Archives for posts with tag: Blocos Filatélicos

Envelope (32 cm x 22,5 cm) do Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau a propósito de:

 澳門 世界遺 MACAU  PATRIMÓNIO MUNDIAL – MACAO  WORLD HERITAGE

Envelope
Verso do envelope

No seu interior, com a mesma temática, pagela (29,5 cm x 21 cm) dos Correios de Macau (PGL 074) emitida no dia 16 de Julho de 2005, data do lançamento /1.º dia de circulação de 4 selos, um bloco filatélico, um sobrescrito de 1.º dia formato C6 (16,2 cm x 11,4 cm) e 4 bilhetes postais. (1)

Capa + Contracapa

“Baseada no tema “O Centro Histórico de Macau”, esta colecção de selos foi concebida para ilustrar a identidade oriental-ocidental única de Macau. Fazendo uso da representação em banda desenhada de personagens portuguesas e chinesas, no contexto de monumentos históricos selecionados que incluem as Ruínas de S. Paulo, o Templo de A-Má, a Casa do mandarim, o Teatro D. Pedro V e a Igreja de S. José, estas ilustrações reflectem a história de Macau.

De um pequeno porto mercantil chinês nos seus primórdios, Macau tornou-se num povoado de raiz portuguesa, onde duas civilizações se encontraram e coexistiram durante mais de quatro séculos. Este encontro histórico marcou igualmente o início do intercâmbio cultural Oriente- Ocidente, patente nas crenças religiosas, nos estilos de vida e até as técnicas de construção, reflexos nítidos da coexistência harmoniosa das culturas ocidental e oriental num período de intercâmbio e simbiose. Esta tolerância e respeito pelo intercâmbio cultural consubstanciam o que tornou Macau e o seu património cultural tão único e precioso.” (2)

Interiores da capa e contracapa
Capa
Contracapa

Dados Técnicos – Design: Instituto Cultural (Victor Marreiros, Leong Chi Hang)

(1)

BO n.º 29 de 18-07-2995, p. 792

(2) Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau.

Catálogo de uma exposição de Aguarelas de Didier Rafael Bayle, (1) “ATÉ SEMPRE MACAU” que esteve exposta na Missão de Macau em Lisboa de 28 de Maio a 7 de Junho de 1991. (2)

Estiveram expostas 50 obras do autor de 1989-1990.

Esta exposição foi uma iniciativa da Fundação Oriente e da Missão de Macau em Lisboa.

A CAPA reproduz uma das obras do autor intitulada “VIELA VERMELHA” (1990), 36x55cm
CONTRA-CAPA – assinatura do autor

FICHA TÉCNICA: Design e Montagem da Exposição: Delfim Sardo e José Fabião; Design Gráfico: Guilherme Ung Vai Meng  e Cristina Mio U Kit; Fotografia: Agnelo Vieira  Impressão: Espaço Dois Gráfico.

As aguarelas expostas são criações dos dois anos (1989-1990) e nelas se pode facilmente notar o progresso artístico de Rafael Bayle. Uma maior certeza no uso da cor e na composição da pintura para recriar o ambiente favorito do artista. Também se nota, sobretudo nas suas panorâmicas da Praia Grande, nas suas vista da tradicional praça de «Fonte de Lilau», na belíssima vista do templo de «Tin- Háu», na ilha da Taipa, nas aprazíveis cenas no «Hotel Bela Vista» (local preferência do pintor) e outras, uma maior capacidade para recriar um beleza e serenidade internas.” (César Guillén-Nunez –“O Macau Pitoresco de Rafael Bayle”, pp.3-4 do Catálogo)

(1) Didier Rafael Bayle nasceu em Grenoble em 1955 sob o signo dos Gémeos. Estudou História e Belas Artes em Aix-en-Provence e, depois, no Instituto de Arte de Paris , onde  obteve, em 1976 o Certificado de Ensino das Artes Plásticas. Efectuou numerosas viagens na Europa, na América Central e do Sul e em 1982 estabeleceu-se em Hong Kong onde ensinou desenho na “French International School”. Percorreu o sudoeste asiático, registando em aguarelas as paisagens e cenas por que se apaixona. Fez várias exposições em Macau (Fevereiro de 1989, na Galeria da Livraria Portuguesa «MACAU») e em Hong Kong (1883-1985; 1987-1990). (dados retirados do Catálogo, pp. 5-7)

(2) BAYLE, Didier Rafael – Até sempre Macau. Catálogo de exposição de aguarelas-, Lisboa: Missão de Macau em Lisboa, 1991, 38 p.: il.; 25 cm x 24 cm.

NOTA: Foi posta em circulação pelos CTT em 1998, uma emissão extraordinária de selos designada «Macau vista por … Didier Rafael Bayle»

Poderá ver a biografia e algumas aguarelas deste pintor em: http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30034/2013 http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/20036/1336

A Direcção dos Serviços de Correios, (1) pôs em circulação, a partir do dia 1 de Março de 2004, cumulativamente com as que estavam em vigor, uma emissão extraordinária de selos designada «I Ching, Pa Kua IV» (2) constituída por 8 selos (formato hexagonal) , todos com a taxa de 2 patacas e um bloco filatélico com a legenda “Vigor e Vitalidade) com selo de 8,00 patacas. (2)           

Folha Miniatura série de 8 selos com o n.º 212834
Bloco Filatélico, contendo 1 selo de 8 patacas, com o n.º 031017.

Dados Técnicos

(1) Despacho do Chefe de Executivo n.º 300/2003 de 23 de Dezembro de 2003, publicado no n.º 52 de 29-12-2003, Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, Iª série-suplemento.

Despacho do Chefe do Executivo n.º 300/2003

(2) Álbum Selos de Macau: Carteira Anual 2004, p. 2.

NOTA: Os Correios de Macau lançaram, entre 2001 e 2010, sete emissões da série temática “I Ching, Pa Kua”. A oitava e última emissão desta colecção, é composta por oito selos representando os hexagramas Pi, Cui, Jin, Yu, Guan, Bi, Bo e Kun, e foi lançada em 1 de Março de 2012. Os Correios de Macau ainda lançaram no dia 9 de Outubro de 2014, uma elegante filatélica que reúniu numa colecção os produtos filatélicos da série “I Ching, Pa Kua”, da autoria do designer Chan Chi Wai.

Em comemoração do 5.º Aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, os “correios de Macau”, (1) lançaram no dia 20 de Dezembro de 2004, quatro selos de formato: 40.28 x 30 mm, (1.50 ptcs, 2.00 ptcs, 2.50 ptcs, 3.00 ptcs), um bloco filatélico de formato: 138 x 90 mm (contendo 1 selo – 49,28 x 30 mm – de 10.00 patacas) e um sobrescrito de 1.º dia (163mm x 229 mm). (2) Autor: Kuan Chon Kit

Bloco Filatélico n.º 0283917

(1) Despacho do Chefe do Executivo n.º 245/2004

(2) Álbum Selos de Macau: Carteira Anual 2004, p. 11.

Em comemoração do 55.º aniversário da Implantação da República Popular da China, em 1 de Outubro de 2004, (1) os Correios de Macau (C.T.T.) emitiram 4 selos, dois sobrescritos de 1.º dia (114 mm x 162 mm e 163 mm x 229 mm) e um bloco filatélico (138mm x 90mm) contendo um selo de 7 patacas (60 mm x 40 mm) subordinado ao significado dessa data. (2)

O autor dos desenhos é Wang Huming

Os valores dos selos são 1.00 ptc; 1.50 ptc; 2.00 ptc; 3.50 ptc. Formato dos selos: 40 mm x 30 mm

Bloco Filatélico n.º 132584
Dados Técnicos (2)

(1) A fundação da República Populr da China (RPC) foi formalmente proclamada por Mao Tsé-Tung, presidente do Partido Comunista da China, a 1 de outubro de 1949 às 15:00 horas na Praça Tiananmen em Beijing, a nova capital da China.

(2) Despacho do Chefe do Executivo n.º 210/2004 (BO N.º: 33/2004) publicado em 16-08- 2004, p. 1513 – Emite e põe em circulação uma emissão extraordinária de selos designada «55.º Aniversário da Implantação da República Popular da China»

Usando da faculdade conferida pelo artigo 50.º da Lei Básica da Região Administrativa Especial de Macau, e nos termos do n.º 2 do artigo 19.º do Decreto-Lei n.º 88/99/M, de 29 de Novembro, o Chefe do Executivo manda: 1. Considerando o proposto pela Direcção dos Serviços de Correios, é emitida e posta em circulação, a partir do dia 1 de Outubro de 2004, cumulativamente com as que estão em vigor, uma emissão extraordinária de selos designada «55.º Aniversário da Implantação da República Popular da China», nas taxas de  1,00 pataca, 1,50 patacas,  2,00 patacas, 3,00 patacas e Bloco com selo de 7,00 patacas e todas nas quantidadesde 325 000. 2. Os selos são impressos em 81 250 folhas miniatura, das quais 20 312 serão mantidas completas para fins filatélicos. 3. O presente despacho entra em vigor no dia da sua publicação. 9 de Agosto de 2004. O Chefe do Executivo, Ho Hau Wah.

(2) Extraído de   “ Álbum Selos de Macau: Carteira Anual”, Correios de Macau , 2004, p. 8

Na sequência da postagem anterior – emissão dos selos da colecção “Lendas e Mitos VDeuses da Ma Chou”,no dia 23 de Abril de 1998, pelo “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau”, (1) apresento o Bloco Filatélico n.º 0480007, com um selo de $ 10,00 (dez patacas) em que foram emitidos 1 800 000 exemplares.

Bloco filatélico – Desenho de Poon Kam Ling

Ao longo dos tempos, o nome da Deusa A MÁ e o nome da Cidade de Macau têm sido conhecidos simultâneamente e, por sua vez, MACAU é o nome português da Cidade a que chamamos em chinês «Porto da Deusa A MÁ». Há mais de 5 séculos que a figura da Deusa A MÁ têm sido venerada pelos numerosos pescadores que construíram o Templo A MÁ para o seu culto, continuando ainda hoje, a manter em permanente queima, incenso e pivetes, em sua homenagem.” (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/04/23/noticia-de-23-de-abril-de-1998-filatelia-lendas-e-mitos-v-deuses-da-ma-chou-i/

(2) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT, 1998

No dia 23 de Abril de 1998, (1) os “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau” emitiram uma colecção de quatro selos (cada um no valor de 4 patacas), outros quatro selos, idênticos aos anteriores, mas em prata (o primeiro conjunto de selos de Macau, em prata) e um Bloco Filatélico (contendo um selo de $ 10,00), intitulada “Deuses da Ma Chou”, o 5.º da temática “Lendas e Mitos” (2)

Também nesta data, foi posto à venda, o livro filatélico com as explicações históricas e técnicas dos selos da Deusa A MÁ. Apresento hoje, o invólucro exterior, a capa e contracapa do livro. (3)

Invólucro exterior
Invólucro exterior

Não se sabe ao certo a origem do nome de Macau mas muito provavelmente provém dos nomes da Deusa A MÁ. Para assinalar o grande acontecimento histórico da assumpção da Administração de Maca para a República Popular da China, produzimos o 1.º conjunto de selos em prata com os Deuses da Ma Chou que consagram a Deusa A Má e o templo com o mesmo nome. É uma colecção de muito interesse que perdurará para sempre.” (3)

Capa do livro
Contracapa
Contracapa
Autora dos selos e da ilustração da capa: Poon Kam Ling. Ilustrações de: Ng Wai Kin

(1) Portaria n.º 84/98/M de 13 de Abril

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/09/noticia-de-9-de-maio-de-1994-filatelia-lendas-e-mitos/

(3) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT,1998. Tiragem autorizada: 7 000; Preço de venda ao público: MOP $ 199,00

Lançamento no dia 17 de Novembro de 1989, pelos “Correios e Telecomunicações de Macau” de uma brochura sobre a presença portuguesa no Oriente, baseada na História de Macau e sua relação com Malaca, Tailândia, Goa, Japão e China, com textos da Dra. Beatriz Basto da Silva (em português e tradução para inglês de Luísa Guedes e para chinês de Ló Weng Un)  em 50 páginas ilustradas com fotografias e produtos filatélicos da emissão “Presença Portuguesa no Oriente”, em circulação a partir dessa data. (1)

Uma capa exterior individualizada: dimensões: 24,3 cm x 24.3 cm x 0,8 cm.
PRESENÇA PORTUGUESA NO ORIENTE
葡人在 東方 (2)
PORTUGUESE CULTURAL HERITAGE IN THE FAR EAST

Uma edição trilingue, rigorosamente limitada, numerada (5000 exemplares) e autenticada pelos CTT de Macau. Esta com a numeração: 979
Capa da brochura com “design” de José Manuel Cardoso.
Impresso na Tipografia Martinho, Macau.
Contra-capa: “ A História que vivemos em comum, Portugueses e Chineses, nestes últimos séculos de respeito mútuo é a melhor garantia do respeito e História que esperamos viver, lada a lado, no Futuro”
Os 5 selos dentro de um invólucro
Do outro lado do mesmo invólucro, o bloco filatélico (custo: 15 patacas) com 6 selos.
Cada selo apresenta em tinta prateada, o logótipo da exposição filatélica mundial “WORLD STAMP EXPO´89”.
Um texto acompanha cada um dos selos emitidos nomeadamente:
Selo de 40 avos – MALACA – Domínio dos Mares (pp. 16 – 21)
Selo de 70 avos – TAILÂNDIA – Diplomacia (pp. 22 – 29)
Selo de 90 avos – ÍNDIA – Irradiação Religiosa (pp. 30- 35)
Selo de 2.50 patacas – JAPÃO – O Comércio (pp. 36- 41)
Selo de 3.00 patacas – MACAU – Breve história e sua relação com Malaca, Tailândia, Goa, Japão e China. (pp. 5-15)
Selo de 7,5 patacas – CHINA – Interacção Cultural e Científica (pp. 42 – 49)
Dados técnicos dos selos:
Luiz Duran – autor/designer
Litografia  Maia – litográfica
40 avos – MALACA –  Demonstração da Fortaleza de Malaca
70 avos –  TAILÂNDIA – Diplomacia
90 avos – ÍNDIA – S. Francisco Xavier
2.50 patacas –  JAPÃO – Os biombos dos bárbaros do Sul
3.00 patacas – MACAU – Ruínas de S. Paulo
7,5 patacas – CHINA – Observatório Astronómico em Pequim
(1) Em anterior postagem foi mostrada o sobrescrito/envelope com 5 selos (obliterados no 1.º dia de circulação) desta emissão extraordinária (B. O. n.º 46 de 13 de Novembro de 1989 – Portaria n.º 188/89/M)
Ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/17/noticia-de-17-de-novembro-de-1989-filatelia-1-o-dia-de-circulacao-presenca-portuguesa-no-oriente/
(2) 葡人在 東方 – mandarim pīnyīn: pú rén zài dōng fāng; cantonense jyutping: pou4 jan4 zoi6 dung1 fong1

Em comemoração do 100.º aniversário do nascimento de Deng Xiao Ping –鄧小平 (1904-1997) o «Correios de Macau» emitiu da autoria de Wong Leung Chung dois selos nos valores: 1.00 e 1.50 patacas, um bloco filatélico, o sobrescrito de 1.º dia  e o carimbo respectivo.

Formato dos selos: 40 mm x 30 mm
Formato do Bloco Filatélico: 138 mm x 90 mm

Extraído da “Carteira Anual 2004”

Emissão / 1.º dia de circulação dos selos dos Correios de Macau / CTT MACAU, referente à colecção “Lenda e Mitos”, (1) este o VII, (2) dedicado a “Deus de Guan DI”, (3) no dia 30 de Junho de 2004. (4) Os desenhos são da autoria de Ng Wai Kin.
São quatro selos (30 mm x 40 mm) nos valores de 1,50 ptcs; 2.50 ptcs; 3,50 ptcs e 4.50 ptcs.
Também foi lançado nesse dia, um Bloco Filatélico (138 mm x 90 mm) (este exemplar: n.º 053617) contendo um selo (40 mm x 30 mm) de 9.00 patacas.
(1) Ver anteriores já publicados em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/filatelia/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/09/noticia-de-9-de-maio-de-1994-filatelia-lendas-e-mitos/
(2) Desde a primeira emissão da série “Lendas e Mitos”, lançada em 1994 pela Direcção dos Serviços de Correios, foram lançadas 10 emissões da mesma série até 2012, cujos temas se baseiam em conhecidas lendas e mitos ocidentais e orientais.
Para a carteira temática agora apresentada, foram seleccionadas 4 emissões desta série, lançadas entre 2003 e 2012, incluindo a emissão “Liang Shanbo e Zhu Yingtai”, de 2003, “Deus de Guan Di”, de 2004, “Lenda da Cobra Branca”, de 2011 e “O Pastor e a Tecelã” de 2012, com o objectivo transmitir às gerações futuras o conhecimento dos contos chineses.
https://philately.ctt.gov.mo/XVersion/News.aspx?lang=pt-pt&pm=783
(3) Guan Di /Kuan Ti / 關帝, nome histórico Guan Yu  關羽  também chamado Guan Gong ou Wudi, deus chinês da guerra cuja imensa popularidade com o povo comum repousa na firme crença de que seu controle sobre os espíritos malignos é tão grande que até actores faça sua parte em dramas compartilhar seu poder sobre os demônios. Guandi não é apenas um favorito natural dos soldados, mas foi escolhido patrono de numerosos ofícios e profissões. Isso porque Guan Yu, o mortal que se tornou Guandi após a morte, é considerado por tradição ter sido um vendedor ambulante de feijão no início da vida. Guan Yu viveu durante a época cavalheiresca dos Três Reinos (século III dC) e foi romantizado no folclore popular, no drama e especialmente no romance da dinastia Ming Sanguo Yanyi (“ Romance dos Três Reinos ”), como uma espécie de Robin Hood chinês.
Uma das histórias mais conhecidas da China conta como ele se tornou um dos Três Irmãos do Peach Orchard. Liu Bei , fabricante de sandálias de palha, interveio em uma briga que se desenrolava entre Guan Yu e um próspero açougueiro chamado Zhang Fei. Os três se tornaram amigos e fizeram juramentos de lealdade eterna que eles observaram fielmente até a morte.
Guan Yu foi capturado e executado em 219 DC, mas sua fama continuou a crescer à medida que os governantes conferiam títulos sucessivamente maiores a ele. Finalmente, em 1594, um imperador da dinastia Ming canonizou-o como deus da guerra – protetor da China e de todos os seus cidadãos. Milhares e milhares de templos foram construídos, cada um com o título Wu Miao (Templo Guerreiro) ou Wu Sheng Miao (Templo do Guerreiro Sagrado). Muitos foram construídos às custas do governo para que sacrifícios prescritos pudessem ser oferecidos no 15º dia da segunda lua e no 13º dia da quinta lua.
https://www.britannica.com/topic/Guandi
(4)  Despacho do Chefe do Executivo n.º 96/2004
Usando da faculdade conferida pelo artigo 50.º da Lei Básica da Região Administrativa Especial de Macau, e nos termos do n.º 2 do artigo 19.º do Decreto-Lei n.º 88/99/M, de 29 de Novembro, o Chefe do Executivo manda:
1. Considerando o proposto pela Direcção dos Serviços de Correios, é emitida e posta em circulação, a partir do dia 30 de Junho de 2004, cumulativamente com as que estão em vigor, uma emissão extraordinária de selos designada «Lendas e Mitos VII — Deus de Guan Di», nas taxas e quantidades seguintes:
1,50 patacas   325 000
2,50 patacas   325 000
3,50 patacas   325 000
4,50 patacas   325 000
Bloco com selo de 9,00 patacas 325 000
2. Os selos são impressos em 108 333 folhas miniatura, das quais 27 083 serão mantidas completas para fins filatélicos.
3. O presente despacho entra em vigor no dia da sua publicação.
26 de Abril de 2004.
A Chefe do Executivo, Interina, Florinda da Rosa Silva Chan.

與神話七mandarim pīnyīn: chuán shuō yǔ shén huà qī ; cantonense jyutping: cyun4 seoi3 jyu1 san1 waa2 cat1