Archives for posts with tag: Círculo de Cultura Musical

 “Com a presença do Governador da Província, Almirante Joaquim Marques Esparteiro e da esposa, Dra. Laurinda Marques Esparteiro, realizou-se no dia 4 de Fevereiro de 1956, o III Concerto da temporada, promovido pela Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical. Foram artistas dessa noite, no Teatro D. Pedro V, os dois conhecidos artistas ingleses Benjamin Britten, (1) compositor e pianista, e Peter Pears, (2) tenor de fama mundial.

Apesar do frio e da chuva miúda e impertinente, uma razoável assistência acorreu ao acolhedor Teatro D. Pedro V para ouvir os dois artistas. Peter Pears, possuidor de voz agradável e boa técnica, aguardou à assistência, cantando como emoção e perfeição plástica todos os números do programa, dos quais destacamos os cinco lieder de Schubert, e os «Sete Sonetos de Miguel Ângelo» (3) de Benjamin Britten. Este festejado compositor moderno mereceu também da assistência calorosos aplausos não só pelas suas inspiradas composições como pela forma brilhante como acompanhou ao piano o tenor Peter Pears.

Os artistas Benjamin Britten (ao piano) e Peter Pears durante o concerto que deram no Teatro D. Pedro

Dois artistas que se completam, Pears e Britten têm alcançado assinalados êxitos nas suas digressões artísticas pelo mundo, tendo somado mais um com o seu Concerto no Teatro D. Pedro V desta cidade.Os cumprimentos que receberam no final do recital foram testemunho do agrado com que a assistência os ouviu e de quanto lhes ficou devendo esses momentos de boa música.” (Extraído de «Macau B. I.», Ano III, n.º 61 de 15 de Fevereiro de 1956, p. 10).

(1) Edward Benjamin Britten (1913 — 1976), Barão Britten de Aldeburgh, foi um compositor, maestro, violista, coreógrafo e pianista britânico. Aos 14 anos teria já composto dez sonatas em piano e seis quartetos de cordas, não excluindo um oratório e um poema orquestral intitulado “Chaos and Cosmos” (o Caos e o Cosmos). Conhece, em 1936, o tenor Peter Pears de quem se tornaria amigo e companheiro para toda a vida. No Outono de 1937, Britten, cuja casa natal de Lowestoft fora vendida por morte dos pais, comprou “The Old Mill” na vila de Snape, no mesmo condado, um moinho antigo transformado em vivenda em 1933. Aí viveu, acompanhado frequentemente por Pears e outros amigos. Ver biografia mais completa em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Benjamin_Britten

(2) Sir Peter Neville Luard Pears, (1910 –1986) foi um tenor inglês e companheiro de toda a vida do compositor Benjamin Britten (conheceram-se em  1936, quando cantava no coro BBC Singers). Pears e Britten deram o seu primeiro recital em 1937 no Balliol College, na Universidade de Oxford. Muitas das obras de Britten foram escritas tendo em mente especificamente a voz de tenor de Pears, que foi uma fonte de inspiração e um catalisador fundamental da criatividade de Britten. Peter Pears foi considerado pela «BBC Music Magazine» um dos 10 melhores tenores de sempre. Peter Pears foi também um celebrado intérprete de lieder de Franz Schubert, tipicamente com Britten a acompanhá-lo ao piano. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Peter_Pears)

(3) Composto entre Abril e Outubro de 1940, no regresso duma viagem conjunta à América, Britten e Pears apresentaram em conjunto a obra “Seven Sonnets of Michelangelo”, de Britten, no Wigmore Hall, que posteriormente gravariam para a EMI, o seu primeiro disco em conjunto.

No dia 20 de Junho de 1959, no 4.º e último concerto da temporada de 1958/59 promovido pela Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical, apresentou-se no Teatro D. Pedro V,  o afamado pianista austríaco Walter Hautzing.  Nesse ano o pianista fez uma digressão ao Oriente tendo actuado nos seguintes países: Japão, Formosa, Hong Kong, Macau, Filipinas Tailândia e Índia.
Walter Hautzing (1921-2017) pianista americano de origem austríaca (formada na Academia de Musica de Viena) deixou Áustria após a subida do poder do Nazismo na Alemanha, foi para Jerusalém e estudou na Conservatória de Música. Em 1939 foi para os E.U.A. para continuar seus estudos musicais no Instituto de Música Curtis em Filadélfia. Iniciou a sua apresentação pública no «Town Hall de Nova Iorque em 1943.
Leitura da sua biografia em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Walter_Hautzig
https://www.lib.umd.edu/ipam/collections/walter-hautzig
Alguns vídeos disponíveis:
https://www.youtube.com/watch?v=TWiMmIV5Mjo
https://www.youtube.com/watch?v=o0AUzSUBbU0
https://www.youtube.com/watch?v=rb7ultg1Lko

24 de Janeiro de 1959 – Inauguração a sétima temporada de concertos, da Delegação de Macau do Círculo de Cultural Musical com a apresentação do jovem e exímio filipino Redentor Romero, acompanhado pelo pianista da mesma nacionalidade, professor Regalado José, no Teatro D. Pedro I (1)
Quer Redentor Romero quer Regalado José foram artistas filipinos distintos e aclamados internacionalmente.
Redentor Romero (1930-2001) exímio violinista e maestro, foi o primeiro filipino a reger a Orquestra Sinfónica de Moscovo, a Royal Filarmónica, a Filarmónica Inglesa e a Filarmónica Chinesa de Beijing. Fundou a Orquestra Filarmónica Nacional Filipina em 1961 e dirigiu-a durante 40 anos. Fez muitas digressões acompanhando solistas internacionais.
Pode ouvi-lo por exemplo em:
“Hating Gabi (Antonio Molina) Redentor Romero violin Rey Paguio piano Divina Bautista piano”
https://www.youtube.com/watch?v=GK6WrC4jSoI
“Redentor Romero & Moscow Philharmonic Orchestra – Walay Angay”
https://www.youtube.com/watch?v=H1kcoXh3PQM
“My tribute to Red Romero.mp4. The Greatest Conductor and Violist of the Philippines.
Moscow Philharmonic Orchestra”
https://www.youtube.com/watch?v=QMvM_I-Ku-s

“Regalado José conducts an orchestra in an outreach performance”
https://lifestyle.inquirer.net/47961/the-legacy-of-regalado-jose/#ixzz5d4twqlxK

Regalado José (1927-2009) foi pianista, maestro (“Manila Symphony Orchestra”) e professor de piano. Graduado em Baltimore (Maryland) com o diploma de “Bachelor of Music” em 1952 e depois Mestrado em Música em 1953.
Ensinou piano cerca de seis décadas na “ UP College of Music” onde foi presidente e Professor Emeritus.
https://lifestyle.inquirer.net/47961/the-legacy-of-regalado-jose/
(1) «Anuário Estatístico de Macau», 1959 p. 73.

“ Com a presença do Governador e família, e com os artistas portugueses Vasco Barbosa, (1) violinista, Loureiro Dinis, cantor de «lied» e Grazi Barbosa, (2) pianista, realizou-se no teatro D. Pedro V, em 22 de Novembro de 1953, o I Concerto da temporada promovido pelo Circulo de Cultura Musical (3) e integrado nos festejos do 2.º aniversário de posse do Governador. (Almirante Joaquim Marques Esparteiro)

Vasco Barbosa e sua irmã Grazi Barbosa numa das suas interpretações.

Os irmãos Grazi e Vasco Barbosa, artistas de nome feito em Portugal e no estrangeiro, constituem um apreciável conjunto que o tempo e a sua vontade de triunfar transformarão em Artistas de excepcional categoria. Vasco Barbosa  é um violinista de apurada técnica, rara sensibilidade artística e conscienciosa interpretação das obras que executa, sempre com brilho, segurança e nitidez musical. Estas qualidades de virtuoso do violino pô-las ele à prova sobretudo na terceira parte do programa, onde o Rondó Caprichosos de Saint-Saens, a Campanella de Paganini, e o Sapateado de Sarasate saíram das cordas do violino com a grandiosidade com que foram imaginadas e compostas. Perante os entusiásticos aplausos do público, Vasco Barbosa, sempre acompanhado por sus irmã, tocou extra-programa a Dança Ritual do Fogo de Falla e o Voo de Moscardo de Rimsky –Korsakov.

Francisco Loureiro Dinis concedendo autógrafos às “fans” de Macau

Francisco Loureiro Dinis é um artista de vincada personalidade, possuidor de uma voz agradável  e bem timbrada e de uma dicção  perfeita em todas as línguas em que canta.
Preencheu esta Artista a segunda parte do programa com deliciosas canções dos melhores compositores estrangeiros e nacionais, e em todas se houve com perfeito domínio do bel-canto emprestando, ora a umas ora a outras, graciosidade poética, apaixonada emoção, vigor e arrogância, simplicidade e elegância. Loureiro Dinis é um cantor romântico que tanto interpreta com emotiva sensibilidade os cantares simples da gente do povo, como põe nas obras dos inspirados compositores todo o fogo ardente da suaalma de verdadeiro artista A Jota de Falla, a Canção da Índia de Rimsky-Korsakov e a canção portuguesa Macelada são peças que, pela maneira como foram cantadas, jamais o público de Macau esquecerá. “ (4)
(1) Vasco Luís Coimbra Barbosa (1930-2016), filho do violinista Luiz Barbosa (considerado o mais importante violinista português da sua geração e fundador do Quarteto de Cordas da Emissora Nacional),  foi um dos mais importantes violinistas portugueses do século XX e “concertino honorário” da Orquestra Sinfónica Portuguesa.
Como concertino (violino solista) de várias orquestras portuguesas e como solista percorreu o mundo em numerosos concertos em Portugal e no estrangeiro, com orquestra ou acompanhado de sua irmã Grazi Barbosa, em Espanha, Itália, Suiça, França, Áustria, Alemanha, Roménia, Grécia, Estados Unidos, África e Hong-Kong/Macau.
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Vasco_Barbosa
(2) Grazi Barbosa, (1922-) irmã de Vasco Barbosa, foi uma consagrada pianista que acompanhou o irmão em inúmeras digressões artísticas e professora de piano no Instituto Gregoriano de Lisboa.
(3) A delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical (com sede na Avenida da República s/n) foi inaugurada no dia 24 de Junho de 1952, por ocasião da visita do Ministro do Ultramar, Comandante Sarmento Rodrigues a Macau. Nesse dia, foi promovido o primeiro concerto com a apresentação de dois artistas portugueses de destacado valor e conhecido relevo no meio musical: o jovem (com 16 anos de idade) pianista Sérgio Varela Cid e o Director de Orquestra e violinista Silva Pereira.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/circulo-de-cultura-musical/
(4) Extraído da reportagem inserida no «Macau Boletim Informativo» Ano I-8,  1953.

A Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical, que foi fundada em 1952 a quando da visita do então Ministro do Ultramar, Comandante Sarmento Rodrigues, iniciou mais uma temporada artística no dia 21 de Novembro de 1956, apresentando no Concerto inaugural a jovem e talentosa pianista italiana Annarosa Tadei.
O recital que teve a presença do Encarregado do Governo, Brigadeiro João Carlos G. Q. de Portugal da Silveira, realizou-se no Teatro D. Pedro V perante numerosos sócios da agremiação cultural.
O programa que Annarosa Tadei executou no seu concerto em Macau mereceu o completo agrado de quantos a escutaram e se deleitaram com a sua apurada técnica e sentido interpretativo, nomeadamente na Sonata Op. 53 em Dó («Waldstein»), de Beethoven , nos Seis Prelúdios  de Chopin, e na Rapsódia Húngara n.º 6, de Liszt.
Annarosa Tadei, (1918-2011) artista pianista italiana, aluna de Alfredo Casella (a última aluna da sua escola), foi a discípula predilecta do célebre pianista e professor Alfred Cortot (discípulo de Maurice Ravel) que conheceu depois da guerra em 1947 (após falecimento de Alfredo Castella). Uma carreira artística invulgar em concertos e participando em orquestras sinfónicas prestigiosas em todo o mundo e alguns álbuns gravados (após 1951). Em 1976 devido a problemas com os pulsos das mãos deixou de actuar em público tornando-se professora e membro de júris de importantes competições de piano (foi membro do júri duma competição em Hong Kong em Janeiro de 2007).
https://www.naxos.com/person/Annarosa_Taddei/38972.htm

http://www.vintageadbrowser.com/celebrities-ads-1960s/4 

Uma entrevista com a pianista em
https://www.youtube.com/watch?v=yapJ4KHTE24&list=PLF578D713728FD094&index=1
(1) «MBI» IV-80, 1956.

A Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical  promoveu no dia 27 de Abril de 1954, o III Concerto da temporada, apresentando o conhecido pianista holandês Cor de Groot (1) que sob a égide da Companhia Philips, (2) estava realizando vários concertos de beneficência nas principais cidades do Extremo Oriente, oferecendo, também em Macau, a sua contribuição artística para fins de beneficência.

MBI - I-18 30ABR1954 - Cor De Groot IO pianista Cor de Groot cumprimentando o Governador Joaquim Marques Esparteiro

O crítico musical do diário «Notícias de Macau»,escrevendo sobre o recital de Cor de Groot, afirmou:
Iniciou este pianista o seu concerto com a Sonata op. 28 em Ré maior de Beethoven. Das 32 sonatas que o mestre de Bona legou à posteridade como um majestoso monumento de incomparável beleza artística , não é decerto esta a que pertence ao número das mais conhecidas mas, mesmo assim, o público  seguiu interessado a execução dos seus quatro andamentos aplaudindo generosamente, o executante, que revelou ser, na realidade, possuidor duma assombrosa técnica o que lhe permitiu dominar todas as dificuldades com perfeito sentido musical. As notas desferidas pelos seus bem ginasticados dedos saíram sempre cristalinamente nítidas e com óptima sonoridade. No entanto, pareceu-nos que De Groot não se encontrava bem à vontade dentro do espírito beethoveniano
E depois de se referir aos outros números do programa, o articulista termina, dizendo ” Entusiàsticamente ovacionado, De Groot obsequiou a assistência com a execução de Playera, uma das danças espanholas, de Granada”

MBI - I-18 30ABR1954 - Cor De Groot IICor de Goot assinando livros de autógrafos no final do concerto

O poder de comunicação deste artista varia segundo as obras que interpreta. Emprega admiràvelmente os pedais e toca com leveza e finura, sem amaneirada elegância. A segurança da sua memória e a espantosa agilidade com que percorre o teclado são simplesmente notáveis. De Groot é, sem dúvida,um pianista de brilhante futuro ” (3)
MBI - I-18 30ABR1954 - Cor De Groot III(1) Cor de Groot (1914 – 1993) , pianista e compositor dinamarquês. Estudou piano com Egbert Veen and Ulferts Schults e composição e regência com Sem Dresden. Formou-se em 1932 , apresentando um concerto de piano da sua autoria. Actuou em quase todo o mundo e as suas gravações são consideradas como “tesouros musicais”. Em 1959 devido a uma patologia neurológica na mão direita, continuou  a actuar o seu reportório com a mão esquerda (tem mais de 80 arranjos musicais, especialmente para a mão esquerda). Progressivamente recuperou da função motora da mão direita. Tornou-se director musical da “Fundação Radiodifusão Holandesa” e divulgador da música holandesa contemporânea. Faleceu em Amesterdão em 1993.
https://en.wikipedia.org/wiki/Cor_de_Groot
(2) Cor de Groot,  foi em meados dos anos cinquenta os primeiros “artistas da Philips”
http://www.opusklassiek.nl/solisten/cordegroot.htm
(3) Fotos e informações de «MACAU B.I. , 1954»

No dia 15 de Janeiro de 1955, realizou-se no Teatro D. Pedro V, o 3.º concerto da temporada,  promovido pela Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical  (1) sendo concertista o conhecido violinista escocês Maurice Clare (2) que foi acompanhado ao piano por Janeta  McStay, (3) uma das melhores pianistas da Nova Zelândia. Ao concerto assistiu o Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro  e família. (4)
MBI 35 15JAN55 - Concerto CCM I(1) A delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical (com sede na Avenida da República s/n) foi inaugurada no dia 24 de Junho de 1952, por ocasião da visita do Ministro do Ultramar, Comandante Sarmento Rodrigues a Macau. Nesse dia, foi promovido o primeiro concerto com a apresentação de dois artistas portugueses de destacado valor e conhecido relevo no meio musical: o jovem (com 16 anos de idade) pianista Sérgio Varela Cid (5) e o Director de Orquestra e violinista Silva Pereira.(6)

MBII 36 31JAN55 - Direcção CCM24JUN1952A Direcção da Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical com Silva Pereira e Sérgio Varela Cid no dia 24 de Junho de 1952

A Direcção, no ano de 1952, era constituída por Dr. Pedro José Lobo, presidente (3.º a contar da esq.);  Luís Gonzaga Gomes, secretário (2.º a contar da esq.);  Dr. Abel de Carvalho, director-artístico (2.º a contar da dt.); Dr. António Nolasco da Silva, vogal (1.º a contar da dt.) e José Silveira Machado, tesoureiro. (6)
MBI 35 15JAN55 - Concerto CCM Maurice Clare(2) Maurice Clare, em 1962, violinista e chefe de orquestra inglês.
National Library of Australia
http://trove.nla.gov.au/work/167571308?selectedversion=NBD49347224
MBI 35 15JAN55 - Concerto CCM Janetta MacStay(3) Janetta McStay, pianista neo-zelandesa.  Biografia consultar em:
http://www.musicinnz.com/Issues/mcstay.htm
Janetta McStay, final déc 50 (séc.XX) (Fotografia de Clifton Firth)
(4) Macau Boletim Informativo, 1955
(5) Sérgio Varela Cid (1935 – desaparecido no Brasil, em 1981, declarado morto em 1994, o seu corpo  nunca foi encontrado ), concluiu o curso no Conservatório Nacional, com 19 valores. Foi estudar para Londres, onde viveu praticamente toda a sua vida, e de onde encetou uma carreira internacional de concertista. Em finais dos anos 70 muda-se para o Brasil. Considerado um dos mais célebres e talentosos pianistas, no entanto, a sua vida privada (jogador inveterado e possível envolvência com negócios de contrabando) levaram-no ao triste fim.  (COSTA, Joel – Balada para Sérgio Varella Cid. Casa das Letras, 2007).
(6) Silva Pereira (1912-1992) violinista e chefe de orquestra, realizou os seus estudos musicais no Conservatório Nacional, onde obteve as mais altas classificações. Após terminados os estudos em Portugal, Silva Pereira parte para Paris, cidade onde prossegue os estudos de violino findo os quais inicia uma brilhante carreira internacional de concertista que o leva a actuar em diversos palcos da Europa, África e Extremo Oriente. Mais tarde dedicou-se à arte de reger vindo a apresentar-se em público, em 1944, como maestro. Maestro titular da Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional/Porto, cargo que ocupa entre 1957 e 1974, ano em que é nomeado maestro titular da Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional/Lisboa, posteriormente Orquestra Sinfónica da RDP. Silva Pereira manteve-se nestas últimas funções até 1989, ano em que a Orquestra da RDP foi extinta. Entre 1975 e 1980, exerceu ainda funções de director musical do Teatro Nacional de S. Carlos.
Informação retirada de António Ferreira em:
http://www.rtp.pt/antena2/premio-jovens-musicos/obras-compositores/maestro-silva-pereira_3082
(6) Macau Boletim Informativo, 1955.
NOTA: no Youtube circula  concertos dos artistas atrás referidos, nomeadamente:
Maurice Clare e Galina Solodchin com a Orquestra de Camerata String, em 1968:  “J. S.Bach Concerto for two violins & strings, second movemente”
https://www.youtube.com/watch?v=SAXM_gnr-s4
e Sérgio Varela Cid, em 1968,  “Beethoven Sonata n.º 23 “Appassionata“.
https://www.youtube.com/watch?v=bpua7Sto48g