Archives for posts with tag: Centro Hospitalar Conde S. Januário

Exposição “Artistas no Hospital” no átrio do Centro Hospitalar Conde de S. Januário no mês de Junho de 1997, obras de 18 artistas plásticos de Macau – tema dominante do Búfalo – com a coordenação de Isabel Pyrrait

CAPA DO CATÁLOGO (24 cm x 21 cm)

Apresento o catálogo dessa exposição, de 40 páginas com texto de introdução do Dr. A. Gomes da Silva (Director do Centro Hospitalar, nessa data), design gráfico de Luís Mendonça, executado na “Tipografia Martinho” em Junho de 1997.

Carlos Duarte – “1997: Búfalo” – tinta da china e aguarela sobre papel

Apresentaram trabalhos, os artistas: Adalberto Tenreiro; Ana Jacinto Nunes; Anabela Canas; Carlos Duarte; Dennis Murrell; Emílio Remelhe; Fernanda Dias; Joana Ling; Joaquim Branco; Jorge Costa; José Maças de Carvalho; Konstantin Bessmertnyi; Kwok Woon; Luís Mendonça; Manuela Sousa; Paula Vieira; Sou Pui Kun e Ung Vai Meng;
Retiro deste catálogo duas fotos dos quadros, que nessa altura mais apreciei: de Carlos Duarte (médico do Centro Hospitalar Conde de São Januário) e de Ung Vai Meng.

Ung Vai Meng – “Búfalo da Primavera” – acrílico sobre tela

João Pires Cutileiro, escultor (também ceramista) mais conhecido pelas suas esculturas em mármore, nascido em Lisboa em 1937, faleceu nessa mesma cidade no dia 5 de Janeiro deste ano.

Viveu e trabalhou em Évora desde 1985, tendo duas das suas obras expostas ao público em Macau: uma no jardim do Centro Cultural de Macau, inaugurado a 19 de Março de 1999, de um grupo escultórico esculpido em mármore cinzento de Estremoz com um barco de pedra e cavaleiros preparados para a guerra, inspirados nos guerreiros de terracota de Xian e a outra, mais escondida do público, “corpo feminino-mulher deitada” de 28 de Novembro de 1989, colocada no átrio principal de entrada aquando da inauguração do 1-ª edifício do conjunto dos três edifícios que constituía o Centro Hospitalar Conde de S. Januário.

Átrio principal da entrada do Centro Hospitalar Conde de S. Januário (C.H.C.S.J.) edifício do Bloco Clínica Obstétrica e Pediatra (para a esquerda da foto) e da Clínica Médico – Cirúrgica (para a direita da foto). Ao fundo, no centro, a escultura de João Cuteleiro.

Apresento três postais de uma colecção de seis (15 cm x 10 cm) que os Serviços de Saúde de Macau editou a propósito dos 120 anos da inauguração do «Hospital Militar de Sam Januário”, inaugurado a 6 de Janeiro de 1874.

Perspectiva do átrio principal do C.H.C.S.J.
Escultura de João Cutileiro – 1989; Átrio principal do C.H.C.S.J
Escultura de João Cutileiro (pormenor) – 1989; Átrio principal do C.H.C.S.J.

Recorda-se que a escultura não foi bem vista pela comunidade chinesa, apesar da ideia da mulher nua ter sido baseada na tradição dos tempos dos imperadores em que as mulheres dos mandarins não podiam ser observadas pelos curandeiros/médicos. Assim quando estavam doentes, as aias ou criadas levavam uma boneca /pequena escultura e apresentavam-na aos médicos, apontando o local da dor/maleita. Se precisassem ser observadas o médico somente podiam palpar o pulso para fazer o diagnóstico.

A escultura controversa foi, por isso, posteriormente transferida para o átrio do terceiro edifício deste Centro Hospitalar – a entrada para a Escola Técnica dos Serviços de Saúde e do seu anfiteatro (junto à placa da inauguração dessa Escola no dia 3 de Dezembro de 1992), onde suponho que lá esteja ainda hoje.

PROGRAMA – 21 cm x 14,5 cm

Realizaram-se em Macau nos dias 10 e 11 de Dezembro de 1996, o “I Congresso Luso-Chinês de Clínica Geral e de Medicina Interna de Macau” / 1st. Portuguese-Chinese Congress of General Practice and Internal Medicina in Macau”, no auditório do Centro Hospitalar Conde de S. Januário. Foi uma realização científica conjunta organizada em Portugal por uma comissão organizadora: Prof. Dr. Armando Porto, Dr. Barros Veloso, Prof. Dr. José Guilherme Jordão e Dr. Pedro Moura Reis, e localmente por uma comissão científica chefiada pelo então Sub-Director dos Serviços de Saúde de Macau. Dr. Rogério Santos, com elementos da área dos Cuidados Primários e do Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar Conde de S. Januário).

PROGRAMA – capa e contracapa

Apresento o programa (21 cm x 14,5 cm) com 40 páginas, contendo uma introdução, pp. 1-3 (personalidades da comissão de honra; comissão organizadora; comissão científica); o programa calendário do congresso, p. 5; o programa científico pp. 7-11; os resumos dos trabalhos apresentados pp.13-38 e nomes dos palestrantes p. 39.

PROGRAMA – p. 1
PROGRAMA – pp. 2-3

                                                             

PROGRAMA – p. 5
PROGRAMA – p. 39

                            

O “II Congresso Luso-Chinês de Clínica Geral e Medicina Interna de Macau e Jornada de Doenças Infecciosas de Macau”, com o Alto Patrocínio do Governo de Macau, realizou-se, em Macau, de 2 a 4 de Dezembro de 1998.
As sessões científicas realizaram-se no Auditório do Centro Hospitalar Conde de S. Januário
Apresento algumas páginas do Programa deste Congresso e Jornada (21 cm x 15 cm) com 44 páginas, onde contém o programa calendário do encontro, o programa científico e os resumos das intervenções.
Os médicos do Departamento de Cuidados de Saúde Primários e do Serviço de Medicina do
Centro Hospitalar Conde de S. Januário que intervieram como moderadores (presidentes das sessões) e/ou palestrantes/conferencistas) foram (por ordem alfabética):
Dr António Victal  (RIP)
Dr. Fernando Alvarenga
Dr. Jorge Leitão Pereira
Dr. José Baptista Pereira
Dr. Luís Borges Dias
Dr. Ng Hou

Durante as “1.ªS JORNADAS DE DERMATOLOGIA E VENEREOLOGIA DE MACAU” que decorreu nos dias 25 a 28 de Novembro de 1994, (no ano em que decorreram várias reuniões científicas para comemorar os 120 anos do Hospital) no auditório da Escola Técnica do Centro Hospitalar Conde de S. Januário, a Comissão Organizadora dessas jornadas, organizou uma exposição de pinturas de cinco artistas que residiam na altura em Macau.

CAPA

O produto da venda do catálogo e 20% do lucro dos quadros vendidos na exposição destinavam-se à futura Associação dos Doentes com Lupus.

CONTRA-CAPA

Apresento o catálogo da exposição (patrocionador: BCM) de 24 páginas (capa: 24 cm x 24 cm) com o design de Isabel Pyrrait, imprimido na Tipografia Martinho.

1.ª Página

A exposição dos quadros que decorreu no átrio da entrada do Centro Hospitalar Conde de S. Januário, teve a concepção de Isabel Pyrrait e Vicente Bravo.
Os artistas representados foram: Isabel Pyrrait, Joana Ling, Konstantin Bessmertnyi, Kwo Woon e Vicente Bravo.

Um dos quadros exposto de Kwok Woon (1) – O Sonho do Oriente

(1) Kwok Woon – pintor profissional, nascido em Cantão em 1942, em Macau desde 1980 e falecido em 2003,. Membro fundador do “Círculo dos Amigos de Cultura de Macau”
Ver biografia num artigo do pintor Mio Pang Fei, sobre Kwok Woon, disponível em
http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30004/1449
e a propósito de uma exposição póstuma intitulada “Velejar no Sono””, em 2016 onde se apresentou 40 obras/séries deste artista, ver em
https://www.gov.mo/pt/noticias/124067/

Decorreu em Macau de 6 a 9 de Novembro de 1998 o “ I Encontro Luso-Asiático de Cirurgia Plástica Reconstrutiva” e simultaneamente a “XXVIII Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Cirurgia”, organizado pelo Serviço de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva do Hospital de S. José (Portugal) com o apoio da Direcção da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva e Estética e do Governo de Macau.
A Comissão local foi composta pelos Drs. Yun Fee, Alice Reis Maya e Wu Kin Chi.
A sessão de abertura decorreu no Hotel Mandarim Oriental, no dia 6 de Novembro-

Os trabalhos científicos que se iniciaram no dia 8 de Novembro, realizaram-se no anfiteatro da Escola Técnica dos Serviços de Saúde no Centro Hospitalar Conde S. Januário.
Os Palestrantes eram de Portugal, China, Hong Kong, Tailândia e Macau.

Do programa social, salientou-se a visita turística a Macau e o jantar de recepção no dia 7 de novembro, o jantar convívio no dia 8 de Novembro e o jantar de gala no dia 9 de Novembro. Nos dias 8 e 9 os participantes e acompanhantes tiveram visitas (facultativas) a Cantão ou Hong Kong.

Realizou-se entre 5 e 7 de Janeiro de 1998, no auditório do Centro Hospitalar Conde S. Januário, em Macau, o “II Congresso de Medicina Geral e Familiar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa” organizado pela Associação “Saúde em Português” (Coimbra) com a colaboração de uma comissão organizadora de médicos locais.
Retiro do PROGRAMA:

NOTA: A conferência final “A PAZ” foi dada pelo Dr. José Ramos Horta, Nobel da Paz em 1996, no exílio durante a ocupação indonésia entre 1975 e 1999. Foi depois presidente de Timor entre 2007 e 2012,

Capa 31 cm x 22 cm x 0,5 cm) dos Serviços de Saúde de Macau emitido no ano da comemoração dos 120 anos do Hospital S. Januário; nesse ano de 1994, já denominado Centro Hospitalar Conde de S. Januário.
O primitivo Hospital Militar Sam Januário foi inaugurado em 6 de Janeiro de 1874 e foi demolido em Novembro de 1952, para em três fases ser substituído por outro – Hospital Conde de S. Januário e depois Hospital Central Conde de S. Januário.
Ver anteriores referências do Hospital S. Januário em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-hospitalar-conde-s-januario/

Cartão de Boas Festas dos Serviços de Saúde de 2000 (aberto: 32 cm x 23 cm) com desenhos efectuados pelas crianças no concurso anual que então era organizado pelo Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar Conde de S. Januário.

Desenho da Capa – 1.º Classificado: Pun Veng Si, de 9 anos.
Desenho do 2.º classificado: Nai Sut I, 8 anos de idade

Uma lembrança do 130.º Aniversário do Centro Hospitalar Conde de São Januário (1874-2004)
Um “pisa-papeis” em forma de cubo (4,8 cm x 4,8 cm x4,8 cm) de vidro.
Do Boletim Oficial de 10 de Janeiro de 1874:
«Teve logar no dia 6 do corrente, como estava anunciado, a inauguração solemne do hospital militar de S. Januário segundo o programma que foi publicado n´esta folha. Sua Ex.ª o Governador da província de Macau e Timor, Visconde de S. Januário às 2 horas precisas deu entrada no edifício do hospital, dirigindo-se à sala destinada à inauguração.
A sala achava-se decorada com trophéos artisticamente dispostos, no centro do trophéo principal achava-se o retrato de S. Ex.ª. Na balaustrada que circunda o perímetro onde se acha edificado o hospital e no mesmo edifício tremulavam nas suas hastes, numerosas bandeiras, distinguindo-se nos dois torreos extremos as que são privativas dos hospitaes… (…).
O primitivo Hospital Militar inaugurado a 6-01-1874 começou a ser demolido em Novembro de 1952, para em três fases ser substituído por outro – Hospital Conde de S. Januário.
O primeiro centenário do Hospital de S. Januário foi comemorado no dia 6 de Janeiro de 1974, com uma exposição no salão nobre do Leal Senado intitulada «O Hospital e a Saúde Pública» seguida de uma sessão solene presidida pelo Nobre de Carvalho.
Ver anteriores referências do Centro Hospitalar:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-hospitalar-conde-s-januario/