Archives for posts with tag: D. Belchior/Melchior Carneiro

Notas de um Irmão anónimo intituladas «Do que me lembre», assim deixou registados, entre outras circunstâncias, os últimos momentos de D. Belchior Carneiro: (1)

“Partimos de Goa na nau de D. João de Almeida … no ano de 1581 a 28 de Abril …. e chegámos a este Porto do Nome de Deus de Macau nas vésperas de Santiago de 81. Achámos aqui recolhido (em Casa de St.º António) o Padre Patriarca D. Belchior Carneiro, com grande edificação, pobreza e humildade … Só tinha um moço, de nome João, que o servia e acompanhava quando ia fora. Tinha mais outro moço, velho que parecia guzerate e lhe servia para levar o sombreiro de pé, quando ia a alguma visita … Ele comia um frango já requentado, por não poder comer … Muitas pessoas devotas se lhe ofereceram a lhe fazerem de comer em suas casas, mas de ninguém o quis aceitar … O seu cubículo era o de um padre secular, sem outra coisa mais que sua roupa que usava, o mais como qualquer padre, porque de tudo se desfez. …

Faleceu aos 19 dias do mês de Agosto de 83, de sua asma, (2) porque, como não comia, não tee forças para lançar fora um escarro, que se lhe atravessou na garganta … Era tido por um santo … só ouvi murmurar que renunciara, em vista de o acharem de menos no seu governo … por brando … “ (3)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-belchiormelchior-carneiro/

(2) Por um lado a falta de saúde: asma rebelde, ainda complicada de cálculos na bexiga tornarem-no um inválido e por mais de uma vez lhe puseram em risco de vida. Mas também os desentendimentos e fundas divergências, sobretudo com o Visitador Jesuíta Alexandre Vaglinani, (4) levaram-no, cerca de 1581, a renunciar às administrações a seu cargo Aquaviva, (5) o novo Geral da Companhia, pretendeu nomeá-lo Superior em Macau, mas Vaglinani discordou. (3)

Para o Dr. José Caetano Soares, clinicamente o caso afigura-se claro: – “asma intensa e prolongada, provávelmente, já com bronquiectasia ou até acentuado enfisema; pela velhice, e grande debilidade física – as habituais crises crdíacas de hipóstase e portanto fervores de secreções brônquicas espessas, dispneia forte, acessos de asfixia por espasmo, morte em síncope”. (3)

(3) SOARES, José Caetano – Macau e a Assistência, 1950, pp. 14-15.

(4) Alexandro ou Alexandre Valignano (:范礼安 Fàn Lǐ’ān) (1539 – Macau, 1606), foi um missionário jesuíta napolitano que ajudou a supervisionar a introdução do catolicismo no Extremo Oriente, especialmente no Japão. Valignano juntou-se à Companhia de Jesus em 1566 e em 1573 foi enviado como “Visitador” para o Oriente respondendo diretamente ao Superior Geral da Companhia de Jesus. A nomeação de um napolitano para supervisionar a ação missionária jesuíta do Padroado no Império português foi na época bastante controversa, e a sua nacionalidade, bem como a sua política expansionista e estratégia adaptacionista (defendia a adopção pelos jesuítas dos usos orientais – vestuário, linguagem e algumas práticas, ritos e costumes – o que mais tarde resultou na Controvérsia dos ritos na China, um conflito com a visão rígida dos dominicanos, que ditou o fim desta abordagem) levaram a muitos conflitos com o pessoal da missão. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Alessandro_Valignano)

(5) Claudio Acquaviva  (1543 – 1615), foi um padre jesuíta italiano, quinto superior geral da Companhia de Jesus, no período de 1581 a 1615

Envelope simples de 17 cm x 10 cm, com carimbo comemorativo do “DIA DO SELO” (1) (canto inferior esquerdo) emitido pelos “Correios, Telégrafos e Telefones” / C. T. T.”, (2) em 1 de Dezembro de 1974. No canto superior direito, sobre o selo de 50 avos com a figura do Bispo D. Belchior Carneiro emitido no “IV Centenário da Santa Casa da Misericórdia 1569-1969” (3)

ENVELOPE – verso

(1) Em Portugal, o primeiro “Dia do Selo” comemorou-se a 17 de Janeiro de 1955, no ano seguinte ao da fundação da Federação Portuguesa de Filatelia. Desde 1957, o “Dia do Selo” é comemorado em Portugal, a 1 de dezembro apesar de, em alguns anos, ter sido assinalados noutras datas.

(2) Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/correios-de-macau-c-t-t/

(3) Emitido em 16 de Outubro de 1969: 1.º Dia de circulação do selo comemorativo do IV Centenário da Fundação da Santa Casa da Misericórdia de Macau 1569-1969, com carimbo e envelope comemorativo. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/10/16/noticia-de-16-de-outubro-de-1969-1-o-dia-de-circulacao-iv-centenario-da-fundacao-da-santa-casa-da-misericordi-a-de-macau/

No dia 2 de Julho de 1956, celebrou-se na Sé Catedral, a festa de Nossa Senhora da Visitação, (1) orago da Santa Casa da Misericórdia a que assistiram mesários, irmãos, funcionários da Santa Casa e pobres protegidos por esta secular instituição de beneficência, fundada nesta cidade, em 1569, pelo primeiro bispo de Macau, D Melchior Carneiro. (2)

D. Belchior Carneiro, (3) bispo titular de Niceia e governador do Bispado fundou em 1569, a Confraria da Misericórdia; a construção inicial englobava uma igreja consagrada à Visitação de Nossa Senhora, que foi demolida em 1883, Há uma informação do Padre Videira Pires, (4) referente ao século XVIII : “A igreja da Santa Casa, ao lado da sede, no Largo do Senado, tinha mestre de capela, organista e «meninos cantores», mas estes eram mal pagos

“A visitação” do pintor Domenico Ghirlandaio c. 1491 (Musée du Louvre, Paris) https://virgemimaculada.wordpress.com/2011/05/13/nossa-senhora-da-visitacao/

(1) “A devoção a Nossa Senhora da Visitação originou-se entre os primeiros franciscanos. Trata-se de uma devoção totalmente inspirada no Novo Testamento, mais precisamente no Evangelho de São Lucas 1, 39-56. Quando o anjo Gabriel anunciou a Maria que ela seria a Mãe do Salvador, ele disse que Isabel, prima de Maria, já idosa, estava no sexto mês de gravidez por um milagre de Deus. Por isso, Maria foi às pressas até a região montanhosa da Judeia, à cidade de Ain Karnm, para visitar Isabel. Daí o nome de Nossa Senhora da “Visitação”. (5) Porém somente com o Papa Pio V (papado 1566 – 1572) ela tornou-se obrigatória para toda a Igreja Latina e inserida no calendário geral das festas e no Missal romano, transferindo a data de 2 de Julho, na qual era antes comemorada, para 31 de Maio, o último dia do mês mariano.

(2) «M.B.I.», Ano III, n.º 71, 15 JUL 1956,  p. 14.

(3) Anteriores referências a D. Belchior Carneiro em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-belchiormelchior-carneiro/

(4) PIRES, Benjamim Videira – A Vida Marítima de Macau no Século XVIII,1993.

(5) http://www.cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-da-visitacao/202/102/

Apontamentos de José Baptista de Miranda e Lima que foram publicados em vários números do jornal “O Macaísta Imparcial” em 1836. O primeiro, um pequeno apontamento sobre D. Belchior Carneiro

Extraído do jornal “O Macaísta Imparcial” Vol I n.º 1 de 9 de Junho de 1836, p.3
Extraído de TEIXEIRA, P.e Manuel – Macau e a Sua Diocese II, p. 83

Anteriores referências a D. Melchior Carneiro em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-belchiormelchior-carneiro/page/1/

Extraído de «A Voz do Crente», Anno I n.º 1 de 1 de Janeiro de 1887
Igreja de S. Lázaro, década de 30 (séc XX)

“D. Melchior Carneiro, chegado a Macau, em 1568, fundou logo no ano seguinte a Santa Casa da Misericórdia, de que foi o primeiro provedor, e os hospitais de S. Rafael e de S. Lázaro. Não se conhece a data certa da erecção da Ermida de Nossa Senhora da Esperança que devido à leprosaria anexa, ficou vulgarmente conhecida pelo nome de Igreja de S. Lázaro. Também não sabemos qual existiu primeiro: se a Ermida ou o hospital de leprosos. Parece no entanto, pelo que dissemos atrás que, juntamente com Santo António e S. Lourenço, a Ermida de N. Senhora da Esperança deve ter sido coeva do estabelecimento dos portugueses em Macau… (…)
Em volta da Ermida, no decorrer dos tempos, foram-se estabelecendo os chineses, havendo já ali em 1818 nada menos que 98 casas de cristãos chineses; para atender aos seus interesses espirituais levantou-se uma capela aproximadamente no local da actual escola de Kong Kan, ficando a Ermida reservada aos leprosos. Tendo o bairro chinês aumentado mais e mais e sendo já insuficiente a pequena capela para os cristãos chineses foi-lhes cedida em 1878, de acordo com a autoridade eclesiástica, a mesma Ermida ou Igreja de N. S. da Esperança com a sacristia e a casa anexa do sacristão, passando o padre china que vigariava aquele bairro a celebrar os actos do culto na dita igreja. Arruinada com o decorrer do tempo, foi esta igreja, por Portaria Provincial n.º 65 de 8 de Agosto de 1885, reconstruída em 1886, de modo a poder estabelecer-se a nova Paróquia de S. Lázaro, sendo nesta ocasião demolida a capela. A nova igreja servia para cristãos e leprosos, assistindo estes aos ofícios divinos num compartimento reservado, gradeado de ferro.
Em 1895 espalhou-se em Macau uma terrível epidemia, provindo um grande número de casos das miseráveis choupanas do bairro chinês; alguns anos depois, foram elas expropriadas, de comum acordo entre o Governador Horta e Costa e o Bispo Carvalho e então o hábil arquitecto Abreu Nunes delineou e executou o plano de ruas do actual bairro de S. Lázaro. Por esta ocasião, foram removidos os leprosos para a Ilha de S. João e as leprosas para Ká Hó, ficando desde então até hoje a cargo do Governo, depois de terem estado a cargo da Santa Casa durante perto de três séculos e meio.”
TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a sua Diocese I, 1940, p.169-171

As Missões Ultramarinas”, livro da autoria do Padre Albano Mendes Pedro, consultor missionário da Sociedade Portuguesa das Missões Católicas Ultramarinas, publicado pela Sociedade de Geografia de Lisboa, durante a Semana do Ultramar, em 1970.
O autor traça a acção missionária dos portugueses ao longo da história e descreve as dioceses existentes (em 1969) no então ultramar português.
Nas páginas 62-63, descreve a “Diocese de Macau”:
O primeiro chefe espiritual católico de Macau, D. Belchior Carneiro, chegou ali em 1568. Não era bispo da Diocese porque esta ainda não existia. Fundou a Santa Casa da Misericórdia e os Hospitais de S. Lázaro e de S. Rafael.
A Diocese de Macau, primeiro bispado do Extremo Oriente, foi fundada a 23 de Janeiro de 1576. Abrangia a princípio Macau, terras e ilhas adjacentes, China, Japão e Tonquim. No decurso dos tempos ficou reduzida à província portuguesa de Macau, parte do território da China, com comunidades de Singapura e Malaca.
Tem 250 000 habitantes em território português. Os católicos são 23 000.
Está dividida em dois vicariatos gerais, o de Macau e o de Shiu-Hing. Tem 9 paróquias fora da China. O pessoal missionário é composto por 147 sacerdotes, 9 irmãos e 199 religiosas.
A distribuição por organizações é a seguinte: Clero secular 57; Salesianos, 23 sacerdotes e 14 irmãos; Jesuítas, 13 sacerdotes e 2 irmãos; Franciscanos, 2 sacerdotes. Há vários outros missionários sem situação transitória.
As religiosas estão assim distribuídas: Canossianas, 41; Franciscanas Missionárias de Maria, 96; Preciosíssimo Sangue 10; Carmelitas,11; Filhas de Nossa Senhora dos Anjos, 10; Filhas de Maria Auxiliadora, 11; Dominicanas do SS.mo Rosário,11; Filhas de S. Paulo, 4; Perpétuo Socorro irmãzinhas de Jesus e Anunciadoras do Senhor, 3 e 2.
O ensino diocesano é ministrado em 1 Seminário, 17 Colégios de Ensino secundário, 1 Escola de Magistério, 2 escolas profissionais, 29 escolas primárias e 28 escolas infantis, com 20 456 alunos, ao todo.
A assistência sanitária e social é prestada em 7 orfanatos, 3 asilos, 8 creches, 2 hospitais, 1 leprosaria e 7 dispensários. Os tratamentos foram 234 613. – A imprensa católica tem O Clarim, o Boletim eclesiástico e as revistas Oásis, Rosette, etc.
Em Macau há protestantismo e comunismo.
PEDRO, Albano Mendes – As Missões Ultramarinas. Sociedade de Geografia de Lisboa, Semana do Ultramar,1970. Impresso na Escola Tipográfica das Missões Cucujães,  79 p.

A Rua do Hospital foi em 6 de Junho de 1942 crismada com o nome de Pedro Nolasco da Silva, (1) por deliberação tomada em sua sessão ordinária de 22 de Abril de 1942.
“Recordava o antigo Hospital dos Pobres, fundado pelo bispo D. Melchior Carneiro pouco após a achegada em Junho de 1568, segundo ele próprio escreve: – «Quando cheguei ao porto de Macau, chamado do nome de Deus, havia aqui mui poucas habitações de portugueses e algumas casas de cristãos do país … Apenas cheguei, abri um hospital, onde se admitem tanto cristãos como pagãos. Fundei também uma Confraria de Misericórdia, semelhante à Associação de caridade de Roma: ela tem providenciado às necessidades de todos os pobres envergonhados e necessitados.»
Os chineses chamam a esta rua Pak Ma Hóng isto é, Firma do Cavalo Branco. É que outrora havia ali um edifício da firma «Fearon & Co». Fearon era cônsul de Hanover, (2) cuja bandeira era um cavalo branco em terreno vermelho. Como o escudo da fachada da firma e a bandeira lá flutuara nos dias festivos reproduziram o emblema de Hanover, os chinas crismaram a rua de Pak Ma Hóng.” (3)
(1) Ver anteriores referências a Pedro Nolasco da Silva em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/pedro-nolasco-da-silva/
(2) Christopher Augustus Fearon , (1788 – ?), cônsul de Hanover, dono da firma Fearon & Co. e agente da «East India Company». A sua esposa, Elizabeth Noad (1794-1838) está sepultada no cemitério protestante de Macau. Segundo Padre Teixeira (Toponímia de Macau, Volume II) o pintor George Chinnery, ao chegar a Macau, viveu alguns meses na Rua dos Hospital, numa casa de Christopher Fearon, mudando-se depois para o prédio n.º8 da Rua de Inácio Baptista, onde viveu até à sua morte em 1852.
In p. 139 de COATES, Austin – Macao and the British, 1637-1842: Prelude to Hong Kong, HKU Press, 2009. 231 p. , ISBN 978-962-209-075-0
Bandeira do Reino de Hanôver durante 1837—1866. Reino de Hanôver foi criado em Outubro de 1814 pelo Congresso de Viena, com a restauração do território de Hanôver ao rei Jorge III após a Era Napoleónica. O reio era governado pela Casa de Hanôver, em união pessoal com o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda até 1837, antes de ser conquistada pelo Reino da Prússia em 1866.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Reino_de_Han%C3%B4ver
(3) “Pedro Nolasco da Silva veio acabar com a Rua do Hospital que era o pregão altissonante da caridade portuguesa, recordando a memória do primeiro bispo de Macau D. Melchior Carneiro
TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997
白馬mandarim pīnyīn: bái mǎ hàng; cantonense jyutping: baak6 maa5 hong4.

No dia 2 de Julho de 1956, celebrou-se na Sé Catedral, a festa de Nossa Senhora da Visitação, orago da Santa Casa da Misericórdia (1) a que assistiram mesários, irmãos, funcionários da Santa Casa e pobres protegidos por esta secular instituição de beneficência, fundada nesta cidade, em 1569, pelo primeiro bispo de Macau, D Melchior Carneiro, chegado a esta cidade em Junho de 1568. (2)

Quadro de Francesco Crivelli séc. XV
Santuário Santa Maria Alla Noce – Inverigo

“A devoção a Nossa Senhora da Visitação originou-se entre os primeiros franciscanos. Trata-se de uma devoção totalmente inspirada no Novo Testamento, mais precisamente no Evangelho de São Lucas 1, 39-56. Quando o anjo Gabriel anunciou a Maria que ela seria a Mãe do Salvador, ele disse que Isabel, prima de Maria, já idosa, estava no sexto mês de gravidez por um milagre de Deus. Por isso, Maria foi às pressas até a região montanhosa da Judeia, à cidade de Ain Karnm, para visitar Isabel. Daí o nome de Nossa Senhora da “Visitação”. Porém somente com o Papa Pio V (papado 1566 – 1572) ela tornou-se obrigatória para toda a Igreja Latina e inserida no calendário geral das festas e no Missal romano, transferindo a data de 2 de Julho, na qual era antes comemorada, para 31 de Maio.”(3)

Santa Casa da Misericórdia
George Chinnery
Tinta e lápis em papel (sem data)

(1)Logo de início, a Santa Casa de Misericórdia tinha uma igreja (4) ao lado da sede, no Largo do Senado, consagrada à Nossa Senhora da Visitação.
(2) «MACAU B. I.» 1956.
(3) http://www.cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-da-visitacao/202/102/
(4) Embora haja dúvidas quanto às fases de construção, século XVI (?), o Provedor Luís Coelho fez obras no edifício em 1747. (5) A Igreja que foi demolida em 1883 (devido ao seu estado de ruínas) “tinha mestre de capela, organista e ‘meninos cantores’, mas estes eram mal pagos” na segunda metade do século XVIII. (6)
O actual edifício da Santa Casa foi construído no séc. XVIII, embora a frontaria de aspecto neoclássico (falsa fachada justaposta ao edifício) seja de 1905.
(5) PIRES, Benjamim Videira – A vida marítima de Macau no século XVIII, 1993.
(6) DIAS, Pedro – A Urbanização e a Arquitectura dos portugueses em Macau 1557-1911, 2005

No dia 6 de Setembro de 1840, colocou-se neste lugar (Santa Casa de Misericórdia) por ordem da Mesa na 11.ª sessão, uma redoma com as cinzas de D. Belchior Carneiro, na sala de sessões.No entanto, as cinzas do Bispo Carneiro não foi possível modernamente encontrá-las e consideram-se desviadas para local desconhecido.” (1)
Bispo D. Belchior Carneiro (1576 -1581)Belchior/ Melchior Miguel Nunes Carneiro Leitão, S. J.   (1515 ou 1516 -1583), Bispo titular  de Niceia em 15-12-1560, chegou a Macau em 1568 para exercer o ministério pastoral.  Em 1576, no ano em que foi fundada a Diocese de Macau, foi nomeado Governador do Bispado da China e do Japão (1576-1581). Faleceu em Macau, de asma, em 19 de Agosto 1583.
Terá sido sepultado na igreja que os jesuítas possuíam em Santo António. A Igreja, assim como a Casa de Santo António foi completamente devastada por um violento incêndio em 1595. Todavia após a edificação da Igreja de Madre de Deus (S. Paulo) (1602), os restos mortais de D. Melchior foram sepultados junto do altar-mor, do lado do Evangelho, na capela-mor de S. Paulo numa campa de pedra. Mas um novo incêndio em 26 de Janeiro de 1835 destruiu a grandiosa igreja salvando-se apenas a esplêndida fachada. A Mesa da Santa Casa de Misericórdia (D.Belchior Carneiro foi o fundador, e seu primeiro provedor, da Santa Casa da Misericórdia de Macau, em 1569) requereu a concessão daquele vasto terreno devoluto após o incêndio a fim de lá instalar um cemitério. Em 1836, para execução do plano houve necessidade de revolver as terras  no antigo pavimento da Igreja e entre outras, a sepultura do Bispo D. Belchior, onde foram encontradas as suas cinzas e uma pequena cruz de madeira. As cinzas (2) forram recolhidas em pequena urna e ficou depositada numa das “catacumbas” (3)  até 1840. data da colocação das cinzas de D. Belchior Carneiro, na sala de sessões da Santa Casa de Misericórdia. (4)
(1) SOARES , José Caetano – Macau e a Assistência, 1950.
(2) Na dúvida se foram só as cinzas ou (também) uma cruz que foi achada em 1836 na sepultura, cruz essa que levava nas mãos. A proposta da Mesa nessa 11.ª sessão de 6 de Setembro de 1840 refere que ficou a cruz dentro de uma pequena redoma e colocada na sala das sessões na galeria com retratos dos benfeitores. (4)
(3) Há outras fontes que referem ter sido sepultado na Igreja da Madre de Deus e depois transferido para a Sé Catedral.
(4) TEIXEIRA. P. Manuel – D. Melchior Carneiro,1968.

Hoje  dia 23 de Janeiro de 2016,  toma posse da diocese de Macau o bispo Stephen Lee Bun-sang (indigitado no dia 16 de Janeiro após a resignação do bispo José Lai Hung-seng – bispo de Macau de 2001 a 2016). (1)
Não sei se a data foi escolhida com o propósito  de se comemorar a fundação da Diocese de Macau. Mas  esta data (posse do novo bispo, referido na imprensa como o primeiro bispo que não domina o português) marca com certeza o encerramento de um ciclo de 440 anos da diocese de Macau, de prelados titulares com formação em língua portuguesa.

ÁLBUM 2005 - Paço EpiscopalPAÇO EPISCOPAL (2005)

Embora Bento da França refira “A 23 de Janeiro de 1573 foi creado o Bispado de Macau, sendo nomeado bispo D. Belchior Carneiro“, (2) o bispado foi criado a 23 de Janeiro de 1576. Também é sempre referenciado como o primeiro bispo de Macau ou o primeiro Governador do Bispado da Diocese de Macau, D. Belchior (ou Melchior) Carneiro, mas este não o foi de facto.
Belchior Nunes Carneiro Leitão (3) foi nomeado bispo a 15 de Dezembro de 1560 em Goa e parte para  a Macau (desembarcara em Malaca em 1567) no dia 1 de Maio de 1568, aonde chega no fim do mesmo ano.  Embora fosse o primeiro bispo que veio para Macau nunca foi titular da diocese (erecta em 23 de Janeiro de 1576, logo foi provida de bispo na pessoa de D. Diogo Nunes da Figueira).
Belchior que faleceu a 19 de Agosto de 1583, não tinha o título de Bispo da China e do Japão, mas tão somente o encargo das almas destas vastíssimas regiões, uma espécie de vigário apostólico ou bispo delegado para as regiões da China e Japão, sem diocese organizada e sem limites precisos do território.
Refere o Padre Manuel Teixeira: (4)
A Diocese de Macau criada pela bula “Super Specula Militantis Ecclesiae“de Gregório XIII, de 23 de Janeiro de 1576, foi no mesmo dia provida de bispo na pessoa de Diogo Nunes de Figueira, presbítero do Hábito de S. Pedro, pelo breve “Apostolatus Officium” do mesmo Papa. O bispo eleito contava então 30 anos, era bacharel em teologia e direito civil pela Universidade de Coimbra, sendo à data, Cónego e Tesoureiro-mor da Sé de Évora.
Portanto, D. Diogo Nunes de Figueira foi o primeiro bispo da nova diocese de Macau – bispo da China e do Japão em Macau, 1576. (5)

ÁLBUM 2005 - Sé CatedralSÉ CATEDRAL (2005)

(1) Stephen Lee Bun Sang – 李斌生, nasceu em Hong Kong a 10 de Novembro de 1956. Ordenado padre em 20 de Agosto de 1988, após formação em Arquitectura, em Inglaterra no ano de 1981 e onde se juntou à prelatura do Opus Dei em 1978.  Foi Bispo auxiliar de Hong Kong de 11 de Julho 2014.
(2) FRANÇA, Bento da – Macau: Os Seus Habitantes.  Lisboa, 1897, p. 16.
Também A. Marques Pereira na sua “Efemérides Comemorativas da História de Macau” se enganou na data: 23 de Janeiro de 1573.
(3) Anteriores referências a Belchior Carneiro em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/belchior-carneiro-melchior-carneiro/
(4) TEIXEIRA, Pe. M. – Macau e a Sua Diocese, VOLUME II Bispos e Governadores do Bispado de Macau, 1940, p. 84.
(5) “D. Diogo espontânea e livremente renunciou o bispado antes de ser sagrado, aceitando-lhe a renúncia o mesmo Gregório XIII a 22 de Outubro de 1578. Veio a falecer em 28 de Junho de 1613.”(3)
O Bispo da China e do Japão em Macau que sucedeu a D. Diogo foi Leonardo de Sá Fernandes, de 1578 a 1588, que depois passou somente a ser bispo da China em Macau de 1588 a 1597.