Archives for posts with tag: Emigração dos cules
Extraído de «Boletim do Governo de Macau», VI- 17 de 31 de Março de 1860, p. 68

ANTÓNIO Feliciano MARQUES PEREIRA (1839-1881), jornalista e de folhetinista, veio para Macau em 1859. Casou em Macau (na igreja de S. Lourenço), no dia 8 de Janeiro de 1861, com Belarmina Inocência de Miranda, filha de António José Maria de Miranda, nome marcante na governação do Território neste período. É autor de uma série de “romances de acção contemporânea” publicados em vários números do Boletim do Governo de Macau (e depois publicados em separado com a denominação geral de “Esboços e Perfis”), e das “Efemérides Comemorativas a História de Macau” que foram apresentadas ao longo de vários números do Boletim e depois reunidas e publicadas em livro “Ephemerides commemorativas da história de Macau e das relações da China com os povos christãos”. (1) Ligado à publicação do semanário «Ta-Ssi-Yang-Kuo (Daxiyangguo 大西洋國)», de 1863 a 1866.

Além de outros cargos públicos foi Superintendente da Emigração Chinesa (1860-1865) (2); Procurador dos Negócios Sínicos, (1865 – 1868) (3); capitão da 1.ª Companhia do Batalhão Nacional de Macau (4); secretário da Missão Diplomática à Corte de Pekim nomeado pela Portaria de 15 de Abril de 1862 e exonerado a 11 de Setembro de 1862 (ordem n.º 34) de «BGMVIII», n.º 41 de 13 de Setembro de 1862, p. 164.

Depois da sua saída de Macau, António Feliciano Marques Pereira ocupou o posto de cônsul de Portugal no Sião (Janeiro de 1875) e Singapura (1876). Em Abril de 1881 embarcou para Bombaim, a fim de exercer as funções de cônsul-geral de Portugal na Índia Britânica, onde faleceu no dia 11 de Setembro desse ano.

NOTA: Sugiro a leitura da biografia mais pormenorizada de António Marques Pereira, publicado por António Aresta, recentemente na página 13 do «Jornal Tribuna de Macau», de 24 de Março, a evocação de «António Marques Pereira, o fundador da macaulogia» – https://jtm.com.mo/record/2021/03Mar/24-03-2021.pdf

(1) Acção filantrópica: 14-08-1868 – Doou a quantia de 104 patacas produto da publicação do livro “Ephemerides commemorativas da história de Macau e das relações da China com os povos christãos” à Santa Casa da Misericórdia

(2) Elaborou um relatório sobre a emigração chinesa a partir do porto de Macau. “Relatório da Emigração Chinesa em Macau”, que entregou ao governador em 31 de Julho de 1861 e é hoje considerado um texto fundamental no estudo da questão dos cules. Tem outro livro de interesse “As Alfândegas Chinesas de Macau. Análise do Parecer da Junta Consultiva do Ultramar Sobre Este Objecto” publicado em 1870.

(3) Elaborou o “Relatório acerca das atribuições da Procuratura dos Negócios Sínicos da Cidade de Macau”, dirigido ao Governador. Depois publicado em 1867 pela Typografia de J. da Silva.

(4) 9-01-1869 – Ordem n.º 16 – Nomeado capitão da 1.ª companhia do Batalhão Nacional de Macau («BPMT»,  XV n.º2 de 11 de Janeiro de 1869, p. 6

Anteriores referências neste blogue, em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-feliciano-marques-pereira/

Extraído de «TSYK»,  III Ano, n.º 25 de 22 de Março de 1866, p. 112

A barca portuguesa «Josephita e Almira», de 1142 toneladas, saiu do porto de Macau a 24 de Janeiro de 1866 sob o comando do capitão Valério dos Remédios, com destino a Havana, com 537 passageiros chinas. O capitão face ao conflito com os seus oficias que o acusaram de falta de comando durante a revolta que foi sufocada, preferiu ficar em Batávia, tenho o navio, saído no dia 11 de Fevereiro com o mesmo destino, sob o comando de Richard Lee.

Extraído de «BGM», XII-5 de 29 de Janeiro d 1866, p. 20

O relatório do Capitão François Hendrik Willem, capitão do porto de Batávia foi enviado pelo gerente do consulado holandês N. G. Peter em Cantão – auto feito perante o capitão do porto da Batávia onde desembarcou o capitão Valério dos Remédios e seus subordinados, oficiais e marinheiros – traduzido para francês, foi publicado no Boletim do Governo XII-12 de 19 de Março de 1866.

Continuaçao no mesmo boletim…
Extraído de «Boletim do Governo de Macau», XII n.º 12 de 19 de Março de 1866, pp. 45-46

Extraído de «The London and China Telegraph»,  Vol. IX n.º  233 de 11 de Janeiro de 1867, p. 21

Os emigrantes chineses que deveriam seguir para Havana, na galera francesa Orixa (460 toneladas, Capitão J. Vincent), surta na rada, amotinaram-se, no dia 30 de Novembro de 1867, à hora do rancho da tarde, e atacaram os tripulantes com facas, achas de lenha e bandejas do rancho. A tripulação viu-se obrigada a fazer uso das suas espadas e, em consequência da revolta, morreram cinco dos amotinados e ficaram feridos alguns marinheiros. (1)

Extraído de «Boletim da Província de Macau e Timor», XIII-48 de 2 de Dezembro de 1867, p. 273

(1) GOMES, Luís G – Efemérides da História de Macau, 1954

Nem toda a emigração dos cules para a América teve aspectos negativos conhecidos, alguns, muito poucos, conseguiram regressar com “bom pecúlio” como relata a presente notícia. Regressaram à China através de Macau, oito homens e uma mulher chineses, emigrantes há nove ou dez anos no Peru, no dia 10 de Novembro de 1865, a bordo do «White Cloud» que fazia a carreira entre as duas colónias. Trajavam todos à europeia, falando espanhol, sem rabicho, e feitos cristãos. A rapariga chinesa trazia um elegante vestuário da última moda, de creolina e botinhas de salto, com os dedos cheios de anéis.

Extraído de «TSYK», III – 7, de 16 de Novembro de 1865, p. 28

O Cônsul da França em Cantão , (1) conde de Chappedelaine (2) visitou Macau de 23 de Setembro a 1 de Outubro de 1872. O jornal «Gazeta de Macau e Timor» de 8 de Outubro,   reporta esta estadia.

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I-3 de 8 de Outubro de 1872, p. 3

(1)

(2) Julien René Emmanuel Stephen de Chappedelaine, conde Chappedelaine foi Cônsul da França em Cantão (Shameen ou Shamian) de Abril de 1872 a Junho de 1872 (interino). Nomeado em 10 de Junho de 1872 até 9 de Setembro de 1872, Cônsul-geral de França em Shanghai (interino). Em 10 de Setembro de 1872,voltou a ser nomeado (2.ª vez, interino) cônsul interino em Cantão até 1873. Voltou a ser nomeado pela 2.ª vez, cônsul interino em Shanghai de 25 de Maio de 1875 a 13 de Fevereiro de 1876. Nascido em 1844 (e falecido em 1917) é filho de Charles Marie de Chappedelaine (1817-1895), cavaleiro da Legião de Honra da França e de Barbe Holinska (ca 1820-1898). Julien René E. S. de Chappedelaine recebeu também, em 31-12-1904 a nomeação de Oficial da Legião de Honra. https://gw.geneanet.org/pierfit?lang=en&p=julien+rene+emmanuel+stephen&n=de+chappedelaine

Enxerto dum artigo na imprensa brasileira, sem identificação do autor, intitulado “A China, o ópio; horrores da emigração dos Culis” (1), com referência a Macau, na página 27

(1) «Revista Popular» do Rio de Janeiro de 1859-1862. http://bndigital.bn.br/acervo-digital/revista-popular/181773

Anteriores referências à emigração dos cules em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/emigracao-dos-cules/

Esta notícia publicada no jornal «O Independente» I-n.º 3 de 18 de Setembro de 1868, foi retirada do «Boletim da Província de Macau e Timor» XIV n.º 37 de 14 de Setembro de 1868, onde também vinha a referência do  inicio do funcionamento, no dia 11 de Setembro , da “Superintendência da Emigração Chinesa, estabelecida em casa apropriada, que para esse fim se alugou, no bairro de S. Lourenço, onde antigamente esteve alojado o batalhão da linha”.
“1868 – Novo Regulamento do Governo de Macau sobre a Emigração de Cules, procurando diminuir as fraudes do sistema, mas sem grandes resultados. A China estava em oposição mas o comércio por Macau era o que se pode dizer de comum. Já havia um Superintendente para depósitos de cules, inspeccionados directamente por aquele representante do Governo ” (SILVA, Beatriz Basto da – A Emigração de Cules Dossier Macau 1851-1894., 1994)

Desmentido pelo Governo de Macau, em 9 de Maio de 1863, duma notícia publicada no “Daily Times” de Singapura, acerca dum junco chinês que partiu de Macau a 7 de Março com mais de 300 cules. Estes terão sido transportados pelo barco clandestinamente como passageiros.
Extraído do «B.G.M.»,  IX-23 de 9 de Maio de 1863 pp. 91/92

Esta estampa antiga intitulada “Evasion des emigrants chinois de leur dépôt à Macau, le 7 Avril 1857vem publicada no sítio de vendas “Amazon” com o título:
“Emigrantes Chinos Escapa el Depósito Perseguidor Macao 1857 de los Protectores”, sem indicação de autoria ou donde foi retirada.

“Evasion des émigrantes chinois de leur dépôt à Macau a 7 avril de 1857”

Não encontrei qualquer referência a este episódio nos livros e outros impressos que possuo, mas nesse dia terá tido uma evasão ou fuga dos emigrantes chineses (cules ou “colonos chinas” na versão oficial portuguesa) duma casa/barracão onde estavam alojados (ou presos) até serem embarcados.
No «Boletim do Governo», logo a seguir a esta data, aparece uma carta escrita em 18 de Abril de 1857, pelo Procurador da Cidade, Manoel António de Souza e dirigida ao Governador Isidoro Francisco Guimarães, informando-o e solicitando maior vigilância da parte das autoridades para “ se evitarem os abusos que se podem commetter tanto da parte dos armadores, como da dos Cules, que em muitos casos se vão engajar só com o fim de serem sustentados nos depósitos, e receberem os adiantamentos que lhe fazem para a viagem, mas com a determinação de se subtrahirem a embarcar …”
Após várias considerações, termina:
Recorda- se que o primeiro transporte de colonos chineses de Macau foi em 1851 (250 enviados para Peru). No ano 1857 foram transportados 8065 (destinos: Havana – 6735; Peru – 450; outros destinos – 880) e a abolição da chamada “emigração de cules” contratados em Macau foi em 1873 (decreto de 20 de Dezembro).
Os primeiros agentes em Macau foram os franceses Guillon e Durand que praticavam já este negócio em Hong Kong e o português, em 1851, José Vicente Jorge. (1 (2)
Devido aos engajadores clandestinos e negócios ilícitos, o governo de Macau em 1853 (Portaria de 12 de Setembro de 1853) exigiu “que os agentes de engajamento declarem o lugar de todas as trapichas (trapiche-armazém ou depósito de mercadorias de embarque ou desembarque) e depósitos (a quem alguns detratores da posição portuguesa chamam no seus escritos “barracões”, para acentuar a semelhança com a escravatura africana em que o termo é característico (1)
Nessa Portaria, o Governador Isidoro Francisco Guimarães mandava ainda vigiar tudo o que se relacione com os cules: número exacto dos indivíduos em trânsito, condições do seu temporário alojamento aguardando embarque e cabe ao governo a inspecção dos locais e a verificação dos dados fornecidos.
(1) Dados e informações retirados do livro de Beatriz Basto da Silva, leitura que aconselho sobre este assunto.
SILVA, Beatriz Basto da – Emigração de cules – dossier Macau 1851-1894. Fundação Oriente1994, 198 p. ISBN: 972-9440-35-2;
(2) José Vicente Caetano Jorge levou os primeiros 250 cules contratados para Callao de Lima (Peru) na barca «Sophia» , de que ele mesmo era proprietário
Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-vicente-jorge-1803-1857/