nolasco-da-silva/

(3) Fernando de Senna Fernandes Rodrigues (1895-1945) 1.º filho de Fernando José Rodrigues e de Alina Clarissa de Senna Fernandes, proprietário e fundador da «Firma F. Rodrigues, agente de companhias de navegação e seguros. Faleceu assassinado à porta da Caixa Escolar, por Wong Kong Kit, a soldo de uma quadrilha de chineses pró japoneses em 10-09-1945. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fernando-de-senna-fernandes-rodrigues/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/firma-f-rodrigues/

Anúncio de 1924 da Firma F. Rodrigues (Gerente: Fernando Rodrigues; sede: Avenida Almeida Ribeiro n.º 10) – únicos agentes do Sul da China da Fiat.
Semelhante anúncio de 1922, já publicado em (1), que apresentava à venda (com entrega imediata) dos mesmos modelos da Fiat indicados no anúncio.
O Fiat modelo 501 foi um automóvel fabricado pela empresa italiana FIAT (Fabbrica Italiana Automobili Torino) desde 1919 até 1926. Foi o primeiro modelo da Fiat (4 cilindros em linha com 1460 cc) produzido depois da I Guerra Mundial. Produziram-se 65 000 unidade em diversos estilos e carrocerias.
Em 1921 foi lançado o modelo 501 S com três tipos de carroceria: Sportiva Torpedo, Spider e Sportiva Spyder (SS) Este modelo possuía maior potência, tendo sido produzidos 2 600 unidades. Seguiu-se o modelo Fiat 502, com quase 70 000 unidades produzidas.
O Fiat modelo 505 foi produzido entre 1919 e 1925, baseado no mesmo desenho com 4 cilindros do Fiat 501 mas com uma maior dimensão exterior. Conseguia-se atingir a velocidade máxima de 80 Km/h. Produziram-se 30 000 exemplares.
Informações recolhidas de
https://es.wikipedia.org/wiki/Fiat_501
(1) Anterior anúncio da mesma empresa de 1922
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/31/anuncio-fiat-touring-car-505-de-1922/

25DEZ1972 Centenário Teatro D. Pedro Y - I1.º dia de circulação do envelope, carimbo e selo, emitidos pelos Correios de Macau (C. T. T.), em comemoração do 1.º Centenário do Teatro D. Pedro V, no dia 25 de Dezembro de 1972.

Portaria 716/72 de 12 de Dezembro do Diário do Governo:
“Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro do Ultramar, que, nos termos do artigo 2.º do Decreto 37050, de 8 de Setembro de 1948, sejam emitidos e postos em circulação na província de Macau 200000 selos, da taxa de 2 patacas, com as dimensões de 34,5 mm x 25,45 mm, comemorativos do 1.º centenário do Teatro de D. Pedro V, tendo como motivo a fachada do referido Teatro de Macau, impressos nas cores verde, azul, lilás, preto, vermelho, amarelo, ouro, sépia, castanho, azul-ultramarino, rosa, amarelo-torrado, cinzento e ocre.
Ministério do Ultramar, 29 de Novembro de 1972. – O Ministro do Ultramar, Joaquim Moreira da Silva Cunha.Para ser publicada no Boletim Oficial de Macau. – J. da Silva Cunha.”

25DEZ1972 Centenário Teatro D. Pedro Y - IINa verdade o centenário do Teatro não seria nesse ano de 1972 já que a 1.ª notícia do Teatro é de 07-03-1857, conforme postagens minhas anteriores:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/07/noticias-de-7-de-marco-de-1857-teatro-d-pedro-v-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/08/leitura-o-teatro-d-pedro-v-ii/
mas foi nesse ano que se resolveu celebrar essa data, conforme afirma o Padre Teixeira no preâmbulo “Breves Palavras”, do seu livro (1)
A actual Direcção do Clube de Macau, de que é presidente o nosso amigo Fernando José Rodrigues, resolveu celebrar o primeiro centenário do Teatro D. Pedro V no próximo ano de 1972, visto nada se ter feito na data própria…. (1)
O homem, que delineou o risco e dirigiu a construção do Teatro D. Pedro V (soberano então reinante) foi o macaense Pedro Germano Marques, mas a actual fachada foi delineada pelo Barão do Cercal em 1873 e restaurada em 1918 por José Francisco da Silva.
Situado no Largo de Santo Agostinho, em Macau, é um dos primeiros teatros de estilo ocidental na China.

(1) TEIXEIRA, P.e Manuel – O Teatro D. Pedro V. Clube de Macau 1.º Centenário, 1971.
NOTA: O jornal “Notícias de Macau” de 24-05-1971 publicava:
Todos nós podemos – e devemos – contribuir para a restauração do teatro D. Pedro V – um património histórico de Macau.
A Direcção do Clube de Macau vai levar a efeito no próximo ano de 1972 a celebração do Teatro «D. Pedro V»
Como é do conhecimento geral, o Teatro «D. Pedro V» encontra-se actualmente em precárias condições, tornando quase impraticável a sua utilização.

Para complementar  a notícia de ontem (1), reli o opúsculo histórico do Padre Teixeira (2) “O TEATRO D. PEDRO V“, publicado em 1971, pelo Clube de Macau (3) com subsídio do Governo da Província.

O Teatro D. Pedro V capa

Refere o autor, na introdução “Breves Palavras”:
“… Durante este século, foi o Teatro D. Pedro V que o Clube de Macau apresentou ao público não só os talentos locais mas os grandes artistas de renome internacional. Pode dizer-se que até à Guerra do Pacífico, a vida artística macaense se concentrou no Teatro D. Pedro V, devido aos bons ofícios das Direcções do Clube de Macau
O Teatro D. Pedro V fachada 1971

A Fachada do Teatro em 1971, degradada revelando as suas instalações, precárias condições de funcionamento

 O teatro, após obras que custaram 4 000 patacas (empréstimo pedido pela Direcção da Sociedade) (4) foi inteiramente restaurado e reabriu a 30 de Setembro de 1873.
O Jornal Gazeta de Macau e Timor (5) deu extensa notícia da festa de abertura:
” Abriu esta noite os seus salões o THEATRO DE D. PEDRO V – restaurado, elegante e perfeitamente armado, obras estas que deve à actual e incansável direcção que dotou o teatro com uns estatutos razoáveis, necessários e convenientes, trabalho este em que havia naufragado mais de uma direcção, havendo desgostos, discussões acaloradas e improdutivas.”

Ao longo do seu historial, o teatro passou por muitas vicissitudes: falência com penhora em 1879 (6); desavenças dos sócios;  cisão do Club União que organizava as festas no teatro;  fundação de uma nova Associação  denominada «Proprietários do Teatro D. Pedro V» que comprou o teatro, e o arrendou por um período de 10 anos à sociedade Club União, mediante ao pagamento de 15 % dos rendimentos brutos do clube e do Teatro; apogeu da sua utilização para espectáculos, récitas, óperas, concertos, conferências, etc; degradação do edifício ao logos de anos e outras tragédias ….. que relatarei em posteriores postagens.

O Teatro D. Pedro V lista dos proprietários IO Teatro D. Pedro V lista dos proprietários II(1) “NOTÍCIA  DE 7 DE MARÇO DE 1857 – TEATRO D. PEDRO V”
         https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/teatro-d-pedro-v/
(2) TEIXEIRA, P.e Manuel – O Teatro D. Pedro V. Clube de Macau, I Centenário, 1971, 50 + !2! p. 26,5 cm x 19 cm
(3) Nesse ano (1971), a Direcção do Clube de Macau era composta por:

 Presidente: Fernando José Rodrigues
Secretário: Dr. João Bosco da Silva
Tesoureiro: Estanislau Alberto Carlos
Vogais: Hugo José Sales da Silva e António V. N. Barros Amorim.

 (4) A Direcção era composta por António Alexandrino de Melo, barão do Cercal, João Eduardo Scarnichia, José Maria Teixeira Guimarães, Carlos Vicente da Rocha e Joaquim das Neves e Sousa que tinham elaborado novos estatutos da Sociedade «Theatro de D. Pedro V», os quais foram aprovados a 3 de Fevereiro de 1873 (data citada por Padre Teixeira e Luís Gonzaga Gomes, mas Beatriz Basto da Silva refere na sua Cronologia, a data de 10-02-1873.
(5) Gazeta de Macau e Timor, 2.º Ano, nº 2, de 30-09-1873
(6) “29-03-1879 – O Boletim Oficial publica o anúncio da arrematação do edifício do « Theatro D. Pedro V», penhorado em execução movida pelo Leal Senado contra a sociedade proprietária. O Teatro é vendido em leilão judicial por 1.400 reis (mais 672 reis pelos trastes), segundo o Boletim Oficial de 10 de Julho de 1880. Entretanto é fundado o Clube União e são os seus sócios (agremiados publicamente por escritura celebrada em 25 de Setembro de 1879) – que adquirem o teatro, com o nome de « Associação dos Proprietários do Theatro D. Pedro V»; nos Estatutos do Clube União, aponta-se para um único fim: o clube deve manter o teatro, ao serviço da população portuguesa de Macau “
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XIX, Volume 3. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p (ISBN 972-8091-10-9)