Archives for posts with tag: Campo Desportivo Coronel Mesquita (Tap Seac)

O 1.º dia de Dezembro, data da Restauração da Independência Nacional, era celebrado em Macau com as características dos feriados nacionais.
Assim, a bandeira nacional era hasteada em todos os edifícios públicos da Província e nesse ano de 1955, troou compassada a artilharia com a salva de 21 tiros disparada do alto da Fortaleza do Monte e do Aviso «Pedro Nunes». Os edifícios ostentaram suas fachadas com iluminação de gala desde o fechar da noite até às 24 horas, o mesmo fazendo o «Pedro Nunes».
A Mocidade Portuguesa celebrou, neste dia, a sua festa anual, com programa escolhido ao qual presidiu o Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro que chegou ao campo de Tap Seac, pelas 9 horas onde passou revista à guarda de honra que a Mocidade lhe prestou.

MBI III-57 1955 1.º Dezembro IA seguir foi celebrada a missa campal no altar improvisado para esse fim junto ao edifício da Caixa Escolar pelo Bispo de Macau, D. Policarpo da Costa Vaz.

No final da missa, seguiu-se o desenrolar do programa de demonstrações pelos filiados da Mocidade Portuguesa, com curiosos números de ginástica e sinalagem, e entoações de números de canto coral.

MBI III-57 1955 1.º Dezembro IIEm seguida, distribui-se diplomas aos graduados promovidos e a «Bandeira da Mocidade», em formatura geral prestou continência ao Primeiro Magistrado da Província.

MBI III-57 1955 1.º Dezembro IIIEncerrou-se o programa com o Hino Nacional, cantado em coro por todos os filiados.

Informações   e fotos de Macau B. I., 1955
NOTA: Ver idêntica cerimónia , o 1º de Dezembro de 1953, em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/12/01/noticia-de-1-de-dezembro-de-1953-mocidade-portuguesa/

MOSAICO III-15-16 4NOV1951 Hockey Club de Macau AA EQUIPA A DO HOCKEY CLUB DE MACAU

 No dia 4 de Novembro de 1951, no campo desportivo de hóquei do Tap Seac, defrontaram-se em animados desafios os grupos das 1.as e 2.as categorias dos Argonautas de Hong Kong e Hockey Club de Macau. O grupo da 1.ª categoria de Macau empatou, por 2 a 2, com o grupo correspondente de Hong Kong.

 MOSAICO III-15-16 4NOV1951 Argonautas de HK AA EQUIPA A DOS ARGONAUTAS DE HONG KONG

O grupo da 2.ª categoria de Macau conseguiu derrotar o grupo de 2.ª categoria de Hong Kong por 7 a 1.

MOSAICO III-15-16 4NOV1951 Hockey Club de Macau BA EQUIPA B DO HOCKEY CLUB DE MACAU

MOSAICO III-15-16 4NOV1951 Argonautas de HK BA EQUIPA B DOS ARGONAUTAS DE HONG KONG

Retirado de MOSAICO, VOL. III, 1951

Em 1935 foi pôsto em vigor o Recrutamento Militar na Colónia em harmonia com o decreto n.º 19.920, procedendo-se à primeira incorporação de recrutas em 1936, seguindo-se as incorporações periòdicamente em Setembro de cada ano. Os mancebos incorporados, naturais de Macau e doutros pontos da China, mas todos portugueses, têm satisfeito plenamente não só pelas suas qualidades físicas e morais como pela noção exacta que têm do dever militar para com a Pátria.

A média de mancebos recrutados é de 40 o que já dá uma reserva de mobilização de cêrca de 200 homens com idade inferior a 30 anos.”… (…)

UN Publicação ANO XIV Revolução Instrucções das tropas IAspecto de exercícios de instrucções das tropas 

A instrução inicia-se em 16 de Setembro e termina em 31 de Agosto, compreendendo a instrução de recrutas, a dos quadros permanentes e a das praças licenciadas. Na Primeira procede-se à formação militar do soldado do serviço geral da arma a que os recrutas pertençam; na segunda, à formação de especialistas e graduados, aperfeiçoamento das funções de cada pôsto e colectivamente ao desempenho de missões de campanha; na terceira, faz-se recordar a instrução recebida e ensina-se a utilizar os novos materiais. 

UN Publicação ANO XIV Revolução Instrucções das tropas IIUma parada da Guarnição Militar de Macau no campo de Tap Seac

Para além das Companhias Europeias de Artilharia e das Metralhadoras existentes foi a guarnição da Colónia aumentada pelo decreto n.º 30.117 de 8 de Dezembro findo, com duas Companhias Indígenas de Caçadores. (1)

(1) CORREIA, Fausto – Breves Considerações sobre o Aspecto Militar da Colónia” in  Publicação da União Nacional de Macau no Ano XIV da Revolução. Tipografia do Orfanato Salesiano, 1940, 137 p.

NOTA: O capitão Fausto Correia era o Chefe de Estado Maior, em Macau, nesse ano.

 

Hoje, dia 14 de janeiro de 1950, faleceu no Hospital Conde S. Januário, com a idade de 57 anos, Fernando Lara Reis.

Hernâni Anjos escreveu no jornal “Notícias de Macau”, do dia 17 de Janeiro de 1950”:

Professor austero e adorado; o turista tenaz e minucioso; o militar que combateue consagrou a memória dos que a seu lado tmbaram no campo da luta; o amigo sincero e firme, o companheiro amável e bem humorado, o cavaqueador que, por si só, eras pessoa para sustentar, durante, horas a animação da conversa em qualquer meio social… (…)
… Fernando de Lara Reis despediu-se esta madrugada de todos os seus inúmeros alunos, que tando o respeitavam e adoraram; de todos os imensos pontos do Mundo até onde conseguiu levar a par das múltiplas malas de viagem, a inesgotável mala da sua curiosidade… (…)
Pôs-se ontem verdadeiramente o Sol no “Sol Poente                       

Fernando Lara ReisFernando de Lara Reis (Leiria, 28-12-1892), frequentou o Colégio Militar (então chamada Escola de Guerra) e participou como tenente aviador militar na I Guerra Mundial aonde veio a sofrer um desastre que o obrigou a reformar-se com a patente de capitão.
Chegou a Macau em 1919, para ensinar no Liceu Central de Macau (nesse ano ainda instalado no Hotel da Boa Vista e depois, já no Tap Seac, em 1937, Liceu Nacional Infante D. Henrique). Professor de desenho, ciências naturais e de ginástica.
A ele ficaram a dever várias acções de âmbito escolar, tais como a fundação da “Associação Escolar do Liceu” (Estatutos publicados em 1935) que foi a sucessora da “Academia” fundada em 1920 (1) pelo reitor, Dr. Carlos Borges Delgado.
Dotado de um grande espírito de iniciativa, para diversão dos alunos, adquiriu mesas de “ping-pong”, uma mesa para xadrez e uma para damas, promoveu a construção de um campo de basquebol, um de voleibol e um de bagminton., fazim-se exposições de trabalho escolar (2) festas de convívio, passeios à China (Choi Hang) (3) (utilizando transportes de Companhia de Autocarro “Kee-Kuan”), campeonatos desportivos inter-escolares. Promotor da Feira Escolar para a construção do Campo Desportivo Escolar depois denominado Campo da Caixa Escolar para uso exclusivo dos estudantes. (4)
Partiu para Portugal em 1940 e daí para o Liceu Afonso de Albuquerque, em Goa onde permaneceu 5 anos. Após a II Guerra Mundial regressou a Macau.
Sócio-fundador do “Rotay Club de Macau”, legou à Santa Casa da Misericórdia de Macau, a sua residência “SOL POENTE” na Avenida da República. Mais tarde, por iniciativa dos rotários, foi aí instalada a Clínica «Lara Reis», o primeiro centro de luta anticancerosa (5).

Clínica Lara ReisClínica «Lara Reis» em 1988 (5)

Fundou em Macau a secção local da “Liga dos Combatentes da Grande Guerra”, tendo como sede, a torre ainda hoje existente no plano superior do Jardim de S. Francisco. (6) e a construção de um ossário–monumento dos Combatentes da Grande Guerra no Cemitério de S. Miguel.(7)

(1) “05-10-1920 – O Liceu Central começa a publicar mensalmente o jornal A Academia, que segue até o número 9 de Julho de 1921, sob a responsabilidade de Pedro Correia da Silva.”
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XX, Volume 4. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, 2.ª Edição, Macau, 1997, 454 p (ISBN 972-8091-11-7)
(2) “19-04-1928 – O Liceu Central de Macau preparou e vai enviar trabalhos de Desenho ao Congresso Pedagógico do Professorado do Ensino Secundário em Viseu. O Prof de Desenho é Lara Reis. O Liceu mostra, além de um forte vínculo luso-oriental, enormedinamismo a nível local já que acaba de receber a visita do Reitor da Universidade de Hong Kong, Prof. Horneli, que se interessou muito pela História de Portugal, pela produção artística dos alunos, exposta, e pelo apetrechamento do Liceu, nomeadamente a colecção de História Natural” (1)
(3) “03-01-1927 – Visita dos estudantes do Liceu de Macau aos estudantes da Universidade Leng-Nám de Cantão.”
GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(4)  Depois denominado Campo Desportivo Coronel Mesquita (Tap Seac)
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/caixa-escolar/
(5) A Clínica «Lara Reis», foi inaugurada a 15 de Abril de 1951, após uma subscrição entre os rotários. Foi o primeiro e único centro de luta anti-cancerosa no Sul da China e também o único nas províncias ultramarinas, nessa época. O edifício foi adquirido (e mantém-se) para sede da Cruz Vermelha, em 1988. A foto de 1988 foi retirada da revista “Macau”, n.º 13, 1988.
(6) Ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/03/20/servico-postal-militar-em-macau/
(7) Inaugurado a 9 de Abril de 1938  e onde se encontram os seus restos mortais, após transladação em 1954.

Informação e foto retirados de BARROS, Leonel – Homens Ilustres e Benfeitores de Macau. Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (APIM), 2007, 196 p., ISBN 978-99937-778-8-5.

O 1.º Dezembro de 1953 foi condignamente festejada em Macau pelos filiados da Mocidade Portuguesa.

MBI MP 1DEZ 1953 I

Foi levantado no Campo Desportivo Coronel Mesquita (vulgo Campo do Tap Seac) um altar junto do qual, na noite de 30 de Novembro para de 1 de Dezembro, os rapazes da Mocidade Portuguesa estiveram em velada de armas perante a imagem da Imaculada Conceição.
Às 9 horas em ponto do dia 1, chegou Sua Ex.ª o Governador da Província, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, ao referido Campo onde a Mocidade Portuguesa (Milícia), no seu aprumo impecável, prestou a Sua Ex.ª as devidas honras.

MBI MP 1DEZ 1953 IISua Ex.ª o Governador passando revista à guarda de honra formada por dois castelos da Milícia

 Celebrou a missa, Sua Ex.ª Rev.ma o Bispo de Macau, D. João de Deus Ramalho.

MBI MP 1DEZ 1953 IIIUm aspecto da numerosa assistência à Missa Campal, vendo-se na primeira fila Sua Ex.ª o Governador da Província e Sua Exma. Família.

 MBI MP 1DEZ 1953 IVO Comandante da Milícia, capitão José Vaz Dias da Silva, lembrou aos rapazes da Mocidade os seus deveres de filiados.

 Constou a segunda parte da festa dum jogo de futebol em miniatura entre os centros  N.º 1 Liceu e N.º 5 Seminário  e da apresentação da escola de sinaleiros que fez uma pequena demonstração em que evidenciou as suas aptidões e a paciência dos seus instrutores.
Após alguns cânticos patrióticos cantados em coro por todos os filiados, procedeu-se à entrega de insígnias e diplomas aos novos graduados.

MBI MP 1DEZ 1953 VSua Ex.ª o Governador fez entrega de insígnias e diplomas aos novos graduados da Mocidade Portuguesa.

 Fotos e informação retirados de Macau Boletim Informativo, 1953.