Archives for posts with tag: Diário de Notícias

Foto publicado no Suplemento do «Diário de Notícias” de 1980, “MACAU / 澳門 / OU MUN” (1) (2)

Construção de barcos dragão nos antigos estaleiros de Lai Chi Vun, na Estrada de Lai Chi Vun (3) classificado pelo Património Cultural de Macau, como “Bem Imóvel (SC003) ”

“A indústria de construção naval, que teve início no final da Dinastia Ming e princípio da Dinastia Qing, era uma das quatro principais indústrias tradicionais de Macau. Este sector teve desenvolvimento até à década de 1990 e teve um papel importante na economia de Macau do passado. Os estaleiros navais de Lai Chi Vun eram anteriormente denominados Lai Chi Van. Os estaleiros navais de Lai Chi Vun, propriamente ditos, foram construídos na década de 1950. De acordo com o Anuário Comercial e Industrial de Macau de 1965-1966, existiam seis estaleiros navais em Lai Chi Vun. Localizados ao longo de parte da linha costeira de Coloane, os Estaleiros Navais de Lai Chi Vun, que eram de volume semelhante entre si, e que foram construídos paralelos uns aos outros e com ligação directa à água, constituem um aglomerado de construções modulares que reflecte a perfeita harmonia entre o ambiente natural e o conjunto construído“(4).

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/07/21/leitura-macau-%E6%BE%B3%E9%96%80-ou-mun/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/03/13/fotos-de-macau-de-1980-i/

(3) “A Estrada de Lai Chi Vun tem início no cruzamento da Estrada de Seac Pai Van com a Estrada do Campo, a norte, e termina no Largo do Cais, a sul. A altaneira árvore de pagode (figueira de Bengala) na extremidade norte da via assinala o início da Povoação de Lai Chi Vun, cujo nome está associado à antiga abundância de árvores de lichia, bem como à sua baía em forma de tigela.” https://pt.wikipedia.org/wiki/Coloane

 (4) https://www.culturalheritage.mo/pt/detail/2635/1

Artigo escrito pelo Dr. Manuel Ferreira Cabrita, Chefe do Serviço Meteorológico de Macau, publicado no jornal «Diário de Notícias» e republicado no «M.B. I.». (1) O tufão KATE foi pela primeira vez assinalado na carta sinóptica do dia 19 de Setembro às 00.00 horas do tempo médio de Greenwich sob a forma de uma depressão tropical, portanto, com ventos que não excediam 33 nós. Estava então na fase de desenvolvimento sendo de prever que se transformasse rapidamente num tufão o que de facto se veio a verificar 24 horas depois.
Apesar a falta de informações que normalmente se verifica na região em que o tufão foi pela primeira vez assinalado, 450 milhas a sudoeste de Guam, foi fácil prever com relativa segurança que passaria perto de Macau.
Era essa a trajectória normal nesta época do ano, e os campos da pressão atmosférica quer à superfície quer em altitude, indicavam WNW como a direcção mais provável do seu deslocamento. Com efeito assim se verificou até que o tufão alcançou a costa de Luzon, na manhã de 23. Então começou a desenvolver-se e a deslocar-se para sul uma célula do anticiclone siberiano que originou uma pequena mudança de direcção no deslocamento do tufão que passou a fazer-se para W. esta mudança de direcção teve a vantagem de fazer com que o tufão se não aproximasse de Macau como sucederia se mantivesse a primitiva direcção de deslocamento; por outro lado teve o inconveniente de originar gradientes muito apertados ao longo da costa sul da China que foram os responsáveis pelos ventos relativamente fortes que foram observados.
Logo que o tufão entrou no círculo com centro em Macau e com 300 milhas de raio, foi mandado içar o sinal n.º 1 de tufão indicador de que um tufão poderia vir a afectar o estado do tempo na Província. Isto deu-se na manhã do dia 24 às 8.45.
A carta desenhada depois levou-nos à conclusão de que a trajectória do tufão teria muito provavelmente a direcção este-oeste e nessas condições osv entos não excederiam 61 Km/há não ser em rajadas isoladas e pouco frequentes. Nestas condições manamos substituir o sinal n.º 1 de tufão pelo de ventos fortes (velocidades entre 41 e 61 km/h e com chuva) convencidos de que não teríamos que o modificar até  que todo o perigo passasse. De facto assim sucedeu, tenho o sinal estado içado até às 09.40 do dia 26, altura em que o tufão estava já entrando na costa da Indochina.
O tufão esteve mais próximo de Macau às 00.00 horas do dia 25 quando se encontrava a cerca de 250 milhas a sul desta Província.
(1) «MACAU Boletim Informativo» ANO III, n.º 52 de 30/09/1955, p. 13.

«As 5.35 horas da manhã de 13 de Agosto de 1931, (1) explodiu o Paiol da Flora, (2) devido aos grandes calores estivais. A explosão causou a morte das seguintes pessoas: 1.º sargento António Sousa Vidal, Henrique Ciríaco da Silva, funcionários das obras públicas, João Córdova, Natércia Duarte, criança de 11 anos, um filhinho do chefe da Polícia Carlos A. da Silva, um soldado africano e 15 pessoas chineses, sendo os feridos cerca de 50.(3)
O Palacete da Flora ficou reduzido a um montão de escombros; as casas fronteiriças, escalavradas; muitas casas arruinadas e muitíssimas com as janelas, portas e vidros partidos.
Nas três casas Canossianas houve muitos vidros partidos e algumas portas quebradas, mas não houve ferimentos, pois, sendo Verão, tanto as educandas como as órfãs chinesas estavam fora a passar as férias.
Uma bomba incendiária fez uma visita à Casa Canossiana de Mong Há: entrou por uma janela, forçando-a, pois, estava fechada, girou em volta da luz eléctrica, e saiu por outra janela do dormitório ds educandas, sem causar dano algum, além dum grande susto a uma rapariga, que naquela noite havia dormido ali. Atribui-se à protecção de Maria, de quem a pequena era muito devota, o não ter sido vítima do acidente. (4)
Outros estragos materiais mais significativos referenciados, para além das casas próximas do jardim que ficaram danificadas: a casa que Sun Fo tinha construído para a sua mãe, a casa memorial “Sun Yat Sen” na Av. Sidónio Pais: o coreto do jardim de Lou Lim Ioc que se encontrava em lugar diferente do actual, tinha a porta virada Av. Conselheiro Ferreira de Almeida.

A propósito dessa explosão, conta o Padre Teixeira (4) o seguinte episódio:
Nessa manhã, alguém telefonou da Taipa para Macau.
– Ouviu-se aqui um grande «estâmpido». Que aconteceu?
– O paiol da Flora foi pelos ares.
– Houve vítimas?
–  22 mortos e 50 feridos.
– Safa. Que «estâmpido» tremendo!
O caso do «estâmpido» passou de boca em boca e, durante vários dias, era «estâmpido» sem parar.
Nós tínhamos leitura no Seminário, durante as refeições. Sucedeu que o leitor foi o José Dias Bretão. Apareceu essa palavra no livro e ele, com ouvir tantas vezes pronunciar «estâmpido»., já estava um pouco confuso e leu assim mesmo.
Gargalhada geral!
O prefeito mandou que repetisse. E ele «estâmpido».
Por fim, mandou-o sair da estante, ameaçando-o com um castigo, pois julgava que estava a brincar. Só lhe levantou o castigo ao verificar que o rapaz tinha lido a sério.
Resultado: ficou sempre com a alcunha de «estâmpido».
(1) O Conselho do Governo destinou uma verba de 300 mil patacas destinado a ocorrer ao pagamento das despesas resultantes da destruição do Paiol Militar da Flora e à construção de um novo paiol nas Ilhas.
Boletim Oficial da Colónia de Macau de 14 de Agosto de 1931 – Suplemento ao n.º 32
Nomeação de uma comissão para propor as medidas a adoptar para se socorrer as vítimas da explosão do Paiol da Flora.
Boletim Oficial da Colónia de Macau de 14 de Agosto de 1931 – Suplemento ao n.º 32.
 (2) “Década de 20 – Posteriormente, no início de 20, procedeu-se à construção de um complexo sistema de túneis de características militares, que atravessam o subsolo da Colina da Guia, tendo sido instalado, na propriedade, um paiol que em 13 de Agosto de 1931, explodiu provocando a destruição do palacete da Flora “(ESTÁCIO, A. J. E e SARAIVA, A. M. P. – Jardins e Parques de Macau, p.30”
Em 28 de Junho de 1919, o governador aprovou o projecto da Repartição dos Serviços de Obras Públicas para a construção do novo paiol militar junto da Colina da Guia.

O Paiol da Flora estava situado num terreno por detrás do “Ténis da Flora” sensivelmente por detrás do actual Jardim Infantil D. José da Costa Nunes).

(3) O número de mortos e feridos variam conforme as fontes:
“Em 13 de Agosto de 1931, explodiu o paiol militar situado na Fonte de Inveja, causando 41 mortos, nos quais 7 foram crianças, e danificando um grande número de casas nos locais próximos. A explosão causou uma perda económica no valor de 400,000.00 dólares de Hong Kong para os proprietários e habitantes dos locais adjacentes”
http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=106
11-08-1931 – Uma explosão no Paiol Novo da Flora provocou 24 mortos e 50 feridos e destruiu completamente o palacete da Flora. Várias casas ficaram em ruínas ou danificadas num raio de 3500 metros.”  (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997)
Boletim Oficial da Colónia de Macau, n.º 33 de 15 de Agosto de 1931
(4) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, pp. 221-222

O jardim do Palacete da Flora. Construção antiga melhorada em 1914-1915
1915, Fotógrafo: M. Russel, Copyright: Arquivo Histórico Ultramarino,
https://actd.iict.pt/view/actd:AHUD7626

NOTA: Recorda-se que o Palacete da Flora foi a perda material mais significativa da explosão do Paiol. Foram trinta toneladas de pólvora que destruíram tudo, num raio de 300 metros incluindo o palacete que era a residência de verão dos Governadores; na altura, estava lá instalado o Museu Luís de Camões e servia também como pavilhão de exposições de arte.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/02/06/leitura-uma-exposicao-de-arte-no-palacete-da-flora-1929/
Anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/paiol-da-flora/
Pode-se ver fotografias dos estragos causados pela explosão em:
http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=106
Outras leituras e video disponíveis:
https://cronicasmacaenses.com/2012/11/08/macau-1931-explodiu-o-paiol-da-flora/
https://www.youtube.com/watch?v=ytRaoL50QEU
http://macauantigo.blogspot.com/2012/07/explosao-do-paiol-da-flora-agosto-1931.html
O «Diário de Notícias” (Portugal) datado de 12 de Setembro de 1931 falava-se da segunda edição da Volta a Portugal em bicicleta, com vitória de José Maria Nicolau na etapa Beja-Évora e conquista da camisola amarela, a campanha contra o analfabetismo, considerado “um grande problema nacional”, e também de “A Catástrofe de Macau”, sobre a terrível explosão do paiol da Flora, acompanhado da seguinte foto:
https://www.dn.pt/edicao-do-dia/12-set-2018/interior/contra-o-analfabetismo-9832957.html

Pequeno opúsculo de 24 páginas (23cm x 16 cm) escrito por Hugo C. de Lacerda Castelo Branco (na altura, Vice-Almirante da reserva engenheiro hidrógrafo) e publicado pela Imprensa da Armada (Lisboa) em 1932.
O autor (então como capitão dos Portos) traça o historial do “projecto porto de Macau” (que defendeu desde 1912  em favor do Porto Interior), desde finais do século 19:
Fôra um muito considerado oficial da marinha, o Comandante Cinatti, então capitão dos portos de Macau, que, no último quartel do passado século, levantára o grito de alarme contra a crescente envasamento que cada vez mais entulhava o pôrto e bloqueava aquela colónia…
Parte do conteúdo foi apresentado pelo autor no Congresso Colonial da Sociedade de Geografia realizado em 1921 com a tese: “A Valorização do novo pôrto de Macau como base de maior ressurgimento da Colónia
O autor viria mais tarde após ter sido director das Obras dos Portos de Macau, a defender o porto em favor do Porto Exterior justificando que as circunstâncias iniciais eram totalmente diferentes entre as duas épocas (considerações políticas e económicas). Apresenta as razões de não ter tido maior afluência da navegação ao Porto Interior apesar das melhorias para a navegação.Na nota final , apresenta um recorte duma carta do autor escrita ao «Diário de Notícias» de 17 de Junho de 1933, a propósito das afirmações do Governador de Macau (António José Bernardes de Miranda nomeado em 21 de Junho de 1932) numa a entrevista desse jornal.
BRANCO, Hugo C. de Lacerda Castelo – Considerações sôbre o pôrto para navios em Macau. Separata dos “Anais do Club Militar Naval”. Imprensa da Armada, Lisboa, 1932, 24 p.
Anteriores referências a Hugo C. de Lacerda Castelo Branco em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hugo-lacerda-castelo-branco/

Fotos publicados no suplemento do «Diário de Notícias” de 1980, “MACAU / 澳門/OU MUN” (1)

Farol da Guia

“GUIA LIGHTHOUSE – First beam for mariners here on the China Coast. That finger of light has been piercing  the gloom for more than a century.Gives a bearing for fishermen, ferries and freighters, no matter whither bound” (2)

Porta do Cerco

“PORTA DO CERCO – That´s Barrier Gate to you!. Justa cross the way is China. No cameras please. It´s rural peace and that´s the way we like it in Macau .People come and go with meat and vegetables, metal and cement for our people and our new homes” (2)
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/07/21/leitura-macau-%E6%BE%B3%E9%96%80-ou-mun/
(2) “Discovering Macau” in “Macau –Garden City of the Orient” (1966) Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/07/24/guia-turistico-macau-garden-city-of-the-orient-1966/

Número especial/suplemento do Diário de Notícias de 1980, (1) dedicado a MACAU / 澳門/OU MUN, com 62 páginas, 33 cm x 24 cm, muitas delas com anúncios das empresas privadas sediadas em Macau, nesse ano.

Diário de Notícias 1980 MACAU

Diário de Notícias 1980 MACAU CONTRACAPANa contra-capa o anúncio do BNU idêntico ao já publicado no post”
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/16/anuncio-do-banco-nacional-ultramarino-de-1981/

Na primeira página, na introdução, «MACAU: década de 80»:
Os anos 80, do século XX, ficarão assinalados na História de Macau, como os do período de maior surto de desenvolvimento económico verificado no território, como salientou o governador Melo Egídio, em declarações confiadas ao “Diário de Notícias”, durante uma deslocação a Lisboa, em Abril deste ano, ao afirmar que “até ao final desta década a fisionomia de Macau deverá alterar-se extraordinariamente”.

Diário de Notícias 1980 MACAU Ruínas S. PauloAlguns dos principais artigos incluídos neste suplemento:

Macau: uma porta aberta para a China,
Desporto Macaense,
Macau: desafio a Portugal,
Jogo: concessão exclusiva para a fortuna ou para o azar,
Mais de 20 milhões de contos de exportações em 1979.

Diário de Notícias 1980 MACAU MapaSituada na orla meridional da costa da China sensivelmente a meio do delta formado pelos rios Pérola e do Oeste, o território de Macau compreende uma superfície total de apenas 15,5 kim2., incluindo as ilhas de Taipa (ligada a Macau pela ponte Nobre de Carvalho) e de Coloane (ligada à Taipa por um aterro). A população não deverá atingir, actualmente os 400 000 habitantes (estimando-se que 97 por cento sejam chineses), existindo três centros de refugiados vietnamitas, com cerca de 3 900 pessoas, considerados (apesar das condições de improvisação) dos melhores daquela área geográfica.

(1)   O Diário de Notícias tinha como director Mário Mesquita e Director-Adjunto Dinis de Abreu. Na primeira página:
Os textos inseridos neste suplemento são da responsabilidade do jornalista Beltrão Coelho. Colaboram também o secretário-adjunto para a Coordenação Económica de Macau, Dr. Henrique de Jesus e, para tratar de Desporto, José Silveira Machado. As fotografias foram obtidas pelos repórteres fotográficos Manuel Cardoso, Leong Chiu Ngôk e Franky Lei.”