Archives for posts with tag: Boletim Geral do Ultramar
Extraído de «BGU», n.ºs – 529/530, Jul/Ago, 1969, p. 196.
1 PATACA – Igreja e Convento de Nossa Senhora das Relíquias de Vidigueira

A Igreja e o Convento Carmelita de Nossa Senhora das Relíquias (Quinta do Carmo) é um dos monumentos mais importantes da vila de Vidigueira, do distrito de Beja. Foi aqui que Vasco da Gama foi condecorado como 1.º conde de Vidigueira. Os restos mortais do navegador vieram para a igreja deste convento, em 1539, e aí estiveram até à sua trasladação para o mosteiro dos Jerónimos, em 1880.

“O Convento de Nossa Senhora das Relíquias já de há muito não existe, pois foi extinto quando da abolição das ordens religiosas em 1834. Mas o edifício onde esteve instalado esse convento ainda hoje se conserva, embora adaptado a casa de habitação, e os terrenos que lhe estão adstritos constituem, já desde o século passado, a Quinta do Carmo, designação derivada do nome da ordem a que pertenciam os frades que aí tiveram residência. ” https://www.freguesiavidigueira.pt/index.php/patrimonio/antigo-convento-de-nossa-senhora-das-reliquias

Duas imagens da actividade cultural com legendas, provavelmente do mês de Maio de 1957,   publicadas no «BGU», XXXIII- 304, Junho de 1957, pp. 301-305.

Sessão solene no Leal Senado no dia 28 de Maio de 1955, para comemorar o golpe de estado (28 de Maio de 1926) protagonizado por militares e civis antiliberais, comandado pelo general Gomes da Costa, que resultou a queda da Primeira República Portuguesa e a instauração da Ditadura Militar. Depois legitimada na Constituição de 1933, e instauração do Estado Novo.

A mesa que presidiu à sessão solene, vendo-se o Governador Joaquim Marques Esparteiro (1) a discursar
Edmundo Senna Fernandes (2) fazendo a sua conferência sobre o tema «Salazar – A sua política de sempre»

Imagens extraídas de «BGU»,  XXXI-361-362, Julho-Agosto 1955 pp. 382

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joaquim-marques-esparteiro/

(2) Edmundo José de Senna Fernandes (1897-1981), filho de Bernardino de Senna Fernandes Jr (2.º conde) (1867-1911) e Maria Francisca Xavier do Couto. Leccionou na Escola Comercial «Pedro Nolasco», no Seminário de S. José e no Colégio do Sagrado Coração. Presidente da Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (APIM) e comendador da Instrução Pública (1979). FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, Volume III. ICM, 1996, p. 552. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/edmundo-de-sena-fernandes/

Foi inaugurada no dia 8 de Maio de 1957, o novo infantário do Menino Jesus, junto ao Canídromo, na Avenida Almirante Lacerda, no sopé da Colina de Mong Há. A planta era da autoria do eng. José Maria Paulo Rodrigues e a construção importou em 43.000 patacas pagas pela Catholic Welfare. Tinha capacidade para 100 crianças, ficando a cargo das Madres Canossianas. O Infantário era dotado dum magnífico parque para recreio das crianças.

O Bispo de diocese, D. Policarpo da Costa Vaz benzendo as instalações do novo infantário do Menino Jesus (1)

Segundo Padre Teixeira (2), estava anexa à “Escola Infantil do Menino Jesus” (3) também dirigida pelas Irmâs Canossianas. As Canossianas mantinham além do infantário do Menino Jesus em Macau, o infantário da Beata Madalena de Canossa em Coloane; acolhiam todos os dias 70 a 30 crianças respectivamente de 1 a 5 anos. Eram-lhes fornecidas refeições gratuitas.  As Madres substituíam as mães durante o dia, em que estas eram obrigadas a procurar no trabalho os meios de subsistência. (2)

Aspecto da inauguração do Infantário (3)

Em 1975,  o local do infantário foi transformada em Casa Mortuária.

(1) Extraído de «BGU» XXXIII- 304, Junho de 1957, pp. 301-305

(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982, pp. 342 e 347.

(3) A “Escola Infantil do Menino Jesus”, em 1981, era frequentada por 185 crianças, ensinadas por quatro professoras. As aulas de catequese eram ministradas por três legionárias.

Extraído de «BGU», XXXIV-393, Março de 1958, pp. 200-207

Artigo do jornal “ Notícias de Macau” de 9 de Outubro de 1968, reproduzido no «Boletim Geral do Ultramar» (1)

(1) «BGU» ANO XLIV, 521/522, NOV/DEZ de 1968, pp. 222-224
Extraído de «BGU»,  XXXI n.º 361-361, Julho-Agosto de 1955, p. 388

“Um eclipse solar total ocorreu em 20 de junho de 1955. Um eclipse solar total ocorre quando o diâmetro aparente da Lua é maior que o do Sol, bloqueando toda a luz solar direta, transformando o dia em escuridão. A totalidade ocorre em um caminho estreito através da superfície da Terra, com o eclipse solar parcial visível sobre uma região circundante com milhares de quilômetros de largura. Com uma duração máxima de 7 minutos e 7,74 segundos, esse é o maior eclipse solar da série saros 136, bem como o maior eclipse solar total desde o século 11 e até o século 22” https://en.wikipedia.org/wiki/Solar_eclipse_of_June_20,_1955

Extraído de «BGU», n.º 314, Ano XXVII, Agosto de 1951

Aspecto da assistência à celebração da Festa de Portugal (10 de Junho), levada a efeito na gruta de Camões, vendo-se ao centro a tribuna de honra presidida pelo Governador Capitão-tenente Albano Rodrigues de Oliveira (1) e o Dr. José Tertuliano Cabral a discursar. O outro orador foi Lei Chong Meng, director da Escola Secundária chinesa. No fim da sessão desfilaram numerosas delegações de escolas portuguesas e chinesas que depuseram flores na base do monumento.

(1) Nesse ano, em 23 de Novembro de 1951 tomava posse novo governador, Joaquim Marques Esparteiro https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/albano-rodrigues-de-oliveira/

Extraído de «BGU», XXXI – 359, MAIO 1955, p. 199

Depois da ocupação japonesa de Hong Kong em finais de 1945, com o reacender do conflito entre nacionalistas e comunistas chineses na China, houve uma grande deslocação de emigrantes chineses do continente para Macau e Hong Kong. De Macau, muitos deles depois foram para Hong Kong, o que  explica a diminuição da população de Macau, nos dados estatísticos dos recenseamentos de 1950 (187772) e de 1960 (169299) comparando com os dados de Hong Kong: estima-se que entre 1945 e 1951 a população de Hong Kong de 600,00 passou a 2.1 milhões. https://en.wikipedia.org/wiki/1950s_in_Hong_Kong

Extraído de «BGU» XLV – 525 Março de 1969.

NOTA:

«Universe Portugal» – IMO 6905329
Fotografia de Jim Gallacher (1

“Universe Portugal” (2) – Petroleiro –  IMO No: 6905329.
Construído em 1969 na empresa “Mitsubishi Heavy Industries Ltd, Nagasaki, Japan” de 149, 622 ton. de arqueação
bruta; DWT (Deadweight) de 332,337 tons. Destruída em 1980 (última bandeira conhecida – Libéria)

«Universe Portugal» – IMO 6905329
Fotografia de Jim Gallacher (1)

(1) http://www.shipspotting.com/gallery/photo.php?lid=4279
(2) Pertencente a uma série de 6 petroleiros encomendados por “Bantry Transportation Co.” : “Universe Iran”; “Universe Ireland”; “Universe Japan”; “Universe Korea”¸ Universe Kuwa IT”; e  “Universe Portugal”.