Archives for posts with tag: Carreira de Tiro da Taipa

Extraído de «BGU» XXXIX 456/457, JUN/JUL 1963.

No dia 27 de Março de 1973, a convite do Comando Territorial Independente de Macau, a imprensa portuguesa e chinesa, a que se associou uma equipa de reportagem da C.I.T., o Aquartelamento de Coloane onde se encontra instalada uma Companhia de Caçadores (constituída na sua grande maioria, por rapazes da Madeira, que chegaram a Macau nos princípios do mês de Janeiro de 1973 e onde decorre a Escola de Recrutas de 1973.

Grupo fotográfico dos jornalistas com os oficiais que os acompanharam na visita, na entrada da messe.

Acompanharam os representantes dos órgãos de informação pública locais, o Major do CEM Rui Lobato de Faria Ravara, Chefe do Estado Maior do CTIM, e o Capitão Elísio Rolando Bastos Bandeira, a que se juntaram, no cais da Taipa, onde se fez o desembarque, o Major Helder Reis de Oliveira, director da Instrução e o Capitão Henrique Dias, comandante da referida Companhia de Caçadores.

Na carreira de tiro da Taipa, um grupo de recrutas em exercício.

Transportados em «jeeps», os visitantes dirigiram-se à Carreira de Tiro da Taipa, onde se encontrava um grupo de recrutas em instrução. Explicou o Major Ravara que esta dependência dos Serviços Militares seria, em breve, transferida para outro local das Ilhas – melhor situada e com instalações apropriadas e funcionais. – por interferir com os planos do Governo no aproveitamento desta zona para fins industriais e outros de grande interesse para o progresso do território insular.

Os recrutas aprendem a conhecer as armas

Referindo-se à finalidade da visita, acentuou que a mesma se destinava a mostrar os melhoramentos realizados nas instalações do aquartelamento de Coloane, que reentrava ao serviço no ano passado (1972) , depois de cerca de 14 anos praticamente sem serventia e a verificar como se preparavam os jovens recrutas.
Novamente nos veículos, os jornalistas e as individualidades que os acompanhavam romperam caminho por estreitas picadas, até entrarem na estrada que os levou a Coloane, depois de atravessarem a faixa de ligação entre as duas ilhas.
Num terreiro, a meio da encosta, um pelotão da Escola de recrutas fazia exercícios físicos, que já contavam quase três meses de treinos . Outro pelotão faziam exercícios de marcha e manejo de armas , como parte da instrução que lhes cabia no programa desse dia.” (1)
Continua…
(1) Fotos e reportagem in «MACAU B.I.T.», 1973.