Archives for posts with tag: Boletim do Governo de Macau
Extraído de «BGM», VI-28 de 20 de Junho de 1860
Extraído de «BGM», XI-23 de 5 de Junho de 1865, p.92
Extraído de «BGM», XI-21 de 22 de Maio de 1865, p.. 84 , 2,ª feira
Extraído de «BGM», VII-25 de 25 de Maio de 1861
Extraído de «BGM», VII-23 de 11 de Maio de 1861, p. 90

O governador de Macau nesta data era Isidoro Francisco Guimarães (19-11-1851 a 1863)  (1)

NOTA: Sir Hercules Robinson 羅士敏 (1824-1897) governou Hong Kong de 9 de Setembro de 1859 a 11 de Março de 1865.

Hercules George Robert Robinson, 1st Barão de Rosmead, foi o 5.º Governador de Hong Kong e depois, o 14.º Governador de “ New South Wales”, o 1.º Governador de Fiji, e o 8.º Governador de Nova Zelândia.   https://en.wikipedia.org/wiki/Hercules_Robinson,_1st_Baron_Rosmead

Anterior referência a este governador em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/21/noticia-de-21-de-abril-de-1866-visita-do-governador-de-hong-kong/

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/

Extraído de «BGM», XI-17 de 24 de Abril de 1865, p. 68
Extraído de «BGM», VI- n.º 18 de 7 de Abril de 1860
Extraído de «BPM», XI-12 de 20 de Março de 1865, p. 48

NOTA I – “Caetano Gomes da Silva (18?? – 20-11-1873) «asfixiado por submersão no rio de Macao entre a Fortaleza da Barra e Taipa». Alferes adido ao Batalhão de Artilharia de Macau, por carta patente de 29.11.1849; capitão do Batalhão de Infantaria. Morreu em circunstâncias trágicas, quando regressava a terra de um jantar a bordo da escuna «Príncipe Carlos». No trajecto para terra, atravessou-se-lhes na frente um fai-ai com 70 chineses, contrabandistas de ópio. Travou-se dura luta, ficaram feridos alguns oficiais e, além de vários marinheiros, morreu o capitão Gomes da Silva, cujo cadáver foi encontrado no dia seguinte na costa da Taipa, mostrando feridas com instrumento perfurante.” (FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, Vol. III, 1996, pp.685-686)

Em 05.12.1865 foi atribuído pelo Rei D. Luís I ao capitão do Batalhão de Linha de Macau, Caetano Gomes da Silva a condecoração com o hábito da Ordem de S. Bento de Avis. (https://digitarq.ahu.arquivos.pt/details?id=1413547)

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/11/20/noticia-de-20-de-novembro-de-1873-tragico-acidente-nas-aguas-do-porto-interior/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/caetano-gomes-da-silva/

NOTA II – A Travessa de António da Silva começa no cimo da Escada Quebra- Costas, entre o Pátio do Bonzo e a Rua da Aleluia, e termina entre a Rua do Pe. António e a Rua da Barra, em frente da Rua do Lilau. António da Silva nasceu em Lisboa, donde veio para Macau. Casou com Ana Maria Gonçalves; falecida esta, casou a 14-7-1812 com Ana Faustina Coelho dos Santos (1793 -?). António da Silva era dono duma grande casa, chamada «A Armação de António Silva», a qual foi comprada por Maria Bernardina dos Remédios e António Hugo dos Remédios. Em 1898, esta Armação serviu de asilo a uns 200 frades espanhóis, que se vieram refugiar-se em Macau durante a revolta das Filipinas contra a Espanha. A família Remédios legou esta casa à Diocese de Macau. (TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol. II, 1997, pp. 366-367)

NOTA III – Ofício do Senado de 14 de Abril de 1847: “Desde a Rua do chalé de Simão até outra vezinha d´escada de pedra chama-se Rua d´Alleluia” (TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol. II, 1997, p. 24)

Duas notícias extraídas do «Boletim do Governo de Macau, (1) de 1865, relativas ao baile de carnaval realizada no dia 27 de Fevereiro, no teatro D. Pedro V e à procissão do Senhor Jesus dos Passos realizada no dia 5 de Março, da igreja da Sé Catedral para a de Santo Agostinho.

(1) Extraído de  «BGM», XI-10 de 6 de Março de 1865,p. 38

Em 18 de Dezembro de 1582, as autoridades de Macau reconheceram oficialmente Felipe II de Espanha, como seu soberano, (Filipe I de Portugal) com a condição desta cidade servir de intermediária obrigatória das Filipinas nas suas relações com a China e que nada traísse aos olhos dos chineses da sua comunidade de soberano. Os mandarins perceberam, porém, bem depressa a mudança de regime (1)

Extraído de «Ephemerides da semana» in Bol. Gov. Macau», XIII-2, 14 de Janeiro de 1867, p. 8.

Em 1583, (2) foi criado o (Leal) Senado de Macau pelos bons ofícios de D. Belchior Carneiro. D. Leonardo de Sá viria a presidir às primeiras eleições do Senado (D. Belchior morreu pouco depois). Na origem desta importante instituição estava o facto de os portugueses residentes em Macau, receosos de se tornarem simples súbditos espanhóis (união ibérica -1580), terem deliberado em reunião presidida pelo Bispo D. Belchior Carneiro, criar uma forma de administração que lhes desse alguma independência. Nasce assim o Senado (foi autorizada a continuação do uso da bandeira portuguesa, com a aprovação do Vice-Rei da Índia, D. Francisco de Mascarenhas. Três anos depois, 10 de Abril de 1586, o Vice-Rei Duarte de Menezes concedeu ao mesmo Senado o estatuto e privilégios de Cochim (Évora e Coimbra), passando Macau s ser considerada como cidade portuguesa com o nome de Cidade do Nome de Deus do Porto de Macau na China. Com o Governo Municipal nasceu o cargo de Procurador, especificamente, em Macau, um dos mais importantes da hierarquia do senado. Tinha, entre outras funções, a de gerir as relações com a China; foi criada também uma guarda de segurança e muda-se o nome de “povoação” para “cidade” (3)

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

(2) 1583 – Fundação do Leal Senado – O Senado foi fundado pouco depois de 18 de Dezembro de 1582. (TEIXEIRA; Pe. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997, pp. 48-49.)

(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume I, 2015, p. 84