Archives for posts with tag: Colégio Yuet Wah

A Congregação Salesiana de Macau para comemorar a beatificação do Padre Miguel Rua (1) – primeiro sucessor de D. Bosco – (2) celebrou na Sé Catedral, no dia 30 de Novembro de 1972 uma Missa de Acção de Graças.
A concelebração foi presidida pelo Bispo D. Paulo Tavares, ladeado pelo Chantre Ngan e o Provincial da Inspectoria Chinesa. Tomaram parte 22 sacerdotes.
A cerimónia teve início com uma procissão desde a porta da entrada até ao altar da concelebração. À frente, duas longas filas do Pequeno Clero dos Três Colégios salesianos, Imaculada Conceição, Yuet Wah e D. Bosco, seguidos dos sacerdotes concelebrantes.
A cerimónia apesar de comprida, como não podia deixar de ser, visto que era para as comunidades de língua portuguesa e chinesa, e apesar de, quase ao princípio, a energia eléctrica ter deixado a ponto de nos deixar quase às escuras impedindo assim que os altifalantes pudessem levar à assistência o que se dizia no altar, apesar de tudo, dizíamos, não houve em toda aquela grande assembleia o mínimo sinal de cansaço ou aborrecimento.
Deram brilho à cerimónia os pequenos cantores do Colégio D. Bosco.(3)

Os «Pequenos Cantores do Colégio D. Bosco», actuando na missa de acção de graças

Estiveram presentes a Sra. D. Julieta Nobre de Carvalho, e muitas outras autoridades e numerosos amigos: representantes dos Colégios Salesianos e das Filhas de Maria Auxiliadora, cooperadores, antigos alunos (chineses e portugueses) e representantes de todas as comunidades religiosas de Macau.

Extraído do «M.B.I.T.», Vol VIII, 9-10 de 1972.

(1) S. João Bosco morreu no ano de 1888, deixando já em pleno funcionamento meia centena de escolas para rapazes pobres e abandonados. O seu sucessor, o Pade Miguel Rua, dois anos depois escreveu ao Bispo de Macau, D. Joaquim António Medeiros, agradecendo a confiança que mostrara para com a humilde Congregação Salesiana e o grande desejo de ver essa obra na cidade do Santo Nome de Deus de Macau, para o bem da juventude mais necessitada.
A primeira obra salesiana em Macau foi o «Orfanato da Imaculada Conceição» depois conhecido por «Instituto Salesiano», onde funcionava uma pequena escola de Artes e Ofícios, embrião do que seria mais tarde o Colégio D. Bosco.
Miguel Rua, S.D.B. (em italiano: Michele Rua) (1837 – 1910) após a sua profissão de fé em 1885, foi pelos 36 anos seguintes o colaborador de D. Bosco no desenvolvimento da congregação e um companheiro constante de D. Bosco em suas viagens. Tornou-se vigário da Sociedade de S. Francisco de Sales (fundada por D. Bosco) em 1865. A pedido de D.  Bosco, em 1884, o papa Leão XIII designou-o como seu sucessor e o confirmou como Reitor-Mor da Congregação Salesiana em 1888, após a morte do fundador. Foi beatificado em 29 de Outubro de 1975 pelo papa Paulo VI.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Rua
(2) Quatro anos antes da sua morte, S. João Bosco, fundador da Congregação dos Padres Salesianos, escrevia ao seu primeiro sucessor, P. Miguel Rua:
«Em tempo oportuno as nossas missões estabelecer-se-ão na China e mais precisamente em Pequim, mas não te esqueças que vamos para ali para o meio de povos desconhecidos e que ignoram o verdadeiro Deus; ver-se-ão maravilhas até agora inacreditáveis que Deus Todo Poderoso tornará patentes ao mundo …»
Mas as grande obras necessitam sempre de grande alicerces e foi só ao cabo de 16 longos anos de espera , que os filhos de D. Bosco chegaram às portas da China. Era o dia 13 de Fevereiro de 1906. Eram seis os primeiros pioneiros, chefiado pelo Padre Luís Versiglia (mais tarde bispo de Shuichow na China; viria a morrer mártir) e o Padre Caravário.
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/pequenos-cantores-do-c-d-b/

Extraído de «BGC», X – 103, 1934,
Segundo Padre Teixeira (1)
O Colégio Yuet Wah College ( 粵華中學 – mandarim pinyin: Yuè Huá Zhōngxué; cantonense jyutping: jyut6 waa4 zung1 hok6) foi fundado em Cantão, em 1925 por duas senhoras cristãs, Liu Fong Kei e Tam Kai Man; a 1.ª era a directora e a 2.º sua assistente.
A 12 de Setembro de 1927, foi registado no Serviço Provincial da Educação de Cantão, que lhe deu a sua aprovação. Nesse ano deram-se distúrbios políticos nessa cidade e Miss Liu transferiu a sua escola para Macau em 1928, para um prédio da Estrada da Vitória. Miss Liu tratou de construir ali um novo edifício para a educação da juventude de ambos os sexos. O Governo Português cedeu gratuitamente o terreno e ela promoveu uma subscrição na China e no Estrangeiro, sobretudo Estados Unidos, conseguindo inaugurar o novo edifício em 1935.”
(1) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982
Sobre o Colégio Yuet Wah, ver anteriores postagens em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colegio-yuet-wah/

Realizou-se durante a 2.ª quinzena de Dezembro de 1953 um festival desportivo destinado às escolas de Macau, organizado por duas das colectividades desportivas do território, o Sporting Clube de Macau e Sport Macau e Benfica, com um programa variado incluindo atletismo, futebol em miniatura, basquetebol, voleibol, ténis de mesa e badminton. Estava programada também uma corrida de ciclismo entre os estudantes mas por motivos imprevistos, foi cancelada à última hora.
Participaram no festival representações de diferentes escolas chinesas locais e uma representação da Mocidade Portuguesa, dentro da qual fizeram o seu concurso os estudantes portugueses.
Os nomes dos vencedores dos diferentes torneios realizados.
Atletismo – as equipas «A» e «B» do Colégio «Yuet Wah» ganharam os torneios de atletismo
Futebol em miniatura – a «Mocidade Portuguesa» ganhou o torneio folgadamente.

macau-b-i-i-11-15jan1954-festival-desportivo-iA equipa da Mocidade Portuguesa que ganhou o torneio de futebol em miniatura (bolinha). No centro (de joelhos) o jogador Augusto Rocha que ingressaria no Sporting Clube de Portugal em 1955 (1)

Basquetebol – o torneio foi ganho pela equipa do «Colégio de S. José».

macau-b-i-i-11-15jan1954-festival-desportivo-iiiA equipa do Colégio de S. José que ganhou o torneio de basquetebol.

Voleibol – o Colégio «Yuet Wah» ganhou também, o torneio de voleibol.
Ténis de mesa – este torneio foi ganho pela «Mocidade Portuguesa».

macau-b-i-i-11-15jan1954-festival-desportivo-iiOs filiados da Mocidade Portuguesa que ganharam o torneio de ténis-de-mesa: Aureliano Assis, João Castro e Mário Alberto.

Badminton – ganhou a equipa do Colégio «Yut Vá».
(1) Ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/augusto-rocha/

A Comissão Administrativa da Associação de Futebol de Macau promoveu no dia 28 de Maio de 1956, (1) no Campo Desportivo «28 de Maio», um festival desportivo para a entrega de prémios aos vencedores das provas oficiais disputadas na época de 1955-56, o qual decorreu perante grande público.

MBI III-68 31MAI56 ENCERRAMENTO DA ÉPOCA DE FUTEBOL (I)Os grupos das seis escolas que disputaram o 1.º Campeonato Escolar de Macau

O festival integrado no programa das comemorações do 30.º Aniversário da Revolução Nacional (2) teve a colaboração do Comissariado Provincial da Mocidade Portuguesa que fez desfilar os grupos concorrentes ao 1.º Campeonato Escolar de Futebol de Macau tendo nele tomado parte os desportistas estudantes do Colégio «It Va» (3), Seminário de S. José, Escola Comercial «Pedro Nolasco», Colégio D. Bosco, Liceu Nacional Infante D. Henrique e Escola «Chi Iau».(4)
Terminado o desfile, as equipas da Escola Comercial «Pedro Nolasco» e do Colégio «It Va”, finalistas do Torneio Relâmpago  Inter-escolar (na véspera, dia 27, realizaram-se as eliminatórias) entraram em campo para a disputa da  Taça «28 de Maio».  A equipa da Escola Comercial saiu vitoriosa.

MBI III-68 31MAI56 ENCERRAMENTO DA ÉPOCA DE FUTEBOL (II)O governador Marques Esparteiro entregando aos vencedores os vários troféus ganhos durante a época.

Receberam  prémios de vencedores das provas oficiais, entregues pelo  governador Almirante Marques Esparteiro, os seguintes agrupamentos:
Grupo Desportivo da Polícia, campeão de Macau da 1.ª Divisão
Grupo Desportivo «Negro-Rubro», vencedor dos Torneios da Taça «Sarmento Rodrigues e da «Taça de Macau» .
Colégio D. Bosco, campeão escolar de Macau.
Escola Comercial «Pedro Nolasco», vencedor do Torneio Relâmpago
Grupo Desportivo «Lusitano»,  “Prémio de bom comportamento”
Escola «Chi Iau» , “Prémio de bom comportamento”.
De cada escola concorrente ao Campeonato Escolar  foi escolhido para receber o prémio de desportista exemplar, cabendo assim as seis medalhas a:
Felisberto de Carvalho, do Colégio D. Bosco,
Vong Chi King, do Colégio «It Va»,(2)
Chin Chun, da Escola « Chi Iau»,
Rui Aires da Silva, da Escola Comercial,
José Miranda Vieira, do Liceu e
José Ribeiro do Seminário S. José.
Houve ainda uma medalha de honra destinada a premiar o desportista exemplar da 1.ª divisão, a qual foi ganha por Luís Anísio da Cunha, capitão do Grupo Desportivo da Polícia.
Foram ainda entregues pelo governador os prémios do concurso promovido pelo diário «Notícias de Macau», para a eleição do «Melhor Futebolista do Ano».
(1) Na época 1955/56 a Associação de Futebol de Macau era dirigida por uma Comissão Administrativa, nomeada por Portaria n.º 5:740, de 5 de Novembro de 1955 (Boletim Oficial n. 45 do mesmo ano):
Presidente – Mário Vieira da Costa
Vogal-secretário – José dos Santos Ferreira
Vogal-tesoureiro – Joaquim Morais Alves
(2) Ver: “Comemorações do «28 de Maio»” em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/28/noticia-de-28-de-maio-de-1956-comemora-coes-do-28-de-maio/
(3) Trata-se do Colégio «Yuet Wah», com referências anteriores em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colegio-yuet-wah/
(4) Consultando o “Anuário de Macau de 1956-57″, não encontrei listado a Escola”Chi Iau”; com nome parecido estão duas escolas: Escola «Chi Hang» e Escola «Chi Iông».
Fotos e reportagem retirados de «MACAU B. I., 1956».

MBI III-62 1956 CAPA Instituto SalesianoUma das fachadas principais do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição, casa-mãe dos filhos de D. Bosco no Extremo Oriente em 1956 (1)

 A 13 de Maio de 1942, os Salesianos assinaram o contrato para a posse do Colégio «Yuet Wah”, com todos os edifícios e material didáctico, escola essa comprada aos protestantes americanos (fundada em 1925 em Cantão e depois transferido para Macau)  O sítio deste Colégio era então em frente do Colégio D. Bosco, propriedade que os Salesianos venderam depois para transferirem a Escola para o edifício que actualmente ocupa, na Estrada da Vitória.
Em 1956 (1) “Este Colégio tem, actualmente, 800 alunos do curso chinês e 200 do curso inglês. Esta frequência deve-se ao prestígio alcançado por este Colégio e sólida formação obtida pelos seus alunos, graças a mestres competentes que têm elevado o nível cultural deste estabelecimento superior de ensino. Muitos são os rapazes que, com o curso geral do Colégio «Yuet Wah», frequentam hoje a Universidade de Hong-Kong, tendo sempre dado absolutas da solidez do ensino ali ministrado.”

2015 YUET WAH COLLEGE IEntrada do Colégio pela Estrada da Vitória n.º 18 (foto de 2015)

O Colégio Yuet Wah College ( 粵華中學 – mandarim pinyin: Yuè Huá Zhōngxué;) foi fundado em Cantão, em 1925 por duas senhoras cristãs, Liu Fong Kei e Tam Kai Man; a 1.ª era a directora e a 2.º sua assistente.
“A 12 de Setembro de 1927, foi registado no Serviço Provincial da Educação de Cantão, que lhe deu a sua aprovação. Nesse ano deram-se distúrbios políticos nessa cidade e Miss Liu transferiu a sua escola para Macau em 1928, para um prédio da Estrada da Vitória. Miss Liu tratou de construir ali um novo edifício para a educação da juventude de ambos os sexos. O Governo Português cedeu gratuitamente o terreno e ela promoveu uma subscrição na China e no Estrangeiro, sobretudo Estados Unidos, conseguindo inaugurar o novo edifício em 1935.
Em 1937,  deu-se a invasão da China pelos japoneses; em 1939, estendeu-se à China do Sul e milhares de refugiados vieram em maré enchente para Macau. Para atender a essa pobre gente, Miss Liu estabeleceu uma escola gratuita, onde além da literatura e aritmética, se ministravam as regras de boa educação e se ensinava a fazer sabão e outras artes domésticas para os pobres ganharem o seu sustento. 300 pobrezinhos beneficiaram desta escola. Para cobrir as despesas Miss Liu e as professoras promoviam representações teatrais, subscrições, etc.
Quando em 1941 Hong Kong caiu nas mãos dos japoneses, novas ondas de refugiados se precipitaram sobre Macau, atingindo a população a elevada cifra de meio milhão.
A crise económica era tremenda e as dificuldades financeiras insolúveis; a escola viu-se privada de todo o auxílio estrangeiro e não poderia continuar a viver. Nessa altura os Salesianos planeavam fundar uma Escola Secundária para a juventude chinesa.
Ao saber disto, Miss Liu dirigiu-se apo P. Mário Acquistapace, director do orfanato Salesiano da Imaculada Conceição, pedindo-lhe que tomasse conta da sua escola.
YUET WAH COLLEGE II MonoramaTendo recebido a aprovação do P. Carlos Braga, Inspector Salesiano residente e Xangai, o P. Mário fechou um contrato com Miss Liu a 4 de Janeiro de 1942.O primeiro inspector foi o P. Miguel Suppo, S. D. B. que tomou oficialmente conta da escola a 7 de Julho de 1942.” (2)

2015 YUET WAH COLLEGE IIEstrada da Vitória (foto de 2015)

Em 1948, foi aberta no Colégio Yuet Wah a Secção Inglesa por iniciativa dos padres Lapin e Robert Vech. (2)

Colégio D. Bosco Yuet WahSalienta-se que o Colégio situado na Estrada da Vitória n.º 18 é exclusivamente masculino, e em 2001, o antigo Colégio D. Bosco (encerrado em 1999) na Estrada Ferreira do Amaral n.º 6, passou a designar-se Colégio D. Bosco (Yuet Wah), tendo aí sido concentrado a primária (secção inglesa e secção Chinesa) do Colégio Yuet Wah e posteriormente a secundária.

2015 YUET WAH COLLEGE IIIEstrada da Vitória (foto de 2015)

(1) MACAU Boletim Informativo ANO III, 1952.
(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau. Direcção dos Serviços de Educação e Cultura, 1981, 423 p.
História do Colégio Yuet Wah, em cantonense:
https://www.youtube.com/watch?v=07KK3i7f4SY

Artigo publicado no Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, Série 83.ª -N.os 1-3 e 4-6, 1965, pp. 35-42, da autoria de António Scarpa, Professor da Universidade dos Estudos de Milão.
No preâmbulo deste artigo, o autor que realizou uma viagem de estudo etnoiátrico (1) no Extremo Oriente, sobre a Medicina Tradicional Chinesa (em 1965), agradece às Autoridades da província portuguesa de Macau pela ajuda e informações, aos Padres Salesianos do Colégio Yuet Wah pela amável hospitalidade e à Secção de Drogas Exóticas dos Serviços Simes de Milão que o apoiou nesta viagem com um subsídio. Agradecimentos também ao Rev. Padre António Carlos Kirchner porque “com o seu profundo conhecimento do idioma chinês, da história e dos costumes locais, lhe serviu de valioso e sapiente guia”

A farmácia externa da Tong Sin Tong em 1965

Sumário do artigo em inglês: ” In the town of Macao, the traditional Chinese Medicine is very much in practice as well the European medicine. Very numerous are the drugstores that sell only the traditional drugs among which the more important are the very expensive gin-seng, the stag´s horn, the horn of rhinoceros, the bones of tiger and those of turtle, etc. Very frequently sold are  also the drugs obtained according to the formulas of the old Chinese pharmacopoeia. The Chinese pharmacists do not attend any study; all their apprenticeship is performed in the pharmacies, where they begin as chaiyuk (2) and finish as kwai min (director).
The Chinese traditional physicians, on the contrary, come from a physician family or attend a true school of 5 year’s duration, called Chung i Hók Uén. (3)  The teaching is based on the theories of the old medicine of the Han dynasty. At the end of the school they obtain a degree which allows them to practice. There are 4 classes of physicians, i. e.: the « herborists» (4), those which perform the needle´s prick (5), the orthopedists-masseurs (6) and the performing chih-gong, namely exercises, generally respiratory, for the treatment of the disease and for giving longevity.(7)
Very important is also the popular medicine, based on magic religious therapy.
In Macao do not longer exist any true hospital of  Chinese traditional medicine, but only ambulatory departments among which the more important, because of their organization, are those of the Tong Sin Tong association. On the whole can see that in the  Macao  district about the 40% of the Chinese people follows still the father´s medicine.”
Pelo exotismo, transcrevo:
“Entre as medicações extravagantes além da bílis de serpente – bebida com vinho chinês, que é muito forte – utilizada na cura dos reumatismo, das cigarras na debelação das febres, das patas de porco contra as dores dos membros, dos cavalinhos marinhos contra o cancro, das râs contra a hidropsia, da placenta humana, seca – como se pode encontrar nas farmácias – como reconstituinte, e de ossos de tigre, de tartaruga, etc. para uma infinidade de outras enfermidades. nas doenças nervosas, é aconselhável agarrar uma macaca, encerrá-la num aparelho especial provido de um orifício pelo qual deve sair sómente a parte do crânio do animal – extirpam-no e comem-no com a símia ainda viva “

NOTA: EM Macau, nesse ano, 1965, existam 34 Drogarias (farmácias chinesas), assim classificadas no Anuário de Macau (1966) para distinguir das farmácias do tipo ocidental (nesse ano estavam registadas somente duas: a “Popular” e a “Universal“). Já em 1984 (8), existiam 142 farmácias chinesas registadas nos Serviços de Saúde. Uma distinção é feita entre as farmácias que vendem apenas medicamentos produzidos por plantas e outras que alargam o seu stock aos insectos, diversos animais e substâncias químicas e minerais.

As farmácias encontravamm-se distribuídas principalmente pelas Rua dos Mercadores, Rua 5 de Outubro, zona de «Sun Kiu» (Rua da Barca) e área do mercado Vermelho.

mandarin pinyin: zhong yào ; cantonense jyutping zung3 joek1 – medicamento chinês,  para distinguir de 西 mandarin pinyin: xi yào ; cantonense jyutping sai1 joek1 – medicamento ocidental.

 (1) etno – relativo à raça
      iátrico – relativo à Medicina ou ao médico
(2) Chap Yueok – “apanhar medicação”. O aprendiz começa a sua aprendizagem com a limpeza da loja, ajuda na cozinha na preparação das refeições dos patrões e empregados, depois numa segunda etapa, aprende onde colocar os remédios e a cortá-los e só no fim, depois de conhecer os nomes e tipos de medicamentos, suas características e diferentes funções, a origem de cada um deles e saber tratar os produtos base (4 a 5 anos de treino) é que ocupam o lugar de “Chap Yeok” (8)
(3) O autor está a referir-se às Faculdades de Medicina Tradicional Chinesa: 醫學  (mandarin pinyin: zhong yi xué; cantonense jyutping zung3 ji1hok6). Os licenciados são 中醫(mandarin pinyin: zhong yi ; cantonense jyutping zung3 ji1), médico treinado em Medicina Tradicional Chinesa para distinguir do 西醫(mandarin pinyin: xi yi; cantonense jyutping sai1 ji1), Médico treinado em medicina Ocidental.
(4) Em Macau, algumas farmácias chinesas já têm um médico de medicina tradicional chinesa que dá consultas. Mas a maioria (não existe a figura do farmacêutico) continua a ser o empregado com a aptidão adquirida,  a aviar as receitas.
(5) Em Macau, conhecido como acupuncturista.
(6) Em Macau, conhecido como  massagista.
(7) 氣功 (mandarin pinyin: qì gong ; cantonense jyutping hei3 gung1), mais conhecido no ocidente como CHI KUNG.
(8) LIO, Peter – Farmácias Chinesas in NAM VAN, n.º 2, 1984. pp.16-20. Edição do Gabinete de Comunicação Social do Governo de Macau