Archives for posts with tag: Boletim da Província de Macau e Timor

Hoje celebra-se o Festival de Outono, uma velha festa tradicional chinesa comemorado no 15.º dia de oitavo mês do ano, mais conhecida em Macau, entre os macaenses como a Festa do Bolo Lunar/ Bate Pau 月餅 ou das Lanternas. (1) A origem do bolo lunar terá sido na dinastia Tang, mas tornou-se mais popularizado na dinastia Ming (2)

Recupero uma notícia publicada no Boletim de 1868 (3) sobre esta festa:

Extraído de «BPMT», XIV-40 de 5 de Outubro de 1868, p. 186

(1) Também conhecida como “Festa do Meio do Outono”, por corresponder a uma época de colheitas, ou como “Noite de Apreciação da Lua”, visto a noite que antecede o Chong Chao (Festival do Bolo Lunar) chamar-se “Noite de Recepção da Lua”, e a noite seguinte chamar-se “Noite de Perseguição da Lua”. Daí a reunião familiar para apreciarem juntos a Lua, saboreando o “Bolo Lunar” e outras iguarias: arroz glutinoso, taro (inhame), toranja ou castanha de água.

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bolo-lunar-bolo-de-bate-pau-%E6%9C%88%E9%A5%BC/

(3) «BPMT», XIV-40 de 5 de Outubro de 1868, p. 186.

Extraído de «BPMT», XIV-38 de 21 de Setembro de 1868, p. 179

Governador de Macau –António Sérgio de Souza (3-08-1968 / 22-03-1872) Governador do Bispado (1866-1870) – Padre Jorge António Lopes da Silva (natural de Macau) nomeado em 1866, pelo Arcebispo de Goa. Era Mestre Escola, e pároco de S. Lourenço antes da nomeação.

A Igreja paroquial de S. Lázaro é dedicada Nossa Senhora da Esperança cuja estatua se vê no altar-mor; dos dois lados da nave ficam os altares do Sagrado Coração e de S. José. No cruzeiro, ergue-se uma cruz de granito, em cuja base se lê: «Cruz da Esperança, Ano 1637». Contíguo à igreja, fica o Asilo de S. José, construído por ocasião da epidemia de 1895 e que hoje é o albergue. A jurisdição espiritual da Paróquia de S. Lázaro não é local, mas pessoal, abrangendo toda a população chinesa de Macau, sendo por isso a maior e mais populosa freguesia da cidade.” (TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a sua Diocese I, 1940, p.171.)

Anteriores referências a esta Igreja: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-lazaro-n-sra-da-esperanca/

Extraído de «BPMT»,  XIV-38 de 21 de Setembro de 1868, p. 179

O vapor de guerra chinês Chin-Chin, de 60 cavalos de força, montado com 6 peças de artilharia, e comandado por Mr. Bessard, de Cantão, deu entrada em 12 de Setembro. Saiu em 29 de Setembro de 1868. O vapor de guerra chinês Sai-Tsing, com 60 cavalos de força, montado com 5 peças de artilharia deu entrada no porto de Macau no dia 16 de Setembro , comandado por Mr. Steward, de Cantão. Saiu de Macau em 19 de Setembro. O vapor de guerra chinês Tien-Pó, de 60 cavalos de força, montado com 6 peças de artilharia, comandado por Mr. de Longeville, de Cantão, entrou em Macau em 16 de Setembro de 1868 e saiu em 26 de Setembro.

Um tufão no dia 6 para 7 de Setembro de 1867, danificou severamente a galera “Asia” que saiu de Macau no dia 21 de Agosto, com 513 passageiros chineses para Callau de Lima, tendo sido avistado no dia 14 de Setembro pelo vapor “White Cloud” (efectuava a viagem para Hong Kong) que a rebocou para a rada de Macau.

A Galera devido ao tufão ficou “raso, perdendo os escaleres e abrindo água, morrendo dois dos passageiros na ocasião do desarvoramento”. Os colonos chineses passaram para o navio português D. Pedro I, que estava na rada aguardando viagem para Peru.

Extraído de «BPMT», XIII-37 de 16 de Setembro de 1867, pp. 217-218
Extraído de «BPMT», XVII-36 de 4 de Setembro de 1871, p. 143

NOTA I: No dia 29 de Junho de 1871, entrou na barra de Macau o brigue Conceição de Maria. No dia 2 de Setembro do mesmo ano, passou pela cidade um violento tufão, afundando-se, na ponta de Ka Hó (Coloane) a barca holandesa Rolina Maria e a galera russa Vistula. A primeira perdeu 7 homens da sua tripulação de 16 homens e da segunda salvou-se toda a tripulação de 22 homens. O brigue português Conceição de Maria, pertencente a Francisco Manuel da Cunha, que saía para Yokohama, com carga de açúcar e vinho, naufragou na ponta de Kaikiao (Ponta Cabrita), salvando-se toda a sua tripulação. A corveta Duque de Palmela, do comando do Capitão-Tenente Gregório José Ribeiro, a galera D. Maria Pia e a canhoneira Camões sofreram grandes avarias, em consequência dos embates com os barcos chineses dos quais 150 ficaram danificados. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia das História de Macau, Volume II, 2015, p. 198)

NOTA II – Na lista dos navios afundados, danificados e perdidos publicados em (1) consta:

DIA 2 /Setembro de 1871 – Rolina Maria – holandês: “The barque was driven ashore in a typhoon and wrecked at Macao, China with the loss of seven of her crew.”

DIA 3/Setembro de 1871 – Vistula – El Salvador: “The ship sank in a typhoon at Hong Kong.”

 (1) https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_shipwrecks_in_September_1871

Extraído de «BPMT», XIII-34 de 26 de Agosto de 1867, p. 199

… continua

NOTA: O Governador era José Maria da Ponte e Horta (26 Outubro de 1866 a 1868). A 18 de Agosto de 1867 foi eleito Deputado às Cortes por Macau, o anterior governador, o Conselheiro José Rodrigues Coelho do Amaral que governou Macau de 22-06-1863 a 1866.

Mais um ataque dos piratas à Ilha de Coloane, na povoação de Lai Chi Van (1)

Extraído de «BPMT», XIV- 32 de 10 de Agosto de 1868, p 153

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lai-chi-van/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/povoacao-de-lai-chi-van/

No dia 6 de Agosto de 1882, regressou do Japão o Governador e Ministro Plenipotenciário junto à corte da China, Japão e Sião, Joaquim José da Graça.

O «Boletim da Província de Macau e Timor» de 5 de Agosto de 1882 (suplemento ao n. 30) publicou o programa de recepção.

Extraído do «BPMT», Suplemento ao n.º 30 de 5 de Agosto de 1882

Joaquim José da Graça (1825 -1889), governador de Macau, então major de infantaria, nomeado a 04-09-1879 (1) com tomada de posse em 28-11-1879 até 23-04-1883 (data em que entregou o governo ao Conselho Governativo, para regressar ao reino em 27 de Março de 1883). (2)

 “A principal questão que tem pela frente é ainda e sempre ligada com as alfândegas chinesas, em torno de Macau. Como os dois antecessores também este governador visitou o Vice Rei dos dois Kuangs, de Cantão (regressou a 17-01-1881) mas, se isso é possível, a situação final foi ainda menos favorável. As indefinições eram muitas: que alfândegas, que linhas marítimas de separação, que assinaturas de quem… realmente a conseguir-se algo consistente tinha que ser entre as primeiras autoridades de Portugal e da China. “  (V. Governadores de Macau, pp. 266-268) (3)

https://www.geni.com/people/Joaquim-Jos%C3%A9-da-Gra%C3%A7a/6000000023253680552

(1) “21-08-1879 – Data dos Decretos de exoneração de Governador do Visconde de Paço d´Arcos; e nomeação para Governador do Coronel do estado Maior Filippe Joaquim de Sousa Quintella; este último Decreto foi anulado e foi nomeado o Major de Infantaria Joaquim José da Graça em 04-08-1879.” (3)

(2) “24-03-1883 – O conselheiro Joaquim José da Graça, exonerado por Decreto de 29 de Dezembro de 1882, entregou o governo ao Conselho Governativo, para regressar ao reino em 27 de Março de 1883.” (3)

(3) in SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015 pp. 229, 233, 235, 244 e 246.

Anteriores referências neste blogue a este governador: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joaquim-jose-da-graca/

Extraído de «BPMT»,  XIV- 32 de 10 de Agosto de 1868, p. 152

Mato Mofino – chamava-se ao mato onde hoje se ergue o grandioso edifício do Seminário de S. José; ainda nos meados do século XVIII, se chamava Rua do Mato Mofino, à actual Rua do Seminário (começa na Rua da Alfândega, ao cimo da Calçada de Franciso António, e termina na Rua de S. José, à porta do Seminário de S. José), Jorge Miguel (ou José Miguel), grego ou arménio católico, falecido antes de 25-02-1633, doou aos jesuítas as suas casas sitas no mato Mofino; para elas se transferiram, a 23-2-1728, alguns jesuítas de S. Paulo, fundando a nova residência da Companhia, chamada de S. José.

«Hoje 23 de Fevrº de 1728 se passarão de S. Paulo os Pes. Da Vice-Província (da China) p.a esta nova casa de S. José p.r ordem do Rdo. Pe. V. Provincial João de Sá – Luiz de Sequeira Procurador da V. Província»

TEIXEIRA, Padre Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, pp. 95-96.

Na tarde do dia 29 de Julho de 1875, pelas 17H00, deflagrou um incêndio numa casa situada na Rua da Cadeia Pública. (1) Foi debelado com a ajuda dos elementos militares (Força Naval e Batalhão de Infanteria) e do Corpo da Polícia de mar e terra.

Extraído de «BPMT», XXI-n.º31 de 31 de Julho de 1875, p. 134

(1) O Leal Senado mudou o nome da «Rua da Cadeia» para «Rua Dr. Soares», em memória dos serviços prestados no território do Dr. José Caetano Soares. A rua começa na Rua dos Cules, entre a Calçada do Tronco Velho e o Beco da Cadeia, e termina na Avenida Almeida Ribeiro, ao lado do edifício dos Paços do Concelho. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/rua-da-cadeia-rua-do-dr-soares/

Anteriores referências ao capitão e inspector interino dos incêndios, Frederico Guilherme Freire Corte Real, ver em; https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/frederico-g-freire-corte-real/