Carlos de Faria de Milanos ou Carlos de Cadoro, como também assinava (Aveiro, 3 de Dezembro de 1879 – 8 de Janeiro de 1932), que usou o título de 2.º Barão de Cadoro, (1) foi um militar português.
Fez o Curso Secundário no Colégio Militar e o Curso de Cavalaria na Escola do Exército. Alferes em 1901, promovido a Tenente em 1904 e neste posto prestou serviço em Macau (2). Há referência duma nomeação, em 1906, para o lugar de Procurador Administrativo dos Negócios Sínicos, interino.
A seguir foi colocado em Cabo Verde, como Chefe do Estado-Maior do Exército interino. Como Capitão em 1911, fez parte do Corpo Expedicionário Português, com o qual embarcou para França a 28 de Maio de 1917. Neste ano foi promovido a Major e comandou interinamente a Base de Desembarque, em Brest. Promovido em 1918 a Tenente-Coronel, exerceu várias comissões na Direção da Arma e no Ministério da Guerra e comandou, em 1925, o Regimento de Cavalaria n.º 2. Promovido a Coronel, sempre de Cavalaria, em 1930 chefiou a 1.ª Repartição da 1.ª Direção-Geral do inistério da Guerra.
Mais informações em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_de_Faria_de_Milanos

Carlos Faria de Melo Milanos
Barão de Cadoro
https://www.pinterest.pt/pin/386394843002498929/

(1) Barão de Cadoro é um título nobiliárquico criado por D. Carlos I de Portugal, por Decreto de 16 de Novembro de 1893, em favor de Carlos de Faria e Melo, 1.º Barão de Cadoro. Após a Implantação da República Portuguesa, e com o fim do sistema nobiliárquico, Carlos de Faria de Milanos usou o título de 2.º Barão de Cadoro por autorização de D. Manuel II de Portugal no exílio de 28 de Março de 1925.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Bar%C3%A3o_de_Cadoro
(2) “1906 – O B.O. n.º 41 – Portaria n.º 153 nomeia para o lugar de Procurador Administrativo dos Negócios Sínicos, interino, Carlos, barão de Cadoro, natural de Águeda (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Voume 4, 1997).